O 17º aniversário do Kirchentag ecumênico, o “festival” dos protestantes na Alemanha

O 17º aniversário do Kirchentag ecumênico, o “festival” dos protestantes na Alemanha

Fotos do Kirchentag 2019 do Dortmund, de www.kirchentag.de

Roma (NEV), 27 de maio de 2020 – O Kirchentag, a festa eclesiástica evangélica alemã, fundada em 1949, aconteceu pela primeira vez em forma ecumênica em Berlim há 17 anos, em 28 de maio de 2003. Um encontro de cristãos de todo o mundo Alemanha e não só, da qual participaram tanto a Igreja Católica quanto protestantes e evangélicos.

Desde então, este grande evento se repete a cada dois anos para as igrejas protestantes, durante cinco dias durante os quais se alternam debates, momentos de oração, reflexões, atraindo milhares de crentes não só da Alemanha, mas de toda a Europa e também de outros continentes.

No ano passado, em 2019, assim como em 2017, alguns representantes da FCEI e, em particular, do programa de refugiados e migrantes, Mediterranean Hope, também participaram do Kirchentag.

Uma imagem da última edição do Kirchentag, em Dortmund em 2019

“Se eu tivesse que descrever o que é o Kirchentag – explica Marta Bernardini, operadora do MH, que aliás foi convidada da última edição do evento alemão – eu chamaria de imediato o “Festival das igrejas protestantes na Alemanha”. Uma festa porque o ar que se respira é de festa e alegria, de grande emoção e intensidade. Cada Kirchentag tem um título, portanto um tema em torno do qual se desenvolvem conferências, debates, eventos, há convidados internacionais, apresentações artísticas, há stands que dão vida a um verdadeiro “mercado” de realidades, associações, igrejas não só da Alemanha mas de No mundo todo. Seguem-se os momentos de adoração, oração, canto, vividos em grandes espaços, em locais sempre sugestivos como grandes cidades ou parques. Os temas escolhidos estão ligados ao presente, conseguindo abordar questões sócio-políticas, justiça, ecologia, paz com um olhar evangélico. Nossas igrejas – continua Bernardini – têm um vínculo histórico e vivo com as igrejas irmãs na Alemanha e o envolvimento do componente italiano já está consolidado. Há estandes de nossas obras e pensões, há reuniões, cultos, estudos bíblicos conduzidos por pastores ou membros de nossas igrejas também em italiano, porque muitos gostam de manter viva uma língua aprendida talvez justamente durante os períodos de estudo ou intercâmbio entre as igrejas. Nesse clima de amizade e fermentação, tive o prazer de participar dos dois últimos Kirchentags em nome do projeto Esperança Mediterrânea da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Uma forte lembrança permanecerá de 2017, um ano particularmente excepcional devido ao 500º aniversário da Reforma, quando tive a oportunidade de apresentar os corredores humanitários durante o serviço de encerramento em Wittenberg. Encontrei-me num grande palco num imenso prado verde com a emoção de partilhar aquele momento perante 120.000 pessoas: a minha voz de uma pequena realidade fundiu-se numa comunidade mais ampla e universal – conclui o operador do MH -, a dos irmãos e irmãs unidas em Cristo”.

O próximo compromisso do evento, que acontece a cada dois anos, será em 2021, de 12 a 16 de maio, em Frankfurt. O tema do próximo ano será o ecumenismo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Quando os migrantes querem rezar

Quando os migrantes querem rezar

foto de Corey Collins @unsplash Roma (NEV), 19 de janeiro de 2023 – “A realidade do pluralismo religioso é muito mais difundida e enraizada do que ainda está institucionalizada, […] comunidades que são lugares onde os desenraizados encontram esperança e também a possibilidade de redenção". E depois um "postal de Lampedusa". Onde são guardados muitos objetos religiosos que os migrantes carregam em barcos pelo Mediterrâneo. “Temos uma narrativa que nos diz que aquele objeto é socialmente perigoso, perturbador, oneroso. Tentamos demonstrar que esse objeto é um recurso, é um capital humano e social, e é um pecado no sentido bíblico não usar esse talento, não alugar esse capital”. Com estas palavras, respectivamente Maurizio Ambrosini e Paolo Naso, dois dos autores de Quando os imigrantes querem rezar. Comunidade, pluralismo, bem-estar (ed. il Mulino, 2022), com Samuel David Mollyconcluíram uma reunião ontem à noite, no Campidoglio, a partir de seu último trabalho. A apresentação do livro e a posterior mesa redonda contaram com a presença do vereador da cidade Carla Fermariello para Roberto Gualtieri Prefeito de Roma, Tobias ZeviConselheiro para Políticas de Patrimônio e Habitação de Roma Capital, Frank Hippolytuspresidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Yassine Laframpresidente da União das Comunidades Islâmicas na Itália, o ex-ministro Luciana Lamorgeseprefeito, marco impagliazzopresidente da Comunidade de Sant'Egidio, Mons. Lúcio Eles parecem do dicastério para o diálogo inter-religioso e Mons. Siluan Șpan, bispo da diocese ortodoxa romena na Itália. A nomeação foi moderado por Cláudio Paravatidiretor da revista e Centro de Estudos Confronti. Aqui está o vídeo e a gravação completa da reunião de ontem no Campidoglio, editada pela Radio Radicale: ...

