Trabalhadores migrantes: não apenas anistias, reformas estruturais são necessárias

Trabalhadores migrantes: não apenas anistias, reformas estruturais são necessárias

Roma (NEV), 15 de julho de 2022 – por Benedetta Fragomeni – A conferência sobre Ero Straniero foi realizada ontem, 14 de julho, na Sala Zuccari do Palazzo Giustiniani, no Senado, vinte anos após a lei Bossi-Fini. , campanha lançada em abril de 2017, à qual também a FCEI adere, que surge da necessidade de adotar uma abordagem pragmática da questão migratória no nosso país.

O projeto de lei de iniciativa popular intitulado “Novas regras para a promoção de autorizações de residência regular e inclusão social e laboral de cidadãos estrangeiros não pertencentes à UE” foi arquivado na Câmara dos Deputados em 2017 com mais de 90.000 assinaturas. Conforme explicou Julia Capitani, Oxfam Italia, a proposta é o resultado da “coalizão, da experiência de muitas realidades muito diferentes que funcionaram efetivamente juntas”; a campanha é de fato promovida por várias organizações, incluindo Italian Radicals, ACLI, ARCI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, Oxfam, ActionAid, Legambiente, Federazione Chiese Evangeliche Italiane, CGIL e dezenas de outras organizações, com o apoio de centenas de prefeitos.

A reunião foi apresentada pelo senador Emma Boninoapoiante da campanha, que recordou os sucessos alcançados mas também que o caminho ainda é longo…“Ainda estamos aqui mas entretanto tenho a impressão que a consciencialização no nosso país melhorou um pouco dada a necessidade de muitos sectores industriais e comerciantes agora estão reconhecendo em voz alta que temos uma grande necessidade deles”.

Durante a conferência, foram reafirmados os objectivos da campanha num contexto, o dos últimos anos, em que a atenção da opinião pública se voltou para as questões de emergência, chegadas e hospitalidade, “questões necessárias que, no entanto, temem deixar em segundo plano uma visão de longo prazo”, explica Giulia Capitani.

Neste senário, EroStraniero pede “vias de entrada de trabalho reais, eficazes e adequadas aos novos cenários de mobilidade humana, mas também às necessidades reais do mundo produtivo por um lado e, por outro, a preparação de políticas ativas em nossa sociedade para as pessoas que já estão aqui”. A campanha propõe, portanto, uma reforma dos regulamentos para alcançar “uma solução pragmática que atenda às necessidades de todos, das pessoas que chegam ao nosso país, por um lado, e da sociedade de acolhimento, por outro”.

Entre os temas que emergiram, aliás, foi sublinhado como é necessário conciliar oferta e procura de forma eficaz, “existem duas necessidades: a dos trabalhadores e a dos empregadores que não cumprem por causa de um sistema que não pode ser sintonizado com a realidade do país” – explicou Júlia Gori, advocacy officer de campanhas, FCEI – “em comparação com o início da campanha há mais sensibilidade e conscientização, principalmente por parte dos empregadores. Mas faltam respostas estruturais ao mundo produtivo e isso corresponde à precariedade dos trabalhadores estrangeiros”.

A conferência continuou com um retrato da realidade e dos atores envolvidos ou a envolver na perspetiva de uma nova estratégia. Ele falou sobre a situação atual sobre o tema da contratação ilegal Hardeep Kaur, FLAI-CGIL: “Não temos respostas certas para mais de metade das questões apresentadas” – explicou o sindicalista – “os pedidos de regularização não são números, são pessoas, que devem sair de um sistema que está “podre”. O Bossi-Fini é no mínimo anacrônico”. Propor uma estratégia sobre necessidades comuns foi Cláudio CappelliniCNA, que trouxe a voz das pequenas empresas para a Itália: “Há um desejo muito forte nas comunidades estrangeiras de fazer negócios e também contribuir para o desenvolvimento dos países de origem, é necessário promover o envolvimento do sistema empresarial e construir pontes, formas de colaboração com os países com os quais a União Europeia tem acordos”.

