clima, juventude, gênero, covid e muito mais

clima, juventude, gênero, covid e muito mais

Fotos retiradas do site do CELI

Roma (NEV), 22 de abril de 2021 – Está tudo pronto para a abertura da 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Os 56 membros sinodais, conectados por todas as comunidades da Itália, se reunirão online para a sessão intitulada “Continuidade, mudança, futuro – A misericórdia como responsabilidade da Igreja”. Dois dias e meio de insights, reflexões e decisões, que incluem também 6 “salas virtuais” temáticas. No centro do Sínodo, discussões sobre: ​​meio ambiente, jovens, atividade diaconal, justiça de gênero, processamento do coronavírus, igreja digital.

O convidado de honra será o pároco Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF). Seu discurso estará disponível em streaming na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 15h (em alemão com tradução simultânea para o italiano). O bispo também é esperado Michael Chalupka da igreja luterana na Áustria, o bispo Leon Novak da Igreja Evangélica da Confissão de Augsburg, na Eslovênia, o pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo da Conferência Episcopal Italiana (CEI) mons. Ambrogio Spreafico.

Antecipando a abertura, o CELI publicou uma série de entrevistas que expressam o clima e as expectativas desta sessão do Sínodo.

Leia a entrevista com o Reitor do CELI Heiner Bludau. Bludau é decano há sete anos e, com este Sínodo, inicia seu último mandato. Sobre seus anos na Itália, ele diz que foram “mais emocionantes do que qualquer coisa que já experimentei em minha vida profissional”.

Acesse o comunicado de imprensa.


Leia as entrevistas:

Nos destacamos pela nossa liberdade. Entrevista com Cordelia Vitiello, representante legal do CELI e conselheiro da FLM, além de presidente do Hospital Evangélico Betânia de Nápoles. Envolvido em vários projetos diaconais em Nápoles e arredores. Filho de mãe alemã e pai napolitano, Vitiello representa “a alma bicultural do CELI”.


A Igreja é visível sobretudo através da diaconia. Entrevista com Christine Fettig, leigo consistorial de Trieste. “Christine Fettig é segurança. Em sua comunidade, em Trieste, sabem que podem contar com ela para tudo”. Um de seus temas é a justiça de gênero.


É importante começar as coisas. Entrevista com Kirsten Thielevice-reitor CELI. “A decisão sobre uma posição oficial do CELI em relação à justiça de gênero está muito próxima do meu coração. O documento não precisa conter todos os aspectos do assunto. Nem tudo tem que estar ali, não temos que ficar atolado querendo exagerar. É importante votar um documento que seja a posição oficial do CELI como ponto de partida para todos os trabalhos futuros”…


Novo formato – novas rotas?. Entrevista com Ingrid Pfrommer, vice-presidente do Sínodo do CELI, sobre os desafios de um sínodo online. “Uma experiência completamente nova”. Pela primeira vez, ela é responsável por todo o planejamento do Sínodo junto com o presidente Wolfgang Prader.


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Celebração ecumênica pelos 20 anos da Declaração sobre a Justificação

Celebração ecumênica pelos 20 anos da Declaração sobre a Justificação

Foto www.lutheranworld.org Roma (NEV), 11 de junho de 2019 – Uma oração ecumênica na Catedral de Saint-Pierre, em Genebra, marcará o 20º aniversário da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ). O acordo histórico foi o resultado de mais de três décadas de diálogo ecumênico entre a Federação Luterana Mundial (WLF) e a Igreja Católica Romana. Inicialmente assinado por luteranos e católicos em 1999, o JDDJ efetivamente resolveu um dos principais conflitos da Reforma e pôs fim às suas respectivas excomunhões. Nos anos seguintes, também reuniu membros do Conselho Metodista Mundial (WMC), da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) e da Comunhão Anglicana. Representantes das cinco comunidades cristãs globais que assinaram o JDDJ participarão do culto, orando juntos pela unidade e pelo testemunho comum no mundo, no dia 16 de junho às 10h na Catedral de Saint Pierre em Genebra. Em março passado, a Universidade de Notre Dame (Indiana, EUA) recebeu representantes das cinco famílias cristãs globais formalmente associadas à Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação pela Fé (JDDJ) para um encontro destinado a continuar o caminho de maior comunhão eclesial e um testemunho mais visível, também na sequência dos laços mais profundos que se desenvolveram nas duas últimas décadas. artigo anteriorFés e Poderes. Espaço sagrado, espaço político, democraciaPróximo artigoConstruindo pontes. Cristãos e Muçulmanos no Conselho Mundial de Igrejas Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Abruzzo.  Cultura, música e dança em nome da diversidade

