Nenhuma religião autoriza a violência contra a mulher

Nenhuma religião autoriza a violência contra a mulher

Foto Pedro Lima – Unsplash

Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – Homens violentos são encontrados, em todos os setores, em todas as esferas da vida, em todo o mundo e em todas as religiões. Como defender os direitos de cidadania de toda mulher? Em nosso país, apesar dos novos instrumentos legais contra a violência (com o chamado “código vermelho”), os abusos e violências contra as mulheres, tanto italianas quanto de outras nacionalidades, estão aumentando. Isso foi discutido na conferência “Violência de gênero e religiões: desafios locais” promovida pelo Comitê Nacional da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), realizada em Brescia há alguns dias.

Perguntamos a um dos palestrantes como foi, Madalena Colomboprofessor de sociologia dos processos culturais e comunicativos na Universidade Católica do Sagrado Coração de Brescia, além de presidente da Associação Dòsti – Festival de artes e culturas religiosas e diretor do Centro de iniciativas e pesquisas sobre migração – Brescia (CIRMIB ), na mesma universidade.

Como Dosti nasceu?

Dòsti nasceu, como associação, em 2019, mas como projeto em 2016, quando o então Prefeito de Brescia Valério Valenti exortou todas as associações, universidades e municípios da região a promover o diálogo inter-religioso. O Valenti garantiu uma reunião inicial e depois, de baixo para cima, montamos o projeto. Depois de alguns encontros informais, nasceu esta fórmula de diálogo entre linguagens artísticas: música, poesia, pintura, escultura, teatro, vídeo-arte, digital. Agregamos tudo em torno dessa ideia de momento de exposição. Depois de um ano, aconteceu a primeira edição do Festival.

Porquê “Dòsti”, com este Ò que parece acentuar um círculo de cores, uma espécie de anel que une a diversidade?

Dòsti em urdu significa amizade e fraternidade. Urdu é uma língua significativa para Brescia, porque é um destino de emigração para muitas pessoas da Índia e do Paquistão. Nesses países, o panorama religioso também inclui sikhs e hindus. Dòsti também coleciona experiências e pessoas que representam o cristianismo, o judaísmo, o islamismo, o budismo… Todos gostaram da palavra, por ser facilmente pronunciável e direta, então a Accademia Santa Giulia criou o logotipo, com o O acentuado (um acento que em urdu na verdade não há).

Violência de gênero e religiões. Uma combinação que nos faz pensar em nós que voltam para o poleiro. Como desamarrá-los? Como podemos falar sobre este tema?

Nunca se faz o suficiente sobre a violência de gênero. Por isso colaboramos para declinar o tema a partir de diferentes abordagens: teológica, sociológica, a das experiências diretas de um mediador cultural de língua árabe e islâmica. E pela voz de quem atende pedidos de ajuda, com o número de emergência contra a violência de gênero 1522.

Temos procurado fazer com que as pessoas entendam a dupla face da religião, tanto na história quanto nos dias atuais. As religiões são porta-vozes de uma visão machista decorrente do domínio do patriarcado como forma de inferiorizar as mulheres por serem submetidas a uma ordem de homens idosos. Mesmo uma mulher idosa nunca tem o mesmo poder que um homem dentro de um grupo, comunidade ou família, com raras exceções.

As religiões são machistas?

As religiões se desenvolveram dessa forma, e assim contribuem para uma visão machista da sociedade em que as pessoas não se relacionam como são (com suas habilidades, personalidades, personagens, história, origens, crenças e ideias), mas de acordo com seu gênero. O que resta é uma visão agora historicizada de uma mulher incapaz de mudar o mundo, simplesmente a serviço do homem e da estrutura social.

No meu relatório, ao apresentar este ponto de partida, tentei, no entanto, sublinhar que nenhuma religião autoriza ou legitima a violência contra as mulheres. Todos eles, em seus textos sagrados, engrandecem a mulher como portadora de vida e generatividade, só para dar um exemplo.

Então é possível distanciar-se de um uso cultural de opressão e exploração da religião para fins machistas?

Sim. É preciso recuperar aquela função da religião que, precisamente hoje, poderia ser salvífica. Através de redes de solidariedade nas comunidades, também em chave inter-religiosa. Este é o outro lado da religião, e é o que pode ajudar as mulheres a sair das condições de escravidão, inferioridade e violência.

Você trouxe testemunhos de sobreviventes da violência. Qual é a utilidade de compartilhar sua história?