Entre as experiências relatadas por ocasião da conferência EroStraniero, Chris Richmond, fundador da Mygrants, contou sobre um projeto concreto, o de um app que lançou para aproximar empresas e trabalhadores, combinar talentos com oportunidades, antes mesmo de as pessoas saírem de seus países de origem. “Achamos que é hora de trabalhar no aprimoramento de habilidades, pretendemos identificar o assunto mais adequado para satisfazer a necessidade de emprego antes mesmo da partida. Pedimos uma coalizão entre empresas e sociedade civil”, afirmou.

A última intervenção consistiu em Tatiana Esposito, diretor-geral da DG Políticas de Imigração e Integração do Ministério do Trabalho. “Identificamos alguns pontos críticos e imaginamos formas de superá-los – declarou o representante do ministério – que em alguns casos são muito semelhantes aos identificados pela campanha. Três coisas são necessárias: fôlego, planejamento, certezas. A incerteza aumenta a vulnerabilidade e abre caminho para a exploração”.

Assim terminou a conferência da campanha Ero Straniero, na qual se reafirmou a necessidade de sair da lógica da intervenção única e trabalhar de forma sistémica e sistemática, procurando uma visão mais a longo prazo que tenha no seu centro a programação de vias de entrada para o trabalho e inclusão activa na sociedade da população estrangeira residente no nosso país.

Aqui está o vídeo completo da reunião:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos.  Igrejas de todo o mundo

