Não apenas orações.  Aquela “estranha” Semana da Unidade dos Cristãos

Não apenas orações. Aquela “estranha” Semana da Unidade dos Cristãos

Foto de Ismael Paramo – Unsplash

Roma (NEV), 18 de janeiro de 2023 – Começa hoje a habitual Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). Convocado este ano pelo Conselho de Igrejas de Minnesota, com sede nos Estados Unidos, o SPUC envolve igrejas cristãs em todo o mundo até 25 de janeiro. O versículo da Bíblia escolhido para 2023 é retirado do livro de Isaías, capítulo 1 versículo 17: “Aprenda a fazer o bem; buscar a justiça”.

Igrejas cristãs de todas as denominações, católicas, protestantes, ortodoxas, anglicanas… se encontram e trocam púlpitos. Uma oportunidade de entrar pela primeira vez em um templo, uma catedral, um mosteiro, uma igreja greco-ortodoxa ou uma paróquia católico-bizantina, enfim, um local de culto de uma igreja diferente, uma igreja “irmã”. É uma semana em que falamos das injustiças, do racismo e dos conflitos de ontem e de hoje. Desde o assassinato de George Floyd à violência sofrida pelos nativos americanos, até a guerra na Ucrânia e em muitas outras partes do mundo. Também falaremos sobre como Deus, na Bíblia, se declara cansado de orações e sacrifícios hipócritas.

O presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Daniele Garrone, no vídeo de abertura da Semana, retomou o versículo de Isaías e comentou: “O povo é censurado por associar o culto à violência e ao abuso. E Deus diz: ‘Não quero sua adoração. Aprenda a fazer o bem, busque a justiça’. Com estas palavras é como se nos dissessem: cada um deve olhar para dentro de si, para os seus pecados, para juntos percorrermos o caminho da conversão”.

“A unidade entre os cristãos pode ser de grande ajuda na luta contra as guerras e as violências que oprimem a todos. A ferida do mal pode representar mais um motivo para crescer como crentes profundamente inquietos que procuram encontrar respostas cristãs para os desafios do nosso tempo”, disse o cardeal Mateus Maria Zuppipresidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), entrevistado em chiesavaldese.org na véspera da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos.

O clima um tanto apocalíptico encontra luz justamente na jornada a dois. Parece que este ano o caminho ganhou força, com linguagens novas e compartilhadas. Será um renascimento pós-pandemia, será o desejo de nos encontrarmos novamente em comunhão, será o impulso para um novo ecumenismo determinado pela instabilidade social e econômica. O fato é que a pauta é muito densa e original. Entre as várias iniciativas, de Norte a Sul, contam-se também concertos, vigílias, encontros, mas também culto internacional, vigília com tochas, conferências, apresentação de livros e celebrações ecuménicas.

Por exemplo, em Alba (na província de Cuneo), uma está marcada para amanhã noite de oração carismática ecumênica organizada pelo grupo “Renovação no Espírito” da diocese, juntamente com a Igreja Evangélica Pentecostal.

Estão programados momentos dedicados às gerações mais novas, por exemplo, em Bolonha (dia 25) e Milão, onde no dia 21 as 18 vai ter um lleitura multi-voz de “O Conto do Anticristo” por Vladimir Sergeevich Soloviev apresentado por Estevão Caprioprofessor de Teologia Oriental, e discutido pelos jovens das igrejas cristãs milanesas, na Via Pinamonte da Vimercate 10.

em Lucca, ssábado 21, atividades para crianças e adolescentes; “jornalistas ecumênicos para descobrir três personagens da tradição católica, ortodoxa e protestante. A partir das 15 na igreja de San Michele. Segue-se a oração ecumênica pelas crianças e famílias.

Em Bari, no dia 19, uma conferência dentro do ciclo “Cidades da Bíblia, lugares da humanidade” sobre “Hebron, cidade de refúgio.” Em Cantù (Como), no dia 18, após a celebração ecumênica, ele canta o coro da “Igreja Evangélica Apostólica da Nigéria”.

