Domingo 23 de maio em RaiDue o culto de Pentecostes na Eurovisão

Domingo 23 de maio em RaiDue o culto de Pentecostes na Eurovisão

Roma (NEV), 17 de maio de 2021 – O culto evangélico de Pentecostes será realizado no domingo, 23 de maio, no RaiDue, a partir das 10h.

Eurovisão ao vivo da igreja reformada de Lugano na Suíça, o culto é editado pela coluna Protestantismo.

“Cinquenta dias depois da Páscoa, o Pentecostes recorda a ação vivificante do Espírito de Deus. Fogo, vento, voz sussurrante, o Espírito nos sacode do torpor, transmite novas forças, dá coragem, mesmo em nosso tempo inquieto, caracterizado por crises saúde, social e ambiental”. Com estas palavras, o Protestantismo Especial apresenta o culto de Pentecostes.

Durante o culto, que incluirá a celebração da Santa Ceia, três jovens catecúmenos se apresentarão à comunidade e confirmarão sua fé.

O culto será presidido pelos pastores Daniel Campoli E Jose La Torre.

A parte musical do culto contará com a intervenção de Coro da Família Sala e um quarteto de jovens músicos composto por Annika Rast (flauta), Chá Vitali (violino), Milo Ferrazzini-Hauri(violoncelo), Daniel Moos (piano).


Para rever os episódios do protestantismo acesse o site: VIDEO

Protestantismo no Facebook

Endereço de e-mail: [email protected]; [email protected]


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#sinodovaldese.  A saudação de Mons.  Maurício Malvestiti

#sinodovaldese. A saudação de Mons. Maurício Malvestiti

Torre Pellice (Turim), 27 de agosto de 2018 (SSSMV/05)- "Irmãos e irmãs valdenses e metodistas, considero um autêntico dom do Único Senhor compartilhar este encontro em Torre Pellice". Assim começou Mons. Maurício Malvestitibispo de Lodi, em seu discurso esta manhã ao Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, reunido em Torre Pellice (Turim). Malvestiti, acompanhado pelo diretor do Escritório Nacional da CEI para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI), dom Christian Bettegatrouxe saudações do cartão. Walter Bassettipresidente da CEI, e do bispo Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão de Ecumenismo e Diálogo da CEI. Entre os vários temas em discussão no Sínodo, Malvestiti abordou "a delicada situação migratória" na Itália e na Europa. “Trata-se de uma preocupação pastoral compartilhada pelos bispos italianos”, disse Malvestiti, “que exige prudência e realismo, sem nunca sufocar a fantasia segura e a tradição de solidariedade, que animam profundamente nosso país”. “Reavivar as responsabilidades dos organismos públicos, a todos os níveis, é também nosso dever – prosseguiu o bispo -, e estamos igualmente empenhados em despertar as consciências dos crentes para que imprimam estes valores, e as correspondentes boas práticas, na sociedade de hoje, tanto a “sensação ordinária dos crentes, que incansavelmente e sem distinção abrem o coração e as mãos ao próximo, segundo o mais autêntico espírito evangélico”. Malvestiti também recordou e se associou ao “abraço da esperança” que o Sínodo ofereceu à cidade de Gênova através da arrecadação do culto inaugural doada aos desabrigados da ponte Morandi e a disponibilização de dois alojamentos para os que perderam suas casas. A agência de notícias evangélica NEV-news estará presente como Sala de Imprensa do Sínodo a partir de sábado, 25 de agosto, na “Casa Valdese” de Torre Pellice, na via Beckwith 2, tel. 0121.950035 cel. 342 113 4700, – (www.nev.it – Twitter: @nev_it – FB: @AgenziaNEV). #Sínodo ValdenseFACTSHEET Igrejas metodistas e valdenses na Itália (NEV/CS05) www.chiesavaldese.org – www.rbe.it – www.riforma.it ...

Ler artigo
um afresco de compromissos, orações e… música

um afresco de compromissos, orações e… música

Foto retirada de ems-online.org Roma (NEV), 14 de janeiro de 2022 – A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) tem suas raízes na Reforma do século XVI, em particular na teologia da João Calvino. Sua história organizacional remonta a 1875. A CMCR reúne 232 igrejas agrupadas em regiões geográficas, na África, Ásia, Europa, América Latina, Oriente Médio, América do Norte e Caribe, Pacífico. Em um artigo no site do CMCR, Phil Tanis desenha um afresco das atividades de várias igrejas membros ao redor do mundo. Iniciativas atuais e planejadas Em Camarões, por exemplo, o Serviço de Comunicação da Igreja Presbiteriana colabora com a Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) para combater o ódio contra os migrantes em Douala, a capital econômica de Camarões. No Uruguai, a Igreja Evangélica Valdense do Rio da Prata intervém nos incêndios florestais que consumiram mais de 20.000 hectares. Nos Estados Unidos, o "Union Presbyterian Seminary" destinou uma doação de quase 1 milhão de dólares. Esse valor será destinado a ajudar as igrejas a responder a questões que afetam as congregações e suas comunidades, incluindo racismo, pandemia e mudança climática. Na Holanda, para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), a Igreja Protestante organiza um culto nacional de oração, focado na pandemia em curso e nas tensões que ela causou na sociedade. Entre outras iniciativas, Tanis destaca a do Instituto Ecumênico de Bossey, que oferece o curso online de 10 semanas intitulado “Juntos rumo à unidade. Ser Igreja em um mundo fragmentado”. As inscrições para participar devem ser recebidas até 15 de fevereiro de 2022. Por fim, a Missão Evangélica Solidária (EMS) comemora este ano seus 50 anos de atuação. Para a ocasião, o músico e pároco Fabian Vogt compôs a música "Together we are free", que será estreada no dia 16 de janeiro de 2022 a partir das 9h durante a festa em Landau. Além disso, todos os membros do EMS são convidados a fazer sua própria versão até a Páscoa. “O que acontece quando você manda uma música pelo mundo e convida 25 milhões de pessoas para fazer algo com ela?”. Leia aqui para saber mais. Outros eventos já concluídos Em 8 de janeiro, o Patriarca Inácio Afrém II realizou uma recepção em homenagem ao Bispo Zoltán Balog, Chefe da Igreja Reformada na Hungria, acompanhado por uma delegação húngara em visita à Síria para uma peregrinação a antigos locais cristãos. Enquanto na quarta-feira, 12 de janeiro, uma delegação húngara visitou o pároco Mgrdich Karagoezian e os membros do Comitê Central da União das Igrejas Evangélicas Armênias no Oriente Próximo (UAECNE) do Líbano e da Síria, juntamente com os diretores das Escolas Evangélicas Armênias do Líbano. Temas principais do encontro: solidariedade com as Igrejas da região, testemunho cristão e atividades de ajuda e desenvolvimento voltadas para crianças, adultos, idosos e comunidade. ...