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Igrejas de todo o mundo

Imagem retirada de www.christianunity.va Roma (NEV), 27 de dezembro de 2022 – A habitual Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) será realizada de 18 a 25 de janeiro de 2023. Convocado este ano pelo Conselho de Igrejas de Minnesota, com sede nos Estados Unidos, o SPUC envolve igrejas cristãs em todo o mundo. O versículo da Bíblia escolhido para este ano é: “Aprenda a fazer o bem; buscar a justiça (Isaías 1:17)." Clique AQUI para ver os compromissos na Itália. Foto Albin Hillert/CEC O contexto em que foram elaborados os textos que acompanham o SPUC 2023 é o do assassinato de George Floyd. “Durante anos – lê-se no documento – Minnesota sofreu algumas das piores discriminações raciais da nação: em 1862 foi palco, por exemplo, do maior eseCulto em massa na história dos EUA, quando trinta e oito nativos de Dakota foram enforcados em Mankato, um dia depois do Natal, após a guerra dos Estados Unidos–Dakota. Enquanto se preparavam para morrer, os trinta e oito Dakotas cantaram o hino Wakantanka taku nitawa (muitosou seja, grande) cuja versão (também italiana) se insere na celebração ecumênica daSemana. Mais recentemente, Minnesota tem sido o epicentro do cálculo racial. Quando o covid–19 fecharam o mundo em março de 2020, o assassinato de um jovem afro–Americano, George Floyd, nas mãos de um policial de Minneapolis, Derek Chauvinele saiu na praça pessoas de todo o mundo, unidas no sentimento de justa indignação, para protestar contra a injustiça de que foramou testemunhado na televisão. Chauvin, demitido logo depois do assalto, tornou-se o primeiro policial da história moderna condenado, em primeira instância, pelo assassinato de um afro–americano em Minnesota". A história dos maus tratos das comunasa unidade de cor nos Estados Unidos, continua o documento, “criou desigualdades de fraturas de longa data e relacionais entre as comunidades. Consequentemente, a história das igrejas nos Estados Unidos A United inclui questões raciais como um fator importante de divisão eclesial; em alturavá embora do mundo, esse mesmo papel é desempenhado por outras questões não doutrinárias. É por isso que o trabalho teologia da unidade realizada pela Comissão Fé e Constituição do Concílio Ecumênico das igrejas tem tradicionalmente tentado manter ijuntos a busca pela unidade das igrejas e a pesquisa de superar muros de separação, como o racismo, dentro da família humana. Olha Você aqui porque rezar juntos, especialmente rezar juntos pela unidade dos cristãos, adquire significado paraainda mais importante quando se coloca no centro das lutas contra o que nos separa como seresseres humanos criados com igual dignidade à imagem e semelhança de Deus". Os materiais litúrgicos, disponíveis em 7 idiomas, foram preparados e publicados em conjunto pela Comissão Fé e Constituição do Conselho Mundial de Igrejas (CEC) e pelo Dicastério para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Para materiais em italiano clique AQUI. Para outros idiomas, veja abaixo: O WCC escreve: “Aprender a se sair bem requer uma decisão de comprometimento. A Semana de Oração é o momento perfeito para os cristãos reconhecerem que as divisões entre nossas igrejas e denominações não podem ser distinguidas das divisões presentes na família humana mais ampla”. Na introdução aos materiais litúrgicos, válidos tanto para a Semana quanto para todo o ano, é enfatizado que rezar juntos pela unidade dos cristãos é uma oportunidade para refletir sobre o que une as pessoas e como enfrentar a opressão e a divisão entre os seres humanos. “A unidade dos cristãos deve ser sinal e antecipação da unidade reconciliada de toda a criação – lê-se no documento -. Como cristãos, devemos estar dispostos a destruir os sistemas de opressão e defender a justiça”. Os materiais litúrgicos incluem, entre outras coisas, um serviço ecumênico com oração de abertura, reflexões bíblicas e orações por oito dias. Pai Ioan Sauca, Secretário-Geral Interino do CMI, disse: “A oportunidade de orarmos juntos é uma bênção para todos nós, pois, apesar de nossas diferenças, nos encontramos juntos em comunhão com o Senhor Jesus Cristo como Deus e Salvador de acordo com as Escrituras. Portanto, cumpramos juntos nosso chamado comum para a glória do único Deus, Pai, Filho e Espírito Santo”. E acrescentou: “Juntos estamos plantando as sementes da justiça e da paz. Enquanto lutamos e rezamos pela unidade dos cristãos, podemos alimentar nossa esperança coletiva para o novo ano e para enfrentar os tempos difíceis em que todos vivemos”. O SPUC ocorre todos os anos em torno de Pentecostes no Hemisfério Sul e entre 18 e 25 de janeiro no Hemisfério Norte. Parceiros ecumênicos de diferentes regiões são convidados a se revezar na preparação dos materiais. Suas raízes remontam a mais de 100 anos e, desde 1966, após o Concílio Vaticano II, é elaborado conjuntamente pela Igreja Católica Romana e pelo CMI. Para saber mais: Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos Recursos para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023 ...

