Reforma do atendimento ao idoso não autossuficiente, carta aberta da Diaconia

Reforma do atendimento ao idoso não autossuficiente, carta aberta da Diaconia

Photo Hunt Han, unsplash

Roma (NEV), 22 de junho de 2022 – Até o verão, o governo deve apresentar o projeto de lei que habilita a reforma da assistência aos idosos não autossuficientes. Por isso, o CDS da Diaconia Valdense com as organizações do “Pacto por um novo assistencialismo na não autossuficiência” dirigiu ao executivo, dias atrás, uma carta aberta ao Presidente Mario Draghi e aos ministros Robert Hope E André Orlando.

“É um momento decisivo para os 3,8 milhões de idosos não autossuficientes e suas famílias”, sublinha a Diaconia.

Em particular, os “especialistas” neste sector defendem a criação de um Sistema Nacional de Assistência ao Idoso (SNA), que inclua todas as medidas públicas – de carácter social e sanitário – de assistência aos idosos não auto-suficientes. Desta forma, explicam os promotores da iniciativa, “a atual fragmentação das intervenções seria ultrapassada para a construção de um sistema único integrado de não autossuficiência. Além disso, haveria uma simplificação porque o acesso ao SCN é determinado por uma única avaliação nacional, que absorve todas as existentes hoje. No entanto, significaria atribuir a este setor, até então negligenciado, a necessária legitimidade institucional e política”.

O pastor presidente da Diaconia Valdense CSD Francisco Sciotto ele declara: “Queremos, junto com outros, uma reforma que atenda às necessidades dos idosos e de suas famílias. Sempre lidamos com os idosos e lidamos com eles todos os dias ouvindo-os e suas famílias e entendemos a urgência de implantar um Sistema Nacional de Assistência ao Idoso”.

O “Pacto por um Novo Bem-estar na Não Autossuficiência” reúne 48 organizações da sociedade civil envolvidas na assistência e proteção de idosos não autossuficientes em nosso país: representa os idosos, suas famílias, aposentados, associações profissionais e indivíduos que oferecem serviços.

Aqui a íntegra da carta aberta enviada pelas associações ao executivo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Montagem CEC.  Uma mensagem do Oriente

Montagem CEC. Uma mensagem do Oriente

À esquerda, Souraya Bechealany Novi Sad (NEV), 5 de junho de 2018 – “Agradecemos a acolhida que oferece aos nossos irmãos e irmãs que vêm do Oriente Médio. Sua recepção nos toca profundamente e o convidamos a abrir portas ainda maiores. No entanto, pedimos a vocês, acima de tudo, que trabalhem para que os cristãos permaneçam no Oriente Médio”. Esta é "a mensagem que vem do Oriente", lançada ontem, 4 de junho, pelos libaneses Souraya Bechealanysecretário-geral do Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), na Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio - 5 de agosto). “Sem a presença dos cristãos, ou com sua presença reduzida, o Oriente Médio não será mais o mesmo e perderá seu sentido de alteridade – continuou Bechealany -. No Oriente Médio, nós, cristãos, não somos hóspedes, estamos em casa e participamos da construção das sociedades dos países em que vivemos”. Bechealany então falou sobre a situação libanesa: “A ONU e a União Européia querem que o Líbano receba 2,5 milhões de refugiados sírios e palestinos de uma população total de 4 milhões de pessoas. Somos um país endividado, como podemos lidar com esta emergência?”. Se as Igrejas européias podem oferecer ajuda às do Oriente Médio, o contrário também é verdadeiro: “Podemos ajudá-los a compreender e construir caminhos concretos de unidade na diversidade em seu continente, onde hoje chegam muitos cristãos orientais e muçulmanos. Temos para si as 'instruções de utilização' desta nova situação”. “Finalmente – concluiu o expoente do Oriente Médio – não fale por nós, não pense por nós, não decida por nós. Reflitamos juntos, unidos na Palavra e no testemunho”. (Libra) ...

