conversas judaico-cristãs.  A comunidade, “uma ponta de lança”

conversas judaico-cristãs. A comunidade, “uma ponta de lança”

Do cartaz dos Colóquios Judaico-Cristãos. Giorgio Vasari “A Colheita do Maná”, Mosteiro de Camaldoli

Roma (NEV), 13 de dezembro de 2022 – As palestras nacionais judaico-cristãs sobre “A comunidade. Identidade, liderança, processos de tomada de decisão”. Organizados e acolhidos pelo Mosteiro de Camaldoli, os diálogos contaram com a participação, entre outros, do pároco Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e do pároco valdense Ilenya Goss.

“Tefillah judaico e oração litúrgica cristã, refeições com cuidado atento de kashrut, Shabat compartilhado: uma fraternidade particular e intensa se formou entre nós e em nós que nos tornou uma comunidade em movimento. Pesquisa acadêmica, paixão pelo diálogo, desejo de construir lugares de partilha. Muitos nomes, muitos rostos, uma ponta de lança na jornada que nos une a todos. Baruch HaShem!” escreveu o pastor Goss em sua página no Facebook um dia após as palestras.

Goss falou sobre um tema que tem despertado muito interesse, o da sinodalidade na igreja valdense, cuja organização é do tipo colegiado e assembléia. Essa é uma das peculiaridades da igreja protestante, cuja “referência normativa” é o Novo Testamento, conforme consta no próprio site da Igreja. De fato, “Das cartas apostólicas resulta que as primeiras comunidades cristãs eram dirigidas por presbíteros (termo que significa literalmente anciãos) no modelo das sinagogas judaicas […]. A pregação, o ensino, a disciplina são exercidos de forma colegial”.

Comunidade: modelos, tradições judaicas e cristãs, sinodalidade

De 7 a 11 de dezembro, coordenado pelo monge de Camaldoli Mateus Ferrari, os diálogos desenvolvidos ao longo de várias sessões. No início, a fala de abertura sobre os “Modelos de comunidade no pensamento judaico” do filósofo. Massimo Giuliani.

O pastor Daniele Garrone falou na sessão “A comunidade hoje na tradição judaica e cristã”, juntamente com Juliano SavinaDiretor do Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da CEI e Rabino Alfonso ArbibPresidente da Assembléia Rabínica na Itália.

Na sexta-feira falou-se sobre a vida de uma comunidade judaica, enquanto no sábado se discutiu a sinodalidade na Igreja Valdense, conduzida pela pastora Ilenya Goss; no caminho sinodal na Igreja Católica, com o teólogo Simona Segoloni; finalmente, sobre os processos de tomada de decisão na igreja adventista, com Tiziano Rimoldi da Faculdade Teológica Adventista de Florença. Domingo, 11 de dezembro, encerramento sobre “Viver a comunidade/fraternidade um desafio para judeus e cristãos”.

As conversas

As palestras foram uma oportunidade para aprofundar o conhecimento mútuo, em particular sobre um tema fundamental “tanto para o judaísmo como para o cristianismo”, nomeadamente o tema da “comunidade”. Os organizadores escrevem: “De fato, em ambas as tradições, partindo do mesmo fundamento bíblico, a relação com Deus nunca tem uma dimensão exclusivamente individual, mas passa sempre pela mediação de um povo, de uma comunidade.
Ha-Shem faz sua aliança com um povo, dá sua Torá a Israel, liberta-o, salva-o, conduz-o à Terra de sua Promessa. Da mesma forma na tradição cristã, que tem suas raízes na mesma história bíblica, os discípulos de Yeshua-Jesus são uma “ekklesia”, uma comunidade reunida. Certamente a relação com Deus também tem uma dimensão pessoal, mas não se pode prescindir da dimensão comunitária.
Esta dimensão essencialmente comunitária do judaísmo e do cristianismo tem consequências nas práticas religiosas, na liturgia, nas indicações morais. Basta ler as normas contidas na Torá para ver como nelas o assunto principal ao qual Ha-Shem se dirige é a comunidade.
Este tema constitui um desafio para ambas as tradições, sobretudo a partir de novas provocações que partem da sociedade. Num mundo cada vez mais marcado pelo individualismo, o que significa reler a dimensão comunitária do judaísmo e
do cristianismo? Quais são os desafios mais urgentes?”.