Ler artigo
Resolução da ONU sobre violência sexual: violação grave de direitos

Resolução da ONU sobre violência sexual: violação grave de direitos

Roma (NEV), 3 de maio de 2019 – AObservatório inter-religioso sobre a violência contra a mulher manifesta sua indignação com a resolução adotada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre violência sexual em conflitos armados (nº 2.467 de 23 de abril de 2019). "O que aconteceu na ONU é uma violação gravíssima dos direitos de todas as mulheres do mundo - as mulheres do Observatório (cristãs protestantes - luteranas, metodistas, valdenses, batistas, adventistas, pentecostais -, católicas, ortodoxas, judias, islâmicas , hindu, budista) –. Não ter escrito expressamente que após um estupro de guerra a mulher tem direito à proteção da saúde e a possibilidade legal de aborto é intolerável”. O comunicado recorda ainda a necessidade de fiscalizar as leis sobre a matéria: “tanto no julgamento de Nuremberga como no de Tóquio, embora a violação já tivesse sido estabelecida como crime, não foi processada; de facto, nem sempre é suficiente que existam leis, mas é também necessário que exista um contexto cultural capaz de as transpor e aplicar”. A condenação da violência, explicam as mulheres do Observatório, está muito articulada no texto da resolução: "de fato, ela recomenda a todas as comunidades, inclusive religiosas, que desempenhem um papel mais ativo na defesa contra a violência sexual nos conflitos, evitar a marginalização e a estigmatização dos sobreviventes e suas famílias, e comprometer-se a auxiliá-los em sua reintegração social e econômica". Por exemplo, o documento reconhece a importância de apoiar e promover "organizações de mulheres, guias religiosas e lideranças comunitárias, para uma mudança do estigma da violência sexual da figura da vítima para a do agressor", mas revela-se completamente insuficiente no que diz respeito à proteção da saúde sexual e reprodutiva das mulheres violentadas, sobre o que, continua o Observatório, "a Resolução nos decepciona e nos ofende com suas reticências". Mais uma vez, os corpos das mulheres se tornam objeto de discórdia. O Observatório explica ainda: "Para evitar o incumprimento total do acordo, a linha pretendida pelo Donald Trumpde acordo com qual as mulheres estupradas na guerra não têm direito ao aborto; a referência à saúde reprodutiva teria sido um sinal verde para o aborto. Aliás, notamos que foi retirado do texto o estabelecimento de um mecanismo formal para monitorar e denunciar atrocidades cometidas na guerra, contra Estados Unidos, Rússia e China, três das nações mais poderosas do mundo”. O secretário-geral da ONU António Guterres ela disse: “Apesar de muitos esforços, a violência sexual continua a ser uma característica horrível dos conflitos em todo o mundo e é usada deliberadamente como uma arma de guerra. Devemos reconhecer que o estupro na guerra afeta em grande medida as mulheres porque está ligado à questão da discriminação de gênero”. Apesar disso, o veto dos EUA negou a dignidade e o respeito humanos. “Como mulheres de fé, dizemos que o veto dos EUA também nega o misericórdia para mulheres horrivelmente ofendidas e violentadas – conclui o Observatório -. O estupro de guerra tem uma longa história nas culturas patriarcais; tem muitos significados, inclusive para humilhar o país inimigo e consolidar o pacto criminoso homofóbico entre os agressores. É um ato brutal, muitas vezes vivenciado no silêncio e na vergonha da vítima; um acto de crueldade feroz, cujas consequências dilacerantes para a integridade da pessoa são gravíssimas. Se, além disso, a mulher também é ferida pela humilhação de ter engravidado pelo agressor voraz, então outro vexame se junta a um vexame. É desumano impor-lhe este 'peso', forçá-la a acolher a presença de um feto nas suas entranhas que só pode ser um sinal dessa terrível desgraça. Cada uma então será livre para escolher seu próprio destino, mas precisamente: ela terá o direito de escolhê-lo. E apoio não deve faltar para ela seja qual for a sua escolha”. O Observatório nasceu em março passado com um Memorando de Entendimento e suas atividades incluem iniciativas culturais, de conscientização e vigilância sobre o tema da violência contra as mulheres. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.