Estrasburgo.  Colóquio sobre cooperação ecumênica na Europa

Estrasburgo. Colóquio sobre cooperação ecumênica na Europa

A sede do Parlamento Europeu em Estrasburgo, imagem do wikimedia commons

Roma (NEV), 13 de janeiro de 2020 – O pastor Christian Kriegerpresidente da Conferência das Igrejas da Europa (KEK), falou sobre o tema da cooperação ecumênica na Europa durante o colóquio “Construindo a Europa juntos – 50 anos da Santa Sé junto com o Conselho da Europa”, realizado de 7 a 9 de janeiro em Estrasburgo .

Entre os temas abordados, o da participação das igrejas na construção da Europa do ponto de vista jurídico, teológico e social. Também foram discutidos direitos humanos, educação, teologia e a contribuição do CEC em questões bioéticas.

Krieger destacou a ligação entre as igrejas, a política e a sociedade, destacando o conceito de “credibilidade” e recordando as colaborações ecumênicas e com a Igreja Católica.

O secretário executivo do CEC, pastor Soren Lenz, do escritório de Estrasburgo, destacou a importância do papel do movimento ecumênico em instituições internacionais como o Conselho da Europa. “O ecumenismo é um lugar onde dialogam diferentes tradições e visões teológicas – declarou -. Precisamos de um diálogo aberto conduzido em um espírito de solidariedade. Este espírito é importante não apenas para o diálogo ecumênico, mas também para o nosso diálogo com os atores políticos da Europa. No CEC, junto com nossos irmãos e irmãs católicos, continuaremos a dialogar com o Conselho da Europa e a União Européia”.

O colóquio foi organizado pela Missão Permanente da Santa Sé em colaboração com a Faculdade de Teologia Católica da Universidade de Estrasburgo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

