Regularização 2020: após dois anos, mais de cem mil pessoas ainda aguardam documentos

Regularização 2020: após dois anos, mais de cem mil pessoas ainda aguardam documentos

Roma (NEV), 11 de maio de 2022 – A campanha Eu era estrangeiro publicou em seu site uma atualização do acompanhamento da implementação da regularização extraordinária de 2020, medida que a campanha propôs e apoiou fortemente, enfatizando imediatamente o alcance limitado da prestação devido aos poucos setores identificados para emergência e à rigidez de alguns requisitos. Dos dados fornecidos pelo Ministério do Interior em resposta aos últimos pedidos de acesso a documentos (disponíveis no site), depreende-se que, no final de março de 2022, dos mais de 207.000 pedidos de emergência apresentados pelos empregadores, há 105.000 autorizações de residência em liberação pelas prefeituras (cerca de 50% do total) e ainda dezenas de milhares de processos a serem finalizados. Além disso, como se pode ler na nota da campanha, é de realçar o número bastante elevado de indeferimentos que vão surgindo à medida que o exame avança.

Entre outras coisas, a sentença do Lombardy Tar interveio no momento do exame dos autos, que relembrou com algumas sentenças o que a Constituição dispõe sobre os tempos certos dos procedimentos administrativos.

O dossiê também inclui uma análise dos resultados obtidos nos últimos meses com a campanha de agilização e conclusão do procedimento, a começar pela prorrogação até dezembro de 2022 dos mais de 1.000 trabalhadores temporários empregados em prefeituras e delegacias que, graças a uma emenda à lei orçamentária proposta por eu era estrangeiro, poderão continuar tratando da regularização e, quem sabe, concluí-la. Outro elemento em que a campanha se concentra é o último decreto de fluxo, que identificou 70.000 cotas de entrada de trabalhadores e trabalhadoras para 2022 em vários setores, ante os poucos milhares esperados nos últimos anos. Nos click days entre o final de janeiro e fevereiro, as vagas esgotaram em poucas horas e foram recebidas mais de 220 mil solicitações de empregadores, superando em muito as vagas disponíveis.

Na conclusão da análise dos dados e das mais recentes intervenções sobre a imigração, a campanha reitera mais uma vez a necessidade de criar finalmente vias de entrada racionais e verdadeiramente acessíveis para o trabalho e de ultrapassar o sistema ilógico das amnistias, com a introdução de um sistema sempre mecanismo acessível para reentrar na economia legal. Nesse sentido, a aprovação no passado dia 3 de maio no Senado, no âmbito da discussão sobre a instituição do dia nacional em memória dos imigrantes vítimas do ódio racial e da exploração no trabalho, de uma agenda que obriga o governo a avaliar a introdução “de um mecanismo permanente de regularização a título individual do contrato de trabalho, com o duplo objectivo de garantir a correcta protecção dos direitos fundamentais da pessoa e assim favorecer também o aparecimento de relações laborais irregulares”, retomando a proposta de lei de iniciativa popular cujo exame está parado na Comissão de Assuntos Constitucionais desde março de 2020.

Canais de entrada para trabalho e regularização: a reunião pública de alto nível que a campanha do Eu era estrangeiro está organizando no Parlamento para o próximo dia 14 de julho.


Eu era estrangeiro é promovido por: Radicais Italianos, Fundação Casa da Caridade “Angelo Abriani”, ARCI, ASGI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, CILD, Fcei – Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, Oxfam Italia, ActionAid Italia , ACLI, Legambiente Onlus, ASCS – Agência Scalabriniana de Cooperação para o Desenvolvimento, AOI, Terra! onlus com o apoio de inúmeros prefeitos e dezenas de organizações.

O título do projeto de lei de iniciativa popular é “Novas regras para a promoção de autorizações regulares de residência e inclusão social e laboral de cidadãos estrangeiros não comunitários”. É composto por 8 artigos que prevêem, entre outras coisas, a introdução de uma autorização de residência temporária para a procura de emprego através do recurso à atividade de intermediação entre empregadores italianos e trabalhadores estrangeiros não pertencentes à UE; a regularização individual de estrangeiros “enraizados” mediante a disponibilidade de contrato por parte do empregador.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Montagem CEC.  Uma mensagem do Oriente

