tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto

tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto

Foto retirada de chiesadimilano.it

Roma (NEV), 16 de maio de 2019 – O evento ecumênico promovido pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Milão, “Juntos pela Europa”, foi realizado no dia 9 de maio em Milão. 19 igrejas cristãs presentes, protestantes, católicas e ortodoxas, e numerosos movimentos e associações.

Entre as presenças protestantes, os párocos Anna Maffei, Cristina Arquidiácona, Anne Stempel-De Fallois E Dorothee Mackda qual extraímos trechos do discurso, inspirados no texto dos Atos 16,11-15.

“O que vem à mente quando você pensa na Europa e no cristianismo? Quando você reflete sobre o relacionamento deles e sua história comum? – pergunta-se Mack em sua meditação -. Cada igreja, cada movimento poderia contar sua própria história, seus primeiros passos no continente europeu, em muitos lugares, em muitas cidades, em muitos países diferentes. Hoje, porém, parece-me importante recordar ‘o início dos primórdios’ da história do cristianismo aqui na Europa”.

O início é colocado por Mack em Filipos, no norte da Grécia, na casa de um empresário, comerciante de púrpura, na casa de Lídia, como lemos na Bíblia. “É claro que também era necessária a presença do apóstolo Paulo e seus companheiros e colaboradores. Foram necessárias pessoas multiculturais e interculturais como Paulo, pessoas que conheciam bem tanto a cultura judaica quanto a grega, que sabiam falar línguas diferentes e se sentiam pertencentes a culturas diferentes”.

Foto retirada de chiesadimilano.it

O verdadeiro protagonista do livro dos Atos, que narra a história do cristianismo primitivo, é o espírito santo, diz a pastora, que impele Paulo e seus seguidores a “ultrapassar fronteiras e barreiras para chegar à Europa e falar de Jesus Cristo a um grupo de mulheres reunidas em oração à beira do rio perto da cidade de Filipos… Para Lídia, a primeira cristã na Europa, é óbvio: depois da abertura do coração, vem a da casa. Lydia obriga esses homens estrangeiros, da Ásia Menor e do Oriente Médio, a ficarem em sua casa. Lídia acolhe com o coração a fé cristã e pratica o acolhimento destes estrangeiros – prossegue na sua reflexão -. O cristianismo chegou à Europa graças a casas abertas como a de Lídia. Graças ao acolhimento e hospitalidade praticados por você e por muitos outros. Acolhida e hospitalidade são, portanto, as raízes do cristianismo na Europa. Tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto.”

Ao encerrar seu discurso, Dorothee Mack também lembrou o trabalho realizado nos últimos 13 anos pelo Fórum das Religiões que “nos últimos meses refletiu em conjunto sobre a importância da hospitalidade como um valor fundamental presente em todas as religiões”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia Internacional do Migrante, o compromisso das igrejas valdenses e metodistas