Neste link, o cartaz das Entrevistas:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Informação, caminho para a paz entre os povos.  Escrevendo a história com o coração

Informação, caminho para a paz entre os povos. Escrevendo a história com o coração

Roma (NEV), 30 de junho de 2023 – O seminário gratuito promovido pela Federação Nacional da Imprensa Italiana (FNSI) e pela Ordem dos Jornalistas do Lácio intitulado “Informação, um caminho para a paz entre os povos. Escrever a história com o coração”. O curso "analisará a contribuição fundamental que as confissões religiosas podem dar às relações humanas significativas e à linguagem da paz que não é a linguagem da guerra", escrevem os organizadores. Aberto a todos os interessados, o seminário também concederá três créditos para jornalistas. Entre os palestrantes, também o jornalista Elena Ribeteditor da agência de notícias NEV. Atendimento das 10 às 13 na sala Walter Tobagi da FNSI, no Corso Vittorio Emanuele II 349. “Até a informação é uma forma de contribuir para a construção da paz e da harmonia entre os povos. Quem trabalha com informação e comunicação profissional, de fato, tem a responsabilidade de usar a palavra depois de tê-la pensado, ponderado e escolhido. Ele é o responsável pelos efeitos de cada palavra que sai da caneta, do rádio, da TV, dos jornais online e até do uso privado das redes sociais. A fala pode se tornar a arma mais perigosa se for distorcida, hostil e fonte de instigação à violência.O objetivo do curso é ajudar as pessoas a saberem ler e reler nosso tempo 'juntos', vivenciar mudanças 'juntos' com sabedoria e apoiar o uso responsável das palavras” continua no site da FNSI. Plano Apresentação e saudações Alexandra Constant (secretário-geral da FNSI), Guido D'Ubaldo (Presidente Odg Lazio) e Vicente Varagonapresidente da União da Imprensa Católica Italiana (UCSI). Os palestrantes, moderados por Maurizio Di Schino (membro do conselho da Fnsi), são: França Eckert Coen (vice-presidente de “Religiões pela paz Itália”); Asmae Dachan (jornalista, fotógrafo e escritor ítalo-sírio, professor contratado na Universidade de Macerata de Árabe Multimídia e Árabe para Cooperação Internacional); Michael Lipori (jornalista, editor-chefe Confronti); Elena Ribet (jornalista, agência de notícias Nev-Evangelical News/Federação de Igrejas Evangélicas na Itália); David Meghnagi (Professor de Psicologia Clínica e Dinâmica na Universidade Roma Tre); Paulo Ruffini (jornalista, prefeito do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé), Ivano Maiorella (membro do Conselho de Disciplina da Ordem dos Jornalistas do Lácio). ...

Ler artigo
“Com a benção de Deus, molde o futuro”

“Com a benção de Deus, molde o futuro”

