clima, juventude, gênero, covid e muito mais

clima, juventude, gênero, covid e muito mais

Fotos retiradas do site do CELI

Roma (NEV), 22 de abril de 2021 – Está tudo pronto para a abertura da 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Os 56 membros sinodais, conectados por todas as comunidades da Itália, se reunirão online para a sessão intitulada “Continuidade, mudança, futuro – A misericórdia como responsabilidade da Igreja”. Dois dias e meio de insights, reflexões e decisões, que incluem também 6 “salas virtuais” temáticas. No centro do Sínodo, discussões sobre: ​​meio ambiente, jovens, atividade diaconal, justiça de gênero, processamento do coronavírus, igreja digital.

O convidado de honra será o pároco Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF). Seu discurso estará disponível em streaming na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 15h (em alemão com tradução simultânea para o italiano). O bispo também é esperado Michael Chalupka da igreja luterana na Áustria, o bispo Leon Novak da Igreja Evangélica da Confissão de Augsburg, na Eslovênia, o pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo da Conferência Episcopal Italiana (CEI) mons. Ambrogio Spreafico.

Antecipando a abertura, o CELI publicou uma série de entrevistas que expressam o clima e as expectativas desta sessão do Sínodo.

Leia a entrevista com o Reitor do CELI Heiner Bludau. Bludau é decano há sete anos e, com este Sínodo, inicia seu último mandato. Sobre seus anos na Itália, ele diz que foram “mais emocionantes do que qualquer coisa que já experimentei em minha vida profissional”.

Acesse o comunicado de imprensa.


Leia as entrevistas:

Nos destacamos pela nossa liberdade. Entrevista com Cordelia Vitiello, representante legal do CELI e conselheiro da FLM, além de presidente do Hospital Evangélico Betânia de Nápoles. Envolvido em vários projetos diaconais em Nápoles e arredores. Filho de mãe alemã e pai napolitano, Vitiello representa “a alma bicultural do CELI”.


A Igreja é visível sobretudo através da diaconia. Entrevista com Christine Fettig, leigo consistorial de Trieste. “Christine Fettig é segurança. Em sua comunidade, em Trieste, sabem que podem contar com ela para tudo”. Um de seus temas é a justiça de gênero.


É importante começar as coisas. Entrevista com Kirsten Thielevice-reitor CELI. “A decisão sobre uma posição oficial do CELI em relação à justiça de gênero está muito próxima do meu coração. O documento não precisa conter todos os aspectos do assunto. Nem tudo tem que estar ali, não temos que ficar atolado querendo exagerar. É importante votar um documento que seja a posição oficial do CELI como ponto de partida para todos os trabalhos futuros”…


Novo formato – novas rotas?. Entrevista com Ingrid Pfrommer, vice-presidente do Sínodo do CELI, sobre os desafios de um sínodo online. “Uma experiência completamente nova”. Pela primeira vez, ela é responsável por todo o planejamento do Sínodo junto com o presidente Wolfgang Prader.


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Em tempos sombrios, ouse ter esperança

