850 anos de fé e liberdade.  História, compromisso, cidadania

850 anos de fé e liberdade. História, compromisso, cidadania

Torre Pellice (NEV), 23 de agosto de 2023 – A conferência de imprensa foi realizada ao vivo na terça-feira, 22 de agosto, no Sínodo “WALDENSIANOS: 850 ANOS DE FÉ E LIBERDADE. História, compromisso, cidadania”.

Ao microfone, o pastor valdense Eugênio Bernardini (ex-moderador da Mesa Valdense e coordenador do grupo de trabalho dos 850 anos do nascimento do movimento valdense – hoje Igreja Valdense – com a escolha da pobreza de Waldo di Lione, precursor da Reforma Protestante) e Débora Michelin Salomon (historiadora, chefe de promoção de Claudiana Editrice).

Em sua introdução, Gian Mário Gillio revisou brevemente os momentos marcantes destes dois primeiros dias do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense, que foi inaugurado oficialmente em Torre Pellice (Turim) em 20 de agosto. A procissão, o culto de abertura, as saudações ecuménicas, as presenças internacionais, a noite pública, a mensagem de saudação de Papa Francisco assinado pelo Cardeal Secretário de Estado Parolin, onde se expressa o desejo de “crescer no conhecimento mútuo”. 180 deputados e deputadas de toda a Itália reuniram-se na sala sinodal para debater juntos e construir a agenda da Igreja para a qual 2024 será uma etapa fundamental, com as celebrações do 850º aniversário do nascimento do movimento Valdo di Lione.

“O nosso Sínodo é um lugar onde a assembleia tem o poder real de definir as linhas da missão da Igreja para o ano seguinte, controlar e nomear os órgãos executivos e representativos e aprovar os orçamentos dos órgãos centrais”, explicou Bernardini. Celebrar os 850 anos desta igreja significa “lembrar aos italianos que este país, embora de maioria católica, sempre foi plural do ponto de vista religioso e cultural, com presenças muito antigas: judeus, ortodoxos, mas também nós, valdenses, presentes há muito séculos com uma proposta cristã diferente da católica, mais atenta à responsabilidade pessoal, ao fundamento bíblico da fé e à liberdade de consciência”.

Bernardini lembrou que Valdo di Lione, que viveu cerca de 40 anos antes de Francisco de Assis, era um comerciante têxtil que se converteu a uma forma essencial e pobre de cristianismo. “É importante porque o movimento valdense – que em 1500 se tornará uma igreja evangélica protestante – nasceu de suas intuições, que manterão sempre três princípios fundamentais: o conhecimento direto e pessoal da Bíblia, que leva a ter que aprender a ler e escrever, e compreender o que se lê, e portanto à educação e educação das classes populares; a liberdade de pregar em público por parte de todos e não apenas do clero, que é o fundamento da moderna liberdade de opinião e de consciência; a pobreza da Igreja, que a liberta de uma relação com o poder político e económico que distorce a sua missão específica”.

O movimento valdense passou por séculos de clandestinidade e perseguições, depois amadureceu a decisão de aderir formalmente à Reforma Protestante (1532), obteve liberdades civis (1848), concretizou o Acordo com o Estado (1984) exigido pela Constituição Republicana ( artigo 8.º). Uma cronologia que leva a Igreja Valdense – União das Igrejas Metodistas e Valdenses a ser, na história dos anos 1900 até aos dias de hoje, um ponto de referência no que diz respeito à liberdade religiosa, à laicidade do Estado e das suas instituições, aos direitos de todos e não apenas a igreja.

Debora Michelin Salomon ilustrou o “dramático Sínodo de 1943”, tema do vídeo 80 anos depois da apresentação de “duas agendas de relevância histórica, teológica e eclesiológica”. O número 13, proposto pelo pastor Tron e aprovado após acalorada discussão, que reafirmou a separação entre Igreja e Estado. E a agenda “Subilia”, que não virou ato porque foi retirada pelo próprio Subilia. “Teria sido um ato de humilhação de toda a Igreja por não ter enfrentado adequadamente o fascismo e as leis raciais e tudo o que existia na sociedade e que nada tinha a ver com o ideal evangélico”, disse Michelin Salomon. Para saber mais, acesse o vídeo.