o encontro de pessoas LGBTQIA+ na Assembleia do KEK

o encontro de pessoas LGBTQIA+ na Assembleia do KEK

O KultuuriKatel, a sede da Assembléia CEC em Tallinn / CEC photo site Roma (NEV), 5 de julho de 2023 – “Meus pronomes são eles/eles” é uma frase intraduzível em italiano: basicamente, significa que a pessoa que a pronuncia não quer ser dirigida nem ao masculino nem ao feminino. Uma maneira de traduzi-lo em nosso idioma é o uso do schwa (ə, ɜ) que, de fato, usei neste artigo. Porém, nunca tinha ouvido essa frase ao vivo, e nunca esperei ouvi-la durante oAssembleia Geral da Conferência das Igrejas Européias (KEK) que aconteceu em Tallinn (Estônia) de 14 a 20 de junho, durante um workshop vespertino no qual falamos sobre nossas igrejas, os desafios que elas enfrentam na sociedade e como ser crentes hoje. Mas então, por que eu não deveria ter esperado isso? Talvez eu não saiba que as pessoas LGBTQIA+ existem em todos os contextos e, portanto, podem ser facilmente encontradas em uma Assembleia Ecumênica? De facto, o encontro não tardou: entre um workshop, um debate, um jantar, um momento de oração e um passeio por Tallinn, a certa altura apareceu um letreiro feito à mão, com um arco-íris desenhado, que convidou os presentes a participarem de uma noite indiscutivelmente temática queer. Gostaria de lembrar o que foi escrito, gostaria de ter fotografado; infelizmente, algumas horas depois, o sinal desapareceu. O logotipo do Fórum Europeu de Grupos Cristãos LGBTQIA+ Alguém diz que é porque não era uma reunião oficial, outra pessoa porque a reunião teria acontecido no local usado como capela, onde de manhã e à noite nos reuníamos em oração. Cartel ou não cartel, a reunião, porém, transcorreu igual: não constava do programa oficial, semi-clandestino se quiserem, ao qual nos referimos então no dia seguinte chamando-o simplesmente "a reunião”, com uma piscadela final. O reunião foi em uma noite de domingo. Na manhã daquele mesmo dia, descobri que a Igreja Metodista da Estônia se retirou da Igreja Metodista Unida (UMC), a partir de 1º de julho de 2023, por “motivos de consciência e ética”. Agora, neste caso específico, como no caso de outras igrejas metodistas ao redor do mundo, esta frase significa que a única ideia que a Conferência Geral da UMC em 2024 pode considerar eliminar a afirmação de que "a prática da homossexualidade é incompatível com a vida cristã”, constitui motivo de ruptura entre as igrejas filiadas a esta denominação no mundo. Assim, a UMC ainda não "descriminalizou" oficialmente a homossexualidade, e já a Igreja Metodista da Estônia, assim como outras, decidiram abandoná-la. Apesar disso, há aspectos positivos, e não são poucos. Por exemplo, é claro que as pessoas LGBTQIA+ estão presentes em todos os níveis em todas as denominações cristãs e, portanto, também na Assembleia da CEC. Além disso, há grandes mudanças em curso que ocorrerão ao longo deste século e estamos apenas começando a ver: dentro do Exército de Salvação na Grã-Bretanha, por exemplo, um movimento de acolhimento e aceitação de identidades LGBTQIA+ foi ativado e há uma Fórum Cristão LGBTQIA+ que organiza encontros e eventos. Um distintivo de mordomo com a bandeira do arco-íris Para mim, o ponto alto foi ver tantos dos comissários muito jovens na convenção terem uma bandeirinha de arco-íris em seus crachás, e ver amizades e laços florescerem entre aqueles que tinham e aqueles que não tinham. Espero ver grandes coisas desta geração, que pratica o ecumenismo também nesta frente, de forma direta e sem tirar nada de sua fé e de seu compromisso com as igrejas. Nós do "encontro" criamos um pequeno grupo de Whatsapp para nos manter atualizados sobre o andamento das coisas, e espero muito que na próxima Assembléia do KEK o encontro seja oficialmente anunciado e esteja acessível e visível a todos aqueles que queiram trabalhar no sentido de um inclusivo e não repelente. ...

Ler artigo
Protestantes na “Espiritualidade de Turim”

Protestantes na “Espiritualidade de Turim”

Roma (NEV), 21 de setembro de 2020 - "A respiração parada do tempo suspenso, a respiração curta da surpresa, a expiração profunda que libera alívio, a respiração vital da liberdade e do recolhimento": Espiritualidade de Turim, um projeto do Círculo de Leitores Foundation, retorna de 24 a 27 de setembro de 2020 para quatro dias de investigação em torno da "respiração", ato que inerva todas as tradições filosóficas e espirituais. Não faltarão vozes, experiências e testemunhos protestantes na revista. Sexta-feira, 25, às 18h, no Templo Valdense da capital piemontesa, será realizado "Quem pode falar sobre a respiração", um momento de discussão entre o escritor Giampiero Comolli, os teólogos Daniel Garrone, pastor, estudioso da Bíblia, professor da cadeira de Antigo Testamento da Faculdade Valdense de Teologia e membro do Conselho da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), e Brunetto Salvaranio médico paliativo José Narettomoderado pelo jornalista Emmanuela Banfoeditado pelo Centro Cultural Protestante. Outro encontro organizado em colaboração com o Centro Cultural Protestante será o encontro intitulado "Girando o fôlego", um diálogo sobre Paulo Celan E Thomas Bernhard com o germanista Louis Reitaniapresentado pelo filósofo Frederico Vercellone. O debate está marcado para domingo, 27, às 15h30, no Museo del Risorgimento, em Turim. Aqui o programa completo da revista. "A esfera de plástico-bolha escolhida como imagem orientadora do festival - explicam os organizadores no comunicado de lançamento do evento - pretende aludir precisamente a esta dupla natureza da respiração: uma vulnerabilidade a envolver e a guardar, a protegê-la dos choques desta tempo, e a beleza etérea de uma pérola feita de ar. E olhando mais de perto, até mesmo o ritmo com que nos apropriamos do mundo e o processamos tem o duplo ritmo da respiração: uma inspiração, para trazer o exterior para dentro de nós, e uma expiração, para transformar o que pegamos”. ...