Ler artigo
Sem fins lucrativos, o Otto per mill Valdensian tender

Sem fins lucrativos, o Otto per mill Valdensian tender

Roma (NEV), 16 de janeiro de 2023 – Ainda faltam dez dias para participar da licitação de 2023 da Otto per mill Valdensian and Methodist. De 5 a 27 de janeiro de 2023, todas as associações que desejam apresentar um pedido de financiamento para suas iniciativas de solidariedade na Itália e no exterior têm, portanto, a oportunidade de preparar um projeto e documentação em conformidade com as diretrizes elaboradas pelo Tavola Valdese. Um documento de perguntas e respostas às perguntas mais frequentes também está disponível no site www.ottopermillevaldese.org, para esclarecer as dúvidas mais comuns. “Nunca como neste momento – comentou Manuela Vinay, chefe do Gabinete Otto per Mille de Tavola Valdese – sabemos da importância do apoio que podemos oferecer ao nosso e aos outros países. Por esta razão decidimos não alterar a abordagem aberta que sempre caracterizou a nossa Chamada, tentando simplificar alguns aspectos para facilitar a participação”. A União das Igrejas Metodistas e Valdenses contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille IRPEF e optou por destinar todas as contribuições que lhe são devidas exclusivamente para apoiar intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, na Itália e fora do país. Em 2022, foram selecionados mais de 1500 projetos, para os quais se destinaram um total de cerca de 45 milhões de euros, num total de quase 5000 candidaturas recebidas. “Para nós crentes – disse Vinay – é impossível não pensar que direitos, paz, fraternidade, alívio, acolhida podem se tornar palavras incômodas. Eles são a base da nossa razão de existir e como igrejas estaremos sempre próximos dos necessitados e daqueles que dedicam suas vidas ao bem do próximo. Neste contexto complexo, em que as soluções aparecem distantes e as boas intenções infelizmente não tão próximas, queremos, como todos os anos, acender uma luz e oferecer o nosso apoio a muitas realidades que experimentam todos os dias o mais alto sentido da vida no seu local área . Ou seja, aquela que só tem sentido se vivida na relação com o outro, dedicando-se a compartilhar os valores nos quais nos reconhecemos”. Os 8×1000 podem ser atribuídos por todos os contribuintes a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tenha assinado um acordo, ou ao próprio Estado. O 8×1000 funciona mesmo como um voto, porque é dividido entre o Estado e as entidades religiosas, na proporção das escolhas feitas. ...

Ler artigo
Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Unsplash foto Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Acabaram de terminar as festividades natalinas, mas de 18 a 25 de janeiro a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos nos oferece novamente um tema natalino, o da estrela avistada pelos Magos: “No oriente nós viu sua estrela aparecer e viemos aqui para honrá-lo” (Mateus 2:2). Por mais de meio século, o material para a Semana de Oração pela Unidade foi preparado conjuntamente por Protestantes, Ortodoxos e Católicos através do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, em colaboração com as igrejas de um determinado país ou região do mundo. Este ano, a Semana foi preparada com a ajuda do Conselho das Igrejas Cristãs do Oriente Médio. E a escolha do tema não é acidental. Com efeito, como lemos na introdução teológico-pastoral, "enquanto no Ocidente muitos cristãos celebram solenemente o Natal, para muitos orientais a festa mais antiga, e ainda a principal, é a Epifania, ou seja, quando a salvação de Deus foi revelada aos as nações. Essa ênfase no teofaniaou seja, do evento [alle nazioni] é, em certo sentido, o tesouro que os cristãos do Oriente Médio podem oferecer aos seus irmãos e irmãs no mundo inteiro”. A introdução destaca vários aspectos do tema da estrela da Epifania. Eu gostaria de levar dois. O primeiro é "a universalidade do chamado divino simbolizado pela luz da estrela que brilha do leste... Os Magos nos revelam a unidade de todos os povos queridos por Deus. Eles viajam de países distantes e representam culturas diferentes, mas todos são movidos pelo desejo de ver e conhecer o Rei recém-nascido”. Ao mesmo tempo, os Magos são símbolo da diversidade dos cristãos: "Embora pertençam a diversas culturas, raças e línguas" e - devo acrescentar - a diversas confissões - "os cristãos partilham uma comum busca de Cristo e um comum desejo de adorá-lo", apesar de sua diversidade. O segundo aspecto é a homenagem que os Magos prestam a Jesus, oferecendo-lhe vários dons que, "desde os primeiros tempos do cristianismo, foram entendidos como sinais dos vários aspectos da identidade de Cristo: o ouro pela sua realeza, o incenso pela sua divindade e a mirra que prenuncia a sua morte. Esta diversidade de dons dá-nos uma imagem da percepção particular que as várias tradições cristãs têm da pessoa e da obra de Jesus: quando os cristãos se reúnem e abrem os seus tesouros e os seus corações em homenagem a Cristo, enriquecem-se com a partilha dos dons de essas diferentes perspectivas. Por outras palavras, cada encontro ecuménico é semelhante à adoração dos Magos: oferecemos-nos a Deus e uns aos outros ao mesmo tempo, com os dons específicos que Deus concedeu a cada uma das nossas tradições cristãs. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.