Em tempos sombrios, ouse ter esperança

Roma (NEV), 18 de julho de 2022 - De 24 a 30 de julho, será realizada em Assis a 58ª Sessão de Formação Ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), que representará o segundo momento de pesquisa ecumênica lançada em 2021 com a sessão sobre Você vai contar ao seu filho (Ex. 13,8). “O tema da comunicação da fé no diálogo intergeracional será explorado este ano com particular atenção ao difícil momento de mudança em curso – lê-se na apresentação do evento -: que palavras de esperança podemos transmitir? O contexto será o do diálogo entre gerações, favorecendo a escuta mútua, e o diálogo intercultural, cada vez mais significativo numa sociedade viva e em movimento como a nossa. Em tempos sombrios, ouse ter esperança. As Palavras de Fé na Sucessão das Gerações é, sem dúvida, um título desafiador, pois está repleto de promessas que esperamos poder cumprir. A reflexão, o encontro, a oração e o convívio que sempre caracterizaram as sessões da SAE voltarão a envolver este ano cristãos de várias confissões, mas também judeus e muçulmanos, num diálogo a muitas vozes, atento e respeitoso”. Serão organizadas atividades específicas para meninos e meninas e na tarde livre será possível visitar Assis e seus arredores. Aqui o pdf com a brochura BrochureSAE2022 com a indicação de todos os momentos de estudo e escuta, os de oração e os de reflexão, os títulos dos workshops e os nomes dos oradores. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=9JTW5ljA-R0[/embed] A SAE, associação leiga e interconfessional, dá continuidade à atividade de diálogo e formação ecumênica promovida pela Maria Vingiani em Veneza a partir de 1947, depois desenvolvida em Roma de forma privada a partir de 1959 (no anúncio do Concílio Ecumênico Vaticano II) e de forma pública a partir de 1964. Em 1966 foi formalmente constituída como associação sob a presidência da fundadora Maria Vingiani. Desde 1964 organiza uma sessão anual de verão de formação ecumênica, da qual são publicados os Atos. Geralmente é acompanhado por uma conferência anual de primavera mais curta. Ele foi um dos promotores da época para o judaísmo (1989) e do documento para casamentos inter-religiosos entre católicos e valdenses-metodistas (1998). Em 1996, com a eleição de Elena Milazzo Covini novo Presidente Nacional, a sede mudou-se de Roma para Milão. A fundadora Maria Vingiani é nomeada presidente emérita. De 2004 a 2012, por dois mandatos consecutivos, foi presidente nacional Mário NhoqueEntão Marianita Montresor (de 2012 a 2016) e Pedro Stefani (de outubro de 2016 até o final de 2021). Em setembro de 2021, foi eleita Erica Sfreddao primeiro presidente evangélico da associação, que tomou posse oficialmente em janeiro de 2022. Para mais informações, acesse a seção de documentação e consulte o documento Memória histórica de Maria Vingiani. ...