O que as mulheres sofrem, aqui ou no mundo dos imigrantes, diz respeito a todos. Pensemos no caso da menina convencida por um homem que se autoproclamava referente de sua igreja pentecostal: levada para a Itália com promessa de emprego, enganada, escrava sexual, torturada durante a viagem e abusada na chegada, chantageada pagar a dívida também por meio de uma mistura de elementos “animistas” (disseram-lhe que para afastar o mal ela teria que usar seu corpo como seus algozes queriam e diziam). Essa menina consegue se distanciar, antes de tudo dizendo para si mesma: “Não acredito em um deus que me faz ter isso”. Ela se encontra na rua das Ursulinas da comunidade de Ruth, negando um deus ela reencontra outro Deus em um ambiente de salvação e acolhimento, em um abrigo.

Para combater a violência contra a mulher, a religião pode (deve) ser um refúgio?

Acho que as religiões teriam todas as oportunidades para fazer isso, não apenas para criar um espaço seguro para todos e para as mulheres, mas também em um sentido mais íntimo e profundo. Não pode ser “deus” quem diz ao homem “bate na tua mulher”. Pensemos também na notícia de Saman Abbas morreu seguindo a vontade de suprimi-lo por homens da família, tio e irmãos. Um desses homens aparece como uma festa civil e permite que parte da história seja reconstruída, para encontrar seu corpo. Isso nos faz entender a diferença entre preceito religioso e abuso cultural por comportamentos julgados inadequados. Isso nos faz entender o que significa a violação da liberdade. Para entender, devemos nos apegar a episódios reais e concretos de violência no mundo religioso. Está em toda parte, no Cristianismo como no Islã como em qualquer outro lugar.

Que alianças você vê como possíveis para finalmente sair das espirais da violência?

Precisamos de uma reforma dentro das religiões. E é necessária uma ponte entre as religiões, para o reconhecimento universal do direito e da liberdade de professar uma religião ou não, e como professá-la. Fiquei muito impressionado com o testemunho do relator afegão, Batool Haidari, ativista de direitos humanos, ouvimos dela o que significa sofrer violência e limitação da liberdade pessoal. E o que significa tentar se libertar. Em continuidade com outros setores da ação e do pensamento humano, a religião deve se reformar e oferecer aos homens uma mensagem de liberdade e salvação. Como presidente de uma associação comprometida com essas questões, sinto dizer que não quero fazer pesquisa, mas agir. É por isso que me sinto honrada em participar junto com outras mulheres e homens de todas as religiões na criação de algo novo.

Próximos eventos?

Graças também aos fundos Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodistas Valdenses, estamos organizando nosso próximo Festival, o primeiro na presença do pós-pandemia, no contexto das capitais da cultura Brescia-Bergamo. Esperamos por si de 6 a 13 de maio sob o tema “morrer e renascer”. Um ciclo que sempre uniu gerações, origens, territórios e religiões.


A conferência também foi moderada pelo pastor da Igreja Valdense de Brescia Leonardo Magrì: a pastora Gabriela Lio, presidente da FDEI Roma. Naima Daoudagh, Mediadora cultural em serviços de saúde. Viviana Cassini, Presidente da Associação Casa da Mulher-Centro Antiviolência, Brescia. Batool Haidari, Universidade de Cabul, ativista dos direitos das mulheres.

Os três primeiros festivais Dòsti foram: “Religião como relação social – Os sons da alma”, em 2017. “Festas religiosas: rito, som, cor” em 2018. “A respiração da Terra: religiões e meio ambiente no comunidade local”, em 2019. Com a pandemia veio “Radio Dòsti”: música, histórias, contos de fadas, discussões sobre arte, espiritualidade e religiões em podcasts.


CÓDIGO VERMELHO

O código vermelho (Lei 69/19) acelerou algumas medidas de proteção às vítimas de violência e introduziu novos crimes. Também reforçou várias sanções e introduziu circunstâncias agravantes.

De crime de divulgação ilícita de imagens ou vídeos sexualmente explícitos sem consentimento das pessoas representadas (a chamada “pornografia de vingança”), com pena de prisão de 1 a 6 anos e multa de 5.000 a 15.000 euros.

Para o crime desgraçado, que prevê a pena de prisão de 8 a 14 anos, cuja pena implica ainda a inabilitação perpétua para os cargos de tutela, tutela e administração de apoio. Se a desfiguração causar a morte, a pena é prisão perpétua.

Para o compulsão ou indução ao casamento, a pena é de prisão de 1 a 5 anos, agravada quando o crime for cometido em detrimento de menores. Proceder mesmo que o delito seja cometido no exterior por ou em detrimento de cidadão italiano ou estrangeiro residente na Itália.

Para o violação das disposições relativas ao afastamento do domicílio familiar e à proibição de aproximação aos locais frequentados pelo ofendidodetenção varia de 6 meses a 3 anos.

O perseguindo é punido com pena de prisão até 6 anos e 6 meses.

