Ouvindo o Ruah – Nev

Ouvindo o Ruah – Nev

Roma (NEV), 17 de maio de 2021 – “Depois da experiência envolvente e espiritual do ecumênico Dia Mundial de Oração (GMP) preparado pelas mulheres de Vanuatu, uma ilha do Pacífico”, celebrado no domingo, 7 de março, na plataforma Zoomworship de Confronti ( que é possível visualizar no link GMP – Construir sobre bases sólidas – YouTube), no dia 23 de maio haverá um novo encontro.

De fato, no próximo Domingo de Pentecostes, as mulheres da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) e da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) proporão uma celebração ecumênica intitulada “Escutando a Ruah” (ruah em hebraico significa “vento”, “respiração”, mas também “Espírito de Deus”, ruach ha-qodesh indica o espírito profético, ed).

“Canções, incluindo cantos corais, orações, reflexões, símbolos, testemunhos serão divididas em três áreas diferentes, mas complementares e interligadas, na redação de cartas que terão sido coletivas graças tanto aos encontros preparatórios quanto à escrita colaborativa agora permitida remotamente por digital. Apesar da gravidade da situação que vive o mundo inteiro e pela qual oramos incessantemente, é preciso destacar como a conectividade, em seu uso já inevitável e essencial, tem nos oferecido inúmeras oportunidades de encontro, diálogo, confronto no último ano , aprofundando-se confortavelmente a partir de casa numa socialidade diferente mas animada e resiliente”, lê-se na apresentação da iniciativa.

A celebração ecumênica acontecerá às 16 horas do domingo, 23 de maio.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Oração ecumênica de encerramento do Tempo da Criação

Oração ecumênica de encerramento do Tempo da Criação

Foto Riccardo Chiarini / Unsplash Roma (NEV), 1º de outubro de 2020 - Já são quase mil os inscritos no serviço ecumênico online de oração para o encerramento do Tempo da Criação, o período litúrgico que envolve cristãos de todo o mundo todos os anos, de 1º de setembro a 4 de outubro e de todas as tradições rezar e agir para proteger o meio ambiente Líderes cristãos de todo o mundo conduzirão uma celebração ecumênica pelos frutos da estação e refletirão juntos sobre os próximos passos no "cuidado da casa comum". O pastor participará da oração Martin JungeSecretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF), John Chryssavgisrepresentante do Patriarca Ecumênico HAH Bartolomeu Ia pastora Jeannette Ada Maina(FLM), o pastor Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK), Sr. Sheila KinseyCo-Secretária Executiva da Comissão Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC) da União Geral Internacional das Superioras, Bispo Griselda Delgado del CarpiaCuba, a pastora Najla KassabPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR), Ef TenderoSecretário Geral da Aliança Evangélica Mundial e Agnes AbuomModerador do Comitê Central do Conselho Mundial de Igrejas (CEC). Para participar clique AQUI No dia 3 de outubro, ligada a partir de Turim, no final do Tempo da Criação, a iniciativa "Frágil mas interligada", promovida pela associação Triciclo em colaboração ecuménica com várias realidades protestantes, católicas e seculares (incluindo a igreja valdense, as igrejas baptistas no Piemonte, Hospitalidade Eucarística e Comissão de Globalização e Meio Ambiente - GLAM - da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália - FCEI). No programa, presencial e via web, uma reflexão com o ecoteólogo Marcelo Barros: “Guardiões, não mestres da criação”. Para a Temporada da Criação, a GLAM preparou também um Dossier dedicado aos oceanos e intitulado: “Águas do mar, fonte de vida”. O Dossiê, que pode ser baixado aqui, contém materiais bíblicos, litúrgicos e homiléticos, além de fichas informativas, vídeos e artigos. ...

