Entrevista dupla sobre globalização e meio ambiente.  Com Lacquanites e Visintin

Entrevista dupla sobre globalização e meio ambiente. Com Lacquanites e Visintin

Roma (NEV), 1 de novembro de 2022 – Tendo em vista o 6º encontro nacional de ecocomunidades (Nápoles, 4/6 de novembro de 2022), publicamos a entrevista dupla com Maria Elena Lacquaniti E Antonella Visintin sobre ética, ecologia, estratégias anti-desperdício, campanhas de sustentabilidade ambiental.

Lacquaniti é o novo coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), que organiza o encontro. Visintin, coordenador cessante do GLAM, há anos lida com questões relacionadas à justiça, paz e integridade da criação.

O título desta edição é “Plantando uma semente”. Uma parte do programa também poderá ser usada remotamente. A GLAM convida todas as comunidades e indivíduos interessados ​​a se registrarem e participarem, presencialmente ou virtualmente. Entre outras coisas, está programada a conferência pública sobre ecoteologia (sexta-feira, 4 às 18h30). Uma mesa redonda sobre “Energia e transição alimentar – soberania alimentar e conversão do consumo”. Um relatório sobre “O estado das escolhas energéticas para a indústria e os cidadãos”. E novamente, insights sobre o tema fazendas, ração animal, importações; sobre “Animais e Guerra”. Sobre “exportação, alterações climáticas e dependência alimentar”. Haverá também troca de experiências e serão apresentados os mais recentes projetos GLAM. Entre eles, a Campanha do plástico descartável e o projeto Corredores Ecológicos para insetos polinizadores. O programa termina no domingo, 6 de novembro, com o culto na igreja luterana de Nápoles.

Para informações e inscrições escreva [email protected]

A entrevista dupla é realizada em colaboração entre: NEV Agency, Radio Beckwith Evangelica (RBE) e Video Beckwith Studio (VIBES).


GLAM e eco-comunidades

A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades “iniciadas”, “em andamento” e “graduadas”, com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Protestantismo.  Mudança de horário para a réplica noturna

Protestantismo. Mudança de horário para a réplica noturna

Roma (NEV), 29 de outubro de 2019 - A reprise da coluna Protestantismo, editada pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), transmitida pela Rai2 nas manhãs de domingo a cada duas semanas às 8h05, muda seu horário. A partir de novembro, a reprise, que normalmente era transmitida na noite de segunda para terça por volta das 13h, passará para a noite de terça para quarta sempre no mesmo horário. A segunda resposta, por outro lado, será transmitida na noite do domingo seguinte, após a Domenica Sportiva, por volta das 13h10. Além disso, a reprise noturna de domingo, 10 de novembro, será adiada porque o domingo esportivo terá uma duração maior e, portanto, a transmissão será adiada para segunda-feira, 11, às 2h30. ...

