Entrevista dupla sobre globalização e meio ambiente.  Com Lacquanites e Visintin

Entrevista dupla sobre globalização e meio ambiente. Com Lacquanites e Visintin

Roma (NEV), 1 de novembro de 2022 – Tendo em vista o 6º encontro nacional de ecocomunidades (Nápoles, 4/6 de novembro de 2022), publicamos a entrevista dupla com Maria Elena Lacquaniti E Antonella Visintin sobre ética, ecologia, estratégias anti-desperdício, campanhas de sustentabilidade ambiental.

Lacquaniti é o novo coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), que organiza o encontro. Visintin, coordenador cessante do GLAM, há anos lida com questões relacionadas à justiça, paz e integridade da criação.

O título desta edição é “Plantando uma semente”. Uma parte do programa também poderá ser usada remotamente. A GLAM convida todas as comunidades e indivíduos interessados ​​a se registrarem e participarem, presencialmente ou virtualmente. Entre outras coisas, está programada a conferência pública sobre ecoteologia (sexta-feira, 4 às 18h30). Uma mesa redonda sobre “Energia e transição alimentar – soberania alimentar e conversão do consumo”. Um relatório sobre “O estado das escolhas energéticas para a indústria e os cidadãos”. E novamente, insights sobre o tema fazendas, ração animal, importações; sobre “Animais e Guerra”. Sobre “exportação, alterações climáticas e dependência alimentar”. Haverá também troca de experiências e serão apresentados os mais recentes projetos GLAM. Entre eles, a Campanha do plástico descartável e o projeto Corredores Ecológicos para insetos polinizadores. O programa termina no domingo, 6 de novembro, com o culto na igreja luterana de Nápoles.

Para informações e inscrições escreva [email protected]

A entrevista dupla é realizada em colaboração entre: NEV Agency, Radio Beckwith Evangelica (RBE) e Video Beckwith Studio (VIBES).


GLAM e eco-comunidades

A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades “iniciadas”, “em andamento” e “graduadas”, com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Luteranos do mundo.  Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

Luteranos do mundo. Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

A partir da esquerda: o prefeito de Gotha, Knut Kreuch, a secretária geral da Federação Luterana Mundial, Anne Burghardt e o bispo da Igreja Evangélica da Alemanha Central, Friedrich Kramer, por ocasião da entrega do prêmio "Der Friedenstein" a Anne Burghardt . Foto: Lutz Ebhardt Roma (NEV), 9 de maio de 2022 – O Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), pároco Anne Burghardtrecebeu o prêmio "Der Friedenstein" 2022. Ao receber o prêmio, Burghardt lembrou a urgência de educar os jovens para serem promotores da reconciliação e da paz. A cerimônia de entrega ocorreu no dia 5 de maio na Gotha Cultural Foundation. É sobre a cidade da Turíngia onde Martinho Lutero ele ficou e pregou no período da Reforma. Gotha comemora 500 anos desde a Reforma este ano. Na cerimônia de premiação no histórico Palácio Friedenstein, Burghardt falou sobre o compromisso da FLM em promover "dignidade humana, justiça e paz". O prêmio, disse ele, será “um incentivo significativo para cada um de nossos funcionários e apoiadores, profissionais e voluntários, para continuar contribuindo para o trabalho vital de construção da paz. Tanto dentro das famílias, igrejas e comunidades, tanto nacional como internacionalmente”. Na motivação para o prêmio, o Comitê Organizador falou de Burghardt como um "especialista comprovado em teologia" e um líder "comprometido com o ecumenismo e as relações internacionais". Recebendo o prêmio em nome da comunhão global de igrejas da Federação Luterana Mundial, o pastor destacou a resposta da organização religiosa após o conflito na Ucrânia. Este esforço humanitário é coordenado em estreito contato com as igrejas dos países vizinhos, que estão na vanguarda da ajuda aos refugiados. O secretário luterano também destacou a necessidade de manter longe dos holofotes da mídia outros conflitos e crises que continuam fazendo vítimas e devastando comunidades. “Onde quer que a FLM esteja presente – disse – estamos tentando apoiar e dar voz aos que são marginalizados e sofrem com a guerra e a violência, a discriminação e o deslocamento”. missões de paz O prêmio será doado ao projeto Mensageiros da Paz da FLM para a formação de jovens para a mediação e construção da paz e reconciliação. O projeto é inter-religioso e intercultural. “Como organização de fé – concluiu Burghardt -, entendemos nossa missão como participação na missão holística de Deus, uma missão de serviço aos outros. Falar em favor dos homens e mulheres oprimidos. E pela resistência pacífica às estruturas injustas que oprimem, excluem e dividem povos e nações”. A premiação ocorre no ano em que a FLM comemora 75 anos de fundação. Anteriormente, eles receberam este prêmio, entre outros, a rainha Sílvia da Suéciao maestro alemão Kurt Masur e o dissidente chinês Wei Jingsheng. ...

