O Sínodo das Igrejas Metodistas e Valdenses de 22 a 25 de agosto

O Sínodo das Igrejas Metodistas e Valdenses de 22 a 25 de agosto

a “Casa Valdese” de Torre Pellice onde se realiza o trabalho da assembléia das igrejas metodista e valdense na sala sinodal durante uma semana por ano

Roma (NEV CS/16), 6 de agosto de 2021 – De volta Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas. O site www.chiesavaldese.org dá a notícia, que publica hoje o calendário com as principais marcações do evento que se realizará em fórmula mista (presencial e online) para fazer face à emergência Covid ainda não superada.

Há um ano o sínodo não foi celebrado e foram organizados momentos de discussão, enquanto este ano o mais alto corpo governante das igrejas valdenses e metodistas estará totalmente operacional, embora com um horário reduzido do que o habitual, de domingo 22 a quarta-feira 25 de agosto, entre a web e o tradicional escritório de Torre Pellice, na província de Torino. Não faltarão eventos paralelos como debates, apresentações, reuniões teológicas, também neste caso parte online e parte presencial, sempre em nome da segurança.

O calendário com os principais eventos:

sexta-feira 20 – Concerto em francês pela associação Musicainsieme. Encontro às 21 horas no Templo Valdense de Torre Pellice

sábado, 21 – O “pré-sínodo” da Federação das Mulheres Evangélicas às 17h propõe uma mesa redonda sobre o tema “Contraponto: mulher e trabalho, um olhar diferente sobre a economia, a sociedade e a política. Mulheres protestantes enfrentando os desafios de uma sociedade em transformação”. O debate será transmitido ao vivo pela página do Facebook da Reforma.

domingo 22 – Entramos no coração do Sínodo com o culto inaugural às 10h no templo da Torre Pellice presidido pelo pastor Winfrid Pfannkuche. O culto será transmitido pelos canais do Facebook e YouTube da Rádio Evangélica Beckwith.

segunda-feira, 23 – A habitual segunda-feira à noite regressa e aborda o tema “Next generation EU? Os jovens e a Europa entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização”. O encontro é às 21h no templo da Torre Pellice, com transmissão ao vivo da Rádio Evangélica Beckwith. Marta Bernardini (Esperança do Mediterrâneo) e Valeria Lucenti (vice-diretora do Centro Ecumênico Ágape) lideram. Annalisa Camilli (jornalista de Internacional), Stefano Allievi (sociólogo, Universidade de Pádua), Brando Benifei (MEP), pastora Daniela Di Carlo; conclusões da moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta.

quarta-feira 25 – Outro tema central de cada semana sinodal é o da diaconia. Às 21h, no jardim da casa valdense, será realizado o encontro sobre “Fronteiras diaconais – Pensamento teológico e diaconal” da Comissão Sinodal para a diaconia. Será apresentado o novo número dos cadernos da Diaconia: “Pensamento teológico e diaconal”.

quinta-feira 26 – Novo em relação ao habitual é a colocação do tradicional dia teológico dedicado a Giovanni Miegge, geralmente antes do sínodo e desta vez após o seu encerramento. Presencialmente no templo da Torre Pellice e online será possível acompanhar o encontro sobre “A crise da democracia e o papel das igrejas no espaço público. A igreja entre a felicidade individual e a construção da sociedade”.

Segue o link da vídeo mensagem da moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta em vista do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense 2021: “O amor nunca falhará”

“Estamos confiantes de que na variedade de rostos, sotaques, dos 180 deputados masculinos e femininos, homens e mulheres, jovens e velhos, pastores e leigos, principalmente conectados por uma tela, tudo será expresso a força da união unida, a alegria de compartilhar, responsabilidade pela participação ativa de todos na tomada das decisões que nortearão a vida e a ação de nossas igrejas no próximo ano”, disse Alessandra Trotta no vídeo.

Para mais informações sobre o programa e conteúdos do Sínodo 2021: www.chiesavaldese.org

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Otto per mille Waldensian apóia iniciativas de apoio às mulheres

