Cinema e direitos, Interfilm sobre a prisão de três diretores iranianos

Cinema e direitos, Interfilm sobre a prisão de três diretores iranianos

Felix Mooneeram, unsplash

Roma (NEV), 18 de julho de 2022 – Nos últimos dias, três diretores iranianos foram presos: Mohammad Rasoulof, Mostafa Aleahmad E Jafar Panahi. A Interfilm, uma organização internacional que promove júris ecumênicos em vários festivais de cinema, juntou-se ao coro de vozes que protestam contra essas prisões.

“O Irão é um país líder na criação de cinema de arte contemporânea e estes realizadores de renome internacional têm apresentado os seus trabalhos em todos os grandes festivais do mundo – lê-se na nota divulgada pela Interfilm -. Mohammad Rasoulof ganhou o Prêmio Ecumênico na Berlinale 2020 pelo filme O diabo não existe. Jafar Panahi recebeu o Prêmio Signis-Wacc de Direitos Humanos em 2014 por seu filme Taxi Tehran”.
Signis e Interfilm, que formam júris ecumênicos “para promover uma cultura de paz, unem forças para denunciar este ataque à criação artística e à livre circulação de cineastas que sempre defenderam a sabedoria e a resiliência do povo iraniano e que permitiram que o mundo conhecer melhor este país de tradições artísticas milenares”.


A Interfilm foi fundada em 1955 por várias associações protestantes de cinema na Europa. Em colaboração com seu parceiro católico Signis, ele organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille Waldensian, projetos aprovados publicados

Otto per mille Waldensian, projetos aprovados publicados

No que respeita aos países estrangeiros, a maioria dos projetos aprovados concentra-se em África, Médio Oriente, América Latina: vão desde o Quirguistão ao Mali, passando por projetos que serão implementados na Faixa de Gaza. Duas realidades em particular estão sendo ajudadas no Afeganistão, e há pelo menos três anos o Otto per mille Waldensian apoia projetos que visam sobretudo a emancipação das mulheres. Agora, uma vez publicada a lista, as associações e entidades que receberam os aportes poderão iniciar os projetos até o final do mês. Como já havia explicado ao NEV Manuela Vinay, chefe do Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodistas e Valdenses (OPM), por ocasião do Sínodo, o Otto per mille registrou um número recorde de membros este ano, em termos de pedidos: “Quase 5 mil – 4992 – pedidos de financiamento, enquanto em 2019 foram cerca de 4100. Estamos a falar de mais 1400 pedidos, face aos últimos três concursos. Estamos, por isso, muito motivados - acrescenta -, e queremos dizer não só a quem participou no concurso, mas a todos, a toda a sociedade civil, que estamos prontos e determinados a ajudar, a fazer a nossa parte”. Como sempre anunciado durante o Sínodo, também estão sendo captados recursos do fundo de emergência para apoiar projetos extraordinários de ajuda às populações do Haiti e do Afeganistão. “Como nos anos anteriores – declarou Alessandra Trottamoderador do Tavola Valdese, em nota publicada em chiesavaldese.org – pautamo-nos na avaliação dos projetos por alguns critérios básicos: atenção máxima a projetos que atendam às necessidades dos sujeitos mais vulneráveis ​​da forma mais emancipadora possível; a abertura para apoiar diferentes níveis de intervenção, que nunca devem ser colocados em competição, desde o de socorro e ajuda imediata, até ao de projetos de mais longo prazo que visam afetar as causas das desigualdades e promover transformações sociais e culturais positivas; e o equilíbrio entre o apoio a organizações consolidadas e com grande capacidade operacional mesmo em cenários complexos e também a pequenas associações que demonstram conhecimento e raízes reais nos contextos territoriais em que operam e uma atenção profunda a relações de cuidado próximas. Estamos agora empenhados em dar substância ao compromisso – ao qual o Sínodo nos encorajou fortemente – de destinar uma parte significativa do fundo especial residual criado para a emergência do Coronavírus às questões trabalhistas, com atenção particular à condição das mulheres e dos jovens ” . ...