Ler artigo
Otto per mille valdense e metodista, projetos para 2020 aprovados

Otto per mille valdense e metodista, projetos para 2020 aprovados

Torre Pellice (TO), 8 de setembro de 2020 – A Tavola Valdese - o mais alto órgão executivo das igrejas metodista e valdense - apesar da impossibilidade de convocar o Sínodo este ano devido à emergência sanitária, publicou hoje a lista de projetos financiados com Fundos Otto Per Mille 2020. Os recursos alocados este ano paraUnião das Igrejas Metodistas e Valdenses quantidade de aprox 42,8 milhões, referem-se à declaração de rendimentos de 2017 (e, por conseguinte, às declarações de rendimentos de 2016) e correspondem a 547.519 assinaturas (3,2% do total das escolhas expressas pelos contribuintes). Os recursos serão usados ​​para financiar 452 projetos no exterior E 791 projetos na Itália nas áreas educacional, humanitária, sócio-médica e cultural, num total de 1243 projetos. Como todos os anos, o escritório Otto per Mille da União das Igrejas Metodista e Valdense recebeu muitas perguntas: de facto, foram recebidos 4671 pedidos (dos quais, no entanto, apenas 3000 passaram pela fase formal preliminar), com um crescimento de +500 em relação ao ano anterior e +1000 em comparação com dois anos atrás. Olhando para a Itália, o maior número de projetos apoiados enquadra-se na categoria “Melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência física e mental”, que ascende a 23,2% do total dos projetos financiados. Entre eles, muitos dizem respeito ao tema do "depois de nós", que se faz sentir particularmente hoje; segue-se a categoria de “Promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens”, com 15,6% do total; em seguida "Atividades culturais", com 14,9%; "Intervenções de cuidados e protecção da saúde", com 10%; e “Acolhimento e inclusão de refugiados e migrantes”, com 8,9% do total. Embora os números ainda sejam baixos, o número de projetos ambientais dobrou de 1,4% para 3,4%. No exterior, a maioria dos projetos aprovados concentra-se na África e no Oriente Médio. Além disso, conforme anunciado durante o ano, a Tavola Valdese estabeleceu um "Fundo de emergência Covid-19" de 8 milhões de euros, que encontra a sua cobertura ao longo de três anos (2,7 milhões em 2019 e 2020 e 2,6 milhões em 2021). “O terceiro setor está cada vez mais nos procurando para apoiar o seu trabalho e nós estamos bem cientes disso – declarou Alessandra Trotta, moderador do Tavola Valdese –. Por isso, temos trabalhado procurando não focar nossa atenção apenas na emergência sanitária, acreditando que manter - mesmo em um ano tão particular - o mesmo nível de atenção que sempre nos distinguiu em cultura, educação, projetos sociais em sentido amplo é, por si só, uma forma de contribuir com os esforços do país para sair da fase emergencial e promover o desenvolvimento na direção de maior justiça social, proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e ainda maior participação democrática, de qual a mesma emergência nos fez sentir a urgência”. Para qualquer informação adicional: ...