Montagem CEC. Uma mensagem do Oriente

À esquerda, Souraya Bechealany Novi Sad (NEV), 5 de junho de 2018 – “Agradecemos a acolhida que oferece aos nossos irmãos e irmãs que vêm do Oriente Médio. Sua recepção nos toca profundamente e o convidamos a abrir portas ainda maiores. No entanto, pedimos a vocês, acima de tudo, que trabalhem para que os cristãos permaneçam no Oriente Médio”. Esta é "a mensagem que vem do Oriente", lançada ontem, 4 de junho, pelos libaneses Souraya Bechealanysecretário-geral do Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), na Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio - 5 de agosto). “Sem a presença dos cristãos, ou com sua presença reduzida, o Oriente Médio não será mais o mesmo e perderá seu sentido de alteridade – continuou Bechealany -. No Oriente Médio, nós, cristãos, não somos hóspedes, estamos em casa e participamos da construção das sociedades dos países em que vivemos”. Bechealany então falou sobre a situação libanesa: “A ONU e a União Européia querem que o Líbano receba 2,5 milhões de refugiados sírios e palestinos de uma população total de 4 milhões de pessoas. Somos um país endividado, como podemos lidar com esta emergência?”. Se as Igrejas européias podem oferecer ajuda às do Oriente Médio, o contrário também é verdadeiro: “Podemos ajudá-los a compreender e construir caminhos concretos de unidade na diversidade em seu continente, onde hoje chegam muitos cristãos orientais e muçulmanos. Temos para si as 'instruções de utilização' desta nova situação”. “Finalmente – concluiu o expoente do Oriente Médio – não fale por nós, não pense por nós, não decida por nós. Reflitamos juntos, unidos na Palavra e no testemunho”. (Libra) ...

Ler artigo
Despedida de Don Aldo, um dos “pais” da Charta Oecumenica

Despedida de Don Aldo, um dos “pais” da Charta Oecumenica

Neste ano de 2021 comemoramos vinte anos de Charta Oecumenica, o pequeno documento que estabelece as diretrizes para o crescimento da colaboração entre as igrejas na Europa. A Best-seller movimento ecumênico que em grande parte ainda é atual, mas que há poucos dias perdeu um de seus "pais" – enquanto muitos de nós que estamos envolvidos no movimento ecumênico perdemos um amigo e um irmão. Refiro-me a Monsenhor Aldo Giordano, arcebispo católico e representante da Santa Sé junto à União Europeia, falecido de Covid-19 em 2 de dezembro em Bruxelas. A morte de Dom Aldo é uma perda séria para aqueles que se preocupam com o destino do ecumenismo na Europa. Giordano havia retornado recentemente ao velho continente, depois de oito anos como núncio apostólico na Venezuela. Antes disso tinha sido observador da Santa Sé no Conselho da Europa, em Estrasburgo, mas sobretudo, durante treze anos (1995-2007), secretário-geral do Conselho das Conferências Episcopais Europeias (Ccee), organismo católico que, juntamente com a Conferência das Igrejas Europeias (CEC, que reúne protestantes, anglicanos e ortodoxos), promoveu as três grandes Assembleias Ecuménicas Europeias: a de Basileia (Suíça) em 1989, a de Graz (Áustria) em 1997 e a de Sibiu ( Romênia) de 2007. Giordano esteve diretamente envolvido na organização dos dois últimos, e um dos frutos desse trabalho estava ali Charta Oecumenicaassinado em Estrasburgo na Páscoa de 2001. Não só participou na redacção do Fretamento, mas foi um de seus mais ferrenhos apoiadores, apresentando-o e promovendo-o incansavelmente em dezenas e dezenas de encontros em todos os países europeus, inclusive na Itália. Dom Aldo gostava de dizer que o Charta Oecumenica não é apenas um documento, mas um processo e uma sonhar. E quero recordá-lo com estas suas palavras, escritas dois anos depois do encontro ecuménico de Estrasburgo: «Um metropolita ortodoxo que sai da igreja Saint-Thomas de Estrasburgo depois de assinar o Charta Oecumenica ele disse-me: "O céu nublado destes dias abriu-se para um vislumbre de azul sobre nós: é um sinal de que Deus abençoa o que conseguimos!". Viajando pelas estradas da Europa, muitas vezes temos a impressão de que o céu está fechado ou que falta ar fresco para respirar. Lá Charta Oecumenica é um texto, um processo, mas também um sonho: ajudar a reabrir o céu azul sobre a Europa e suas igrejas... ajudar os cristãos de nossos países a redescobrir sua vocação e responsabilidade pela reconciliação». Aqui está: A Covid-19 infelizmente acabou com a vida terrena de Dom Aldo, mas não conseguiu desfazer o seu sonho, porque é também o nosso sonho, o de todas e todos aqueles que, para citar as palavras conclusivas do Fretamento, acreditam firmemente que «Jesus Cristo, Senhor da “única” Igreja, é a nossa maior esperança de reconciliação e paz. Em seu nome queremos continuar nossa caminhada juntos". Para ouvir o podcast clique AQUI ...