Abruzzo. Cultura, música e dança em nome da diversidade

Roma (NEV), 10 de agosto de 2022 - A associação "Amigos da Igreja Valdense de San Giovanni Lipioni" está organizando dois dias sobre diversidade. A nomeação é para os dias 13 e 14 de agosto em San Giovanni Lipioni, na província de Chieti. São dois dias de festa, para sublinhar a riqueza da diversidade. Além do culto de abertura, está prevista uma conferência intitulada “Diferente de quem?”. Palestrante, Prof. Carlos Mônaco, que falará sobre igualdade e diversidade na história do Ocidente. Seguido por um show de dança e percussão do Senegal. No domingo, 14 de agosto, está programado um workshop Salento pizzica. A exposição “Waldensian experience in San Giovanni Lipioni” também pode ser visitada, até 28 de agosto. No culto, agendado para sábado, dia 13 de agosto, pelas 10h30, será dedicado um momento à memória de Gianna Scicloneisso com Carmen Trobia em 1967 abriu o caminho para a ordenação pastoral de mulheres. A pastora Sciclone faleceu em junho passado. O comunicado da iniciativa diz: “Não se pode entender a diversidade sem definir a igualdade. Todos os homens e mulheres nascem iguais. Somos todos iguais perante a Lei – explica Franca Nini, porta-voz do comitê organizador -. Igualdade implica igual dignidade e igualdade de oportunidades sem distinção de nacionalidade, sexo, crença religiosa, opinião política, condições pessoais e sociais. Só existe uma raça humana." Serão dois momentos de agregação e diversão, conclui Ninni, “mas também de reflexão sobre o tema da diversidade, visando unir e enriquecer a comunidade”. Segue abaixo o programa completo. sábado, 13 de agosto de 2022 10h30 – Culto. Celebre o pastor Luke Elders, com uma lembrança da pastora Gianna Sciclone. c/o Centro Cultural Municipal, antiga Igreja Valdense, Piazza Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH) 21h30 – Intervenção de Carlo Monaco, escritor e ensaísta, ex-professor de história e filosofia na Universidade de Bolonha, sobre o tema “Diverso Da Chi? Considerações sobre igualdade e diversidade na história do Ocidente”. Praça Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH). 22h30 – Espetáculo de dança e percussão da África Ocidental do grupo “Sunu Africa”. Ritmos, danças, canções e símbolos do Senegal num espetáculo envolvente e colorido. Praça Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH). Domingo, 14 de agosto de 2022 21h30 – Oficina Pizzica Salentina, líder Rita Mônaco. Praça Largo del Popolo, San Giovanni Lipioni (CH). De 13 a 28 de agosto, a exposição "Experiência Valdense em San Giovanni Lipioni" estará aberta no Centro Cultural Municipal, antiga Igreja Valdense. Para informações contacte o número 393 2757821 ou 339 7905435 ou envie mensagem na página do Facebook ...

Ler artigo
“A experiência produz esperança”.  Apoiar redes de mulheres e comunidades