Ler artigo
Migrantes e religiões, um compromisso ecumênico que se fortalece

Migrantes e religiões, um compromisso ecumênico que se fortalece

Roma (NEV), 21 de novembro de 2019 - Acolher os migrantes e combater a xenofobia todos os dias: um compromisso prioritário para as igrejas, reunidas nos últimos dias em Roma para a conferência ecumênica anual promovida pelo Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI), juntamente com os representantes das Igrejas cristãs na Itália. Um compromisso que as várias confissões unidas parecem querer assumir pessoalmente e cada vez mais. Ontem, quarta-feira, 20, a sessão final da conferência foi aberta com uma meditação do rabino Benedetto Carucci Viterbi, uma meditação que partiu da figura de Abraão como modelo da tradição judaica: “perante a relação com o outro necessitado, também a relação com Deus fica em segundo plano. Abraão mostra a urgência de acolher quem é diferente de nós, ou que a hospitalidade prevalece sobre a imanência de Deus”. A experiência migratória, segundo o representante do mundo judaico, diz respeito a todos: “ninguém está a salvo da hipótese da migração, somos todos migrantes potenciais, certamente não sedentários, de Adão em diante”. Ao final da intervenção de Carucci Viterbi, alternaram-se alguns testemunhos de 'quem acolhe', depois dos acolhidos, ouvidos pelos participantes da assembléia na tarde desta terça-feira, 19. Entre os 'acolhimento', apresentados pelo pároco Mirella Manocchiopresidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália, Irmã Eleonora das Missionárias Servas do Espírito Santo, que anunciou a iminente acolhida, depois de outras experiências deste tipo, por sua comunidade de uma família afegã do campo de refugiados de Lesbos. Stefano Specchiaoperadora do Mediterranean Hope, o programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, que trata da assistência jurídica aos beneficiários dos corredores humanitários e seu acolhimento, explicou "o que significa ser um refugiado", convidando os presentes colocar-se no lugar de quem migra, pensando nesta condição como "o maior luto que já experimentou na vida". Terceiro e último dia de trabalho da conferência ecumênica sobre #migrantes E #religiõesintervém agora @IlariaValenzi. @nev_it @Protestantismo @RadioBeckwith @Riforma_it pic.twitter.com/u4tWvClWWG — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 20 de novembro de 2019 E o acolhimento dos migrantes deve incluir também o respeito pelo pleno direito à liberdade e à expressão da própria fé. Um direito que não parece estar garantido sempre e em nenhum caso. Para o advogado Ilaria Valenzi, assessor jurídico da FCEI, “o pluralismo religioso é um direito de todos e os locais de culto não são apenas espaços físicos, mas também simbólicos. A Consulta tem repetidamente manifestado-se a favor da liberdade de culto no nosso país”, testemunhando o facto de haver, em todo o caso, um fosso entre os cultos “maioriais” e as religiões que de alguma forma representam uma minoria. “As religiões – concluiu Valenzi – pertencem ao conceito de igualdade e ao de justiça, conforme constam dos artigos 2º e 3º da Constituição”. Monsenhor também Luca Bressanvigário episcopal da diocese de Milão, se perguntou "por que precisamos de mais lugares de culto?", entendidos como "lugares de trânsito e não de exclusão". Portanto, a liberdade religiosa, garantida por lei, sancionada pelo Estado, mas nem sempre praticada igualmente por todos, é a base de uma abordagem ecumênica para o entrelaçamento do fenômeno da migração e das crenças. “Toda cultura é mestiça por sua natureza – declarou Monsenhor Ambrogio Spreafico, presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo e o diálogo inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana (CEI), nas conclusões da conferência - . Deve-se lembrar que há quase 70,8 milhões de pessoas em fuga, 10,8 milhões forçadas a fugir, mas dentro de seus próprios países, 37 mil novos deslocados todos os dias, e lembre-se que em 2018 um em cada 2 refugiados era menor”. Neste contexto de profunda evolução do fenómeno migratório a nível global, o que “dizem” as igrejas cristãs? “Estamos aqui, como cristãos – acrescentou o representante da CEI -. Porque o ódio contra aqueles que consideramos diferentes pode se tornar morte, violência, um inimigo a ser eliminado”. Para o prelado, que se referiu ao capítulo 16 do Deuteronômio e ao Livro dos Juízes, capítulo 12, da Bíblia, bem como ao livro do jornalista Carol Emcke 'Contra o ódio', as igrejas devem "ir além dos muitos eus para viver o nós do qual as comunidades cristãs sempre foram um sinal para o mundo e devem ser ainda mais". O pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, anunciou a criação do Grupo de Trabalho das Igrejas Cristãs na Itália (GLCCI). “Foi uma conferência cheia de estímulos, testemunhos, temas – explicou Negro – que marcou como o tema do acolhimento do outro é central na Bíblia. A xenofobia leva à maldição e à morte. E os novos sodomitas são, portanto, os xenófobos, os racistas. A este ódio, à xenofobia de Sodoma, deve-se opor a filoxenia, o amor ao estrangeiro, aquela hospitalidade que é literalmente amor ao xenos, do qual fala o capítulo 13 da Carta aos Hebreus do Novo Testamento”. “Este é o quarto ano consecutivo de nossa convenção ecumênica – continuou o pároco -: foram promovidas 2 edições com a UNEDI, em Trento e em Assis, sobre a Reforma, enquanto em Milão o tema foi a custódia criada. Em 2019 foi a vez dos migrantes: um caminho equilibrado na escolha dos temas e nos dois polos do ecumenismo, o testemunho comum, o serviço das igrejas no mundo de um lado e o diálogo teológico do outro. Uma harmonia que nos fez crescer em nossa comunhão ecumênica. Estamos, portanto, prontos para dar um salto qualitativo em nosso caminho ecumênico: um grupo de trabalho das igrejas cristãs na Itália, um corpo informal por enquanto, o importante não é a estrutura, mas o fato de que finalmente também em nosso país o ecumenismo não é mais esporádico, confinado ao gueto de ouro da semana de oração pela unidade dos cristãos: um ecumenismo cotidiano”. Os trabalhos da nomeação ecumênica foram encerrados pelo vigário geral das paróquias do Patriarcado de Moscou na Itália, Hieromonk Ambrose Matsegoraaludindo a duas figuras retóricas: a alegoria da jornada épica do Ulisses de Homero, por um lado, e a metáfora da última ceia, por outro. “A pátria é a essência humana, a viagem é a própria viagem. Ulisses explica como às vezes basta mudar a perspectiva para poder ver a viagem como uma oportunidade. Ele é um exemplo para os migrantes de hoje, ele se tornou o homem sobre o qual o destino não tem mais poder, ele aprendeu a superar os limites de si mesmo”. [BB] ...

