Oração ecumênica de encerramento do Tempo da Criação

Oração ecumênica de encerramento do Tempo da Criação

Foto Riccardo Chiarini / Unsplash

Roma (NEV), 1º de outubro de 2020 – Já são quase mil os inscritos no serviço ecumênico online de oração para o encerramento do Tempo da Criação, o período litúrgico que envolve cristãos de todo o mundo todos os anos, de 1º de setembro a 4 de outubro e de todas as tradições rezar e agir para proteger o meio ambiente

Líderes cristãos de todo o mundo conduzirão uma celebração ecumênica pelos frutos da estação e refletirão juntos sobre os próximos passos no “cuidado da casa comum”. O pastor participará da oração Martin JungeSecretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF), John Chryssavgisrepresentante do Patriarca Ecumênico HAH Bartolomeu Ia pastora Jeannette Ada Maina(FLM), o pastor Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), Sr. Sheila KinseyCo-Secretária Executiva da Comissão Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC) da União Geral Internacional das Superioras, Bispo Griselda Delgado del CarpiaCuba, a pastora Najla KassabPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), Ef TenderoSecretário Geral da Aliança Evangélica Mundial e Agnes AbuomModerador do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC).

Para participar clique AQUI


No dia 3 de outubro, ligada a partir de Turim, no final do Tempo da Criação, a iniciativa “Frágil mas interligada”, promovida pela associação Triciclo em colaboração ecuménica com várias realidades protestantes, católicas e seculares (incluindo a igreja valdense, as igrejas baptistas no Piemonte, Hospitalidade Eucarística e Comissão de Globalização e Meio Ambiente – GLAM – da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – FCEI).

No programa, presencial e via web, uma reflexão com o ecoteólogo Marcelo Barros: “Guardiões, não mestres da criação”.

Para a Temporada da Criação, a GLAM preparou também um Dossier dedicado aos oceanos e intitulado:

“Águas do mar, fonte de vida”.

O Dossiê, que pode ser baixado aqui, contém materiais bíblicos, litúrgicos e homiléticos, além de fichas informativas, vídeos e artigos.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Escuta, diagnóstico e tratamento

