O Otto per mille Waldensian para o Haiti e o Afeganistão

O Otto per mille Waldensian para o Haiti e o Afeganistão

foto de Tim Mossholder, unsplash

Roma (SSSMV06), 25 de agosto de 2021 – Ajuda concreta às populações do Haiti e do Afeganistão. Assim o decidiu o Sínodo valdense e metodista em curso na Torre Pellice, na província de Torino, por ocasião da habitual análise dos projetos dos valdenses e metodistas Otto por mil.

Além dessas duas intervenções específicas ligadas às emergências vividas nesses dois países, o Sínodo aprovou a lista de todos os outros projetos que receberão o apoio econômico do Otto per mille Waldensian. A deficiência, os menores e a cultura são os eixos de intervenção mais valorizados entre os projetos aprovados para o corrente ano.
“Um dado que nos chamou a atenção é o número de inscrições recebidas – explica Manuela Vinay, chefe do escritório Otto per mille das igrejas valdenses e metodistas -. Nunca tantos pedidos, desde que o Otto per mille existia: quase 5 mil – 4992 – pedidos de financiamento, enquanto em 2019 foram cerca de 4100. Estamos a falar de mais 1400 pedidos, face aos últimos três concursos. Já esperávamos, tendo em conta a pandemia, mas não nestes termos: o terceiro setor mas também a cultura precisam claramente de ajuda. E tentaremos, à nossa maneira, como sempre, oferecer o nosso apoio a estas realidades. A solidariedade dos Valdenses e Metodistas está sempre presente e pronta. Por fim, esperamos que essa possibilidade seja cada vez mais utilizada pelos cidadãos, considerando que a maioria – mais da metade – dos contribuintes na Itália, até o momento, não expressa preferências em suas declarações fiscais com relação ao destino do Otto per mil”.

Justamente para administrar emergências, existe de fato um fundo específico Otto per mille – ou seja, que não subtrai recursos de projetos, mas é formado por recursos não alocados todos os anos. Deste fundo de emergência, este ano, parte será destinada ao Afeganistão e parte ao Haiti.

Em particular, para a população afegã, a ajuda servirá para cobrir os custos de uma intervenção de acolhimento que está a ser estruturada nestes dias e que faz parte do apelo da Federação das Igrejas Evangélicas em Itália, do Conselho Valdense, com S. Egidio, para ativar corredores humanitários, com base no modelo piloto já iniciado e gerido pelas três organizações do Líbano.

No ano passado também foi criado um fundo de emergência ad hoc para a Covid, destinado a Itália, mas as intervenções internacionais de combate à Covid também foram financiadas com fundos ordinários.

Por fim, os próximos passos para a atribuição das verbas: em setembro a publicação dos projetos no site www.ottopermillevaldese.org e o lançamento dos projetos e em janeiro de 2022 o próximo concurso.

LEMBRETE aos jornalistas: hoje às 18h30 coletiva de imprensa final, vídeo ao vivo em www.rbe.it, com o diácono Alessandra Trotta e o pastor José Platão

Todos os detalhes nesta página.

FACT SHEET: Igrejas metodistas e valdenses na Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Lamento, Esperança e Coragem – Nev

Lamento, Esperança e Coragem – Nev

Capa da Revisão Anual do WCC 2021. Foto: WCC Roma (NEV), 4 de maio de 2022 - "Não devemos ter medo, não devemos nos desesperar quando vemos o que está acontecendo em nosso mundo hoje, mas enfrentá-lo com coragem". Com estas palavras, Ioan Sauca, secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), apresenta o relatório anual da organização, publicado ontem, 3 de maio, no site oikoumene.org. Em particular, o texto traça o compromisso das igrejas protestantes pela paz na Ucrânia, de 24 de fevereiro até hoje. “Tendo visto o impacto do conflito nos rostos dos refugiados que chegam aos países vizinhos e estando cientes da situação e dos perigos para os civis ainda presos e incapazes de fugir, enfatizamos fortemente a necessidade urgente de corredores humanitários eficazes e seguros para permitir a população para fugir dos combates”, continua a nota. Antes da escalada do conflito na Ucrânia, em 2021, a comunidade do Conselho Mundial de Igrejas “reuniu-se em oração de forma inédita”, prossegue Sauca, referindo-se às mudanças impostas pela pandemia. “Acredito que Deus ouviu nossas orações. Pedimos a Deus coragem e sabedoria. Confiávamos na promessa de Deus de vencer qualquer coisa que surgisse em nosso caminho. E passamos por muita coisa. Perdemos muitas pessoas na família ecumênica devido ao Covid19 e além. Em meio a essa tristeza, talvez até por causa dessa tristeza, cresceu um novo compromisso de compaixão ativa uns pelos outros. Se a pandemia atingiu todas as regiões do nosso planeta, também revelou nossa inesperada vulnerabilidade e interdependência”, conclui o secretário-geral do CMI. Aqui o texto completo do relatório anual do Concílio Ecumênico. ...

