tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto

tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto

Foto retirada de chiesadimilano.it

Roma (NEV), 16 de maio de 2019 – O evento ecumênico promovido pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Milão, “Juntos pela Europa”, foi realizado no dia 9 de maio em Milão. 19 igrejas cristãs presentes, protestantes, católicas e ortodoxas, e numerosos movimentos e associações.

Entre as presenças protestantes, os párocos Anna Maffei, Cristina Arquidiácona, Anne Stempel-De Fallois E Dorothee Mackda qual extraímos trechos do discurso, inspirados no texto dos Atos 16,11-15.

“O que vem à mente quando você pensa na Europa e no cristianismo? Quando você reflete sobre o relacionamento deles e sua história comum? – pergunta-se Mack em sua meditação -. Cada igreja, cada movimento poderia contar sua própria história, seus primeiros passos no continente europeu, em muitos lugares, em muitas cidades, em muitos países diferentes. Hoje, porém, parece-me importante recordar ‘o início dos primórdios’ da história do cristianismo aqui na Europa”.

O início é colocado por Mack em Filipos, no norte da Grécia, na casa de um empresário, comerciante de púrpura, na casa de Lídia, como lemos na Bíblia. “É claro que também era necessária a presença do apóstolo Paulo e seus companheiros e colaboradores. Foram necessárias pessoas multiculturais e interculturais como Paulo, pessoas que conheciam bem tanto a cultura judaica quanto a grega, que sabiam falar línguas diferentes e se sentiam pertencentes a culturas diferentes”.

Foto retirada de chiesadimilano.it

O verdadeiro protagonista do livro dos Atos, que narra a história do cristianismo primitivo, é o espírito santo, diz a pastora, que impele Paulo e seus seguidores a “ultrapassar fronteiras e barreiras para chegar à Europa e falar de Jesus Cristo a um grupo de mulheres reunidas em oração à beira do rio perto da cidade de Filipos… Para Lídia, a primeira cristã na Europa, é óbvio: depois da abertura do coração, vem a da casa. Lydia obriga esses homens estrangeiros, da Ásia Menor e do Oriente Médio, a ficarem em sua casa. Lídia acolhe com o coração a fé cristã e pratica o acolhimento destes estrangeiros – prossegue na sua reflexão -. O cristianismo chegou à Europa graças a casas abertas como a de Lídia. Graças ao acolhimento e hospitalidade praticados por você e por muitos outros. Acolhida e hospitalidade são, portanto, as raízes do cristianismo na Europa. Tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto.”

Ao encerrar seu discurso, Dorothee Mack também lembrou o trabalho realizado nos últimos 13 anos pelo Fórum das Religiões que “nos últimos meses refletiu em conjunto sobre a importância da hospitalidade como um valor fundamental presente em todas as religiões”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias – Nev

Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias – Nev

Milada Vigerova, antiespalhamento Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2023 – A conferência está agendada para sexta-feira, 17 de fevereiro, das 9h30 às 16h30 no Salão da Igreja Valdense na via Marianna Dionigi, 59 em Roma e sábado, 18 de fevereiro, das 9h30 às 12h30 na Biblioteca Jurídica Central da Palácio da Justiça (entrada pela Piazza Cavour), também em Roma. Promovido pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Confronti Review and Study Centre, a Central Legal Library, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. “Perguntamo-nos se é verdade que a nossa legislação ainda não está alinhada com a europeia (e com as nossas próprias disposições constitucionais), no que diz respeito aos direitos e liberdades que devem ser reconhecidos às religiões, e às convicções morais e filosóficas”, explicam os organizadores da iniciativa. Entre os palestrantes: Giuliano Amato, Kristina Stoeckl, Alberto Melloni, Daniele Garrone, Roberto ZaccariaE Valdo Spini. Participarão da mesa política com os parlamentares para tratar do tema da lei de liberdade religiosa: Elena BonettiAção-IV, Maria Domingas CastelloneMovimento 5 estrelas, Alexandre CattaneoVai Italia, Cecília D'EliaPartido Democrático, José De CristofaroEsquerda italiana, Ricardo Mageu, +Europa, Lúcio MalanIrmãos da Itália. O programa completo abaixo: Na sexta-feira, 17 de fevereiro, no Salão da Igreja Valdense, as saudações iniciais são confiadas a necessidades de jacintoPresidente de Seção, Corte de Cassação ea Daniele GarronePresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (Fcei). O contexto internacional verá as intervenções de Frank Hippolytuspresidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Paulo Naso FCEI, Centro de Estudos Comparados, Universidade Sapienza, e Kristina StoecklUniversidade de Innsbruck. O segundo painel, 'Fé e religião: uma dialética crescente', será confiado a Fausto Tortoravice-presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Giancarlo GaetaProfessor de História do Cristianismo Antigo, Universidade de Florença, Simone Gaboriaupresidente honorário do Tribunal de Apelações de Paris, James Marramaoprofessor emérito de filosofia da Uni Roma 3, coordenador do comitê científico da Fundação Lelio e Lisli Basso.Após o almoço continuaremos com o terceiro painel, 'A União Europeia e o caso italiano', confiado a Giovanni I. GiannoliConselho de Curadores da Fundação Lelio e Lisli Basso, Ilaria ValenziCentro de Estudos Comparados e Fundação Bruno Kessler, Pamela HarrisUniversidade John Cabot e Maurizio AmbrosiniUniversidade de Milão. O dia será encerrado com o painel 'A laicidade procurada no cotidiano', organizado por Cláudio Paravatidiretor do Centro de Comparações de Revisão e Estudo, Tobias ZeviConselheiro para Políticas de Patrimônio e Habitação de Roma e Carla Fermariellovereador da cidade de Roma. Seguem-se as intervenções dos representantes das confissões religiosas. Convidou os representantes das Igrejas membros da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Alexandre BenedettiBahá'í, Fabrício D'AgostinoIgreja da Cientologia, Noemi Di SegniUnião das Comunidades Judaicas Italianas, Maria Ângela FalaMesa Inter-religiosa de Roma, Daniela GenanFederação Italiana para o Judaísmo Progressista, Hamsananda GiriUnião Hindu Italiana, Yassine LaframUnião das Comunidades Islâmicas na Itália, carmim napolitanoFederação das Igrejas Pentecostais, Adele Orioli, União dos Ateus e Agnósticos Racionalistas, Yahya PallaviciniComunidade Religiosa Islâmica Italiana, Joshua PapagnaObra das Igrejas Cristãs dos Irmãos, Ricardo PlatiSoka Gakkai Instituto Budista Italiano, Abdellah RedouaneCentro Cultural Islâmico da Itália, David RomanoIgreja Adventista do Sétimo Dia, Philip SciannaUnião Budista Italiana, Remo SicardiA Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Siluan ȘpanBispo da Diocese Ortodoxa Romena da Itália, representante da Comunidade Sikh. Os trabalhos prosseguem no sábado, 18 de fevereiro, na Biblioteca Jurídica Central do Palácio da Justiça, com a apresentação de Frank Hippolytus, Presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso. Continuamos com o primeiro painel A lei que não existe? editado por Julian Amatopresidente emérito do Tribunal Constitucional, Alexandre FerrariUniversidade de Insubria, Júlia Pasquali CerioliUniversidade de Milão, Albert Melloneu, secretário do FSCIRE, Valdo Spinipresidente da Fundação Irmãos Rosselli e Roberto Zaccaria, constitucionalista, presidente do Conselho Italiano para os Refugiados. Moderado Ilaria ValenziCentro de Estudos e Revista Confronti e Fundação Bruno Kessler. Será obrigatório ser credenciado para acesso ao Palácio da Justiça, um esse link. Seguir-se-á o painel 'A lei a votar', onde intervirão, Elena BonettiAção-IV, Maria Domingas CastelloneMovimento 5 estrelas, Alexandre CattaneoVai Italia, Cecília D'EliaPartido Democrático, José De CristofaroEsquerda italiana, Ricardo Mageu, +Europa, Lúcio Malan, Irmãos da Itália. Moderado Cláudio Paravatidiretor Comparações revista e centro de estudos. AQUI o flyer do evento Para participar na conferência de 18 de fevereiro no Palácio da Justiça, é necessário inscrever-se neste link: Para mais informações: FACTSHEET 17 de fevereiro para os valdenses ...

