Migrantes, os valdenses dos EUA escrevem para Von Der Leyen

Migrantes, os valdenses dos EUA escrevem para Von Der Leyen

foto de Clément Dellandrea, unsplash

Roma (NEV), 20 de maio de 2021 – Uma carta ao Presidente da Comissão Europeia Ursula Von Der Leyen pela American Waldensian Society, para pedir um maior empenho em favor do acolhimento dos migrantes.

“Nós escrevemos para vocês como americanos que têm laços profundos e duradouros com a Europa e em particular com os cristãos italianos. […] valorizamos os valores europeus de tolerância, inclusão e abertura a estrangeiros. Como descendentes de imigrantes da Europa, adoramos a ideia europeia, expressa por Emma Lázarofilha de judeus portugueses, em seu poema para a Estátua da Liberdade no porto de Nova York, que diz: “… me dê seu cansaço, seus pobres, suas massas amontoadas desejando respirar livremente, o miserável refugo de sua costa fervilhante. Envie-me os sem-teto, sacudidos pela tempestade”. Muitas dessas “massas amontoadas” acabaram se tornando a espinha dorsal da sociedade americana”, diz a carta, assinada em particular por Carol Bechteldiretoria executiva, Brad Lewispresidente e Duncan Hansoncoordenador de comunicação da North American Waldensian Society.

“Tememos que esta antiga visão de acolher os migrantes, trazida pelos nossos antepassados ​​da Europa para os Estados Unidos, esteja agora a morrer em ambos os lados do Atlântico. Vimos o sofrimento dos migrantes que tentam cruzar o Mediterrâneo em direção à ilha de Lampedusa – continuam os valdenses – e quantos deles perdem a vida antes mesmo de chegar às costas da Europa. Mas também estamos dolorosamente cientes da situação dos migrantes que tentam atravessar o Mar Egeu para Lesbos, bem como de outros migrantes que tentam entrar na Europa através do enclave espanhol de Ceuta e ainda outros expulsos à força da Hungria. Não podemos ver nada desse sofrimento sem pensar também na angústia indescritível dos migrantes que tentam entrar em nosso país pela fronteira sul”.

Em particular, os valdenses americanos pedem à UE “que apoie a criação de novos corredores humanitários para que os migrantes mais vulneráveis ​​possam entrar na Europa de forma legal e segura; exortar os Estados-Membros da UE a aumentarem as suas quotas nacionais de reinstalação ao abrigo do Pacto Global das Nações Unidas sobre Refugiados e da Estratégia Trienal sobre Reinstalação e Vias Complementares; facilitar o processo de realocação de migrantes da Itália e de outros países da linha de frente, para que todos os Estados-Membros da UE tenham sua parcela justa de responsabilidade europeia compartilhada para receber migrantes; desenvolver um plano de ação abrangente da UE que considere a migração global não como uma emergência, mas como um processo normal e de longo prazo que requer estratégias de cooperação, integração e inclusão social”.

Por último, uma referência ao discurso do Presidente do Parlamento Europeu David Sassoli do último dia 25 de fevereiro no Conselho Europeu, que “expressa perfeitamente nossa oração pela Europa e pelos Estados Unidos: “Não podemos voltar ao mundo em que estávamos antes da pandemia. Precisamos de mais democracia, mais solidariedade, mais Europa”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

XVII Dia do Diálogo Cristão-Islâmico: “Nenhuma mesquita é ilegal”

XVII Dia do Diálogo Cristão-Islâmico: “Nenhuma mesquita é ilegal”

Roma (NEV), 23 de outubro de 2018 - "Nenhuma mesquita é ilegal", é o lema do XVII Dia Ecumênico do Diálogo Cristão-Islâmico, que será celebrado em toda a Itália no dia 27 de outubro. “Nossa sociedade – lê-se no apelo de 2018 – está permeada por uma feroz islamofobia. É racismo de base religiosa […] Queremos reafirmar que nenhuma mesquita é ilegal", dizem os promotores, lembrando que a liberdade religiosa também não pode ser "subordinada a normas urbanísticas" - como as recentes leis regionais significativamente denominadas "anti-mesquitas", e que na realidade atingem todos religiões sem distinção -, nem pode ser "submetida a referendo". As igrejas protestantes também participam do Dia, promovendo iniciativas em toda a Itália. Um dia que é “uma oportunidade para continuar e consolidar a compreensão mútua, a reflexão e o compromisso comum sobre várias questões que questionam a consciência dos cidadãos e dos crentes”, explicou. Pawel Gajewskipastor valdense em Terni e Perugia e coordenador da Comissão de Diálogo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). “Muitas vezes – apontou Gajewski – nossas igrejas se encontram trabalhando lado a lado com as comunidades muçulmanas no campo da integração e inclusão. É uma experiência que também fortalece os laços ecumênicos com outras igrejas cristãs, em particular com as paróquias católicas presentes na região”. A Jornada nasceu da iniciativa de um grupo de intelectuais, religiosos e professores universitários que, em 2001, após a tragédia das Torres Gêmeas, decidiram lançar um apelo ao diálogo com o Islã. "Nós, cristãos de várias confissões e leigos, que há anos estamos engajados no árduo processo de diálogo com os muçulmanos italianos ou no trabalho cultural sobre o Islã - disse o primeiro apelo - acreditamos que o horrendo atentado em Nova York e Washington constitui um desafio não apenas contra o Ocidente, mas também contra aquele Islã, majoritariamente em todo o mundo, que se baseia nos valores da paz, da justiça e da convivência civil”. Os promotores pretendiam evitar "um alarme preocupante", nomeadamente que o sucedido poderia "pôr em causa ou travar o diálogo com os nossos irmãos muçulmanos, companheiros de viagem no caminho da construção de uma sociedade pluralista, acolhedora, respeitadora dos direitos humanos e dos valores democráticos ”. Esse convite deu vida ao primeiro dia nacional do Diálogo Cristão-Islâmico na sequência de dois documentos, o conciliar da "Nostra Aetate" e o da "Charta Oecumenica" assinado apenas alguns meses antes em Estrasburgo pelos cristãos europeus. Um Dia que este ano chega à sua décima sétima edição e que, já há alguns anos, se realiza a 27 de Outubro "no espírito de Assis": o primeiro e grande encontro mundial das Religiões pela Paz, desejado pelo Papa João Paulo II em 1986 na cidade úmbria. Entre as nomeações, destacamos as seguintes iniciativas. TURIM. Sábado, 27 de outubro de 2018, das 18h45 às 21h, encontro na Mesquita Mohammed VI organizado pela rede de diálogo cristão islâmico de Turim para o Dia do mesmo nome, ao qual também se juntaram as igrejas batistas de Turim-Lucento e Venaria. Via Gênova 268b. SÉRDIO (AC). Quinta-feira, 25 de outubro de 2018, a partir das 18h, reunião sobre "Direito de culto e boa cidadania: nenhuma mesquita é ilegal!" com o pastor batista Elizabeth Green E Omar Zaher, seguida de oração comum e momento de convívio. Localização S'Otta. ...

