“O tempo está se esgotando”

“O tempo está se esgotando”

Foto: Paul Jeffrey/CEC. 2 de setembro de 2022, Karlsruhe, Alemanha. Ativistas chamam atenção para crise climática durante protesto na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CEC)

Roma (NEV), 23 de setembro de 2022 – Enquanto ocorre a greve global pelo clima do movimento Sextas-feiras para o Futuroe em conjunto com a Semana do Clima de Nova York, está ocorrendo a 77ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Foi neste contexto que decorreu o debate “Ouvir a voz da Criação: cuidar da criação numa época de emergência climática”. Promovido pelo Escritório Ecumênico das Nações Unidas (EOUN), foi realizado naCentro da Igreja Episcopal de nova York. A EOUN é o ponto de referência do Conselho Mundial de Igrejas (WCE) para as iniciativas de defesa na sede da ONU.

Estamos no coração do Tempo da Criação, o tempo litúrgico que se celebra em todo o mundo de 1 de setembro a 4 de outubro. A 77ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas inclui discussões sobre educação, paz, desenvolvimento sustentável e desarmamento nuclear. Justamente por isso, o debate promovido pela EOUN em chave inter-religiosa centrou-se nas mensagens a serem enviadas à ONU e aos líderes políticos mundiais para que “nossa casa terrena comum” esteja verdadeiramente no centro das agendas mundiais.

Os oradores, vindos de diferentes contextos religiosos e espirituais, enviaram uma mensagem unificada, partindo de uma pergunta complexa. “Como podemos ouvir a voz da criação – da natureza – individualmente, como corpos religiosos, como tomadores de decisão e formuladores de políticas em nossas sociedades?”

Bhagwan. Um grito do Pacífico: “Precisamos de uma transformação social”

O pastor James Bhagwan, secretário-geral da Conferência das Igrejas do Pacífico, em uma mensagem em vídeo, pediu o fortalecimento de campanhas, como a de um tratado de não proliferação de combustíveis fósseis. “Temos que nos comprometer seriamente – disse -. Continuamos a lutar para ganhar impulso no financiamento climático, para conter as perdas e danos. Fazer isso é essencial.” Bhagwan também pediu soluções eficazes para conter mais danos a um ecossistema já frágil. “Temos que garantir que tudo o que fazemos seja feito no contexto da proteção do meio ambiente. Precisamos de uma transformação social, sabemos disso”.

Tal transformação social deve fundamentar políticas, leis e regulamentos, de acordo com Bhagwan. Ele acrescentou: “Essa transformação social fornecerá a vontade política e a vontade empreendedora. Devemos garantir que os países atualmente mais vulneráveis ​​e afetados não contraiam mais dívidas enquanto tentam proteger o meio ambiente”.

“Há muito o que fazer e o tempo está acabando”, concluiu.

Smith. “Que a criação de Deus seja habitável para as gerações futuras”

Ryan Smith, gerente de programa do Escritório Ecumênico nas Nações Unidas e representante do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) na sede das Nações Unidas, falou sobre a “necessidade da comunidade de fé trazer nossa voz única na discussão sobre a crise climática. E trabalhar junto com parceiros religiosos e a comunidade científica para garantir que a criação de Deus seja habitável para as gerações futuras”.

A mesa redonda foi precedida por uma oração ecumênica. Para saber mais sobre o trabalho do Escritório Ecumênico nas Nações Unidas, clique AQUI.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Protestantismo, os novos tempos em Rai Tre

Protestantismo, os novos tempos em Rai Tre

Roma (NEV), 14 de setembro de 2022 - A partir de domingo, 18 de setembro, com a nova programação da Rai, o episódio dominical do Protestantismo, a transmissão de TV da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, será transmitido às 7 em vez das 8. Além disso, o as réplicas não serão mais duas, mas três. Abaixo estão as datas e horários dos compromissos para o próximo episódio. O programa, apresentado por Cláudio Paravatiserá transmitido pela Rai Tre. Domingo, 18 de setembro às 7 Réplicas:Terça-feira à noite, 20 de setembro, às 13h10Quarta-feira à noite, 21 de setembro, às 13h10Segunda-feira à noite, 26 de setembro, às 13h45sempre na Rai 3 Neste episódio: O caminho para o céuEm Hohrodberg, na França, uma comunidade de freiras protestantes,ele vive uma vida de silêncio e oração.As diaconisas de Estrasburgo falam sobre sua vida cotidianae as viagens interiores que os levaram a optar pela vida comunitária ...

Ler artigo
30 perguntas a partidos e candidatos políticos da Diaconia Valdense

30 perguntas a partidos e candidatos políticos da Diaconia Valdense

Roma (NEV), 6 de setembro de 2022 - Trabalho, saúde, meio ambiente, idosos e migrantes. Estes são os cinco temas sobre os quais a Diaconia Valdense questiona os partidos e candidatos políticos, tendo em vista as eleições de 25 de setembro. As 30 candidaturas foram apresentadas esta manhã, 6 de setembro, numa conferência de imprensa online. Francisco Sciottopresidente da Diaconia Valdense (Comissão Sinodal para a Diaconia-CSD), sublinhou que o fundamento desta iniciativa é a Constituição. Ouça as últimas “Todos os dias lidamos com pessoas desfavorecidas – disse Sciotto -. Nossa intenção é ouvir as novidades. Para isso pretendemos, entre outras coisas, saber como é que os partidos pretendem combater a pobreza e com que recursos”. São 6 perguntas sobre o tema "migração", desde um pedido explícito sobre a proteção dos direitos humanos e a condenação do racismo, até formas de apoio a novas formas de acolhimento como os Corredores Humanitários ou o patrocínios privados. Ambiente, bem comum internacional.Saúde, para todos e todas. Do meio ambiente, que Sciotto define como "um bem comum internacional", passamos ao conceito de "autodeterminação de homens e mulheres idosos". Por fim, a saúde: outras 6 questões, incluindo uma sobre como superar as desigualdades quantitativas e qualitativas dos serviços de saúde nos territórios e nas Regiões. “As pessoas que são utentes dos Serviços Nacionais de Saúde são muitas vezes consideradas 'objectos' de cuidados. Estamos profundamente convencidos de que toda pessoa tem direito aos cuidados e ao acesso à saúde. Cada pessoa é portadora de escolhas, portanto, os usuários são, na verdade, sujeitos ativos. Até os últimos". Perguntas e respostas A Diaconia Valdense entrará em contato com as secretarias locais e provinciais para abrir um diálogo sobre essas questões com todas as partes no âmbito constitucional: "Seja escrita ou verbal, respondendo a todas ou apenas algumas perguntas, estamos preparados para coletá-las e publicá-las em nossos canais de informação. Esperamos receber respostas e nos mantemos à disposição para discussões – disse Sciotto, que completa – Estamos falando de temas para os quais acreditamos ter o preparo e a experiência de quem trabalha há anos na área. Como Diaconia Valdense fazemos parte de muitas redes e mesas, refletimos juntos sobre temas como o da autossuficiência (e contribuímos com o respectivo projeto de lei, atualmente parado). É um compromisso que faz parte da nossa identidade protestante. A igualdade de género, o reconhecimento de qualificações, as intervenções no PNRR, etc., podem parecer apenas questões técnicas, mas por detrás estão sempre pessoas individuais. E pretendemos colocar as pessoas no centro das atenções”. Leia as 30 perguntas da Diaconia Valdense para partidos políticos e candidatos ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.