Ler artigo
Mensageiros da Esperança – Nev

Mensageiros da Esperança – Nev

Roma (NEV), 29 de dezembro de 2021 – Em sua primeira mensagem de Ano Novo como Secretária Geral da Federação Luterana Mundial, a pastora e teóloga Anne Burghardt encoraja as igrejas a serem "arautos da esperança no mundo de hoje", colocando "a fé em ação", contribuindo para a inclusão e lutando pela unidade. “Que Deus conforte todas as pessoas que sofrem e todos aqueles que lutam contra a pandemia e suas consequências. […] Oramos pelo fim da violência, injustiça e opressão […] Cristo nos encoraja a cruzar com coragem o limiar de 2022. Levados por seu amor, entramos no novo ano sabendo que ele está conosco todos os dias. Livres do medo e do desespero poderemos partilhar com os outros os dons que recebemos: ser luz no mundo e para o mundo, servir o próximo, difundir a paz e a reconciliação e defender a dignidade humana onde quer que estejamos, seja o que for as circunstâncias, seja qual for a necessidade. Devemos acolher-nos uns aos outros, como Cristo nos acolheu (Rm 15,7), sem nos afastar nem separar. Somos chamados não a ser mensageiros de exclusão, mas de inclusão; não os que contribuem para a fragmentação, mas os que lutam pela unidade”, lê-se no texto do Pr. Burghardt. Aqui o texto completo da mensagem, em inglês. ...

Ler artigo
Comunidades mais seguras e fortes na Europa.  As religiões trabalham juntas