Ler artigo
Parar o massacre, FCEI se junta à manifestação nacional em Cutro

Parar o massacre, FCEI se junta à manifestação nacional em Cutro

Roma (NEV), 8 de março de 2023 - A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) se uniu e participará do evento nacional "Pare o massacre" programado em Cutro em 11 de março. “Os mortos na praia de Cutro – declara o presidente da FCEI, pároco Daniele Garrone – são uma bofetada na consciência da Itália e da Europa. Como os caixões enfileirados no hangar de Lampedusa, como o corpo sem vida de Alan Kurdi, como as praias de Lesbos. E por isso nós, evangélicos, estaremos em Cutro para expressar nossas condolências pelas vítimas do último massacre de migrantes e reiterar nosso pedido de caminhos seguros e legais para migrantes e requerentes de asilo. Viemos aqui para Cutro com a esperança de que as condolências de hoje se traduz em ações e políticas concretas que garantem vias legais; que os corredores humanitários sejam ampliados na Itália e na Europa a ponto de desencorajar a migração irregular; que a ação de busca e salvamento no mar por ONGs e forças militares italianas e europeias seja reconhecida e valorizada; que a Itália aprenda a reconhecer que a imigração regular é um recurso para o crescimento do país”. Para mais informações: comunicado de imprensa da FCEI após o massacre de Cutro artigo anteriorHungria. Um simpósio para o 50º aniversário da assinatura do Acordo de LeuenbergPróximo artigo10 anos do Papa Francisco: "Uma pessoa que acredita em Deus" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
A FCEI inaugura a Secretaria Escolar do Pluralismo Laico

A FCEI inaugura a Secretaria Escolar do Pluralismo Laico

Roma (NEV), 20 de outubro de 2022 - A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) abre o "Sportello Scuola Laicità Pluralismo", um serviço dirigido a igrejas evangélicas, associações culturais, grupos confessionais e indivíduos. A missão desta nova atividade da FCEI é “apoiar uma escola laica, atenta ao reconhecimento do pluralismo religioso e cultural da sociedade italiana, e promover um ensino que a reconheça como eixo educativo e patrimônio cívico”. “Assumimos este novo compromisso porque são solicitados pelas igrejas-membro – explica o presidente da FCEI, prof. Daniele Garrone – mas é nossa intenção colocar esta carteira à disposição daqueles nas escolas e na sociedade italiana que compartilham a ideia de uma escola laica e, ao mesmo tempo, capaz de representar o pluralismo religioso e cultural que se expressa na sociedade italiana. Infelizmente – acrescenta o Presidente da FCEI – ainda hoje assistimos a tentativas de confessionalização de algumas áreas das escolas públicas que, para além de contrariarem a letra e o espírito da Constituição, limitam o desenvolvimento de percursos educativos coerentes com a multirreligiosidade e caráter intercultural do país”. O helpdesk, instalado na sede da FCEI em Roma, pretende oferecer serviços de informação e consultoria jurídica sobre questões de laicidade nas escolas. Para tanto, será possível o envio de denúncias, pedidos de apoio e primeiros socorros em relação a situações problemáticas que possam surgir dentro das escolas, como, por exemplo, a não ativação da disciplina alternativa na hora da religião; eventuais dificuldades em encontrar os formulários corretos para o exercício do direito de não utilização do IRC; problemas inerentes à hora da educação cívica; de forma mais geral, situações de dificuldade de acesso a direitos para quem não recorre ao ensino religioso confessional. Paralelamente, porém, em rede com outros centros e associações e em articulação com o SIE, Serviço de Educação e Educação da FCEI, a secretaria pretende promover projetos educativos sobre disciplinas que, no âmbito secular da escola, contribuam à educação cívica numa sociedade multiétnica e intercultural. "Como igrejas evangélicas continuamos a pensar que o Ensino Religioso Confessional (IRC) é a resposta inadequada a uma necessidade real: na sociedade pluralista de hoje é importante que os alunos tenham uma informação religiosa adequada, mas no contexto de um ensino secular, que promova o conhecimento de presenças religiosas cada vez mais importantes, e não apenas em termos de números". Indicações, fichas informativas e propostas de projetos sobre os temas do pluralismo e da laicidade nas escolas serão apresentadas e publicadas no site www.fcei.it ao longo do tempo. A recepção pode ser contatada no endereço de e-mail: [email protected]. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.