No Sínodo de 1943, criou-se uma divisão entre os neo-barthianos, que sustentavam que a política não poderia ser excluída da dimensão teológica de uma igreja, e, por outro lado, os teólogos liberais, que sustentavam que as questões civis não deveriam ser intervencionadas. Essa agenda, explicou o historiador, “nem foi discutida nos anos seguintes, até a década de 1960, quando o tema ressurgiu nas páginas da revista Gioventù evangelica (GE). Esta história envia uma mensagem que ainda é válida para questões que podem ser divisivas e delicadas. Que indicações temos? Que caminhos podemos seguir? Saber o que aconteceu no passado ajuda-nos a ter a perspetiva de que as decisões, de uma forma ou de outra, têm de ser tomadas”, concluiu Michelin Salomon.

Durante a conferência de imprensa, falou-se também da protecção das minorias, dos mais fracos, dos menos favorecidos, dos direitos constitucionais e da relação entre as organizações religiosas e o Estado.

“A Concordata dá destaque à ação da Igreja Católica – comentou Bernardini – em áreas importantes e delicadas como escolas, hospitais, prisões e militares. No entanto, a Itália já era plural mesmo antes da Concordata e hoje é ainda mais. Seria muito importante que a Igreja Católica aceitasse e propusesse uma mudança de quadro, de paradigma, que se abrisse a outras presenças religiosas, e de forma equilibrada e respeitosa também aos não religiosos. Seria um ganho para todos e um sinal de inteligência e coragem espiritual.”

Quanto às obras para os 850 anos do movimento valdense, uma prévia. Falaremos de um movimento valdense capaz de mudar ao longo dos séculos, de “Valdismi” no plural, não só para se adaptar aos diferentes momentos históricos, mas também porque uma igreja caracterizada pelo princípio da aceitação, como reafirmado no sermão de abertura de este Sínodo, “não só muda quem com ele entra em contacto, mas é mudado por aqueles que acolhe”.


Para saber mais:

ESPECIAL NEV SÍNODO 2023

A gravação da coletiva de imprensa feita pela RBE:


FORMA. Igrejas Metodistas e Valdenses na Itália – Novembro

FORMA. Os Valdenses – Novembro

Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Nenhuma religião autoriza a violência contra a mulher