O KultuuriKatel em Tallinn (Estônia), onde acontece a 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) - 2023 Roma (NEV), 13 de junho de 2023 - A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) começa amanhã. Com o título “Com a bênção de Deus – moldando o futuro”, acontece de 14 a 20 de junho de 2023 em Tallinn, na Estônia. São cinco delegados da Itália: Pastor Peter Ciaccio, para as igrejas metodistas. a pastora Letizia Tomassone, delegado da igreja valdense. O pastor Simone De Giuseppe para a União das Igrejas Evangélicas Batistas na Itália (UCEBI). a pastora Kirsten Thiele, representando a Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Estes são os delegados com voz deliberativa. Finalmente, com voz consultiva, delegado da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Irene Grassi. Pedimos a Peter Ciaccio que nos desse alguns detalhes sobre este importante evento internacional. Qual será o papel dos delegados italianos na 16ª Assembleia do KEK? Além de ter voz deliberativa ou consultiva, os delegados também exercem determinadas funções na Assembleia. Por exemplo, Irene Grassi é uma das responsáveis ​​pela animação musical litúrgica. Letizia Tomassone fará parte de uma comissão que ajudará a Assembleia a elaborar um documento final sobre as decisões tomadas. De minha parte, fui membro do Comitê de Planejamento e trabalhei com outros ao longo dos últimos anos para definir como esta Assembléia se desenrolaria, principalmente logisticamente. Como a CEC está se transformando? Em comparação com a Assembleia anterior (Novi Sad, Sérvia - 2018), houve dois eventos decisivos para a vida das igrejas na Europa e além. A primeira é o longo período da pandemia, caracterizado por restrições e pelo fato de muitas igrejas não terem conseguido se reunir ou terem se reunido majoritariamente por meio eletrônico. E depois, é claro, há a questão da guerra que já dura há mais de um ano a alguns quilômetros daqui – pelo menos no que diz respeito a esta segunda fase da invasão russa da Ucrânia. Quando foi decidida a realização da Assembleia em Tallinn, esta fase ainda não tinha começado, pelo que não havia ideia de lá ir por algum motivo relacionado com o conflito entre a Rússia e a Ucrânia. Quando a guerra estourou, parecia correto manter essa decisão, esperando poder levar uma mensagem de paz e justiça para as proximidades. O retorno à presença é um momento significativo para as igrejas. O que você acha? É difícil imaginar como as igrejas poderiam ter passado pelo período da pandemia sem o uso das tecnologias de comunicação. No entanto, é importante voltar a atender. E porque a verdadeira igreja se faz presencialmente, reunindo-se, movendo-se, saindo de seus lugares seguros, indo a um lugar comum louvar ao Senhor. E talvez porque essas grandes possibilidades da tecnologia tenham multiplicado eventos e reuniões, acabando por dar menos importância a cada encontro. Ou tornando difícil destacar quais reuniões foram as mais importantes. Certamente as reuniões a nível europeu estiveram entre as que mais pagaram o preço da pandemia. O sentido de organizações como a Conferência das Igrejas da Europa é precisamente o de criar situações de encontro, de partilha. E esses encontros de partilha acontecem precisamente na presença; incluem momentos culturais, momentos de refeição, momentos litúrgicos que só podem ser realizados presencialmente. E é precisamente no encontro entre pessoas de diferentes culturas, de diversas origens, de diversas confissões que se realiza o ecumenismo. Além da discussão e debate que possa haver sobre diferenças teológicas e eclesiológicas. Quais são os principais temas desta Assembleia? São dois os temas fundamentais desta Assembleia. A primeira é entender o que é o CEC, o que ele se tornou. Com efeito, a partir de 2013 iniciou-se um longo processo de reestruturação que mudou radicalmente o rosto da Conferência das Igrejas europeias. Da mudança da sede de Genebra para Bruxelas, à extinção da Comissão para igrejas e empresas. Passando pela transformação dos grupos de trabalho em redes. Ainda não está claro, exceto no papel, o que é o CEC. Será preciso ver como se concretizará a nova Conferência. Este parece ser um assunto interno, um tema de pouco interesse, mas é muito importante para entender como levar adiante o segundo tema, ou seja, o tema da paz e reconciliação na Europa. A paz e a reconciliação têm estado no centro da missão da CEC desde a sua fundação. De fato, a CEC nasceu no final dos anos 1950 como uma tentativa de aproximar os cristãos do Oriente e os cristãos do Ocidente, tendo no centro a Cortina de Ferro, o Muro de Berlim. Uma das primeiras conferências realizadas em um navio em águas internacionais no Báltico foi histórica, justamente para permitir a participação de cristãos que viviam de um lado ou de outro da Cortina de Ferro. Nesta fase histórica – em que parece reincidir uma divisão entre o Oriente e o Ocidente, numa chave claramente muito diferente e não análoga – importa perceber o que o KEK pode fazer para pôr este continente a falar entre si. Viver um presente e um futuro reconciliados em nome da paz, da justiça e da proteção da criação. Precisamos entender como o KEK conseguirá, em sua nova fórmula e em sua reestruturação, ser tão eficaz quanto foi de fato na história, nas décadas de 1950 e 1960, até as grandes Assembléias Ecumênicas de 1989 em Basileia e 1997 em Graz . Para mais informações, programa, fotos e direct acesse ...

