Corredores humanitários Síria, chegada hoje do Líbano

Corredores humanitários Síria, chegada hoje do Líbano

Roma (NEV), 25 de novembro de 2022 – Farid tem 38 anos, passou muito tempo, cerca de quatro anos, em uma prisão síria, por motivos políticos. Ele tem duas filhas pequenas, de 7 e 5 anos. Enquanto ele estava sob custódia, sua esposa foi morta, um míssil atingiu sua casa. Hoje ele chega à Itália, junto com sua nova companheira e as meninas, graças a um corredor humanitário do Líbano, país onde se refugiou. Eles irão morar na Calábria. Talvez consiga voltar ao seu esporte favorito, o karatê, do qual também foi treinador. Bem-vindo bem vindo.


Abaixo os dados dos corredores do Líbano:


Para saber mais:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Questionário online sobre Eucaristia Católica e Santa Ceia Protestante

Questionário online sobre Eucaristia Católica e Santa Ceia Protestante

Ilustração retirada do número 9 da "Hospitalidade Eucarística" Roma (NEV), 15 de setembro de 2021 – Um novo questionário para explorar as teorias e práticas de recepção mútua da Eucaristia Católica e da Santa Ceia Protestante. Pode ser preenchido no seguinte link: Lançado em 2017 na forma de papel, o questionário agora está online, para ampliar a pesquisa e a reflexão. A iniciativa é lançada juntamente com a publicação da edição de setembro do boletim “Acolhimento Eucarístico”. Os editores escrevem: “Estamos agora no início do 4º ano do nosso boletim, e no editorial você encontrará algumas notícias importantes relacionadas à nossa reorganização. Esperamos que isso ajude a melhorar nosso conteúdo e sua participação." Em suporte de Margarida Ricciuti E Pedro Urciuoliagora também estão colaborando com o projeto Alexandre Foriero (valdense), Mateus Ricciardi (pastor da Igreja do Nazareno) e Marco Sillini (Católico). No número de setembro, outras novidades: um projeto de formação, pesquisas sobre o tema da hospitalidade eucarística e a contribuição de Paulo rico“Apartheid Eucarístico”. . Para informações escreva para: [email protected] O boletim "Hospitalidade Eucarística" é editado por alguns membros do grupo ecumênico "Spezzare il pane", que inclui alguns crentes protestantes e católicos. O grupo, nascido no âmbito ecumênico em 2011 em Turim, envolve igrejas, mosteiros e paróquias.“O termo 'hóspede' indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Portanto, a 'hospitalidade eucarística' é uma forma de dizer que todos somos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”. ...

Ler artigo
Trabalhadores migrantes: não apenas anistias, reformas estruturais são necessárias

Trabalhadores migrantes: não apenas anistias, reformas estruturais são necessárias