Clique AQUI para ver os compromissos na Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Gianna Sciclone, primeira pastora valdense

Gianna Sciclone, primeira pastora valdense

Fortemente empenhado no ecumenismo, o pároco foi membro do Executivo da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e da comissão que redigiu o Charta Oecumenicao documento de 2001 elaborado pelo próprio KEK e pelo Conselho das Conferências dos Bispos Europeus (CCEE), entidade católica, que contém as diretrizes para aumentar a cooperação entre as Igrejas cristãs na Europa. Serviu várias comunidades, de Bari a San Salvo – Vasto, Florença, San Giovanni Lipioni, Carunchio. Ele foi membro da Mesa Valdense de 1988 a 1995 (como vice-moderador desde 1990). Com essa função, em 1993 assinou a integração do Acordo entre a Mesa Valdense e o Estado Italiano (Primeiro Ministro Giuliano Amato) em relação à aceitação das cotas de oito por mil destinadas à Igreja Valdense. De 1992 a 1999 foi membro da comissão Década de solidariedade das igrejas com as mulheres (desde 1994 nomeada comissão da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália - FCEI) Mark Rostan sobre Riforma ele lembrou que “para a igreja valdense, o ponto de partida da longa caminhada rumo ao pastorado feminino foi 1948, quando uma Comissão especial foi nomeada pelo Conselho Valdense (órgão executivo do Sínodo). No ano seguinte, a Comissão apresentou dois relatórios: um sobre o pastorado, outro sobre um possível 'ministério auxiliar'. “Acreditamos que não há motivos suficientes – concluiu o primeiro relatório – para continuar a excluir as mulheres de fé evangélica do ministério pastoral em sua plenitude”. O segundo texto indicava para as mulheres várias funções “além da pregação, da administração dos sacramentos e do cuidado das almas”. A incompatibilidade com o casamento foi prevista não por uma questão de princípio, mas pelo temor de que com os cuidados da família sobrasse menos tempo para a igreja. Regra abolida em 1959. Para preparar este ministério de 'assistente de igreja' foi criado um curso especial na Faculdade de Teologia em 1950, com três alunas, embora ainda não tivessem certeza de qual seria o seu papel. Em 1960, o Congresso da Federação Feminina pediu ao Sínodo o reconhecimento do pastorado para mulheres. Mas a decisão ainda foi adiada e remetida às igrejas locais que enviaram seu parecer: geralmente favorável, mas com muitas perplexidades de natureza prática. Finalmente, o Sínodo de 1962 reconhece “a plena validade do ministério da Palavra às irmãs chamadas”. Não foi uma decisão fácil, porém, como demonstram os números: 57 a favor, 42 contra, 10 abstenções.Em 1967 foram consagradas as primeiras pastoras; com a integração das igrejas metodista e valdense em 1979, o ministério pastoral foi aberto também às mulheres metodistas. Em meados da década de 1980, cerca de vinte anos depois, havia cerca de 10% de mulheres pastoras nas igrejas metodistas e valdenses, hoje elas triplicaram. Na União das Igrejas Batistas, há pastoras desde o início dos anos 1980 e na igreja evangélica luterana na Itália, as pastoras estão em serviço desde os anos 1990. Em outubro de 2004 foi eleita a primeira pastora presidente do Comitê Executivo da União das Igrejas Batistas e em agosto de 2005 a primeira pastora moderadora da Mesa Valdense”. O caminho estava traçado, e Gianna Sciclone foi uma promotora pioneira e incansável. Em agosto de 2017, por ocasião do 50º aniversário dessas primeiras ordenações, o Sínodo Valdense e Metodista quis recordar essas conquistas decisivas: “Hoje em nossas igrejas, entre pároco e diácono, representamos 40% dos inscritos”, informou o pastor Letizia Tomassone, ilustrando em coletiva de imprensa o processo nada óbvio que as mulheres evangélicas seguiram nas últimas décadas, até o "reconhecimento pleno da riqueza da pastoral feminina, com os respectivos papéis de governo na Igreja". A igreja foi enriquecida com outras perspetivas, integrando temas como o combate à violência de género ou a proteção de menores na comunidade”, acrescentou Tomassone. John Archdeacon, presidente da União Batista Cristã Evangélica da Itália (UCEBI), traça uma memória comovente e grata a partir de um episódio preciso. “Depois do reconhecimento mútuo entre batistas, metodistas e valdenses (BMV), sancionado com a Assembleia do Sínodo de 90, nas duas igrejas de Bari, mas também nas outras igrejas da Federação das Igrejas Evangélicas da Puglia e Lucania (FCEPL) , cresce com Gianna a consciência de estar mutuamente unidos na fé comum em Jesus Cristo e de viver a vida comum das igrejas e cada relação com o próximo no amor e na solidariedade. Cresce também o conhecimento mútuo entre as Igrejas, cada vez mais envolvidas em ações de testemunho comum e de evangelização, e a confiança recíproca fortalecida pela fraternidade e sororidade. Em particular, no dia seguinte ao desembarque no porto de Bari de cerca de 20.000 albaneses, a pastora Gianna Sciclone (em virtude de uma doação ao Tavola Valdese de um terreno agrícola com uma construção rural contígua feita por um querido irmão, chamado Pietro), promoveu com a ajuda da igreja batista e outras igrejas evangélicas da cidade, a criação do Centro Social Evangélico "La Casetta" na via Gentile em Bari para a primeira recepção. Ainda hoje recordo com emoção a oração de ação de graças que Gianna elevou ao Senhor na sala do ruidoso tabelião antes da leitura da escritura de constituição do Centro. O amém final foi o próprio selo daquele ato, cheio de esperança e certo do apoio do Espírito de Deus. O Centro não estava equipado para receber os albaneses, e as igrejas estavam muito preocupadas com a organização para receber cerca de 150 albaneses no recém-criado centro da Via Gentile, mas Gianna e Vincenzo, sua querida esposa e pintora, imediatamente disponibilizaram o Centro seu campista. Este sinal foi muito apreciado pelas igrejas envolvidas na gestão e também com a ajuda delas, cerca de uma centena de tendas de campo foram instaladas no Centro que permitiram assistência temporária aos que haviam deixado a Albânia, agora dilacerada pela falta de um Estado, todos de forma e estabelecer. Gianna não parou diante das dificuldades impostas pelas circunstâncias. Enfrentou-os, não sozinha, mas com os irmãos e irmãs que conheceu no seu caminho ecuménico, procurando sempre uma solução prática partilhada, destinada a dar substância ao testemunho comum do Evangelho. Agradeço ao Senhor por vos ter conhecido e ter tido a honra de partilhar convosco um pedaço do vosso caminho de fé e por ter recebido de vós a alegria do serviço na nudez desarmada de quem não tem outra garantia senão o amparo do Espírito de Deus". ...