Escuta, diagnóstico e tratamento

Imagem retirada do flyer do curso "Escuta, diagnóstico e tratamento" com o pároco valdense Sergio Manna, organizado e promovido em colaboração com o Conselho das Igrejas Evangélicas do território romano - maio de 2023 Roma (NEV), 18 de maio de 2023 – Acaba de terminar em Roma o curso “Escuta, diagnóstico e tratamento” com o pastor valdense Sérgio Maná. Especialista em "Educação pastoral clínica" (CPE), Manna é capelão clínico e supervisor certificado no Faculdade de Supervisão Pastoral e Psicoterapia. O curso, que decorreu nas instalações da igreja valdense na via IV novembro - a mais antiga da capital, fundada após o rompimento da Porta Pia - foi organizado e promovido em colaboração com o Conselho das Igrejas Evangélicas do território romano. “É um módulo de três dias que venho propondo há vários anos – explica Sergio Manna -. Existem cursos no hospital, obrigatórios para os nossos alunos de teologia (os pertencentes ao CPE), mas há algum tempo surgiu a necessidade de organizar cursos dirigidos aos leigos das comunidades, a pessoas que tenham a intenção de realizar um trabalho voluntário serviço, aos chamados visitantes locais, aos diáconos... Pensemos, por exemplo, nos Consistórios. Outrora, na visão reformada, o Consistório era imaginado mais do que um órgão administrativo como um colégio de anciãos e anciãs com a função de cuidar da comunidade. Um papel que ainda hoje pode e deve ser valorizado”. O curso decorre cerca das 9h às 17h, com intervalo para almoço, durante três dias. Isso é treinamento básico. Primeiro dia: o que é ouvir? O primeiro dia é inteiramente dedicado ao tema da escuta. “O que é a escuta empática? Como as palavras e emoções nos ajudam a entender e reconhecer o que a pessoa está vivenciando? O primeiro passo é simplesmente ouvir. Depois, a gente se aprofunda no assunto para entender como aprender a arte de curar”, diz o pastor. Por exemplo, trabalhamos em verbatim. Uma espécie de transcrição anônima, em forma de linguagem direta e com total respeito à privacidade das pessoas envolvidas, de uma visita pastoral efetivamente realizada. A situação é relida, reproduzida, analisada. “Proponho 7 casos – diz Sergio Manna -. Em cada um deles, há uma pessoa dizendo uma determinada frase. Portanto, convido você a discutir o que essa pessoa está dizendo e sentindo, trabalhamos cada palavra, tentando parafrasear e devolver o conteúdo emocional. A segunda parte do exercício consiste em escolher, com base na sua própria interpretação, o que pode dizer à pessoa em questão. Proponho respostas possíveis, que são muitas. Se nenhuma das frases for convincente, peço que outras sejam propostas”. Pontualmente, Manna nos conta novamente, “acontece que quem participa do curso se identifica com a situação em questão e responde com base no que sente, ao invés de reconhecer as emoções e palavras da pessoa cujas necessidades estamos analisando” . Um caso clássico é o de uma pessoa que fica zangada porque os filhos não a visitam. Quando perguntado: "Como essa pessoa se sente?" alguns respondem: “ele se sente culpado”. Não, diz Manna, “essa pessoa está com raiva. É uma emoção mais difícil de administrar e reconhecer, mas na verdade é raiva. Devemos entender que a raiva é uma das emoções básicas dos seres humanos e devemos tentar descobrir o que fazer com ela. Tenha raiva e não peque, diz o apóstolo Paulo, como que para nos lembrar que essa emoção não deve ser reprimida, mas controlada”. Segundo dia: diagnóstico pastoral e espiritual O segundo dia de formação centra-se no tema do diagnóstico: “Todo mundo fala de pastoral e de cuidado espiritual, mas quase ninguém fala de diagnóstico, pastoral ou espiritual. Eu trabalho neste conceito porque é uma coisa muito importante. Tudo bem se um médico nos desse uma cura sem fazer um diagnóstico? Não. A mesma coisa vale no cuidado das almas”, afirma o pároco. São referidos dois modelos, um dos quais desenvolvido pela psicóloga Paul Willem Pruyser em meados dos anos 70. Pruyser, autor entre outras coisas do