“A experiência produz esperança”. Apoiar redes de mulheres e comunidades

Foto por notas de thanun / Unsplash Roma (NEV), 20 de março de 2023 – A Federação de Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas (FFEVM) inicia, no dia 23 de março, em Florença, quatro dias de encontros para mulheres evangélicas e protestantes, mas não só. Na ordem do dia, entre outras coisas, a eleição do novo Conselho do BCE (agendada para 24 de março). Seguiu-se o Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) de 25 a 26 de março. Também estão agendadas duas mesas redondas públicas (detalhes no final da página). Gabriella Rustici Nós conversamos sobre isso com Gabriella RusticiPresidente da FFEVM: “Há muitas mulheres nas igrejas, mas elas não sentem a necessidade de estar juntas como antes, para fortalecer seu ser dentro da igreja. Muitos deles podem pensar que não têm tempo, mas com nosso congresso queremos reverter essa preocupação. Na verdade, a federação de mulheres valdenses e metodistas apóia todas as mulheres nas igrejas”, explica o presidente Rustici. Como? “Oferecendo ferramentas essenciais de formação, desde notícias teológicas, lidas e vivenciadas, à exegese bíblica, à formação específica sobre tarefas e papéis. Com nossas atividades temos contribuído para repensar o cuidado, entendido não como um 'acessório feminino', mas como uma forma de interpretar e viver em pólisportanto, como um ato político”. A FFEVM propôs recentemente várias reuniões de norte a sul. Entre elas, a conferência "Ambiente, trabalho e território" no Christian Service, na Sicília. E então “Ore, conte, pregue. Teologia feminista no devir das comunidades”, em Ecumene (Velletri, província de Roma). O encontro sobre as associações de mulheres nas igrejas, em Torre Pellice (na província de Turim). Escutando os territórios “Como crentes, mulheres valdenses e metodistas, nos interessamos pela teologia na formação de comunidades circulares. Estamos interessados ​​em rezar juntos, contar histórias e ouvir. Isso ajuda a fortalecer as atividades da comunidade e também dos pastores. Perguntamo-nos, por exemplo, se o pastorado feminino deveria ser totalmente igual ao masculino. O debate está aberto”, continua Gabriella Rustici. Outro nó fundamental diz respeito a como responder e ajudar as comunidades em suas diversas necessidades organizacionais: “Uma igreja pequena pode ter dificuldade em organizar uma reunião ou uma atividade. A Federação pode apoiar comunidades individuais. Nossa indicação mais forte neste momento é fazer alianças entre as igrejas. O circuito [insieme di chiese territoriali, ndr] é um elemento importante de nossas igrejas e deve ser valorizado. Desde a possibilidade de organizar sermões conjuntos até catequese. Aliás, já há catequese no circuito”. Apoiar redes de mulheres e comunidades Em suma, a Federação de Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas pretende “Apoiar as redes. Os grupos estão bem, os sindicatos de mulheres estão bem, mas é preciso criar redes territoriais, em sintonia com o que poderíamos chamar de um movimento de repensar os módulos organizacionais. Há algum tempo ouvimos falar disso e talvez seja a hora de fazê-lo. Não se pode viver comunidade a comunidade”. O Presidente Rustici nos convida então a redescobrir o “contato vivo com as igrejas, no sentido de estarmos juntos fisicamente”. Trabalhar durante a pandemia, “em condições absolutamente diferentes das vividas no século passado – continua Rustici – não nos impediu de organizar múltiplas atividades. No entanto, certas questões exigem uma discussão aberta e a presença do nosso corpo. Pensemos, por exemplo, nas questões relativas à superação da violência contra a mulher”. Em virtude desse novo desejo de estar juntos, o tema do encontro da FFEVM é justamente o versículo “A experiência produz esperança” (Romanos 5, 4). “Toda a igreja precisa florescer e se abrir” “Toda a igreja precisa florescer e se abrir. Se a igreja em crise quer se renovar, também é bom se reunir nas garagens, nas praças, nas estações. Não faz sentido chorar porque somos poucos. Uma nova história de evangelização se abre para nós – prossegue o presidente -. A pandemia nos mudou, para melhor ou para pior. Agora, com humildade, coragem e esperança, podemos seguir em frente. Relembrando as uniões de mulheres, para mim que sou apaixonada pelos antigos bordados de nossas mulheres, penso em quantas antes de nós fizemos, lavamos, passamos e engomamos guardanapos. Eram as empresas de costura do início do século XX. Hoje estamos nos anos 2000 e podemos trazer esse ardor para o nosso tempo”. Semear de graça, sem necessariamente esperar para ver os frutos E à nossa pergunta sobre a presença dos jovens, Gabriella Rustici conclui: “Acho que temos que ir além da questão geracional. Sim, nossos meninos e meninas, até filhos e filhas de pessoas da igreja, confirmam e desaparecem. Devemos ter a linguagem dos jovens? Educá-los? Não é correndo atrás da juventude que se resolve. Em vez disso, devemos ser como alguém que semeia uma semente. Somos uma comunidade de fé onde a esperança pode ser encontrada desde o berço até a velhice. Somos uma minoria, é verdade, mas isso é relevante? O cristianismo hoje dá esperança? Tem o frescor que você precisa? A esperança protestante, a esperança evangélica, é a certeza das coisas que se esperam. Em cada semente que plantamos. Enquanto isso vamos semear, essa é a nossa vocação no mundo, desde a ética protestante do trabalho até todos os outros grandes temas contemporâneos. Ser 'semeador', como diz a histórica revista protestante de evangelização. Podemos não colher, mas acho que não devemos ter tanto orgulho de nós mesmos a ponto de querermos ver os frutos. Quem ensina sabe disso. Ensina-se, como um dom gratuito que não se sabe que rumos vai tomar e onde vai brotar”. Os congressos FFEVM e FDEI acontecerão em Florença de 23 a 26 de março. “A escolha de uma fórmula 'combinada' – lê Riforma.it – é motivada pela necessidade de conter custos, mas também para facilitar a participação em ambos os congressos”. Aqui o programa completo: Congresso de Cartazes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.