Roma (NEV), 15 de julho de 2022 - por Benedetta Fragomeni - A conferência sobre Ero Straniero foi realizada ontem, 14 de julho, na Sala Zuccari do Palazzo Giustiniani, no Senado, vinte anos após a lei Bossi-Fini. , campanha lançada em abril de 2017, à qual também a FCEI adere, que surge da necessidade de adotar uma abordagem pragmática da questão migratória no nosso país. O projeto de lei de iniciativa popular intitulado "Novas regras para a promoção de autorizações de residência regular e inclusão social e laboral de cidadãos estrangeiros não pertencentes à UE" foi arquivado na Câmara dos Deputados em 2017 com mais de 90.000 assinaturas. Conforme explicou Julia Capitani, Oxfam Italia, a proposta é o resultado da "coalizão, da experiência de muitas realidades muito diferentes que funcionaram efetivamente juntas"; a campanha é de fato promovida por várias organizações, incluindo Italian Radicals, ACLI, ARCI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, Oxfam, ActionAid, Legambiente, Federazione Chiese Evangeliche Italiane, CGIL e dezenas de outras organizações, com o apoio de centenas de prefeitos. A reunião foi apresentada pelo senador Emma Boninoapoiante da campanha, que recordou os sucessos alcançados mas também que o caminho ainda é longo…“Ainda estamos aqui mas entretanto tenho a impressão que a consciencialização no nosso país melhorou um pouco dada a necessidade de muitos sectores industriais e comerciantes agora estão reconhecendo em voz alta que temos uma grande necessidade deles”. Durante a conferência, foram reafirmados os objectivos da campanha num contexto, o dos últimos anos, em que a atenção da opinião pública se voltou para as questões de emergência, chegadas e hospitalidade, "questões necessárias que, no entanto, temem deixar em segundo plano uma visão de longo prazo”, explica Giulia Capitani. Neste senário, EroStraniero pede "vias de entrada de trabalho reais, eficazes e adequadas aos novos cenários de mobilidade humana, mas também às necessidades reais do mundo produtivo por um lado e, por outro, a preparação de políticas ativas em nossa sociedade para as pessoas que já estão aqui”. A campanha propõe, portanto, uma reforma dos regulamentos para alcançar "uma solução pragmática que atenda às necessidades de todos, das pessoas que chegam ao nosso país, por um lado, e da sociedade de acolhimento, por outro". Entre os temas que emergiram, aliás, foi sublinhado como é necessário conciliar oferta e procura de forma eficaz, "existem duas necessidades: a dos trabalhadores e a dos empregadores que não cumprem por causa de um sistema que não pode ser sintonizado com a realidade do país” – explicou Júlia Gori, advocacy officer de campanhas, FCEI – “em comparação com o início da campanha há mais sensibilidade e conscientização, principalmente por parte dos empregadores. Mas faltam respostas estruturais ao mundo produtivo e isso corresponde à precariedade dos trabalhadores estrangeiros”. A conferência continuou com um retrato da realidade e dos atores envolvidos ou a envolver na perspetiva de uma nova estratégia. Ele falou sobre a situação atual sobre o tema da contratação ilegal Hardeep Kaur, FLAI-CGIL: "Não temos respostas certas para mais de metade das questões apresentadas" - explicou o sindicalista - "os pedidos de regularização não são números, são pessoas, que devem sair de um sistema que está "podre". O Bossi-Fini é no mínimo anacrônico”. Propor uma estratégia sobre necessidades comuns foi Cláudio CappelliniCNA, que trouxe a voz das pequenas empresas para a Itália: "Há um desejo muito forte nas comunidades estrangeiras de fazer negócios e também contribuir para o desenvolvimento dos países de origem, é necessário promover o envolvimento do sistema empresarial e construir pontes, formas de colaboração com os países com os quais a União Europeia tem acordos”. “As regularizações ou amnistias de 1990 a 2021 envolveram 1,8 milhões de cidadãos não comunitários. E quem está regularizado continua no mercado formal”. Os dados da Fundação Moressa apresentados pela pesquisadora Chiara Tronchin, agora na conferência de @Ero_Straniero pic.twitter.com/9LLGEEouDy — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 14 de julho de 2022 Entre as experiências relatadas por ocasião da conferência EroStraniero, Chris Richmond, fundador da Mygrants, contou sobre um projeto concreto, o de um app que lançou para aproximar empresas e trabalhadores, combinar talentos com oportunidades, antes mesmo de as pessoas saírem de seus países de origem. “Achamos que é hora de trabalhar no aprimoramento de habilidades, pretendemos identificar o assunto mais adequado para satisfazer a necessidade de emprego antes mesmo da partida. Pedimos uma coalizão entre empresas e sociedade civil”, afirmou. A última intervenção consistiu em Tatiana Esposito, diretor-geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho. “Identificamos alguns pontos críticos e imaginamos formas de superá-los – declarou o representante do ministério – que em alguns casos são muito semelhantes aos identificados pela campanha. Três coisas são necessárias: fôlego, planejamento, certezas. A incerteza aumenta a vulnerabilidade e abre caminho para a exploração”. Assim terminou a conferência da campanha Ero Straniero, na qual se reafirmou a necessidade de sair da lógica da intervenção única e trabalhar de forma sistémica e sistemática, procurando uma visão mais a longo prazo que tenha no seu centro a programação de vias de entrada para o trabalho e inclusão activa na sociedade da população estrangeira residente no nosso país. Aqui está o vídeo completo da reunião: ...