O Otto per mille Waldensian apóia iniciativas de apoio às mulheres

Roma (NEV), 23 de novembro de 2022 – Recebemos e publicamos o comunicado de imprensa do Otto per mille valdense e metodista por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, que é comemorado em 25 de novembro. Violência de gênero: todos devem fazer sua parte para combatê-la. Por isso, o Otto per Mille valdense e metodista dá a cada ano sua própria contribuição concreta: em 2021, são 59 iniciativas, na Itália, para a prevenção da violência de gênero e apoio às mulheres, às quais foram atribuídos apoios que ascende a um total de 821 milhares de euros. Por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, celebrado em 25 de novembro, Manuela VinayOtto per Mille Waldensian e gerente metodista, destaca a importância de apoiar iniciativas voltadas para o combate a esse flagelo social: "Os projetos que financiamos são voltados para mulheres que sofrem violência física ou psicológica, ou que se sentem em perigo e precisam de assistência, proteção, aconselhamento sobre os seus direitos”. Mas isso não é tudo: com os fundos Otto per Mille, a Igreja Valdense e Metodista também financia projetos para melhorar a condição das mulheres e programas de apoio a autores de violência doméstica: bolsas de estudo, microcrédito, empreendimentos cooperativos, projetos artísticos e culturais: "As iniciativas , explica Manuela Vinay, são selecionados com base em critérios de justiça e solidariedade para com os mais fracos, sem preconceitos religiosos, ideológicos ou políticos: para nós é importante que os projetos sejam concebidos e executados em harmonia com os nossos valores”. O apoio do Otto per Mille valdense e metodista é, portanto, articulado em diferentes frentes e de diferentes maneiras: “É importante reconhecer, comenta Alessandra Pauncz, presidente do Centro de Escuta dos Homens Maltratantes (CAM, Florença), que os programas de apoio para os autores da violência é uma forma de combatê-la eficazmente, intervindo na raiz junto dos homens que a praticam". Antonella Veltri, presidente da rede nacional de centros DiRe anti-violência, confirma a contribuição de Otto per Mille Valdense e Metodista, nos permitiu desenvolver atividades de advocacy nacionais e internacionais, favorecendo o planejamento de ações para melhorar a condição das mulheres que sofrem maus-tratos. A violência masculina contra as mulheres é uma violação dos direitos humanos e esta intervenção é uma ferramenta para promover seu conhecimento e sua realização concreta na Itália, com participação ativa e ações direcionadas”. ...

Ler artigo
Mulheres e a Bíblia” no início, boom de matrículas

Mulheres e a Bíblia” no início, boom de matrículas

Arquivo. 9 de março de 2015, assinatura no Senado do Apelo Ecumênico contra a violência promovido pela FDEI. Foto Elena Ribet Roma (NEV), 12 de março de 2021 – Atualmente, há 159 inscrições para o curso de teologia online "Violência e poder: mulheres e a Bíblia", que começa no domingo, 14 de março. Estamos falando de 159 homens e mulheres, católicos e protestantes, entre diáconos, teólogos, universitários, professores. Além disso, pastores probatórios, estudantes de faculdades teológicas, candidatos ao ministério e pessoas de diversas origens ecumênicas. Por exemplo, representantes de igrejas latino-americanas, de uma faculdade pontifícia, da Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI), da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Algumas inscrições vêm da Suíça, Argentina e Colômbia. Nos círculos protestantes e reformados, as inscrições vieram de áreas batistas, valdenses, luteranas, metodistas, do Exército de Salvação (SE), bem como de igrejas adventistas e pentecostais. Foto do cartaz do FDEI – detalhe. Imagem de Silvia Gastaldi – aquarela Ester O curso é organizado e promovido pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). “Este é o sinal claro de uma necessidade que se faz presente – declarou o presidente da FDEI, pároco Gabriela Lio -. Estou muito feliz com essa incrível variedade de inscritos. A esperança é que este seja apenas o começo”. Essa necessidade de conhecimento nasce do desejo “de uma abordagem diferente, uma abertura à leitura dos textos bíblicos para redescobrir contextos e histórias que obscureceram o feminino por séculos – continuou Lio -. O trabalho do FDEI é assim. Contra a violência contra a mulher, sempre, e à luz da palavra”. O curso será ministrado por corinne lanoirestudioso da Bíblia e professor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Protestante de Paris, e por Letizia Tomassoneteóloga, professora do curso de "Estudos Feministas e de Gênero" na Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Os encontros serão realizados no Zoom de 14 de março a 9 de maio de 2021. Para informações, escreva para [email protected] As pessoas inscritas no curso receberão referências bíblicas e bibliografia aprofundada para cada encontro, além do link para se conectar à plataforma zoom onde será possível interagir com dúvidas e comentários. Os não inscritos ainda poderão acompanhar o curso em vídeo aula, diferido, na página do Facebook da igreja valdense em Florença, neste link. Segue abaixo o calendário de reuniões. Baixe o cartaz do curso de Teologia Bíblica em pdf 1ª REUNIÃO Como lemos a Bíblia. Até as matriarcas sofrem violência de gênero 14 de março das 17:00 às 19:00 zoom 2ª REUNIÃO Histórias de violência e patriarcado 28 de março das 17:00 às 19:00 zoom 3ª REUNIÃO O silêncio das mulheres 18 de abril das 17:00 às 19:00 zoom 4ª REUNIÃO Violência econômica e de poder 9 de maio das 17:00 às 19:00 zoom A Federação de Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) é um movimento de mulheres pertencentes às igrejas batista, metodista, valdense e outras organizações de mulheres na área evangélica (luteranas, adventistas, Exército de Salvação e Igreja Reformada do Ticino). Organiza e participa em iniciativas conjuntas com organizações de mulheres protestantes a nível internacional e mantém relações com organizações de mulheres católicas e seculares a nível nacional e local. Entre as iniciativas, a promoção do Apelo Ecumênico contra a violência contra as mulheres, assinado pela Igreja Católica, a Federação das Igrejas Protestantes da Itália, a Sagrada Arquidiocese Ortodoxa da Itália e Malta, a Diocese Ortodoxa Romena, a administração das paróquias da Patriarcado de Moscou, Igreja Ortodoxa Copta, Igreja Apostólica Armênia, Igreja Católica Bizantina Ucraniana, Igreja Católica Nacional Polonesa dos Estados Unidos da América e Canadá. ...