livro “O ministro como diagnosticador”, fala de pastores e sacerdotes em um “novo cativeiro babilônico”, retomando a linguagem de Lutero. “O risco é de imitar as línguas. Algumas variáveis ​​têm como conotação termos que derivam da espiritualidade, com origem bem mais antiga que o nascimento da psicanálise e da psiquiatria – argumenta Manna -. Alguns psiquiatras tratam a questão da fé como se pertencesse a uma patologia. Em um registro médico de um paciente que pode ter revelado sua fé, observou-se que este paciente tinha 'a estranha fantasia' de que Jesus era seu 'salvador pessoal'. Os psiquiatras subestimam a contribuição positiva da fé no processo de cura, assim como os capelães às vezes não levam suficientemente a sério os aspectos psicológicos". Outro elemento importante do curso é representado pela análise das ferramentas de cuidado. Ferramentas de cuidado que são “nossas e dos pacientes – especifica o pároco -. Recursos espirituais, orações, leituras, escrituras. E muitos outros, que talvez pertençam a um universo religioso que não é necessariamente o meu, por exemplo os ícones para um crente ortodoxo, mas que devem ser valorizados”. Terceiro dia: cuidado espiritual dos moribundos A terceira parte enfoca o cuidado espiritual dos moribundos, seus familiares e queridos doadores. Também esta seção do curso consiste em uma parte teórica e depois de um trabalho sobre textualmente ligado a experiências concretas. Uma experiência a repetir O curso contou com a participação de 25 pessoas das diversas comunidades pertencentes à Consulta que, recordamos, congrega valdenses, metodistas, batistas, adventistas, luteranas e a comunidade evangélica francófona de Roma. Entre eles, visitantes, alguns simpatizantes das igrejas e também dois psicólogos. “Temos recebido um feedback muito positivo”, comentou o pastor Winfrid Pfannkuche que, juntamente com sua esposa Nadia Delli Castellicuidou da logística e hospitalidade da igreja valdense na via IV novembro. “Acho que é uma experiência a ser repetida, e talvez repetida ciclicamente – continuou Pfannkuche – especialmente em uma cidade como Roma. A ideia era nos encontrarmos, no pós-covid, para sair do egocentrismo, dos entrincheiramentos. Reabrir aos outros, fazê-lo juntos também em chave ecumênica, pelo menos entre os protestantes, e recuperar a atenção para o que está ao nosso redor, no território, na cidade. Há muito a ser feito para refazer os laços comunitários. As visitas têm prioridade, mas tem se tornado difícil realizá-las, às vezes até atrapalhadas. Dez, vinte anos atrás, as pessoas esperavam a visita do pastor, ela era considerada fundamental. Agora algo mudou, na confiança, na confidência, nos hábitos. Encontros como este, podemos realmente dizer, são… maná no deserto”. O interesse por este curso demonstra a capacidade e o desejo de ser comunidade, de querer ser e (re)construir-se como povo protestante em Roma. “Roma é a cidade mais protestante da Itália – repetiu o pastor Pfannkuche, parafraseando Paulo rico -. Roma, porém, vive uma fase de forte desintegração e abandono. Vemos também um forte reflexo do que acontece a nível social nas igrejas, cujo potencial nem sempre é bem aproveitado. Da transformação da mentalidade em relação à evangelização, à fuga da cidade; do turismo de massas ao desamor por um centro histórico agora pano de fundo de tudo menos do passado. Ir à igreja longe de casa tornou-se cansativo. Por isso, como equipe pastoral valdense e metodista, estamos trabalhando para criar relacionamentos, mesmo na diáspora, mesmo no esforço 'elitista' de ser uma minoria. Dar vida a uma formação transversal que une as realidades de diferentes igrejas em Roma é algo excepcional. Temos que caminhar nessa direção”. Este curso é gratuito para as comunidades e está disponível para todas as igrejas da Itália. Já foram realizadas edições, por exemplo, na Puglia, Roma, Bérgamo e Milão. Ao final do treinamento é emitido um certificado. O flyer do curso: brochura CPE VISITORS Roma2023def Para informações: [email protected] ...