Ler artigo
Amizades judaico-cristãs na Itália.  Vozes e Raízes

Amizades judaico-cristãs na Itália. Vozes e Raízes

Roma (NEV), 28 de fevereiro de 2020 - A amizade judaico-cristã nasceu em Florença em 1951 pela vontade de Arrigo Levasti, Giorgio La Pira, Ines Zilli, Giorgio Spini, Giacomo Devoto, Angelo Orvieto e Aldo Neppi Modona. Em 1988 foi fundada em Camaldoli a "Federação das amizades judaico-cristãs na Itália" (FEDERAEC), que também faz parte da "Conselho Internacional de Cristãos e Judeus” (ICCJ). A FEDERAEC, que reúne vários grupos de Amizade, entre eles os de Alto Garda, Nápoles, Roma, Ravena, Turim, Camaldoli e Livorno, tem como objetivo promover e desenvolver o conhecimento, a compreensão, o respeito e a amizade entre judeus e cristãos numa perspectiva de abertura e o diálogo com as religiões, a fim de "criar uma convivência humana da qual seja excluída para sempre qualquer forma de incompreensão e ódio", como afirma seu site. Também tem entre seus propósitos combater o anti-semitismo, o racismo e a intolerância. No rescaldo da Semana da Liberdade 2020 promovida pela Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI), a Agência NEV entrevistou Francisco Moscoupastor adventista das igrejas de Turim e Torre Pellice, vice-presidente da FEDERAEC. Como começou sua experiência dentro da Federação de amizades judaico-cristãs na Itália? Francisco Moscou. Foto tirada de Esta experiência nasceu durante o meu ministério pastoral em Turim, a partir de 2006. Ainda antes, meu predecessor, pároco Giampiero Vassallo, participou das iniciativas e me passou o bastão. Eu fazia parte do grupo de Amizade de Turim, que estava envolvido há mais de trinta anos, sendo seu presidente por cinco anos. Agora sou vice-presidente da Federação, que reúne várias "amizades judaico-cristãs" em diferentes cidades italianas. Cada local é autônomo. A Federação é um órgão de ligação entre as várias “Amizades”, que gostaríamos de poder expandir também a outras cidades. EU'Antissemitismo foi o tema escolhido pela FCEI para a Semana da Liberdade 2020. Voltamos alegremente ao tema desta semana. Como adventistas em Turim promovemos dois momentos de reflexão. Um primeiro momento durante uma pregação na nossa comunidade e, no sábado seguinte, com a participação do presidente da Amizade Judaico-Cristã de Turim, Dr. Maria Ludovica Chiambrettono âmbito de uma das iniciativas dedicadas à Júlio Isaacpioneiro da Amizade, às suas obras relativas ao estudo do antijudaísmo cristão e ao tema da suspeita, ao conhecimento das raízes históricas do antissemitismo e das relações entre cristãos e judeus. Por ocasião do "Sínodo dos Jornalistas" que será aberto amanhã em Roma, com o tema "Palavras não pedras", está prevista a inauguração no Largo Pórtico d'Ottavia de um Banco Memorial, dedicado aos jornalistas e impressores judeus romanos que foram vítimas de deportação. O que você acha da relação entre jornalismo e história? A comunicação é fundamental. Precisamos manter viva a memória e levar as iniciativas e insights sobre essas questões ao conhecimento da opinião pública e dos próprios jornalistas. Procuramos contribuir com conferências, eventos e divulgação. Como pedras de tropeço, que causam sensação ao serem rasgadas, mas que devemos preservar na memória coletiva e pessoal. A imprensa pode ajudar muito e nós mesmos estamos empenhados em tomar a palavra para envolver a consciência das pessoas, para dar voz à memória. Em 2019 você celebrou o 40º aniversário das conversações judaico-cristãs em Camaldoli. Quais são os principais eventos em andamento e para o futuro? É crucial que a amizade judaico-cristã continue a funcionar em chave inter-religiosa. As conversações de Camaldoli são o ponto de encontro do trabalho do Amicizie, durante o qual há sempre um momento de assembleia para o qual convergem quase todos os grupos. Em Florença, alguns dias atrás, nos encontramos com don Juliano Savina, diretor do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI), juntamente com muitos outros irmãos católicos, evangélicos e judeus para organizar o próximo encontro, previsto para dezembro. Enquanto isso, os cursos de hebraico e outras iniciativas regulares continuam, desde o Dia do Conhecimento do Judaísmo até apresentações da Bíblia da Amizade, conferências do ciclo histórico e outros projetos locais. Em Turim, o Rabino Chefe também está muito envolvido Ariel Di Porto. Nestes caminhos de diálogo recordamos também que as nossas raízes e as Escrituras se baseiam no judaísmo. ...