Ler artigo
Sínodo da Amazônia.  Trabalhamos por uma ecologia integral

Sínodo da Amazônia. Trabalhamos por uma ecologia integral

foto wiki Roma (NEV), 3 de outubro de 2019 – No domingo, 6 de outubro, às 10h, o Sínodo para a Amazônia começará oficialmente em Roma, na Basílica de São Pedro. Até o dia 27 de outubro, a assembléia debaterá os diversos temas que emergem do documento norteador "Amazônia: novos caminhos para a igreja e para uma ecologia integral" e as questões a eles interligadas: destruição extrativista, proteção dos povos indígenas, migração e urbanização, saúde e educação, inculturação e interculturalidade, biodiversidade, luta contra a pobreza, justiça social, proteção das florestas e da natureza. Alguns temas espinhosos já estão sobre a mesa, desde o papel da mulher no celibato, até as acusações de heresia e apostasia feitas pelo cardeal Raymond Burke e pelo bispo Athanasius Schneider. Também participarão dos trabalhos 6 representantes de outras igrejas e comunidades eclesiais presentes e atuantes na região amazônica: Pedro Arana Quirozpároco da Igreja Presbiteriana do Peru, Moab César Carvalho Costada Assembleia de Deus do Brasil, Edgar Castanopresidente do Conselho Evangélico Colombiano, Daniel dos Santos Limada Comunidade Anglicana de Manaus da Igreja Anglicana Episcopal do Brasil, o pároco Cláudio Correa de MirandaVice-coordenador CAIC Igreja Anglicana do Brasil e pastor luterano Nicolau Nascimento de PaivaCoordenador do CAIC, da Igreja Evangélica Luterana no Brasil. Durante uma coletiva de imprensa lotada no Vaticano, o Sínodo para a Amazônia foi apresentado esta manhã pelo Cardeal Lorenzo Baldisserisecretário geral do Sínodo dos Bispos, pelo cardeal brasileiro Cláudio Hummes, presidente da REPAM e relator geral do Sínodo para a Amazônia, e pelo subsecretário do Sínodo dos Bispos, Fábio Fabeneque ilustrou o documento aos jornalistas presentes Instrumentum laboriselaborada ad hoc para este Sínodo, e a composição da assembléia sinodal. "EU'Instrumentum laboris trata-se essencialmente da coleta e sistematização por tema do material produzido durante a fase de consulta, período de dois anos em que a igreja na Amazônia ouviu todos os componentes do Povo de Deus interessados ​​no tema (cerca de 80.000 pessoas). Não é um documento pontifício, mas um texto oferecido como ponto de referência para a discussão durante os trabalhos da Assembleia Sinodal" disse Baldisseri que depois, respondendo a perguntas, esclareceu que não é sequer um traço modificável de um documento definitivo, que ao contrário surgem do texto elaborado pela assembléia sinodal e depois ratificado pelo papa. São 184 membros sinodais, dos quais 136 participam do escritório; destes, 113 provêm das diversas circunscrições eclesiásticas pan-amazônicas. 28 cardeais, 29 arcebispos, 62 bispos residenciais, 7 auxiliares, 27 vigários apostólicos e 10 bispos prelados, 21 membros não bispos, incluindo diocesanos e religiosos. Também participam do Sínodo 6 representantes ecumênicos, 12 convidados especiais escolhidos por sua alta competência científica ou que realizam atividades de caráter humanitário ou voltados para a proteção do meio ambiente, 25 especialistas, 55 auditores, incluindo 10 religiosos, 17 representantes de diferentes origens indígenas e etnias indígenas, incluindo 9 mulheres. O número total de mulheres participantes nos trabalhos sinodais é de 35: 2 são convidadas especiais, 4 especialistas (das quais 2 religiosas) e 29 auditoras (18 religiosas). “O contexto deste Sínodo é a grave crise ambiental e social que vive a Amazônia – disse Hummes -. Uma crise climática, que se manifesta no aquecimento global; uma crise ecológica, devido à poluição e devastação; uma crise social que se manifesta na pobreza e na miséria e que atinge a maioria dos seres humanos e, na Amazônia, em particular os indígenas, os pequenos agricultores e os que vivem nas periferias das cidades amazônicas". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.