Para o agressão sexual: reclusão de 6 a 12 anos, com várias agravantes que podem levar à reclusão de até 24 anos de prisão. A violência sexual em grupo é punida com pena de prisão de 8 a 14 anos.

O abuso de familiares e coabitantes são punidos com pena de prisão de 3 a 7 anos; em caso de lesões graves ou gravíssimas, as penas aumentam, até 15 anos, e duplicam em caso de morte. Além disso, a pena é aumentada de metade se o crime for cometido na presença ou em detrimento de menor, grávida ou deficiente.

O homicídio agravado por relações pessoais é punido com prisão perpétua, ainda que se trate de relação afetiva sem união estável ou de união estável não caracterizada por relação afetiva.

Além disso, para alguns crimes, por exemplo violência sexual, a vítima pode apresentar queixa até 12 meses após o fato. Para crimes sexuais, a suspensão condicional da pena está condicionada à participação em cursos de recuperação. Por fim, a legislação prevê cursos profissionalizantes específicos para as forças de ordem, para prevenção e avaliação do risco de reincidência.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ecumenismo, a formação da SAE de 25 a 31 de julho

Ecumenismo, a formação da SAE de 25 a 31 de julho

Unsplash foto Roma (NEV), 22 de julho de 2021 – A sessão de treinamento SAE está em andamento. O evento será realizado em Camaldoli, na província de Arezzo, de 25 a 31 de julho de 2021 sobre o tema, já agendado para o ano passado - em 2020 o evento não foi realizado, devido à pandemia -, "Você vai contar ao seu filho " (Ex 13.8). As palavras de fé na sucessão das gerações. Uma busca ecumênica (I). Para permitir uma utilização mais ampla das reportagens programadas para a 57ª Sessão Ecumênica de Formação da SAE, mesmo que não presencial, os principais eventos serão transmitidos em transmissão ao vivo, acessível a todos, no canal da SAE no Youtube. A semana em Camaldoli inclui relatórios no plenário, oficinas, entrevistas, grupos de trabalho, liturgias confessionais e ecumênicas, momentos de convívio e tarde livre para caminhadas na floresta ou visita à ermida. Entre os palestrantes, também o teólogo valdense Paulo ricoo pregador valdense Erica Sfreddaa pastora Ulrike Jourdano pastor batista Lydia Maggia pastora valdense Ilenya Gosso histórico Bruna Peyroto monitor valdense Daniele Parisio pastor valdense William Jourdano pastor batista Ângelo Reginato. Além disso, representantes ortodoxos, pentecostais, judaístas e da Coordenação Teológica Italiana (CTI). Aqui está o link para acessar o programa ao vivo. A SAE é uma associação inter-religiosa de leigos e leigas para o ecumenismo e o diálogo a partir do diálogo judaico-cristão. A principal iniciativa pública da SAE em nível nacional são as sessões anuais de verão de formação ecumênica. Iniciados em 1964, tiveram lugar em diferentes locais: de 1964 a 1967 no passo de Mendola, de 1968 a 1970 em Camaldoli, de 1971 a 1974 em Nápoles, de 1975 a 1998 novamente em Mendola e, finalmente, de 1999 até hoje, em Chianciano. Cada sessão, centrada num tema específico, divide-se em meditações bíblicas, relatórios gerais, grupos de estudo e celebrações litúrgicas. ...

Ler artigo
Jerry Pillay novo secretário-geral do Conselho Ecumênico

Jerry Pillay novo secretário-geral do Conselho Ecumênico

O novo Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), Jerry Pillay - Foto Peter Williams/CEC Roma (NEV) 17 de junho de 2022 – O pastor Jerry Pillay é o novo Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). Pillay foi eleito pelo Comitê Central, reunido até amanhã em Genebra, na Suíça. Ele é o oitavo secretário-geral na história da organização mundial desde sua fundação em 1948. A conferência de imprensa para anunciar a notícia acaba de terminar. Pillay nasceu em 1965 e atualmente é reitor da Faculdade de Teologia e Religião da Universidade de Pretória. Membro de Igreja Presbiteriana Unidaé originalmente da África do Sul. Pillay foi um dos dois candidatos ao cargo administrativo máximo do CEC, junto com o outro candidato, Elizabeth Joy. Pillay substituirá o secretário geral cessante, padre Ioan Saucaque assumiu este cargo em abril de 2020, quando o anterior Secretário-Geral, o Bispo Luterano Olav Fykse Tveitfoi nomeado presidente da Igreja da Noruega. Agnes Abuommoderador do Comitê Central do CMI, expressou palavras de felicitações e bênçãos pelo novo ministério de Pillay. "A comunidade global do CMI recebe você calorosamente, ora por você e mostra de todas as maneiras que nos preocupamos com você enquanto você assume uma liderança importante em nossa jornada contínua em direção à unidade cristã - disse Abuom - "Com o movimento ecumênico, estamos fazendo história e construir um futuro onde possamos viver o amor de Deus uns pelos outros e por todos”. O Secretário Geral é o diretor executivo do CMI e dirige seu trabalho. Em suas funções, há também a responsabilidade pelo trabalho do WCC e seu pessoal. Pillay assumirá o cargo em 1º de janeiro de 2023. Para rever a conferência de imprensa veja abaixo [embed]https://www.youtube.com/watch?v=IhAqN75pvJI[/embed] ...