Ler artigo
Basel 1989, um testemunho – Nev

Basel 1989, um testemunho – Nev

Marica das três nações, a partida no Lungo Reno Roma (NEV), 15 de maio de 2019 – Eu estava lá em Basel. Digo isso com orgulho porque foi talvez o único caso em que participei de um evento que pode ser definido como um marco do movimento ecumênico europeu. O fato é que toda a Faculdade de Teologia Valdense - pouco mais de vinte pessoas ao todo - esteve presente na Primeira Assembléia Ecumênica Européia - realizada de 15 a 21 de maio de 1989 na cidade suíça - juntamente com uma numerosa delegação das igrejas protestantes da Itália. Uma característica da vida de estudante, como eu era na época, é a inconsciência. Levei alguns anos para entender a importância daquele evento e o quanto ele influenciou minha consciência ecumênica; e também perceber a sorte que tive por estudar naquela pequena universidade que é a Waldensian Faculty, capaz de oferecer as mais variadas experiências europeias, graças ao carinho e ajuda de muitas igrejas irmãs – no caso de Basileia, presumo, de as igrejas suíças. Guardei o Guia da assembléia, um volume de 300 páginas, que me peguei folheando esses dias. Abriu com saudações dos organizadores Jean Fishersecretário-geral da Conferência das Igrejas Europeias e da Ivo Furer, secretário geral da Comissão das Conferências Episcopais da Europa (CCEE). Encontro regional do processo conciliar mundial "Justiça, Paz e Integridade da Criação", a Assembleia, explicaram, "propõe a busca de uma resposta da fé cristã à crise global que ameaça a sobrevivência da humanidade e da natureza". Foi a primeira vez que a questão ambiental teve tanto espaço e foi tematizada em profundidade pelas igrejas européias – católica, ortodoxa e protestante, nenhuma excluída. Alguns anos antes, em 1986, ocorrera a tragédia de Chernobyl; mas talvez nem todos se lembrem que poucos meses depois do acidente nuclear, no mesmo ano, em Basel um incêndio nas fábricas da Sandoz provocou a liberação de materiais químicos que fizeram o Reno ficar vermelho e provocaram a morte de peixes: um desastre ambiental na coração da Europa, tanto que alguns falavam de um Cherno-Bâle (do nome francês Basel). Marcha das três nações Em Basel, mesmo um estudante desavisado como eu podia respirar a força das mudanças iminentes. Você podia ouvi-lo da voz de Frank Chicane, secretário-geral do Conselho de Igrejas da África do Sul, que falou sobre como derrubar o apartheid por meios não violentos; nos testemunhos da Sociedade de Amigos, os Quakers, sobre seu trabalho de pacificação na Irlanda do Norte. Sentia-se soprar o vento da paz e da não-violência que, poucos meses depois, derrubaria o Muro de Berlim, concretizando as esperanças e a razão de ser da Conferência das Igrejas europeias, nascida precisamente para construir pontes entre o Oriente e o oeste do continente. A esperança de uma Europa sem fronteiras e sem muros foi celebrada pela Marcha das três nações que aproveitaram a particular posição geográfica, que sempre correspondeu a uma atitude cultural de abertura, da cidade de Basileia, fronteiriça tanto com a França como com com a Alemanha. Milhares de pessoas – incluindo Mons. Carlos Maria Martinipresidente da CCEE – atravessou as três fronteiras sem apresentar documentos, passando da Suíça para a França, da França para a Alemanha e de volta à Suíça. Nas páginas em branco do Guia da Assembleia, encontrei anotadas as consultas a que compareci. Menciono apenas dois: o discurso em plenário de Aruna Gnanadasonsecretário do Conselho Nacional de Igrejas da Índia, que mostrou como o tema da paz, da justiça e da integridade da criação não fazia sentido sem uma palavra que vinha do sul do mundo e, consequentemente, de um ato de confissão de pecado do continente europeu para a exploração de outros continentes. A Frauen Boot no Reno E depois o colorido e aberto programa do "Frauen Boot", o "Navio das Mulheres" ancorado nas margens do Reno: "um ponto de encontro para todos - mulheres e homens, velhos e jovens - para discutir temas de particular interesse feminino" . Foi minha abordagem um pouco mais profunda, embora experimental, do pensamento teológico feminista. Basel 1989 foi o primeiro encontro continental a exaltar a liberdade do povo cristão, que era precisamente gente e não rebanho, e também lançou as bases para os temas que ainda hoje debatemos - das questões de gênero ao comércio de armas, das energias renováveis a um novo paradigma econômico, até mesmo o impacto social das novas tecnologias - talvez com exceção apenas das migrações cuja tematização não me lembro (nem a tracei no Guia). A diferença é que na época essas questões eram abordadas na onda da esperança de grandes mudanças – assim, eu me lembro, ele se expressou Carl Friedrich von Weizsäcker na plenária final – enquanto hoje a Europa está coberta pelo manto de uma tempestade ameaçadora criada por medos, reais e induzidos, que o movimento ecumênico – cansado em relação a 1989, mas não sem energia – tem a tarefa de dissipar. Marcha das três nações, travessia da fronteira alemã O Münster de Basileia A procissão de abertura da Assembleia ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.