Comunidades mais seguras e fortes na Europa. As religiões trabalham juntas

Imagens retiradas de www.sasce.eu/safety-security-guides/ Roma (NEV), 25 de outubro de 2022 – A coletiva de imprensa do projeto “Comunidades mais seguras e fortes na Europa - SASCE” terminou há pouco. Realizado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia, o projeto visa aumentar a segurança dentro e fora dos locais de culto, bem como dentro e entre comunidades cristãs, budistas, muçulmanas e judaicas comunidades na Europa. A conferência de imprensa, organizada em conjunto com parceiros da União Europeia, apresentou o SASCE como “o único projeto transversal às várias comunidades de fé que disponibiliza ferramentas e práticas para a segurança de espaços públicos e instituições religiosas cristãs, muçulmanas, budistas e judaicas”. Ponto de partida da conferência, os dados sobre o aumento do extremismo e dos crimes de ódio na Europa. Estruturada como uma mesa redonda, a conferência destacou os desafios de segurança e destacou a importância de continuar trabalhando juntos. Atualmente, 15 países europeus estão envolvidos no projeto: Áustria, Bélgica, Croácia, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Itália, Holanda, Polônia, Portugal, Espanha, Suécia e Hungria. Entre os temas que emergiram estava a percepção do medo, fenômeno crescente em vários níveis sociais. Precisamos dar às pessoas as ferramentas para reagir e enfrentar os riscos. Os relatórios também revelaram a consciência do aumento de sentimentos anticristãos, antijudaicos, islamofóbicos e, um fenômeno relativamente novo, sentimentos antibudistas. E são justamente os budistas que se perguntam como podemos ajudar a ensinar bondade, empatia, como ficar em paz. Compreender e saber o que acontece em outras comunidades é uma das formas de aumentar a solidariedade inter-religiosa, segundo alguns. Conexão, envolvimento, colaboração são outras palavras-chave expressas durante a conferência. O projeto SASCE está prestes a fechar. Qual será o próximo? Esta é uma das perguntas que aguardam resposta. Esperamos outros projetos e financiamentos, dada a importância do tema. As comunidades têm pedido por isso, para o maior interesse da sociedade como um todo. De fato, proteger comunidades de fé e prevenir riscos é um desafio que envolve todos. Os extremismos estão crescendo, as transformações da sociedade são cada vez mais bruscas e os ataques têm adquirido características mais sutis. Eles podem acontecer em qualquer lugar, em lugares grandes ou pequenos, nas cidades ou em qualquer outro lugar. As ameaças mudam de natureza, tanto por razões geopolíticas quanto por razões contingentes, em níveis micro. Estamos falando do comportamento de pessoas solteiras, de segurança local, interna e externa, de segurança suave. São questões sobre as quais, segundo os organizadores e participantes, é necessário sensibilizar todos os cidadãos, na sua totalidade. Entre os elementos de sucesso deste projeto: unidade. Trabalhar ativamente em conjunto, gerir ameaças, ser solidário com os outros, tudo isto representa uma força. E mesmo as ameaças internas podem ser mitigadas observando outras comunidades. É necessário também refletir sobre a própria identidade e a dos outros, aprofundar os elementos teológicos que levam a condenar ou justificar certas ações, buscar juntos como equilibrar as diversas instâncias. Outro ponto fundamental é representado pela análise das raízes do problema. A violência é um sintoma, mas de onde vem a radicalização e por quê? Como mitigá-lo? Nesses pontos, a proposta é clara: trabalhar na educação e nas escolas. Até as religiões parecem estar em competição, e isso é um problema. Através do projeto SASCE, as religiões estão juntas: é um grande sinal, dizem as organizações participantes: “Temos que entender e fazer as pessoas entenderem”. E precisamos fazer isso agora, porque o mundo mudou, as polarizações de cunho extremista, as narrativas políticas e sociais se exacerbaram. As igrejas estão em risco, as pessoas também. Não se trata apenas de ameaças físicas, mas também de ameaças verbais, situações que prejudicam a saúde mental ou emocional. Não esqueçamos que a violência ou ameaças contra imãs, rabinos, padres, pastores, voluntários e voluntárias estão aumentando. E depois há atos de vandalismo e roubos em locais religiosos e outras formas de ódio e abuso. Em resumo, não podemos deixar de tomar medidas imediatas contra todos os extremismos. A conferência de imprensa contou com a presença de: Elizabeta Kitanović – Secretário Executivo de Direitos Humanos do CEC. Ron Eichhorn – Presidente da União Budista Europeia. Aline Niddam – Chefe do escritório de segurança e crise do Congresso Judaico Europeu, pessoa de contato do SASCE. Ophir Revach – Diretor Executivo do Gabinete de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu. Yohan Benizri – Ex-presidente da Federação Belga de Organizações Judaicas, vice-presidente do Congresso Judaico Europeu e membro do executivo do Congresso Judaico Mundial. Fiyaz Mughal – Fundador da Faith Matters. Iman Atta – Fundador e diretor da Faith Matters. Para assistir a coletiva de imprensa, clique abaixo: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=CQU9Ah88aeY[/embed] SASCE O SASCE é um projeto dedicado à proteção de locais de culto e comunidades na Europa, fruto de uma parceria inter-religiosa entre o KEK e outras realidades de fé. Entre eles: Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu, Assuntos de Fé e União Budista Europeia. O projeto SASSE baseia-se nas melhores práticas recomendadas pela Comissão para a proteção dos espaços públicos da Europa, mas também no conhecimento e experiência da comunidade e grupos de segurança. Entre as ferramentas implementadas para esses objetivos: treinamento, cooperação, soluções tecnológicas. Esta parceria inter-religiosa recebeu uma doação de € 3 milhões da Comissão Europeia para a proteção de locais de culto na Europa. www.sasce.eu ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.