Ler artigo
Protestantes, um “todo” sempre em construção

Protestantes, um “todo” sempre em construção

Há cinquenta anos, a 16 de Março de 1973, foi assinado o "Convénio de Leuenberg", a partir do nome da localidade suíça perto de Basileia: um acto de reconhecimento mútuo e superação das divisões históricas entre luteranos e reformados, uma etapa importante numa processo que levou à formação de uma comunidade de igrejas que desde 2003 toma o nome de Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE-GEKE). Cerca de cem igrejas, entre a Europa e a América Latina, para um total de 50 milhões de protestantes, fazem parte dela hoje, incluindo a União das Igrejas Metodistas e Valdenses na Itália com a Iglesia Evangélica Valdense del Rio de la Plata e a Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Reflexão teológica comum, reconhecimento de ministérios e sacramentos, cooperação e testemunho comum são os pilares desta comunhão regulada por uma Assembleia Geral realizada a cada 6 anos (a última foi realizada em 2018 em Basel, e a anterior em 2012 em Florença) e por um Conselho de 13 membros coordenado por um Bureau com sede em Viena. Mas a "comunhão" entre as igrejas é um caminho que está em constante construção, diz-nos Oliver Engelhardt, chefe de relações entre as igrejas do CCPE, a quem perguntamos qual é a importância do acordo de Leuenberg hoje: “O Acordo de Leuenberg é o documento teológico na base da Comunhão das igrejas protestantes na Europa. Algumas partes dela, por exemplo, a superação das condenações doutrinárias do século XVI, podem hoje ser tomadas como certas. Por outro lado, Concordia nos dá algumas tarefas, que também são importantes em uma perspectiva de longo prazo. Várias questões dogmáticas foram discutidas e de alguma forma resolvidas, mas há questões éticas que exigem ação e palavras por parte das igrejas. Concórdia nos chama a não nos contentarmos com a comunhão entre nossas igrejas protestantes, mas a buscar uma maior reconciliação e aproximação com outras igrejas e tradições denominacionais, ainda não há menção a outras religiões. Vejo a importância da tradição de Leuenberg por dar uma base teológica à nossa comunhão de igrejas, que é muito mais do que compartilhar a vida no mesmo continente. Para mim o desafio é aproximar ainda mais as igrejas, tornando assim essa comunhão mais profunda e ampla para servir as sociedades em que vivem nossas igrejas. Chamamos esse desafio de 'ser igreja juntos'”. Um grande simpósio acadêmico internacional está planejado para março (9-11) na Hungria, organizado pela Universidade Teológica Reformada de Debrecen. Em 27 de janeiro, porém, a conferência organizada pelo Instituto Protestante de Teologia em Paris… Continue lendo em Riforma.it ...