Ler artigo
Conferência das Igrejas Europeias.  Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Conferência das Igrejas Europeias. Simone De Giuseppe entra para o Conselho

Simone De Giuseppe Roma (NEV), 21 de junho de 2023 – A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) foi encerrada ontem em Tallinn, Estônia. Entre as novidades, o novo Conselho Deliberativo, que conta também com o pastor batista Simone De Giuseppe, delegado da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI). Fizemos algumas perguntas a ele. Entretanto, parabéns pela sua eleição para o Conselho de Administração da CEC. Quem está no Conselho além de você e quais são os compromissos de curto e médio prazo nos quais você estará envolvido? Foto Ulf Tjärnström / KEK Obrigado. Para mim é realmente uma honra poder servir e contribuir para o Conselho de Administração da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). O Conselho é composto por 20 pessoas: o novo presidente eleito, o arcebispo ortodoxo Nikitas de Tiateira e Grã-Bretanha do Patriarcado Ecumênico. Em seguida, a vice-presidência, formada por Inverno de DagmarBispo Anglicano de Huntingdon, da Igreja da Inglaterra, e pelo pastor protestante Frank Kopania, que vem da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). A Direcção é composta segundo uma lógica de equilíbrios. Assim, procura-se um equilíbrio entre homens e mulheres, entre diferentes confissões ou denominações cristãs, entre leigos e ordenados, entre as diferentes regiões de origem das igrejas que fazem parte da CEC na Europa e também entre as diferentes idades , de modo a ter uma pluralidade que reflita tanto quanto possível as igrejas pertencentes à CEC. Quanto aos compromissos, certamente voltaremos a nos encontrar em novembro. Serão estabelecidos papéis e áreas de competência dentro do Conselho e então tentaremos começar a discutir e trabalhar o que foi deliberado pela Assembleia: estratégias, objetivos, cuidado com as relações com instituições e igrejas. A CEC é um organismo que reúne igrejas diferentes entre si pela confissão e tradição, mas também pela consistência numérica (minoria/maioria), ou pela localização geográfica que inevitavelmente influencia as prioridades do testemunho evangélico. Se é fácil apontar as diferenças, o que representou a unidade dos cristãos europeus nesta Assembleia? Certamente existem muitas diferenças entre as igrejas pertencentes à CEC, mas o que realmente as une é a perspectiva ecumênica comum de viver a fé. Portanto, há uma abertura ao diálogo e ao confronto entre diferentes tradições e teologias. Ao mesmo tempo, existe a consciência de fazer parte do único corpo de Jesus Cristo, no qual cada membro, cada igreja, é parte fundamental. Nenhum corpo pode funcionar perfeitamente se uma parte, mesmo que escondida e pequena, não funcione. Todo o corpo seria afetado. Esta consciência de fazer parte do único corpo de Cristo é o que verdadeiramente une as igrejas CEC. O documento sobre questões públicas fala sobre: ​​justiça climática, Ucrânia, migrantes. Você pode nos dizer algo mais? No que diz respeito à justiça climática, ela foi trazida ao conhecimento da Assembleia, sobretudo pelas gerações mais jovens, que escreveram uma moção sobre o assunto. A moção destaca a urgência de enfrentar a crise climática a partir da consciência de que ela é causada pela ação humana, pelas injustiças e pelo sistema econômico que atualmente rege a lógica mundial. A CEC comprometeu-se nesta Assembleia a reduzir o seu impacto ambiental, pelo menos nas suas atividades, nos próximos cinco anos. Quanto à guerra na Ucrânia, esse foi um assunto muito discutido na Assembleia. Houve duas sessões plenárias para ouvir as vozes das pessoas que estão na Ucrânia, ou que fugiram da guerra, ou que vivem em países vizinhos. Foi votada uma declaração condenando a agressão militar russa em território ucraniano. O KEK manifestou solidariedade e apoio à população ucraniana, com o compromisso de levar por diante um caminho de diálogo para poder encontrar uma paz justa o mais rapidamente possível e encorajar todas as iniciativas que visem a reconciliação entre os sujeitos envolvidos . Finalmente, o tema das migrações. Logo no início da Assembléia houve outro trágico naufrágio na costa da Grécia, matando mais de 500 pessoas. Isso tocou muito as pessoas que compareceram à Assembleia da CEC, que quiseram se expressar com uma declaração específica. A CEC pretende continuar a apoiar as Organizações que trabalham com a questão da migração, trabalhar em parceria tanto quanto possível e continuar a reflexão com as igrejas constituídas sobretudo por migrantes de outros continentes, comunidades que já fazem parte da geografia das igrejas europeias. Foto Ulf Tjärnström / KEK O lema da Assembleia foi “Moldar o futuro”. Que forma de futuro emergiu da Assembléia? O lema da assembléia foi "sob a bênção de Deus dando forma ao futuro" e, portanto, que forma de futuro emergiu da assembléia na realidade sem forma, de fato, tentamos desmantelar o conceito de que, como igrejas cristãs, é possível controlar o futuro da 'Europa. em vez disso, queríamos dar uma mensagem contra a maré a respeito de uma sociedade que através das tecnologias torna-se cada vez mais capaz de controlar a vida das pessoas e a organização de tudo e, em vez disso, colocar tudo de volta nas mãos de Deus ouvindo o que o Senhor pode comunicar ao igrejas para permanecer abertos ao novo, para mudar sabendo que o futuro pertence a Deus e somente a Deus e que somente sob sua bênção pode se concretizar a partir do testemunho das igrejas. Na coletiva de imprensa final, o recém-eleito presidente Nikitas usou três palavras-chave: fé, esperança e amor. Em seguida, acrescentou uma mensagem de grande fé nas novas gerações. Na sua opinião, como podemos dar corpo e alma a um pacto intergeracional que dê verdadeiramente voz e liberdade de ação às gerações mais novas? A Assembleia contou com uma boa participação das gerações mais jovens, que também encontraram voz durante os trabalhos. No entanto, essa voz ainda não é forte o suficiente para afetar as políticas e a vida do CEC. E, portanto, o que fazer para realmente dar voz e liberdade de ação às novas gerações? Certamente uma coisa que pode ser feita é garantir uma participação para eles nas principais comissões do CEC, a começar pela Diretoria. Ao mesmo tempo, o KEK precisa fortalecer as relações e aproveitar as experiências e atividades das várias organizações cristãs europeias que já realizam um grande trabalho durante o ano. E que tratam de questões mais próximas da sensibilidade das gerações mais novas. Veja todas as fotos oficiais da Assembleia KEK 2023. Leia todos os novos insights sobre o KEK. ...