Ler artigo
No Hospital.  Ouvir que cura

No Hospital. Ouvir que cura

Diácono Máximo Longo Roma (NEV), 11 de outubro de 2022 – O diácono valdense Máximo Longo acaba de concluir o período de "Educação Pastoral Clínica" (CPE), formação pastoral clínica. Esta disciplina nasceu por volta de 1920 nos Estados Unidos da América, por iniciativa do pastor presbiteriano Anton Theophilus Boisen. O curso, que confere uma Certificação reconhecida, é em si aberto a todos os interessados, sendo obrigatório para os que iniciam o ministério pastoral e a consagração. Em particular, destina-se, portanto, aos alunos da Faculdade Valdense de Teologia em Roma, provenientes das igrejas Batista, Metodista e Valdense. No entanto, houve participações maiores, inclusive ecumênicas. Uma psicóloga, por exemplo, o primeiro caso de "não-teólogo" a participar, havia pedido para fazer esse tipo de treinamento. E, novamente, alguns capelães e freiras católicos participaram de um seminário da CPE com o supervisor, pároco Sérgio Maná. Outros cursos de formação pastoral clínica também são propostos e implementados nas igrejas locais, onde existem grupos que visitam doentes em hospitais. No entanto, é necessária uma formação teológica básica, pois os momentos de pregação e adoração são conduzidos alternadamente por todos os participantes. Perguntamos ao Diácono Massimo Long sobre a experiência como aprendiz. Ela ele é um diácono da igreja valdense. O que isso significa? Quais são as suas funções e qual é o seu papel? A igreja valdense reconhece algumas pessoas, a quem uma vocação foi dirigida e que se prepararam adequadamente, papéis específicos que são definidos como ministérios. Uma delas é a do diácono. Em meus mais de 30 anos de serviço à igreja, desempenhei várias funções: fui animador de jovens nas igrejas de Val Pellice (TO), onde estive particularmente envolvido na catequese e animação de grupos de jovens nas várias comunidades; Fui diácono comunitário na igreja de Rio Marina (Ilha de Elba), onde minhas funções eram de caráter pastoral, mas também tive a experiência de administrar uma “casa de veraneio”; em Turim, servi durante 16 anos e foi a minha experiência mais longa e diversificada: estive envolvido na coordenação do secretariado, na catequese juvenil, nas atividades musicais e sobretudo na coordenação das atividades diaconais, ou seja, nos serviços de apoio e assistência às pessoas em problema da cidade. Agora, há três anos, estou a serviço da igreja de Pomaretto e compartilho, com um colega pároco, o cuidado da comunidade e, portanto, das várias áreas: pregação, catequese, celebração de batismos e funerais e cuidado de almas às famílias e aos enfermos. No entanto, mantive um papel mais "diaconal" graças a um pequeno serviço de ajuda a pessoas em dificuldade que a comunidade local realiza. Um momento de formação pastoral clínica "Educação pastoral clínica" (CPE). Foto Sérgio Maná Em outubro você participou do curso “Educação pastoral clínica” (CPE), com o supervisor, pastor Sergio Manna. Quatro semanas intensivas no'Hospital de Gênova. Você pode nos contar sobre o dia “cara”? O nosso dia típico começava pela manhã às 9, com um culto preparado à vez por um de nós (3 formandos e o supervisor); seguiu-se um momento de briefing sobre o dia que nos esperava e, em geral, começaram as visitas aos pacientes nas enfermarias que nos foram atribuídas. Às 13h30 fazia-se uma pausa para almoço e às 14h retomava-se com uma parte teórica por parte do supervisor (sobre as várias vertentes da pastoral clínica) ou pelos médicos das várias especialidades que nos apresentavam alguns problemas relacionados com as várias patologias. Às 15h30/16 as visitas às enfermarias recomeçavam e terminavam às 17h. Depois, todas as semanas, havia encontros marcados que mudavam um pouco o nosso dia: cada estagiário tinha uma reunião