Ler artigo
A Resistência Transmitida – Nev

A Resistência Transmitida – Nev

Roma (NEV/Riforma.it), 24 de abril de 2023 – Pelo menos quatro gerações se sucederam desde 8 de setembro de 1943, que marcou o período mais difícil da Resistência contra o nazifascismo, em oitenta anos, enquanto as testemunhas diretas partiram. Ao longo desse tempo, os historiadores trabalharam na reconstrução dos acontecimentos, dinâmicas e interpretações, com obras polêmicas como as de Renzo De Felice ou com leituras, como a de Claudio Pavone que reconheceu, a partir do próprio título de seu livro mais famoso , Uma guerra civil. Ensaio histórico sobre a moral na resistência (Turim, 1991), a existência simultânea de três guerras: uma patriótica, uma de classe e uma civil. Também houve muita discussão sobre questões como o papel da dissidência na era fascista quando, entre 1926 e 1943, 15.806 antifascistas (891 mulheres) foram encaminhados ao Juizado Especial de Defesa do Estado e até 12.330 ( 145 mulheres) enviadas para o exílio interno e ainda 160.000 submetidas a “supervisão especial”. O projeto totalitário foi analisado através da educação da juventude e da efetividade dos mitos do Império, da civilização italiana e católica, do legado imperial, etc. Por um lado, foi sublinhada a escolha motivada dos partidários, que depois de terem deixado as suas consciências balançar no vazio, recuperaram a plena responsabilidade individual nos valores da liberdade e da justiça. Por outro lado, a obediência daqueles que, participando na guerra patriótica, consideravam a morte um “feliz martírio”, como recitam várias canções fascistas, necessária para aniquilar o inimigo, identificando-se num projeto total de ação violenta. Esta página da história dividiu a sociedade italiana, mesmo na memória posterior. No entanto, a história da Resistência não pode ser esquecida por pelo menos três razões. A primeira é que sua moral fundamentava os valores da Constituição italiana. Para que se enraizasse, teria sido necessário um sólido projeto de formação das gerações seguintes nas escolas e fora delas, também com o exemplo de uma representação política coerente. A segunda razão é que era preciso admitir que nem todos haviam escolhido, que muitos haviam "olhado", defendendo a própria especial. A Resistência não perturbou apenas os aliados - a 7 e 26 de Dezembro de 1944, nos documentos nascidos das reuniões entre Cinai (Comité de Libertação Nacional da Alta Itália) conhecidos como Protocolos de Roma, os britânicos negaram a este órgão o reconhecimento da função governamental que lhe confiava com um simples papel técnico - mas uma parte dos aparatos institucionais que, com a anistia de Togliatti, retomam a continuidade com o fascismo. A brecha na sociedade italiana, em outras palavras, quase nunca foi sanada com um salutar ato de justiça. A enorme tarefa de curar as feridas da oposição entre os italianos não se cumpriu na franqueza de verdades transparentes, mesmo incômodas, e vemos ela se arrastar até o nosso presente, reverberada na linguagem totalitária e discriminadora daquelas forças políticas de flagrante fascismo antepassados. A terceira razão pela qual a história da Resistência não pode ser esquecida é que, mesmo que não seja dita, ela permanece exatamente com suas divisões na sociedade italiana, porque a Resistência é certamente um acontecimento histórico, mas também um sentimento e um estilo de vida que todos A era fez com que as pessoas se descobrissem não como os brados de hosanas nas praças à guerra e a Mussolini, mas como aquele com quem compartilhar uma nova visão de vida comum, respeitosa uns com os outros. A escolha de ontem, diz Pavone, sempre precisou ser renovada a cada dia. Assim como para nós hoje, todos os dias nos perguntamos o que significam os Princípios da Constituição. Foto de Nadia Ginevra Goglio, Monumento em memória dos guerrilheiros que morreram nas mãos dos fascistas, Fondotoce (VB) ...