Nenhuma religião autoriza a violência contra a mulher

Foto Pedro Lima - Unsplash Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – Homens violentos são encontrados, em todos os setores, em todas as esferas da vida, em todo o mundo e em todas as religiões. Como defender os direitos de cidadania de toda mulher? Em nosso país, apesar dos novos instrumentos legais contra a violência (com o chamado "código vermelho"), os abusos e violências contra as mulheres, tanto italianas quanto de outras nacionalidades, estão aumentando. Isso foi discutido na conferência "Violência de gênero e religiões: desafios locais" promovida pelo Comitê Nacional da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), realizada em Brescia há alguns dias. Perguntamos a um dos palestrantes como foi, Madalena Colomboprofessor de sociologia dos processos culturais e comunicativos na Universidade Católica do Sagrado Coração de Brescia, além de presidente da Associação Dòsti - Festival de artes e culturas religiosas e diretor do Centro de iniciativas e pesquisas sobre migração - Brescia (CIRMIB ), na mesma universidade. Como Dosti nasceu? Dòsti nasceu, como associação, em 2019, mas como projeto em 2016, quando o então Prefeito de Brescia Valério Valenti exortou todas as associações, universidades e municípios da região a promover o diálogo inter-religioso. O Valenti garantiu uma reunião inicial e depois, de baixo para cima, montamos o projeto. Depois de alguns encontros informais, nasceu esta fórmula de diálogo entre linguagens artísticas: música, poesia, pintura, escultura, teatro, vídeo-arte, digital. Agregamos tudo em torno dessa ideia de momento de exposição. Depois de um ano, aconteceu a primeira edição do Festival. Porquê “Dòsti”, com este Ò que parece acentuar um círculo de cores, uma espécie de anel que une a diversidade? Dòsti em urdu significa amizade e fraternidade. Urdu é uma língua significativa para Brescia, porque é um destino de emigração para muitas pessoas da Índia e do Paquistão. Nesses países, o panorama religioso também inclui sikhs e hindus. Dòsti também coleciona experiências e pessoas que representam o cristianismo, o judaísmo, o islamismo, o budismo... Todos gostaram da palavra, por ser facilmente pronunciável e direta, então a Accademia Santa Giulia criou o logotipo, com o O acentuado (um acento que em urdu na verdade não há). Violência de gênero e religiões. Uma combinação que nos faz pensar em nós que voltam para o poleiro. Como desamarrá-los? Como podemos falar sobre este tema? Nunca se faz o suficiente sobre a violência de gênero. Por isso colaboramos para declinar o tema a partir de diferentes abordagens: teológica, sociológica, a das experiências diretas de um mediador cultural de língua árabe e islâmica. E pela voz de quem atende pedidos de ajuda, com o número de emergência contra a violência de gênero 1522. Temos procurado fazer com que as pessoas entendam a dupla face da religião, tanto na história quanto nos dias atuais. As religiões são porta-vozes de uma visão machista decorrente do domínio do patriarcado como forma de inferiorizar as mulheres por serem submetidas a uma ordem de homens idosos. Mesmo uma mulher idosa nunca tem o mesmo poder que um homem dentro de um grupo, comunidade ou família, com raras exceções. As religiões são machistas? As religiões se desenvolveram dessa forma, e assim contribuem para uma visão machista da sociedade em que as pessoas não se relacionam como são (com suas habilidades, personalidades, personagens, história, origens, crenças e ideias), mas de acordo com seu gênero. O que resta é uma visão agora historicizada de uma mulher incapaz de mudar o mundo, simplesmente a serviço do homem e da estrutura social. No meu relatório, ao apresentar este ponto de partida, tentei, no entanto, sublinhar que nenhuma religião autoriza ou legitima a violência contra as mulheres. Todos eles, em seus textos sagrados, engrandecem a mulher como portadora de vida e generatividade, só para dar um exemplo. Então é possível distanciar-se de um uso cultural de opressão e exploração da religião para fins machistas? Sim. É preciso recuperar aquela função da religião que, precisamente hoje, poderia ser salvífica. Através de redes de solidariedade nas comunidades, também em chave inter-religiosa. Este é o outro lado da religião, e é o que pode ajudar as mulheres a sair das condições de escravidão, inferioridade e violência. Você trouxe testemunhos de sobreviventes da violência. Qual é a utilidade de compartilhar sua história? O que as mulheres sofrem, aqui ou no mundo dos imigrantes, diz respeito a todos. Pensemos no caso da menina convencida por um homem que se autoproclamava referente de sua igreja pentecostal: levada para a Itália com promessa de emprego, enganada, escrava sexual, torturada durante a viagem e abusada na chegada, chantageada pagar a dívida também por meio de uma mistura de elementos "animistas" (disseram-lhe que para afastar o mal ela teria que usar seu corpo como seus algozes queriam e diziam). Essa menina consegue se distanciar, antes de tudo dizendo para si mesma: "Não acredito em um deus que me faz ter isso". Ela se encontra na rua das Ursulinas da comunidade de Ruth, negando um deus ela reencontra outro Deus em um ambiente