Ler artigo
Religiões do G20, Kitanovic (KEK): “Mais e mais casos de violação da liberdade religiosa”

Religiões do G20, Kitanovic (KEK): “Mais e mais casos de violação da liberdade religiosa”

Elle Leontiev, antisplash Roma (NEV), 23 de setembro de 2021 – Elizabeta Kitanovićsecretário executivo para os direitos humanos da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) é o protagonista da terceira e última entrevista realizada à margem do G20 das religiões, em Bolonha. A Conferência das Igrejas Europeias, juntamente com o Centro de Segurança e Crise (SACC) do Congresso Judaico Europeu (EJC), Faith Matters e a União Budista Europeia, recebeu uma subvenção de 3 milhões de euros da Comissão Europeia para a Proteção de locais de culto na Europa em maio passado. O CEC está muito comprometido com a questão da liberdade religiosa. Qual é a situação na Europa? Quais projetos estão em andamento? O nosso principal compromisso, graças ao contributo da Comissão Europeia, é dar formação sobre segurança nos locais de culto, para sensibilizar os cidadãos, através de diversas atividades de literacia religiosa. Dentro desse programa tão amplo, produzimos um guia para as agências de aplicação da lei: um documento dirigido aos "insiders", de advogados a policiais, para tentar explicar como o cristianismo, o budismo, o 'slam e o judaísmo, nos vários países, como comunidades vivem e se organizam. O segundo passo, novamente em termos de advocacia e informação, foi produzir orientações para líderes religiosos e fiéis sobre a proteção de locais de culto. Não importa se você é crente ou não, porque ter mais informação e consciência pode salvar a sua vida e salvar a vida de outras pessoas. Construímos então um website, www.sasce.eu, e promovemos centenas de cursos de formação. Os dirigidos aos líderes das igrejas, para os ajudar a tomar consciência dos riscos: isto significa que as igrejas e símbolos eclesiásticos em edifícios religiosos devem ter planos específicos de segurança. E também significa que os líderes religiosos devem manter relações muito estreitas e constantes com as forças da ordem, para prevenir qualquer ataque e episódio de possível risco. Além disso, no âmbito deste projeto, produzimos e enviamos mensalmente à Comissão Europeia um relatório sobre episódios de violação da liberdade religiosa. Uma questão particularmente importante é a da incitação ao ódio na esfera pública, com base religiosa, alarme que infelizmente registramos em constante crescimento. Queremos garantir, desta forma, que a União Europeia esteja a par das informações e denúncias que recebemos, dos relatórios que nos chegam das igrejas de todo o continente. E em maio de 2021, pela primeira vez, o executivo da comunidade produziu um guia real sobre segurança em locais de culto. Então, as violações da liberdade religiosa estão aumentando na Europa? Infelizmente, há um aumento dramático nas violações da liberdade religiosa na Europa, em todas as comunidades. Um fenómeno que, infelizmente, muitas vezes conduz ao anti-semitismo e à islamofobia, a formas gravíssimas de discriminação e, por vezes, de forma dramática, a atentados terroristas que causam mortos e feridos. Mas agora temos uma nova consciência, uma abordagem inter-religiosa para tais violações. Até recentemente, parecia que cada comunidade tendia mais a se proteger e, de fato, um mecanismo de "competição" foi acionado de alguma forma entre as vítimas. Trabalhamos em sentido ecumênico justamente para dizer que toda violação do direito de professar a própria fé conta, que todos devemos lidar com ela juntos, independentemente da confissão a que pertençamos. Este é o grande desafio que nos espera”. O projeto SASCE visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como entre as comunidades. As quatro organizações desenvolverão ferramentas para fortalecer a conscientização sobre segurança e o gerenciamento de crises. Uma rede coordenará cursos de treinamento e briefings para comunidades religiosas. Campanhas de comunicação também serão ativadas. Por fim, o projeto pretende promover a confiança e a cooperação entre a sociedade civil e as autoridades nacionais e é financiado pelo Fundo de Segurança Interna da Comissão Europeia “ISF-P” e terminará em 2023. Para saber mais sobre o tema: Outras entrevistas do G20 das religiões: Jim Winkler, presidente do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA) Philip Vinod PavãoSecretário Geral Interino para Programas da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.