Ler artigo
Oito por mil valdenses, assinaturas e projetos estão crescendo

Oito por mil valdenses, assinaturas e projetos estão crescendo

Alessandra Trotta, Moderadora da Mesa Valdense Torre Pellice (Turim), 25 de agosto de 2022 – São 1.557 intervenções humanitárias, educacionais, culturais e de ajuda ao desenvolvimento que serão financiadas este ano pelas Igrejas valdenses e metodistas com os fundos Otto per Mille: 34% a mais do que as incorridas em 2021 (1161). Um aumento devido principalmente ao maior número de contribuintes (570.000, contra 547.000 no ano anterior) que se inscreveram a favor do Otto per Mille Valdense e Metodista e, portanto, à maior disponibilidade financeira (45 milhões de euros em 2022, 43 em 2021 ), mas também à decisão de alargar o leque de iniciativas a que pode ser garantido apoio financeiro. A percentagem de projetos aprovados face aos apresentados para avaliação também aumentou: 23,2% em 2021, 35,2% em 2022. A destinação dos recursos foi aprovada hoje pelo Sínodo, a Assembleia que constitui a instância máxima das igrejas valdenses e metodistas, reunida recentemente em Torre Pellice, na província de Turim. “Mesmo a gestão de um recurso tão grande que mais de meio milhão de italianos nos deu a responsabilidade de usar – explica Alessandra TrottaModerador da Mesa Valdense – é para nós uma forma de testemunhar a nossa fé cristã, apoiando ações de ajuda aos últimos e o compromisso de fazer o bem comum sem preconceitos ideológicos, sociais ou religiosos”. Números do projeto Em comparação com 2021, os projetos italianos estão aumentando (1107 em 2022, 730 em 2021: +51,6%) em comparação com os internacionais (450 em 2022, 431 em 2021: +4,4%). Para a Itália, os recursos foram distribuídos da seguinte forma: melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência (21%), promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens (17%), atividades culturais (16%), contraste à pobreza, privação social e precariedade laboral (9%), protecção da saúde (8%), acolhimento de refugiados e migrantes (7%), prevenção e luta contra a violência de género (7%), reabilitação de reclusos e ex-reclusos ( 4%), educação para a cidadania (4%), proteção ambiental (4%), idosos (3%). Os projetos internacionais são divididos da seguinte forma: cuidados de saúde e intervenções de proteção à saúde (19%), educação (19%), proteção à criança (12%), treinamento profissional e atividades geradoras de renda (11%), direitos humanos (9%) , desenvolvimento rural e segurança alimentar (9%), promoção do papel da mulher e igualdade de género (9%), ajuda humanitária de emergência (5%), acesso a água e saneamento (3%), luta contra a malnutrição (3%) , proteção ambiental (1%). A lista completa dos projetos aprovados para 2022 será publicada no site www.ottopermillevaldese.org até meados de setembro. O Otto per Mille pode ser doado por todos aqueles que fazem uma declaração de imposto a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo ou ao próprio Estado para os fins estabelecidos por lei. Outros fundos são 5×1000, que podem ser atribuídos a investigação científica ou associações e organizações sem fins lucrativos, e 2×1000, que só podem ser atribuídos a partidos políticos. No entanto, apenas 8×1000 são atribuídos anualmente pelo Ministério das Finanças (uma vez que já está “incluído” na tributação), e funciona efetivamente como uma votação, em que os que se abstêm contribuem para o valor do voto maioritário. Oito por mil de todos os rendimentos declarados são, em qualquer caso, divididos entre o Estado e todas as entidades religiosas responsáveis ​​por recebê-los, na proporção das escolhas efetivamente recebidas por cada organismo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.