Ler artigo
“Não tenha medo”.  Mensagem ecumênica da Páscoa 2020

“Não tenha medo”. Mensagem ecumênica da Páscoa 2020

Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV CS/09), 8 de abril de 2020 - "À medida que se aproxima a Páscoa da Ressurreição, que nossas Igrejas celebrarão em datas diversas (12 de abril na tradição ocidental e 19 na tradição oriental), com base na fraternidade que deriva desde que confessamos o mesmo Senhor, sentimos a necessidade de voltar a nos expressar juntos, pronunciando uma palavra comum diante da pandemia que atingiu nosso país e o mundo inteiro". Assim começa a mensagem pascal que o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Monsenhor Ambrogio Spreaficobispo de Frosinone e presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana (CEI) e da Genádios, O arcebispo ortodoxo da Itália e Malta (Patriarcado Ecumênico de Constantinopla) quis se dirigir aos cristãos da Itália. “Uma vez por ano – explica o pastor Negro – como expoentes das principais denominações cristãs nos voltamos para nossas comunidades para apresentarmos juntos a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, que acontece de 18 a 25 de janeiro. Perante a emergência do coronavírus e perante esta Páscoa completamente anómala, que viveremos em isolamento, sentimos a urgência de voltar a pronunciar uma palavra comum, a partir da mensagem de coragem e esperança da ressurreição de Jesus”. A mensagem ecuménica parte do Evangelho de Mateus (28,4-8) em que a ressurreição é anunciada por um terramoto e pelo anjo do Senhor que rola a grande pedra do sepulcro, provocando em todos os presentes - guardas e "piedosos mulheres” – um grande susto, para explicar que há um medo que imobiliza, o dos guardas – e outro que “põe em movimento”, o das mulheres que as torna “as primeiras arautos da ressurreição”. “Como Igrejas – dizem os autores da mensagem – nos sentimos chamadas a ser, como mulheres piedosas, arautos da ressurreição, do fato de que a morte não tem a última palavra” e acrescentam que “esta pandemia também fortalece em nós o vocação para estarmos juntos, neste mundo dividido e ao mesmo tempo unidos no sofrimento, testemunhas de humanidade e hospitalidade, atentos às necessidades de todos e especialmente dos últimos, dos pobres, dos marginalizados. Com um sentimento de especial gratidão a Deus pelos tantos que trabalham incansavelmente ao lado dos que sofrem”. Acolhendo o convite do Papa Francisco, o Patriarca Ecumênico Bartolomeu, o Conselho Ecumênico das Igrejas e a Conferência das Igrejas da Europa convidam todos a se unirem em oração com as palavras que Jesus nos ensinou: "Pai nosso que estás nos céus... Mal”. Leia a mensagem completa aqui. ...