de salvação e acolhimento, em um abrigo. Para combater a violência contra a mulher, a religião pode (deve) ser um refúgio? Acho que as religiões teriam todas as oportunidades para fazer isso, não apenas para criar um espaço seguro para todos e para as mulheres, mas também em um sentido mais íntimo e profundo. Não pode ser "deus" quem diz ao homem "bate na tua mulher". Pensemos também na notícia de Saman Abbas morreu seguindo a vontade de suprimi-lo por homens da família, tio e irmãos. Um desses homens aparece como uma festa civil e permite que parte da história seja reconstruída, para encontrar seu corpo. Isso nos faz entender a diferença entre preceito religioso e abuso cultural por comportamentos julgados inadequados. Isso nos faz entender o que significa a violação da liberdade. Para entender, devemos nos apegar a episódios reais e concretos de violência no mundo religioso. Está em toda parte, no Cristianismo como no Islã como em qualquer outro lugar. Que alianças você vê como possíveis para finalmente sair das espirais da violência? Precisamos de uma reforma dentro das religiões. E é necessária uma ponte entre as religiões, para o reconhecimento universal do direito e da liberdade de professar uma religião ou não, e como professá-la. Fiquei muito impressionado com o testemunho do relator afegão, Batool Haidari, ativista de direitos humanos, ouvimos dela o que significa sofrer violência e limitação da liberdade pessoal. E o que significa tentar se libertar. Em continuidade com outros setores da ação e do pensamento humano, a religião deve se reformar e oferecer aos homens uma mensagem de liberdade e salvação. Como presidente de uma associação comprometida com essas questões, sinto dizer que não quero fazer pesquisa, mas agir. É por isso que me sinto honrada em participar junto com outras mulheres e homens de todas as religiões na criação de algo novo. Próximos eventos? Graças também aos fundos Otto per mille da Igreja Valdense - União das Igrejas Metodistas Valdenses, estamos organizando nosso próximo Festival, o primeiro na presença do pós-pandemia, no contexto das capitais da cultura Brescia-Bergamo. Esperamos por si de 6 a 13 de maio sob o tema "morrer e renascer". Um ciclo que sempre uniu gerações, origens, territórios e religiões. A conferência também foi moderada pelo pastor da Igreja Valdense de Brescia Leonardo Magrì: a pastora Gabriela Lio, presidente da FDEI Roma. Naima Daoudagh, Mediadora cultural em serviços de saúde. Viviana Cassini, Presidente da Associação Casa da Mulher-Centro Antiviolência, Brescia. Batool Haidari, Universidade de Cabul, ativista dos direitos das mulheres. Os três primeiros festivais Dòsti foram: “Religião como relação social – Os sons da alma”, em 2017. “Festas religiosas: rito, som, cor” em 2018. “A respiração da Terra: religiões e meio ambiente no comunidade local", em 2019. Com a pandemia veio "Radio Dòsti": música, histórias, contos de fadas, discussões sobre arte, espiritualidade e religiões em podcasts. CÓDIGO VERMELHO O código vermelho (Lei 69/19) acelerou algumas medidas de proteção às vítimas de violência e introduziu novos crimes. Também reforçou várias sanções e introduziu circunstâncias agravantes. De crime de divulgação ilícita de imagens ou vídeos sexualmente explícitos sem consentimento das pessoas representadas (a chamada “pornografia de vingança”), com pena de prisão de 1 a 6 anos e multa de 5.000 a 15.000 euros. Para o crime desgraçado, que prevê a pena de prisão de 8 a 14 anos, cuja pena implica ainda a inabilitação perpétua para os cargos de tutela, tutela e administração de apoio. Se a desfiguração causar a morte, a pena é prisão perpétua. Para o compulsão ou indução ao casamento, a pena é de prisão de 1 a 5 anos, agravada quando o crime for cometido em detrimento de menores. Proceder mesmo que o delito seja cometido no exterior por ou em detrimento de cidadão italiano ou estrangeiro residente na Itália. Para o violação das disposições relativas ao afastamento do domicílio familiar e à proibição de aproximação aos locais frequentados pelo ofendidodetenção varia de 6 meses a 3 anos. O perseguindo é punido com pena de prisão até 6 anos e 6 meses. Para o agressão sexual: reclusão de 6 a 12 anos, com várias agravantes que podem levar à reclusão de até 24 anos de prisão. A violência sexual em grupo é punida com pena de prisão de 8 a 14 anos. O abuso de familiares e coabitantes são punidos com pena de prisão de 3 a 7 anos; em caso de lesões graves ou gravíssimas, as penas aumentam, até 15 anos, e duplicam em caso de morte. Além disso, a pena é aumentada de metade se o crime for cometido na presença ou em detrimento de menor, grávida ou deficiente. O homicídio agravado por relações pessoais é punido com prisão perpétua, ainda que se trate de relação afetiva sem união estável ou de união estável não caracterizada por relação afetiva. Além disso, para alguns crimes, por exemplo violência sexual, a vítima pode apresentar queixa até 12 meses após o fato. Para crimes sexuais, a suspensão condicional da pena está condicionada à participação em cursos de recuperação. Por fim, a legislação prevê cursos profissionalizantes específicos para as forças de ordem, para prevenção e avaliação do risco de reincidência. ...