Ler artigo
Ainda sabemos reconhecer o mal?  Entre ciência, filosofia e teologia

Ainda sabemos reconhecer o mal? Entre ciência, filosofia e teologia

foto JW/Unsplash Roma (NEV), 3 de maio de 2022 – “Ainda sabemos reconhecer o mal? Reflexões sobre o mal entre ciência, filosofia e teologia". Este é o título da conferência promovida e organizada pelo Centro Cultural Protestante de Turim. Marcação presencial ou direto no FaceBook nos dias 5, 6 e 7 de maio de 2022. Esta conferência sobre o tema do mal nasceu de uma intuição do pároco Paulo Ribet, Presidente do Comitê Científico do Centro Cultural Protestante de Turim. “Começamos há três anos, no outono de 2019, com uma conferência semelhante intitulada Dire Dio oggi. Como Deus é dito e pensado nas sociedades contemporâneas – explica Ribet, questionado pela Agência NEV -. Continuando com a reflexão, quase que natural pensar no oposto de Deus, ou seja, no mal. Especialmente desde que a pandemia de covid começou em 2020. A guerra na Ucrânia agora torna esta questão dramaticamente atual”. O Comitê Científico decidiu ampliar a discussão. “O tema de Deus e o tema do mal estão entrelaçados – continua o pároco -. Ainda sabemos reconhecer o mal? Continua sendo um grande quebra-cabeça. A conferência não pretende dar uma resposta absoluta, mas tentará dar uma contribuição. O bem e o mal viajam juntos. A ideia de respeito ao outro, por exemplo, traz consigo a ideia de que está tudo bem, até o próprio mal. De alguma forma, no final, isso leva a uma incapacidade de apreender distinções éticas e, portanto, também à impossibilidade de ter perspectivas para o futuro”. Perguntas e reflexões para entender as perspectivas futuras A reflexão sobre este tema parte de uma espécie de “caminho de aproximação”, continua Ribet. De reuniões para pregadores locais sobre o tema do pecado, em colaboração com a Faculdade de Teologia Valdense. Aos estudos bíblicos sobre a figura de Jó. São palcos de uma reflexão sobre inquietações pessoais e coletivas que envolvem profundamente a dimensão humana. Recentemente, relata o pároco, nasceu uma coordenação de centros culturais em chave protestante e interdenominacional, que envolve, entre outras coisas, Turim, Milão, Bérgamo, Florença, Sondrio. Esses caminhos podem ser um estímulo para um estudo mais aprofundado. “Tenho a impressão – conclui Paolo Ribet – de que a questão atual e angustiante da guerra será abordada. Como lidamos com a questão do mal, em geral, também nos diz como lidamos com nosso futuro. De que perspectiva lidamos com o problema ucraniano? Para onde queremos ir? Fazer perguntas pode nos ajudar a entender diferentes perspectivas.” O Centro Cultural está diretamente envolvido no processamento. Entre os oradores contam-se, aliás, alguns representantes da Comissão Científica, como por exemplo Pepino Ortolevaprofessor de Ciências da Comunicação, e Clare Simonigh, professor de mídia e cultura visual, ambos da Universidade de Torino. Além disso, Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, bem como presidente da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). Garrone falará sobre "Como falar do mal sem simplificações, e sem argumentar". Estrutura da conferência O cartaz da conferência diz: “A primeira sessão será dedicada a Dor. É o mal que se manifesta como um poder estrangeiro e inimigo, obscuro e pouco inteligível, que, como estamos a viver - com a pandemia, com a guerra - nos ataca, nos invade, perante o que muitas vezes somos desarmados. A segunda sessão será dedicada a Mal e religiões. Representantes de algumas das grandes religiões e especialistas em assuntos bíblicos ajudarão a esclarecer a visão das religiões sobre este assunto. A terceira sessão será dedicada a A violência. Esta sessão pretende examinar os males pelos quais os seres humanos são diretamente responsáveis, examinando os aspectos jurídicos, políticos e econômicos das desigualdades e injustiças, a crise ambiental iminente, a violência que, de formas cada vez mais difundidas, é exercida através da mídia. A quarta sessão intitulada Um mal, muitos males, males infinitos? ele puxará os fios da discussão ao resumir e organizar as perspectivas que surgiram". A conferência pode ser acompanhada online na página do Facebook "Centro Culturale Protestante di Torino". As atas da conferência serão então publicadas na revista Protestantesimo. Descarregue aqui o folheto. RESUMO DO PROGRAMA Quinta-feira, 5 de maio, das 14h30 às 18h30 Dor caixas de som Enzo Bianchi: O enigma do mal Sérgio Maná: Deus e o Mal: ​​Uma Perspectiva Teológica Pepino Ortoleva: Mal em todos os lugares, mal invisível Paolo Vineis: O mal pode ser prevenido Apresenta e modera: Paulo Ribet Sexta-feira, 6 de maio, das 9h30 às 12h30 Mal e religiões caixas de som Ariel Di Porto: As declinações do mal na tradição judaica Swamini Hamsananda Giri: Dharma e adharma. A finitude do mal Eric Noffke: Eu vi Satanás cair do céu como um raio!» (Lucas 10,18) Mas então para onde ele foi? Fulvio Ferrario: Adeus Agostinho? Notas sobre a doutrina do pecado original Moderado: maria bonafede Sexta-feira, 6 de maio, das 14h30 às 18h30 A violência caixas de som Clare Simonigh: O lado escuro da tela. A mídia e a experiência do mal Gabriela Lettini: Maldade e Lesão Moral Christoph Wulf: O mal não intencional no antropoceno e as tentativas de lidar com ele John Balcet: Mercado e poder: o mal na economia Moderado: Mauro Belcastro Sábado, 7 de maio, das 9h30 às 12h30 Um mal, muitos males, males infinitos? caixas de som Simon Strong: Qual é o sentido de falar sobre o mal hoje? Cláudio Ciancio: Remoção e reconhecimento do mal Daniele Garrone: Como falar do mal sem simplificações e sem argumentar Carlo Galli: Qual mal para qual política? Modera e conclui: Frederico Vercellone ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.