Ler artigo
Reimaginando o ecumenismo em um mundo atingido por uma pandemia

Reimaginando o ecumenismo em um mundo atingido por uma pandemia

Foto retirada de cwmission.org Roma (NEV), 13 de fevereiro de 2022 – O Secretário Geral do Conselho para a Missão (CWM – Council for World Mission), pároco Joseop Keumexortou os líderes cristãos mundiais a repensar o ecumenismo. Convidado pelo Global Christian Forum (GCF), o pastor Keum lançou uma mensagem desafiadora sobre como revisitar o ecumenismo neste mundo atingido pela pandemia. A iniciativa faz parte de uma série de encontros preparatórios em vista do próximo Fórum Global, previsto para 2024. Entre eles, também houve o encontro de facilitadores realizado de forma híbrida de 5 a 9 de fevereiro na Domus Romana Sacerdotalis em Roma, que também contou com a presença do bispo Rosemarie Wenner (foto abaixo, terceiro da esquerda) do Conselho Metodista Mundial. Nos mesmos dias, entre outras coisas, a delegação religiosa se encontrou com o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Mirella ManocchioE Papa Francisco. Ecumenismo transformador Em seu discurso durante a sessão de abertura, o pastor Jooseop Keum expressou sua preocupação com as injustiças sociais, políticas e econômicas reveladas pela pandemia global de Covid-19. Também destacou a ganância sistêmica que não está apenas explorando a vida de pessoas vulneráveis, mas também destruindo o meio ambiente. “A pandemia de Covid-19 não é um desastre natural nem acidental”, disse Keum. É um desastre ecológico causado pelo homem devido ao genocídio da ecodiversidade e invasão humana em lares de animais selvagens.” Neste mundo atingido pela pandemia, com desafios internos ao movimento ecumênico, Keum também convocou os membros do Fórum Cristão a reinventar um ecumenismo transformador. É preciso desmantelar as estruturas que servem apenas aos privilegiados, recebendo o Espírito Santo, redescobrindo a fé à margem e derrotando a cultura do ódio com a força do amor, declarou Keum. O pastor destacou a necessidade de uma transformação radical no movimento ecumênico, também em seus espaços. “Revisar o ecumenismo requer uma mudança de lugar – tanto em termos hermenêuticos quanto geográficos: das câmaras do conselho para as ruas, e do dogma para a vida. A vida e as vidas importam, por isso revisitar o ecumenismo é um apelo à celebração da vida em sua plenitude, com as pessoas, em seus contextos reais e em comunidades concretas”. No final de seu discurso, ele sugeriu sete direções para o futuro do ecumenismo: Status confessionis sobre mudanças climáticas e justiça ecológica. Desenvolva a economia da vida em vez de servir a "mammon", o "deus" do dinheiro. Reimaginar o ecumenismo como um movimento a partir das margens, além das instituições. Cultive uma espiritualidade da interconectividade da vida e da solidariedade da esperança. Promova parcerias e explore teologias entre os vulneráveis. Mudando o foco do ecumenismo do eurocêntrico para o cristianismo global. Promover uma liderança ecumênica baseada em valores de fé, não eclesiais. O pastor Casley EssamuahSecretário-Geral do GCF, e outros participantes expressaram gratidão a Keum por seu discurso, que "ajudará a discernir o caminho a seguir em vista da reunião global de 2024". Foto tirada da página do Global Christian Forum no Facebook. Delegação em audiência com o Papa Francisco, fevereiro de 2022 Fórum Cristão Global (GCF) O GCF é um fórum global de líderes cristãos de diferentes tradições, regiões, culturas e nações. Proposto pela 8ª Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) em 1998 em Harare, o GCF nasceu, após um processo de consultas, para reunir várias tradições eclesiásticas num caminho comum de reflexão rumo à unidade das igrejas globais, sobre igualdade de condições e respeito mútuo. Inclui representantes evangélicos, pentecostais e católicos, juntamente com as igrejas membros do CMI. Obrigado Antonella Visintincoordenadora da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pelos relatórios e pelo apoio à tradução. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.