Ler artigo
O Sínodo Luterano está em andamento.  Encontrar de novo

O Sínodo Luterano está em andamento. Encontrar de novo

Última reunião do Consistório antes do início do Sínodo. foto CELI Roma (NEV CS/41), 8 de outubro de 2020 – A 1ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começará em Roma na sexta-feira, 9 de outubro, com o título "Escolha = Wählen". Estão marcadas as eleições para a Presidência e leigos do Consistório. Entre os temas: futuro, igreja digital, medidas anti-pandemia. O Sínodo terminará no domingo, 11 de outubro. O Sínodo do CELI decorrerá à porta fechada e em conformidade com os regulamentos anti-covid. “Mais de quatro quintos dos membros sinodais confirmaram sua presença – escreve o CELI em um comunicado intitulado 'Reencontro' -. Apesar do calendário reduzido, haverá tempo para traçar rumos para o futuro. Um dos temas que tem ganhado importância, também por conta da pandemia do coronavírus, é a igreja digital”. O presidente sinodal cessante, Georg Schedereitnão reaplicou. seu vice, Wolfgang Praderapresentou a sua candidatura, enquanto a tesoureira cessante Ingrid Pfrommer é candidata ao cargo de vice-presidente do Sínodo. A quarta sessão do XXII Sínodo, realizada no final de abril de 2019, abordou o tema "Fé e ação", um programa sinodal no qual o CELI quis aprofundar os temas de ecologia, sustentabilidade e migração e empreendeu uma ação orientada para o futuro e inspirados pela fé. A primeira sessão do XXIII Sínodo estava originalmente marcada para 30 de abril a 3 de maio em Castellamare di Stabia/ Nápoles, mas foi cancelada devido a medidas para limitar a pandemia. Esta sessão terá lugar em Roma na Casa La Salle, em instalações que permitem uma distância superior a um metro; os participantes estarão equipados com máscaras FP2. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) reúne 15 comunidades distribuídas por toda a península. “Uma comunidade na diáspora que conta com alguns milhares de membros e não possui grandes bens móveis e imóveis – escrevem os luteranos -. No entanto, ser pequeno não significa ser irrelevante. Pelo contrário, a Igreja Evangélica Luterana na Itália é muito ativa em muitos campos sociais, solidários e culturais com vários projetos e programas que vão muito além do território de cada comunidade”. Desde a ajuda imediata a migrantes e pessoas carenciadas, à sensibilização para questões como a igualdade de oportunidades, a protecção do ambiente, o combate à discriminação, "é uma Igreja que faz ouvir a sua voz na sociedade, que não se detém e intervém também questões atuais de natureza política, ética e religiosa". Numerosos contribuintes italianos alocam seu Otto por mil para o CELI a cada ano. O CELI é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). www.chiesaluterana.it – [email protected] Gerente de comunicação CELI/Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner – Mob. +39 335 7053215 ...