Ler artigo
Ucrânia e igrejas protestantes acolhem refugiados

Ucrânia e igrejas protestantes acolhem refugiados

Roma (NEV), 13 de abril de 2022 - 37 pessoas, a maioria mulheres, meninas e meninos, viajam da Polônia para a Itália, por iniciativa da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).“Depois de duas missões para avaliar como trazer nosso apoio – explica marta bernardini, coordenadora do programa de migrantes e refugiados da FCEI, Mediterranean Hope - , junto com as igrejas protestantes atuantes na Polônia, oferecemos esta possibilidade a algumas famílias. Pessoas que serão acolhidas por "comunidades de acolhimento", ou seja, segundo o modelo de "apadrinhamento comunitário" que temos vindo a promover há algum tempo: um acolhimento de base, participativo, em que a sociedade civil se encarrega de acolher os que fogem da guerra na Ucrânia . Um modelo que esperamos replicar também para migrantes que fogem de outros conflitos e situações perigosas. Sempre na esperança de que se trabalhe pela paz, que a violência e o ódio da guerra acabem, na Ucrânia e em toda parte”.As pessoas que viajam com a FCEI chegarão amanhã à Itália e serão acolhidas por três igrejas batistas, algumas famílias protestantes e voluntários individuais em diferentes cidades e vilas: Milão, na província de La Spezia e Turim, perto de Frosinone e Civitavecchia. Assim que chegarem, poderão solicitar proteção temporária, conforme previsto na Itália para a população ucraniana.“Continuaremos dando nosso apoio às igrejas e comunidades da Polônia que ajudam aqueles que fugiram da guerra, mas querem retornar ao seu país o mais rápido possível – continua Bernardini -. Para nós, é importante ouvir daqueles que lidam com a recepção todos os dias a poucos quilômetros da fronteira ucraniana quais são as reais necessidades, necessidades que provavelmente mudarão nas próximas semanas. Finalmente, para o próximo verão, estamos tentando organizar períodos de férias para grupos de crianças ucranianas hospedadas na Polônia. O compromisso com a população ucraniana, do nosso jeito, continua”. Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, declara: "Com o apoio e o encorajamento daqueles que nos enviaram recursos desde os primeiros momentos da guerra e ofereceram sua vontade de nos receber, estamos tentando fazer nossa parte para aqueles que vêm privados do que temos". ...

Ler artigo
Protestantes, um “todo” sempre em construção

Protestantes, um “todo” sempre em construção

Há cinquenta anos, a 16 de Março de 1973, foi assinado o "Convénio de Leuenberg", a partir do nome da localidade suíça perto de Basileia: um acto de reconhecimento mútuo e superação das divisões históricas entre luteranos e reformados, uma etapa importante numa processo que levou à formação de uma comunidade de igrejas que desde 2003 toma o nome de Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE-GEKE). Cerca de cem igrejas, entre a Europa e a América Latina, para um total de 50 milhões de protestantes, fazem parte dela hoje, incluindo a União das Igrejas Metodistas e Valdenses na Itália com a Iglesia Evangélica Valdense del Rio de la Plata e a Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Reflexão teológica comum, reconhecimento de ministérios e sacramentos, cooperação e testemunho comum são os pilares desta comunhão regulada por uma Assembleia Geral realizada a cada 6 anos (a última foi realizada em 2018 em Basel, e a anterior em 2012 em Florença) e por um Conselho de 13 membros coordenado por um Bureau com sede em Viena. Mas a "comunhão" entre as igrejas é um caminho que está em constante construção, diz-nos Oliver Engelhardt, chefe de relações entre as igrejas do CCPE, a quem perguntamos qual é a importância do acordo de Leuenberg hoje: “O Acordo de Leuenberg é o documento teológico na base da Comunhão das igrejas protestantes na Europa. Algumas partes dela, por exemplo, a superação das condenações doutrinárias do século XVI, podem hoje ser tomadas como certas. Por outro lado, Concordia nos dá algumas tarefas, que também são importantes em uma perspectiva de longo prazo. Várias questões dogmáticas foram discutidas e de alguma forma resolvidas, mas há questões éticas que exigem ação e palavras por parte das igrejas. Concórdia nos chama a não nos contentarmos com a comunhão entre nossas igrejas protestantes, mas a buscar uma maior reconciliação e aproximação com outras igrejas e tradições denominacionais, ainda não há menção a outras religiões. Vejo a importância da tradição de Leuenberg por dar uma base teológica à nossa comunhão de igrejas, que é muito mais do que compartilhar a vida no mesmo continente. Para mim o desafio é aproximar ainda mais as igrejas, tornando assim essa comunhão mais profunda e ampla para servir as sociedades em que vivem nossas igrejas. Chamamos esse desafio de 'ser igreja juntos'”. Um grande simpósio acadêmico internacional está planejado para março (9-11) na Hungria, organizado pela Universidade Teológica Reformada de Debrecen. Em 27 de janeiro, porém, a conferência organizada pelo Instituto Protestante de Teologia em Paris… Continue lendo em Riforma.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.