individual de supervisão, havia a discussão de textualmente das visitas realizadas e na sexta-feira concluiu com um momento de avaliação do grupo. Quais tópicos são abordados no curso? O tema principal é o da pastoral hospitalar, que é tratado em várias passagens: introdução geral, escuta como elemento fundamental, diagnóstico pastoral ou das necessidades e problemas espirituais dos pacientes, identificação e uso pastoral dos recursos, pastoral do morrendo. Temas que também são abordados com a ajuda de suportes audiovisuais, de textualmente e discussões em grupo. No que diz respeito às reuniões com médicos especialistas, pudemos explorar, por exemplo, a telemedicina na gestão do doente idoso frágil, as novas tecnologias na cirurgia e na qualidade de vida dos doentes, o doente traumatizado, os problemas do internamento social, a comunicação na patologia neonatal e nos casos de privação social, a abordagem das adições e comportamentos abusivos, cuidados paliativos e cuidados em fim de vida. Qual era para ela lá'visual mais desafiador? O hospital geralmente é o local onde se chega porque é forçado por uma situação clínica comprometida e, portanto, é uma concentração de sofrimento e doença e nem sempre as pessoas voltam para suas casas curadas ou com perspectiva de voltar à vida anterior. Não era fácil entrar nos quartos das enfermarias e ouvir as histórias, os sofrimentos e até a raiva daqueles que não conseguiam superar sua condição de doente. Foram 4 semanas que me marcaram profundamente emocionalmente, mas também me ajudaram a enfrentar essas questões com maior serenidade. E qual, ao invés, o momento mais feliz? Eu poderia muito facilmente responder dizendo que os momentos mais felizes foram as minhas visitas ao departamento de neonatologia e obstetrícia, quando conheci as mães que tinham dado à luz e tudo tinha corrido bem… mas isso seria muito fácil! Em vez disso, os momentos mais felizes foram quando compartilhei a alegria dos pacientes da enfermaria que finalmente voltaram para casa, talvez depois de passar semanas no hospital. Lembro também, no último dia de visitas no final do curso, do abraço com o marido de uma paciente que permaneceu em coma farmacológico por vários dias: tivemos boas conversas sobre a fé com ele, todas as manhãs eu passava no quarto e o encontrou ao lado da esposa. Como o próprio Sergio Manna explica em um'entrevista, esse tipo de treinamento é único na Itália. Há (mais) necessidade de pastoral clínica? Depois de ter vivido pessoalmente esta experiência, posso confirmar a absoluta utilidade da pastoral clínica. E fico feliz que agora faça parte da formação daqueles que estão se preparando para ocupar o cargo de pastor ou diácono em nossa igreja. É uma pena que nossas forças atuais não nos permitam estabelecer um papel de capelania nos dois principais que ainda administramos: Nápoles (Villa Betania) e Gênova (Hospital Evangélico Internacional). Também seria bom poder estabelecer um serviço de capelania ecuménica, formando adequadamente os ministros das várias confissões e garantindo assim um serviço de qualidade nos hospitais. A partir da esquerda, Sergio Manna e Massimo Long. Entrega do Certificado de "Educação pastoral clínica" (CPE) Se você fosse recomendar esse caminho para alguém, o que gostaria de dizer? Quando comecei minha formação para ser diácono, essa possibilidade de formação não existia. No entanto, estou muito feliz por poder fazê-lo, sobretudo porque será muito útil para o serviço pastoral que estou desempenhando no momento. Espero que nossa igreja possa continuar garantindo essa possibilidade de formação para o futuro, talvez abordando uma vocação para que outras pessoas possam ser formadas como supervisores. Seria uma pena se tudo parasse com a aposentadoria do pastor Manna. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.