Dia Internacional do Migrante, o compromisso das igrejas valdenses e metodistas

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 17 de dezembro de 2022 - O Dia Internacional dos Migrantes, que se celebra em 18 de dezembro, é uma oportunidade para recordar um dos temas de maior empenho das Igrejas Valdenses e Metodistas que destinam uma cota de Otto por mil para migrantes (OPM) equivale a cerca de 12% do total: 3,3 milhões de euros na Itália e mais de 14 milhões nos países de origem. “Intervenções “na casa deles” – declara Manuela Vinay, chefe do OPM – mas também intervenções “em casa”: são duas faces de uma mesma moeda que não se podem separar. Perante 280 milhões de migrantes, o desafio é uma gestão coordenada e solidária dos fluxos que, se bem geridos, produzem também efeitos positivos nos países de acolhimento. É por isso que continuaremos a apoiar boas práticas como os corredores humanitários, recentemente ampliados para incluir a Líbia e os refugiados do Afeganistão, e ao mesmo tempo financiar projetos de desenvolvimento sustentável na África, Ásia e América Latina". "Nesta frente, o o nosso compromisso é prioritário - acrescenta Manuela Vinay - e inclui acções diferenciadas: apoio a rotas legais de imigração (como os já referidos corredores humanitários), programas económicos e formativos orientados para a integração de migrantes e requerentes de asilo, iniciativas interculturais para promover a coesão social e inclusão através do combate à xenofobia e ao racismo. Estamos convencidos de que, diante de um desafio como o das migrações globais, é necessário ativar ferramentas diversificadas. Por isso, as ações que financiamos e realizamos na Itália se somam às intervenções nos países de origem. Seu desenvolvimento passa pela construção da paz nas áreas de conflito, apoio ao crescimento com respeito ao meio ambiente, uso sustentável dos recursos, regras comerciais de importação-exportação que protegem esses países. São estas as intervenções que financiamos, também graças a uma rede de parcerias com associações de várias tipologias, seculares e religiosas. Afinal, o nosso sempre foi um Otto per Mille inclusivo e compartilhado”. O Otto per Mille pode ser doado por todos aqueles que fazem uma declaração de imposto a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo ou ao próprio Estado. Outros fundos são 5×1000, que podem ser atribuídos a investigação científica ou associações e organizações sem fins lucrativos, e 2×1000, que podem ser atribuídos a partidos políticos. O 8×1000 na verdade funciona como uma votação, em que quem se abstém contribui com o valor do voto majoritário. 8×1000 de todos os rendimentos declarados são repartidos entre o Estado e as entidades religiosas responsáveis ​​pelo seu recebimento, na proporção das escolhas expressas. ...

Ler artigo
XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

Detalhe do cartaz do encontro para o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão em Parma Roma (NEV), 11 de janeiro de 2023 – No dia 17 de janeiro de 2023 será celebrado o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão. Por volta desta data, várias nomeações em toda a Itália envolvem as comunidades católica, protestante e judaica. Entre eles, destacamos três: o episódio especial de quinta-feira, 12 de janeiro, na Teleradiopace e na Teleliguria Sud, com a participação do pároco Ilenya Goss. A mesa redonda de domingo, 15 de janeiro, em Roma, organizada pela Christian Jewish Alliance e pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) com, entre outros, o pároco Eric Noffke. O encontro com Felipe Alma da Faculdade Teológica Adventista de Florença, terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, organizada pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Parma juntamente com a Comunidade Judaica de Parma. O tema desta edição é "Conforte, console o meu povo” (Isaías 40:1-11). O Dia do Diálogo Judaico-Cristão, entre outras coisas, acontece justamente na véspera da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que representa um importante momento ecumênico e inter-religioso. Pedimos ao Pastor Goss um comentário sobre esta jornada, agora em sua 34ª edição. “Fazer um balanço do diálogo judaico-cristão neste dia significa falar para um público mais amplo do que o especializado: muitos aspectos do diálogo inter-religioso adquirido hoje entre os 'insiders' não são tão comuns. Estou pensando na continuidade entre o mundo judaico e os Evangelhos, bem reconhecida hoje entre os estudiosos, mas também na história de sombras e conflitos que caracterizou a relação entre judeus e cristãos ao longo dos séculos”, diz Goss. Tudo passa pela superação do clima geral de preconceito que caracterizou o passado. "Precisamos de uma releitura de nossas tradições animada pelo desejo de conhecimento mútuo - continua o pároco - partindo do estudo da Escritura a duas vozes, até um compromisso ético e social comum, com respeito às diferenças e identidades, mas também em um espírito sinceramente cooperativo. Sobre a história do diálogo judaico-cristão, em 2015, Ilenya Goss falou com o ensaio "A raiz e a seiva da oliveira" ("A caminho de um novo ecumenismo", anais da 52ª Sessão de Formação Ecumênica, SAE, ISE "San Bernardino” Veneza). Começa com uma citação de Karl Barth: "Em última análise, há apenas um grande problema ecumênico: o de nosso relacionamento com o povo judeu". Foto Achim Ruhnau – Unsplash Em seu ensaio, Goss reconstitui algumas viradas históricas fundamentais, desde o trabalho realizado no âmbito protestante desde o pós-guerra, até o realizado no âmbito católico com o Concílio Vaticano II. A intenção era deixar de lado a “teologia da substituição” de Israel que, em sua exegese, havia tentado entender o “povo eleito” como “a Igreja”. O alinhamento sobre isso vem depois de uma série de documentos, desde o de 1948 em Darmstadt até o do Sínodo de Berlim de 1950, onde está escrito: "Cremos que a promessa de Deus ao povo de Israel que ele elegeu ainda é válida, mesmo depois da crucificação de Jesus Cristo”. Na Itália, o Sínodo Valdense também se manifestou sobre o assunto em 1982. A esse respeito, Goss aponta: "A imagem de dois grandes galhos em um único tronco parece-me eficaz para descrever o judaísmo rabínico e o cristianismo". Uma metáfora botânica que, conclui a pastora, “embora reelaborada, devemos ao apóstolo Paulo que, na carta aos Romanos, fala de enxertos, oliveiras e oliveiras bravas para descrever as relações entre os cristãos do judaísmo e do paganismo. Após a queda do Templo em 70 dC, o judaísmo encontrará seu caminho e, da mesma forma, o cristianismo encontrará sua identidade distinta”. Para saber mais Leia o ensaio de Ilenya Goss “A raiz e a seiva da oliveira” (do volume “A caminho de um novo ecumenismo”, atas da 52ª Sessão de formação ecumênica, SAE, ISE “San Bernardino” Veneza). Cortesia do autor e editora. Há um mês terminaram as conversações judaico-cristãs nacionais, das quais o pároco também participou Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e o mesmo Ilenya Goss. EVENTOS do Diálogo Cristão Judaico (seleção) Uma análise aprofundada promovida pelas dioceses da Ligúria será transmitida na quinta-feira, 12 de janeiro, no Telepace. Artigo do SIR A partir das 21h00, transmissão televisiva em directo pela Maurício Garreffa e don Gabriel Maria Corinieles vão intervir José Momiglianorabino chefe da comunidade judaica de Gênova, e outros. No domingo, 15 de janeiro, em Roma, por ocasião do XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão, a Aliança Judaico-Cristã e a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) da capital organizam a mesa redonda sobre o tema "Conforte, console Meu povo, Isaías 40:1-11“. eles intervêm Ariel Di Porto, Eric Noffke e Lilia Sebastião. Saudações de Guido Coen E Pinheiro Pulcinelli. eles moderam Roberta Ascarelli E Stephen Ercoli. Às 16h30, presencialmente, na casa de hóspedes do mosteiro das monjas camaldulenses, via Clivio dei Publicii 2. O encontro será transmitido em directo no canal YouTube da SAE. Terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, reunido com Felipe Alma (Faculdade Teológica Adventista de Florença). Eles organizam o Conselho das Igrejas Cristãs de Parma, a Comunidade Judaica de Parma. Membros: Grupo Sae de Parma, Associação de Viajantes. Às 20h30, nas Missões Estrangeiras, viale S. Martino 8 Parma. Baixe o Cartaz Diálogo Parma. ...