Ler artigo
Eco-comunidade para desarmamento climático e conversão ambiental

Eco-comunidade para desarmamento climático e conversão ambiental

Representantes da eco-comunidade pedem "desarmamento climático". Assembleia 2022, Nápoles Roma (NEV), 7 de novembro de 2022 - A assembleia bienal de ecocomunidades, que acaba de ser concluída em Nápoles, juntou-se à campanha pelo "desarmamento climático" por ocasião do Dia Internacional para prevenir a exploração do meio ambiente na guerra e conflito armado. Além disso, outras 4 igrejas luteranas aderiram ao processo “eco” da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), promotora da iniciativa. Estas são as igrejas de Merano, Gênova, Florença e Nápoles. Pedimos um comentário ao coordenador do GLAM, Maria Elena Lacquaniti, após os três dias em Nápoles. Lacquaniti expressou sua satisfação com a entrada das novas comunidades e com o resultado da conferência, repleta de reflexões e propostas. Programada para 2023, uma série de conferências sobre trabalho e meio ambiente. A bienal de eco-comunidades “Entre presenças online e físicas, participaram cerca de 40 pessoas no primeiro dia e cerca de 30 no segundo dia. Também estamos muito felizes que alguns grupos tenham deixado temporariamente os trabalhos da Assembleia para participar da marcha pela paz em 5 de novembro, também realizada em Nápoles”, disse Lacquaniti. O coordenador destacou as excelentes ideias teológicas que brotaram das intervenções do Kirsten Thielepastor luterano e vice-reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e da Hanz Gutiérrezteólogo e professor da Faculdade Adventista de Teologia. Kirsten Thiele falou, entre outras coisas, da ética cristã como a ética da gratidão. Além disso, do conceito de "preservação", uma vez que a salvaguarda da criação "não é tarefa exclusiva de Deus, mas exige que o homem respeite e proteja, guarde, mantenha e conserve o que Deus criou". Não só a teologia, mas também a filosofia, quando Thiele fala em “Tornar o motivo corporal cosmológica e ecologicamente fecundo, para a coexistência de todas as criaturas”, sugerindo a ideia de um “organismo” que interliga Deus, a humanidade e o criado. Lacquaniti continua: “Tanto Thiele quanto Gutierrez chamaram a atenção para a relação entre os seres humanos e a criação. Em particular, falamos sobre a visão antropocêntrica que, apesar de nossas boas tentativas, sempre permanece decisiva para provocar um desequilíbrio. Gutierrez abordou o tema da alteração do artigo 9º da Constituição. O que restará para as gerações futuras? Falamos de recursos, mas não mencionamos os direitos precisos do meio ambiente, que permanecem implícitos”. Gutierrez também introduziu a eco-teologia de Jurgen Moltmann. Falando do ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus, sublinhou que Deus “se limita”, no sentido de que limita o seu poder de se aproximar do homem. O homem deve fazer o mesmo com a criação. Precisamos de uma conversão ecológica No segundo dia, Maria Elena Lacquaniti continua, focada nas questões da transição energética e na necessidade de uma conversão ecológica e uma corajosa transição para a sustentabilidade, que deve ser feita imediatamente. “Analisamos alguns dados – explica Lacquaniti – e ficamos surpresos com o fato de, por exemplo, ter havido um aumento significativo da produção de energia a partir de fontes renováveis ​​nos últimos dois anos, mas isso não corresponde a uma diminuição dos combustíveis fósseis. Por que? Como se a consciência de um fosse corrigida, mas um continuasse com o consumo habitual do outro”. Das eco-comunidades vem o convite ao comportamento consciente e crítico. O objetivo é dar sentido à sustentabilidade, que deve se basear em três princípios cardeais: proteção ambiental, equidade e economia justa. “Não basta aumentar as renováveis, é preciso reduzir os combustíveis fósseis e mudar o consumo, senão esses princípios não serão cumpridos”, comenta Lacquaniti. …a terra está lá, mas você não pode vê-la Emanuele De Gasperis em seu relatório ele deu um panorama sobre sustentabilidade e o número de habitantes do planeta. Antigamente era criado para comer, mas hoje é "produzido" para comer. O conceito de produção tem impactos no ambiente e nos animais, com uma vertente ética que também, mas não só, diz respeito ao bem-estar animal. Basta pensar, relata Lacquaniti, que a vida útil de um frango orgânico é estimada em 80 dias, enquanto a de um frango em produção industrial é de 30 dias. “Não é com 50 dias de diferença que podemos ficar com a alma em paz” observa a coordenadora da GLAM, que no entanto convida a uma maior sensibilidade sobre que tipo de consumidores queremos ser. De Gasperis também falou das chamadas "fazendas caipiras", uma expressão um tanto romântica ingênuo que lembra a imagem de galinhas alegres ciscando no terreiro, imagem distante da realidade de enormes gaiolas em bateria onde a terra está ali, mas não se vê. Morrendo pela justiça ambiental Foto: Wiki Commons Roberto Stuckert Filho/Gab. Senador Humberto Costa O tema de como a agricultura industrial também se cruza com as guerras em curso que não vemos, nos levou a lembrar aqueles que morreram para proteger o meio ambiente. Entre eles, o jornalista Dom Phillips e o ativista brasileiro Bruno Pereira, assassinado em junho no Brasil enquanto investigava apropriações de terras de povos isolados. A Amazônia está em risco, consumida por políticas gananciosas que ameaçam levá-la a um colapso irreversível. “Contamos com Lula – diz Lacquaniti -, que escreveu em seu programa de governo que pretende proteger a Amazônia. O mundo está pendurado. Pensando na América Latina, na Amazônia, mas também no resto do mundo e na própria Itália, estamos falando de percentuais muito altos de extinção de animais silvestres e perda de biodiversidade (dados do WWF)”. Futuro e presente, entre o trabalho e o ambiente A coordenadora do GLAM, Maria Elena Lacquaniti, conclui com uma nota de otimismo: “A relação com as eco-comunidades é esplêndida. Querem estar e manter-se em contacto, querem informar-se e participar num trabalho sistemático sobre estas temáticas, de forma constante e contínua. Um bom sinal e um bom começo para os próximos dois anos, até à próxima Assembleia. Para 2023 já planejamos uma série de iniciativas sobre trabalho e meio ambiente”. Eco-comunidades A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica na Itália há cerca de 30 candidatos ao diploma GLAM, de um grupo de mais de cem simpatizantes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.