Ler artigo
Ao Sínodo de bicicleta

Ao Sínodo de bicicleta

Torre Pellice (Turim), 22 de agosto de 2022 - De bicicleta de Turim a Torre Pellice - cerca de 60 quilômetros - para participar da Assembleia-Sínodo. Maria Elena LacquanitiBaptista, coordenadora da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), diz ter feito “esta escolha porque nos últimos quatro sempre saímos de férias de bicicleta, e também no final da Assembléia-Sínodo partiremos para Gênova e de lá para a Sardenha de bicicleta. Aderimos à ideia deste turismo lento tanto para dar o nosso contributo ao meio ambiente como porque representa uma dimensão diferente do turismo. A bicicleta permite-te penetrar na paisagem em todas as suas características, conhecer os territórios de forma mais profunda, fazer paragens onde quiseres, descobrir também os produtos e gastronomia locais”. Para Lacquaniti e seu companheiro é a primeira vez sobre duas rodas no Sínodo e em geral no Valli Valdesi. Ambos são delegados da assembléia protestante e pertencem à igreja batista de Civitavecchia. “Além de andar de bicicleta, gostamos de caminhar: temos feito nos últimos anos também como forma de educação dos nossos netos, para os fazer descobrir ou redescobrir a natureza, bem como uma necessidade e capacidade de convívio que parecia esquecida”, continua o coordenador do GLAM. E a escolha pessoal reflete um compromisso preciso com a sustentabilidade: “Precisamos rever os parâmetros do turismo de massa e da mobilidade. Vindo de Civitavecchia, por exemplo, estamos bem cientes do impacto do turismo de cruzeiros na taxa de poluição. É preciso refletir e reverter esse modelo baseado no turismo inútil, de atropelamento, que envolve altíssimos danos ao meio ambiente”. E o que poderia fazer a Assembleia-Sínodo em curso na Torre Pellice? “Experimente uma forma de hospitalidade ainda mais eco-sustentável: todos os delegados de bicicleta!”, comenta ironicamente o expoente do GLAM. Quanto à mensagem a ser dirigida às comunidades protestantes, “poderia questionar as igrejas sobre o turismo, assim como sobre a mobilidade. Precisamos olhar mais de perto as atividades sustentáveis, ter uma visão dos lugares e relações que podem ser divulgados às igrejas, contribuindo para a proteção e promoção dos territórios”. GLAM e eco-comunidades A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. "Plantando uma semente". Inscrições abertas para o 6º encontro nacional da ecocomunidade Quanto aos próximos compromissos GLAM, estão abertas as inscrições para o 6º encontro de eco comunidades. Organizado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), será realizado em Nápoles de 4 a 6 de novembro. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.