Ler artigo
19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

19 de julho de 1620 – 19 de julho de 2020. Culto para recordar o “Sagrado Matadouro”

A fachada da igreja valdense na via IV novembro em Roma. Foto da Wikipédia Roma (NEV), 15 de julho de 2020 - Um serviço de comemoração presidido pelo pároco valdense será realizado em Roma no domingo, 19 de julho Rio Emanuelexatamente 400 anos após o massacre conhecido como o "Sagrado Matadouro de Valtellina". “Relembraremos este episódio da nossa história durante o culto” escreveu o pastor Fiume na primeira página do boletim julho-agosto “Protestantes em Roma”, enviado aos membros e simpatizantes da comunidade valdense que se reúne na via IV novembro 107 em Roma . O culto do próximo dia 19 de julho, que como todos os domingos do período de verão acontecerá às 11h junto com a comunidade francófona, será realizado respeitando as medidas sanitárias e de segurança indicadas pela Junta Valdense e pelas autoridades. A agência de notícias NEV publicou um arquivo intitulado O "matadeiro sagrado" de Valtellina (19 de julho de 1620), editado pelo próprio Emanuele Fiume, no qual o pastor e estudioso refaz as etapas históricas do extermínio religioso de centenas de protestantes ocorrido em julho de 1620. Acesse o CARD. Para mais informações sobre o culto e sobre a igreja valdense na via IV de novembro em Roma clique AQUI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.