Ler artigo
Parentes substitutos.  Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Parentes substitutos. Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 16 de março de 2023 – 2 milhões de ajudantes e cuidadores domésticos, especialmente mulheres, mas não só. Cerca de metade dos quais são invisíveis e pagos fora dos livros. Apenas os trabalhadores do setor de serviços e mecânicos são numericamente mais numerosos, com 4,1 e 2,3 milhões de pessoas, respectivamente. Os que trabalham no setor doméstico superam os professores e os que trabalham nos transportes (ver Il Sole 24 Ore neste artigo). Estamos falando de mulheres e homens que cozinham; lavam e passam roupas; limpam cozinhas, salas e banheiros; que cuidam dos filhos dos outros; que acompanham os idosos na jornada, longa ou curta, da velhice. O trabalho doméstico é, na maioria dos casos, realizado por mulheres, tanto no que diz respeito a quem é pago para fazer este trabalho como nas famílias (em todos os países europeus há uma percentagem mais elevada de mulheres do que de homens que se ocupam dos cuidados com os filhos, tarefas domésticas e cozinha, dados ISTAT). No entanto, pesa sobre os cuidadores e trabalhadores domésticos uma “substituição” de papéis, que implica também um envolvimento relacional, emocional, existencial. Bem como, em alguns casos, a falta de reconhecimento social e econômico. Essas pessoas vivem conosco, em nossa sociedade, em nossas casas, frequentam nossas igrejas. Pedimos ao ministro de evangelização da Igreja Batista de Roma Trastevere, pároco Ivano De Gasperisum testemunho. “A ajuda doméstica é um tema sempre presente que preocupa os ricos, mas não só. Este tema também questiona as comunidades religiosas e os círculos de fé. Devemos sempre ter clareza sobre os limites entre experimentar um privilégio, um apoio e o que poderíamos definir como exploração real”, diz o pastor. “É o pão de cada dia para nós – continua De Gasperis – acompanhar essas irmãs, essas famílias, esses irmãos. Freqüentemente, famílias inteiras estão envolvidas neste trabalho, às vezes esposas e maridos são separados porque trabalham em famílias diferentes. Eles vivem em situações difíceis. Recentemente, conversei com uma mulher que queria parar. Porque quase se tornam mães dos filhos que cuidam. Há mães que se desinteressam completamente dos filhos naturais. Mães e pais que delegam, que confiam quase totalmente a educação dos filhos a babás; empregadas domésticas que quase se tornam esposas de maridos com quem talvez não haja mais um bom relacionamento. Onde talvez existam casais divorciados. Em alguns casos, esses colaboradores se veem tendo que fazer a mediação entre um e outro". Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI – openai.com (ER/NEV) …”sacrificar-se como membros da família” A estas “nossas irmãs”, a estes “nossos irmãos”, é pedido que “vivam para os outros, portanto, que se sacrifiquem como se fossem membros da família. Eles se dirigem aos empregadores como 'minha avó'. Eles vivem juntos, às vezes desenvolvendo patologias”, continua o pastor. Algumas dessas pessoas têm contato limitado com o mundo exterior, “justamente pelo trabalho delicado que realizam. Alguns empregadores até os fazem prometer não ver ninguém, trancam os cuidadores e os idosos durante anos” (pense no período da pandemia). Essas pessoas “tornam-se mães, esposas, filhas. Às vezes, eles são mal pagos ou, se pagos honestamente, certamente não são pagos por esse tipo de 'performance'. Fala-se inclusive de um novo perfil psicopatológico, a 'síndrome italiana'. Uma forma de depressão. Pensemos, por exemplo, em quantos são obrigados a chorar à distância. Ou, de volta ao seu país de origem, encontram-se em casa com maridos que já eram um casal estável com outra mulher e com filhos que as odeiam porque se sentiram abandonadas quando suas mães vieram trabalhar na Itália”. Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico No próximo dia 23 de março (às 10h na Sala Salvadori da Câmara dos Deputados, em Roma) a segunda papel do Relatório 2023 Família (Net) Trabalho, "Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico". Editado pelo Centro de Estudos e Investigação Idos, este relatório centra-se na necessidade familiar de mão-de-obra estrangeira no sector dos cuidados e assistência ao domicílio. Entre os palestrantes também Júlia Gori, oficiais de projeto do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), "Esperança do Mediterrâneo", representando a campanha "Fui estrangeiro" à qual a própria FCEI adere. Giulia Gori vai chamar a atenção para a questão da falhada regularização de 2020 ("Fui estrangeira" de facto faz um acompanhamento atento das práticas, donde resulta que ao fim de três anos alguns territórios já realizaram cerca de metade delas). Além disso, a proposta de superação do sistema de cotas do decreto de fluxo, cotas que, aliás, não contemplam as pessoas que exercem o trabalho doméstico, portanto, impossibilitadas de regularizar-se. Em cima da mesa, fui estrangeiro ainda põe o pedido de abertura a autorizações de residência para trabalho ou a uma regularização que permita a saída do trabalho não declarado. O Relatório 2023 será apresentado na íntegra em novembro deste ano e está dividido em 4 capítulos, cada um dos quais a cargo de um dos parceiros do projeto, promovido pela Assindatcolf em parceria com o Censis, Effe (European Federation for Family Employment & Home Care), Fundação de Estudos de Consultores Trabalhistas e Centro de Estudos e Pesquisas Idos. Para saber mais: 01/03/2023 Migrantes, Assindatcolf-Idos: para o setor doméstico fluxos fechados há 12 anos, cuidadores e trabalhadores domésticos não estão mais disponíveis 09/03/2023 Migrantes, Assindatcolf: Governo estende decreto de fluxo também a empregadas domésticas e cuidadoras ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.