Ler artigo
Está em andamento o Sínodo do Rio de La Plata 2020. Entrevista com o moderador Tron

Está em andamento o Sínodo do Rio de La Plata 2020. Entrevista com o moderador Tron

Carola Tron - Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV), 31 de janeiro de 2020 - O Sínodo da Igreja Valdense do Rio da Prata acontecerá no Uruguai de 1 a 3 de fevereiro, reunindo representantes das comunidades valdenses do Uruguai e da Argentina, juntamente com pastores e representantes de os trabalhos diaconais que a igreja realiza em ambos os países. Será um Sínodo temático sobre a educação na Igreja e seu valor para as comunidades evangélicas valdenses. Somente no último dia a comissão administrativa se reunirá para decidir sobre questões-chave. O Sínodo temático terá três momentos: no primeiro serão compartilhadas as experiências das comunidades, no segundo serão questionadas as diferentes formas de educar através de uma visão teológica e, finalmente, no terceiro momento serão buscadas ferramentas adequadas de Educação. “Criamos uma Comissão Sinodal de Educação Cristã que abordará uma reflexão sobre este tema a partir da experiência da comunidade, da interpretação teológica e do desafio de trabalhar este tema com uma leitura popular” disse-nos o moderador de la Mesa Valdense carola Tron contatada por telefone pela Agência Nev que lhe fez algumas perguntas. Quais são as questões críticas que as igrejas do terceiro milênio estão enfrentando? Quais são, na sua opinião, as soluções possíveis para essas questões críticas? A nova realidade que enfrentamos tem a ver com uma mudança de paradigma nas formas de ser igreja que questionam a própria instituição, a representação, o compromisso e as formas de participação. O núcleo que realiza as atividades foi bastante reduzido. Isso também muda nosso ponto de vista e há uma tendência de sobrecarregar os poucos que sobraram com trabalho para manter o negócio funcionando. Quando a comunidade que deu origem a uma estrutura se reduz, é preciso também repensar as formas de participação e as formas de ser uma comunidade de vida com espaços sustentáveis ​​e de verdadeira partilha. Temos que pensar em como estimular novas vocações que talvez tenham uma forma diferente daquelas que sempre conhecemos na esteira de nossa identidade protestante. Como você acha que a Igreja Valdense pode se relacionar com as mudanças políticas que estão ocorrendo no continente latino-americano? Estamos diante de um contexto muito efervescente, com mudanças políticas e sociais e grandes manifestações sobre temas centrais como direitos humanos, pobreza e necessidades básicas não atendidas. Registramos uma forte presença de setores fundamentalistas ligados a grupos que atuam fazendo lobby por determinadas políticas. Nesse sentido, nossa posição vem do Evangelho e é portadora de uma mensagem de inclusão, tolerância com a diversidade, ênfase nas minorias. É importante que a Igreja seja capaz de ter uma palavra profética sobre essas questões. No Uruguai estamos diante de uma nova presidência da república com uma importante mudança de linha política; na Argentina há um novo governo que enfrenta uma crise profunda. Nesse contexto, sinto que nosso papel é interpretar o evangelho para gerar comunidades inclusivas e amorosas. O moderador da Mesa Valdense participará do Sínodo do Rio da Prata Alessandra Trotta. Espera-se que muitos convidados estrangeiros participem dos procedimentos. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.