Ler artigo
Amizades judaico-cristãs na Itália.  Vozes e Raízes

Amizades judaico-cristãs na Itália. Vozes e Raízes

Roma (NEV), 28 de fevereiro de 2020 - A amizade judaico-cristã nasceu em Florença em 1951 pela vontade de Arrigo Levasti, Giorgio La Pira, Ines Zilli, Giorgio Spini, Giacomo Devoto, Angelo Orvieto e Aldo Neppi Modona. Em 1988 foi fundada em Camaldoli a "Federação das amizades judaico-cristãs na Itália" (FEDERAEC), que também faz parte da "Conselho Internacional de Cristãos e Judeus” (ICCJ). A FEDERAEC, que reúne vários grupos de Amizade, entre eles os de Alto Garda, Nápoles, Roma, Ravena, Turim, Camaldoli e Livorno, tem como objetivo promover e desenvolver o conhecimento, a compreensão, o respeito e a amizade entre judeus e cristãos numa perspectiva de abertura e o diálogo com as religiões, a fim de "criar uma convivência humana da qual seja excluída para sempre qualquer forma de incompreensão e ódio", como afirma seu site. Também tem entre seus propósitos combater o anti-semitismo, o racismo e a intolerância. No rescaldo da Semana da Liberdade 2020 promovida pela Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI), a Agência NEV entrevistou Francisco Moscoupastor adventista das igrejas de Turim e Torre Pellice, vice-presidente da FEDERAEC. Como começou sua experiência dentro da Federação de amizades judaico-cristãs na Itália? Francisco Moscou. Foto tirada de Esta experiência nasceu durante o meu ministério pastoral em Turim, a partir de 2006. Ainda antes, meu predecessor, pároco Giampiero Vassallo, participou das iniciativas e me passou o bastão. Eu fazia parte do grupo de Amizade de Turim, que estava envolvido há mais de trinta anos, sendo seu presidente por cinco anos. Agora sou vice-presidente da Federação, que reúne várias "amizades judaico-cristãs" em diferentes cidades italianas. Cada local é autônomo. A Federação é um órgão de ligação entre as várias “Amizades”, que gostaríamos de poder expandir também a outras cidades. EU'Antissemitismo foi o tema escolhido pela FCEI para a Semana da Liberdade 2020. Voltamos alegremente ao tema desta semana. Como adventistas em Turim promovemos dois momentos de reflexão. Um primeiro momento durante uma pregação na nossa comunidade e, no sábado seguinte, com a participação do presidente da Amizade Judaico-Cristã de Turim, Dr. Maria Ludovica Chiambrettono âmbito de uma das iniciativas dedicadas à Júlio Isaacpioneiro da Amizade, às suas obras relativas ao estudo do antijudaísmo cristão e ao tema da suspeita, ao conhecimento das raízes históricas do antissemitismo e das relações entre cristãos e judeus. Por ocasião do "Sínodo dos Jornalistas" que será aberto amanhã em Roma, com o tema "Palavras não pedras", está prevista a inauguração no Largo Pórtico d'Ottavia de um Banco Memorial, dedicado aos jornalistas e impressores judeus romanos que foram vítimas de deportação. O que você acha da relação entre jornalismo e história? A comunicação é fundamental. Precisamos manter viva a memória e levar as iniciativas e insights sobre essas questões ao conhecimento da opinião pública e dos próprios jornalistas. Procuramos contribuir com conferências, eventos e divulgação. Como pedras de tropeço, que causam sensação ao serem rasgadas, mas que devemos preservar na memória coletiva e pessoal. A imprensa pode ajudar muito e nós mesmos estamos empenhados em tomar a palavra para envolver a consciência das pessoas, para dar voz à memória. Em 2019 você celebrou o 40º aniversário das conversações judaico-cristãs em Camaldoli. Quais são os principais eventos em andamento e para o futuro? É crucial que a amizade judaico-cristã continue a funcionar em chave inter-religiosa. As conversações de Camaldoli são o ponto de encontro do trabalho do Amicizie, durante o qual há sempre um momento de assembleia para o qual convergem quase todos os grupos. Em Florença, alguns dias atrás, nos encontramos com don Juliano Savina, diretor do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI), juntamente com muitos outros irmãos católicos, evangélicos e judeus para organizar o próximo encontro, previsto para dezembro. Enquanto isso, os cursos de hebraico e outras iniciativas regulares continuam, desde o Dia do Conhecimento do Judaísmo até apresentações da Bíblia da Amizade, conferências do ciclo histórico e outros projetos locais. Em Turim, o Rabino Chefe também está muito envolvido Ariel Di Porto. Nestes caminhos de diálogo recordamos também que as nossas raízes e as Escrituras se baseiam no judaísmo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.