Ler artigo
Ódio online, mais um ataque anti-semita.  Condenação da Igreja Luterana

Ódio online, mais um ataque anti-semita. Condenação da Igreja Luterana

Wiki imagem comum Roma (NEV), 8 de fevereiro de 2021 – “Estou profundamente impressionado. Acima de tudo porque este ataque é, para mim, uma indicação de quão difundido e perigoso é o anti-semitismo mesmo aqui na Itália”. Como Heiner Bludaureitor da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), após o atentado antissemita que interrompeu o encontro em memória de Amós Luzzatto. Organizado pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) de Veneza, a Comunidade Evangélica Luterana de Veneza e a Casa de Cultura Judaica "Beit", o encontro foi adiado para data a ser definida. “Mas os números são uma coisa, a realidade é outra – continua o reitor Bludau -. Também me aconteceu de me encontrar diante de pessoas que expressavam pensamentos de clara origem anti-semita. Além disso, este ataque de hackers ao evento SAE em Veneza me faz entender que o anti-semitismo não está apenas aninhado nos preconceitos - mais ou menos ocultos - de muitos, mas pode levar a comportamentos planejados e agressivos. Mesmo que o atentado de 7 de fevereiro passado tenha sido perpetrado “apenas” digitalmente, ele evidencia a necessidade de levar muito mais a sério do que hoje, tanto no plano social quanto no eclesiástico, esse anti-semitismo que levanta a cabeça e encontra novas saídas. Não basta postar uma imagem de viaturas militares patrulhando sinagogas. Para proteger verdadeiramente a população judaica e combater o flagelo do anti-semitismo em todas as suas formas, tanto cultural quanto socialmente, precisamos lidar com determinação acima de tudo com o que se passa na cabeça das pessoas”, conclui Bludau. Assessoria de Imprensa SAE “Existe uma etapa do Trégua (retomado em Os afogados e os salvos ) no qual Primo Levi fala da vergonha sentida pelos soldados russos na libertação de Auschwitz. – Lê-se no comunicado da SAE: 'Foi a mesma vergonha bem conhecida por nós, aquela que nos submergiu depois das selecções, e todas as vezes tivemos de presenciar ou submeter-nos a um ultraje […] aquilo que o justo sente diante da falta cometida por outrem, e lamenta que exista, que tenha sido introduzido irrevogavelmente no mundo das coisas que existem, e que sua vontade tenha sido nula ou escassa, e não tenha sido eficaz Em defesa'". No domingo, 7 de fevereiro, a SAE volta a escrever: “embora numa situação objetivamente incomparável com a anterior, o sentimento era semelhante. A reunião teve que ser interrompida em memória de Amos Luzzatto. Por computador e protegidos pelo anonimato, os hackers colocaram online imagens de Hitler, palavrões, slogans anti-semitas, cenas de pornografia e várias outras formas de perturbação. Num período em que os indivíduos se reúnem com dificuldade, a violência encontra outros canais para se expressar. A memória de um homem que dedicou sua vida à justiça, ao diálogo, ao cuidado e ao encontro com o ser humano foi ofendida e humilhada”. Ao anunciar a denúncia nos fóruns apropriados, a SAE informa que “a reunião se repetirá de forma mais protegida: até a telemática agora precisa de baluartes defensivos”. Muitas mensagens de solidariedade chegaram aos organizadores. O que fazer A Agência NEV propõe uma série de insights sobre segurança cibernética para refletirmos juntos sobre a questão do ódio online. Leia aqui: Ódio e perigos online / 1. Seja ético, seja protestante – Ataques virtuais, vulnerabilidades de igrejas, responsabilidade de segurança cibernética. Precisamos de mais conscientização e treinamento. Conversamos sobre isso com o engenheiro Stefano Frache. Ódio e perigos online / 2. O que fazer para se proteger de invasões – Zoom bombing, segurança de rede e implicações sociais. Discutimos isso com o especialista em computação forense Gianluca Buttigliero. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.