Ler artigo
por uma nova teologia da terra

por uma nova teologia da terra

Milão (NEV), 20 de novembro de 2018 - Participantes da conferência ecumênica "Que o teu coração guarde os meus preceitos (Provérbios 3:1). Uma Criação a ser guardada por cristãos responsáveis, em resposta à Palavra de Deus“, inaugurada ontem em Milão, recebeu a saudação do teólogo protestante alemão Jurgen Moltmann. A idosa acadêmica, hoje com 92 anos, enviou uma mensagem em vídeo em forma de entrevista realizada pelo Mark David, editor-chefe do programa de televisão RAIDUE “Protestantismo“. Reproduzimos o texto abaixo. Do ponto de vista protestante, quais são as razões do compromisso cristão de salvaguardar a criação? Vivemos no final dos tempos modernos e no início da era ecológica que será o futuro do nosso mundo se quisermos sobreviver. O mundo moderno é "conhecimento e poder"; seu lema é: subjugamos a terra. Conhecemos a natureza, mas a destruímos porque queremos conquistá-la. O futuro ecológico, por outro lado, é "conhecimento e sabedoria". O seu lema terá de ser: integrar-se na comunidade da terra, porque queremos sobreviver. Qual é o papel da teologia nisso tudo? A teologia moderna é culpada de criar uma visão antropocêntrica do mundo. A tarefa da nova teologia será transformar essa abordagem em uma nova teologia da terra. A terra é um organismo vivo: dá vida às plantas e aos animais e acolhe a humanidade. A terra é nossa mãe! Tradicionalmente, a espiritualidade cristã foi orientada para o além: somos hóspedes nesta terra, estamos de passagem e, portanto, nos sentimos autorizados a pegar o que precisamos e jogar fora o lixo. Mas se, ao contrário, somos filhos desta terra, devemos parar com a exploração de nossa mãe terra. Portanto, é necessária uma nova espiritualidade do aqui e agora, diria uma espiritualidade dos sentidos: tocar, cheirar e ver Deus em todas as coisas. Precisamos de uma Eucaristia cósmica. Você é o pai da teologia da esperança. Olhando ao redor, há poucos motivos para ser otimista: ainda há espaço para esperança hoje? Se olharmos para o "contexto" atual, não há esperança. Mas se somos crentes, então devemos olhar para o "Texto", aquele com V maiúsculo, a Bíblia. Esse texto está cheio de promessas e esperança. É a esperança de uma nova criação, que não se projeta no além, mas começa com a ressurreição de Cristo. O Espírito da vida é derramado sobre toda a humanidade, e a esperança aponta para um novo céu, uma nova terra e justiça. E é com essa esperança que queremos nos comprometer a defender a natureza da destruição, do aquecimento global, que não só envolverá Mianmar, mas também minha cidade natal, Hamburgo. É esta esperança que nos leva a fazer tudo ao nosso alcance para permitir que nossos filhos, e os filhos dos nossos filhos, vivam. A conferência ecumênica “O teu coração guarde os meus preceitos (Provérbios 3:1). Uma Criação a ser preservada por cristãos responsáveis, em resposta à Palavra de Deus” (Milão, 19-21 de novembro de 2018), é organizada pelo Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da CEI em colaboração com a Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI), a Arquidiocese Ortodoxa da Itália e Malta, a Igreja Apostólica Armênia, a Diocese Copta Ortodoxa de San Giorgio em Roma, a Igreja da Inglaterra e a Diocese Ortodoxa Romena da Itália. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.