Ler artigo
Trazendo a mensagem do reino celestial de Deus para a Terra

Trazendo a mensagem do reino celestial de Deus para a Terra

Antes do Sínodo, foi realizada a consulta ecumênica organizada pelo Departamento Ecumênico da EKvW. Entre seus convidados, a pastora Rita Famos, presidente da Igreja Evangélica Reformada na Suíça e membro do Conselho da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE), Zoltán Balog, bispo da Igreja Reformada na Hungria, abaixo assinado como coordenador da Mediterranean Hope , o programa para refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália, e Christoph Picker, diretor da Academia Evangélica da Renânia-Palatinado. A conferência intitulada “Como funciona a paz? Perspectivas da Igreja sobre a democracia e a paz na Europa” abriu com algumas reflexões de Picker que deram impulso aos trabalhos do dia. As igrejas protestantes podem ajudar a fortalecer as democracias europeias, continuando a promover uma cultura de paz e tolerância, garantindo a pluralidade, a atenção às diferenças e às minorias. Questões críticas também foram expressas, como o risco de certas reflexões permanecerem nas academias, em um nível ideal, sem encontrar a prática e ativar uma participação mais ampla no processo democrático que deveria envolver membros da igreja e da política. Nos dias seguintes, durante o Sínodo, parece-me que também emergiram outros temas que se tornaram centrais no debate: a guerra na Ucrânia e a busca de uma "paz justa"; mudança climática e a tentativa de se tornarem igrejas de “impacto zero”; o envolvimento com os migrantes em termos de acolhimento, proteção de direitos e preocupação com a tendência para políticas nacionais e europeias de encerramento, expulsão e criminalização; a "saúde" das igrejas com relação a graves declínios no número de membros, frequência e finanças; relações ecumênicas com outras comunidades de fé e compromisso com a missão dentro e fora da igreja. Independentemente de sermos igrejas majoritárias ou minoritárias, fazemos as mesmas perguntas que os crentes evangélicos e os evangélicos? Temos consciência do impacto que temos na sociedade e na política e, sobretudo, dos instrumentos de que dispomos? Ao visitar alguns prédios históricos das igrejas da região da Vestfália, sua beleza sóbria e orgulhosa me impressiona e percebo o pesar daqueles que me acompanham e me falam das dificuldades em mantê-los, em manter as comunidades unidas, em continuar o precioso trabalho de testemunho evangélico na cidade. As palavras da presidente da EKvW (e da EKD) Annette Kurschus no primeiro dia de trabalho do Sínodo me impressionam: “Não devemos lidar apenas com os problemas internos da igreja, mas também com os importantes em nossa sociedade . Devemos manter a terra aberta para o céu e vice-versa: levar a mensagem do reino celestial de Deus de forma tangível à terra”. Por isso é tão importante que a Igreja ainda se faça ouvir sobre questões que dizem respeito a todos, como as abordadas pelo Sínodo da EKvW. Também sinto que não falta uma atenção particular aos que fugiram ou ainda fogem das guerras e perseguições, seja da Ucrânia ou do outro lado do Mediterrâneo. Da Itália aproximo um pouco mais o Mediterrâneo da Alemanha, contando o que está acontecendo nas “nossas” fronteiras e o empenho das Igrejas. Mas a sensação é que já está perto: está presente nas palavras para lembrar os que perdem a vida na travessia marítima, no reconhecimento da importância de não esquecer nomes, de não baixar a atenção aos direitos, de trabalhar incansavelmente junto às instituições e sociedade civil para garantir práticas de acolhimento e solidariedade, acompanhamento em percursos educativos, proteção no mercado de trabalho. Trago a voz de uma igreja pequena, mas que sempre soube que isso não significa ser uma igreja sozinha ou sem possibilidade de fazer a sua parte. E é certamente também nas alianças ecumênicas e nas relações com as igrejas em nível internacional que esse potencial se concretiza. Desafios difíceis, em tempos difíceis mas se os partilharmos, talvez possamos continuar a estar onde mais se necessita - aqui e agora - cuidando da terra para que se abra ao céu. ...

Ler artigo
Ajuda à população ucraniana, dois jovens acolhidos na Itália para o verão

Ajuda à população ucraniana, dois jovens acolhidos na Itália para o verão

Markus Spiske, unsplash Roma (NEV), 5 de agosto de 2022 – “Somos todos seres humanos, devemos ajudar uns aos outros”. Esta é a mensagem de Olha, 19, e Anzhela, 18, duas jovens ucranianas que acabam de chegar à Itália vindas da Polônia, por iniciativa das igrejas evangélicas, para um período de férias de verão. As duas meninas foram acolhidas pela igreja reformada de Lodz, na Polônia, liderada pelo pastor Semko Koroza, “a pessoa mais legal que já conhecemos, somos muito gratos a ele”. Outros ucranianos acolhidos pela mesma comunidade já regressaram da Polónia ao seu país, mas “não é fácil recomeçar” para eles, enquanto o conflito continua, os prejuízos são enormes, tudo mudou obviamente. Primeiro, para as duas meninas, há quatro anos, a transferência para a Polónia por motivos de estudo, depois o regresso a Kiev, devido à covid, depois a guerra. “Fugi no dia 14 de fevereiro, dia dos namorados”, lembra Olha. “No ônibus, junto com muitas outras pessoas, muitos conhecidos. Fiquei com medo e percebi que a situação estava piorando. Foi a melhor escolha da minha vida deixar a Ucrânia” poucos dias antes da escalada militar. Hoje a vontade deles é continuar estudando. Reencontro com as famílias, com a mãe que está na Alemanha, no caso da Olha. Entretanto, chegaram pela primeira vez a Itália – “mal podemos acreditar que estamos aqui, estamos muito gratos por esta oportunidade” – e nas próximas semanas passarão férias no Centro Ecumene de Velletri. Para saber mais: Rádio Beckwith entrevista com o ministro polonês da religião Semko Koroza: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.