Ler artigo
Réquiem para a Geleira Zugspitze

Réquiem para a Geleira Zugspitze

Roma (NEV/Riforma.it), 24 de julho de 2023 – Com um réquiem ecumênico pela geleira Zugspitze, a montanha mais alta da Alemanha, as duas principais igrejas alemãs, a Evangélica Luterana e a Católica, querem chamar a atenção para as consequências do das Alterações Climáticas. A cerimônia de réquiem para a "geleira moribunda" acontecerá amanhã, 25 de julho, às 12h, na capela da Zugspitzplatt, que faz parte da área de esqui Garmisch-Panterkirchen. O anúncio foi feito pela Arquidiocese de Munique e Freising e pela Igreja Evangélica Luterana da Baviera. A Capela da Visitação da Bem-Aventurada Virgem Maria, consagrada pelo então cardeal Joseph Ratzinger em 11 de outubro de 1981 em uma tempestade de neve a uma altitude de cerca de 2.700 metros, é o local de culto mais alto da Alemanha. Com o lema “Elevo os meus olhos para os montes. De onde vem o meu socorro?”, retirado do Salmo 121, vamos rezar pela geleira, por toda a natureza e pelo futuro dos habitats. Além de lamentar a geleira "moribunda", especialistas da estação de pesquisa ambiental de Schneefernerhaus fornecerão informações sobre a situação. O Diretor Musical do Decanato Evangélico Luterano de Weilheim, Wilko Ossoba-Lochner, ele compôs um réquiem de montanha especialmente para a ocasião. A 'Elegia ao Fim do Gelo Eterno' será estreada durante o réquiem. A solenidade será celebrada pelo pároco Uli Wilhelm da paróquia protestante de Garmisch-Partenkirchen e o conselheiro pastoral católico Florian Hammerl da Terra Werdenfelser da Alta Baviera. O Schneeferner do sul, como é chamada a geleira no Zugspitze, perdeu seu status de geleira no ano passado. Na esteira das mudanças climáticas, as coisas também não parecem boas para as outras quatro geleiras alemãs, a Nördlicher Schneeferner, que é a segunda geleira do Zugspitze, a Höllentalferner nas montanhas Wetterstein, a Watzmanngletscher e a Blaueisgletscher nos Alpes Berchtesgaden. ...

Ler artigo
Martin Luther King, aquele sonho celebrado, mas não realizado

Martin Luther King, aquele sonho celebrado, mas não realizado

Roma (NEV), 15 de janeiro de 2020 – O dia do rei em que os americanos homenageiam o líder mais conhecido do movimento pelos direitos civis dos EUA foi estabelecido em 1983, sob a presidência de Ronald Reagan. E isso já é um fato paradoxal porque a história não reconhece ao ex-ator de filmes de faroeste um papel particular na ação política em prol da população afro-americana; pelo contrário, o eixo estratégico das suas políticas sociais estava orientado para o desmantelamento das medidas assistenciais adoptadas durante os anos da presidência de Johnson, que produziram resultados importantes em termos de crescimento económico das minorias étnicas. Mas o movimento que há tempos reclamava o reconhecimento de King e do que ele representava já tinha uma consistência própria e Reagan optou por não se opor a ele, acabando por apoiá-lo e reivindicando assim o mérito de uma opção fortemente simbólica pela unidade de todos americanos. O dia do Rei, celebrado no dia do seu nascimento, acabou assim por cicatrizar algumas feridas que se arrastavam desde os turbulentos anos 60 mas também cristalizar a figura do pastor baptista e líder político no cliché domesticado e tranquilizador de herói nacional da não-violência e do interracial coexistência. Ao longo dos anos, esta operação produziu celebrações cada vez mais corais mas também simplificou uma figura complexa que deve ser lembrada não só pela sua lealdade à América e aos seus princípios, mas também pela sua capacidade de mobilizar um movimento de massas que denunciava a traição flagrante e violenta violação dos direitos humanos fundamentais por um sistema que, superada a segregação, permaneceu racista, ou seja, baseado em comportamentos e convenções que condenavam os afro-americanos a ocupar os degraus mais baixos do sistema social. A contabilidade pesada, por exemplo, ainda hoje registra muitos afro-americanos na prisão e poucos na faculdade. Os anos de Obama na Casa Branca criaram a ilusão de ótica de uma reviravolta e fortaleceram a esperança de um país que teve forças para se redimir de seu pecado original, o racismo. Isso não aconteceu e, com essa janela democrática fechada, a América tem que lidar – de novo! – com aquele demônio que assombra a credibilidade e sustentabilidade de suas políticas sociais. King continua a aparecer em lápides e monumentos, bem como no Mall em Washington, onde fez seu famoso discurso de 1963. eu tenho um sonho. Mas ele aparece cada vez mais sozinho, heroizado e domesticado na narrativa reconfortante de um país reconciliado que essencialmente superou sua divisão racial. Não é assim, e o desafio da coesão social, no mínimo, agravou-se com o aumento da população hispânica e dos imigrantes africanos e asiáticos. King era o homem da não-violência, é claro, mas também de uma denúncia radical e desestabilizadora do equilíbrio de poder na sociedade americana. E vale lembrar que ele não foi morto no momento de sua maior fama, mas, ao contrário, quando se viu isolado e desacreditado por suas lutas contra a guerra do Vietnã e contra a pobreza de milhões de americanos, brancos e preto. Celebrar o sonho de uma sociedade reconciliada e livre do racismo é certo e útil, mas apenas se você tiver a coragem moral e civil de reconhecer que esse sonho não se tornou realidade. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.