“Descolonizando nosso olhar sobre a migração”

“Descolonizando nosso olhar sobre a migração”

Torre Pellice (Turim), (NEV/Riforma.it), 21 de agosto de 2022 – Se as migrações forçadas são uma das grandes emergências de nosso tempo, com centenas de milhões de pessoas forçadas a abandonar suas casas e embarcar em uma longa odisséia que o soma-se a violação dos direitos mais elementares da pessoa, a mulher nesse processo é uma categoria ainda mais exposta ao risco: de maus-tratos, físicos e psicológicos, violência, preconceitos.

Ao mesmo tempo, sua força e tenacidade na busca de um objetivo muitas vezes fazem deles um modelo que derruba nossos clichês, nossos preconceitos.

Portanto, dedicar a presidência da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália ao tema “Mulheres e Migração: Juntas Portadoras de Valores Universais, Simbólicos e Culturais Inalienáveis” parece ser uma escolha extremamente oportuna. As próprias igrejas crescem e se enriquecem com a contribuição de muitas pessoas, muitas mulheres, que de outros países decidem continuar seu projeto de vida e entre as várias contribuições que trazem para nossa sociedade está também a de hibridizar, inovar e renovar o culto e formas de viver a fé e a Igreja.

A Galeria de Arte Cívica dedicada a Filippo Scroppo em Torre Pellice (To) estava lotada ontem à tarde, sinal da grande vontade de nos encontrarmos novamente após mais de dois anos de distâncias forçadas, para nos ouvirmos, conversarmos, discutirmos.

Duas mulheres lideram dois dos projetos mais importantes que as igrejas evangélicas italianas estruturaram nos últimos anos em torno do grande tema da migração: da ajuda além do Mediterrâneo à acolhida em nosso país e à construção de novos projetos de vida.

Loretta Malan, diretora do Serviço ao Migrante do CSD, a Diaconia Valdense, braço social da Igreja Valdense, destacou o quão apropriado é o título da conferência, justamente “pela grande e variada contribuição que mulheres de todos os cantos do mundo trazem ao nosso mundo. Ao mesmo tempo, somos nós que devemos compreender quantas culturas diferentes nos encontramos perante diferenças que requerem respostas moduladas, certamente não homologadas, num processo contínuo de aprendizagem e enriquecimento”. Malan relembrou as várias ondas migratórias dos anos 1970 (Filipinas, Indonésia) até hoje (África, Oriente Médio, mas não só), cada uma delas trazendo diferentes desafios e valores.

Atualmente são acolhidas 700 pessoas nos diversos projetos da Diaconia Valdense, 30% mulheres. Cada um com sua própria história, todos aparentemente semelhantes, mas na realidade profundamente diferentes. E é justamente da escuta, sublinhou Malan, que devemos partir. “As mulheres empreendem jornadas trágicas porque são vítimas de violência, porque elas ou seus filhos estão doentes e precisam de cuidados, para estudar e por muitos outros motivos. Nossa tarefa é também nos questionar, interceptar suas necessidades e entender que cada um tem seu próprio projeto de vida. A escuta dos porcos é o primeiro ato pelo qual eles recuperam uma singularidade, uma dignidade”.

marta bernardini em vez disso, coordena o programa Esperança do Mediterrâneo da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, conhecida sobretudo pelo projeto inovador dos “Corredores Humanitários” que trouxeram vários milhares de pessoas à segurança na Itália, fugindo de suas próprias nações atormentadas. Seus longos anos de serviço na linha de frente, na ilha de Lampedusa, também serviram para entender quantos preconceitos todos nós, quer queira quer não, carregamos quando nos aproximamos de uma pessoa, uma mulher em particular, que de alguma forma descende de uma barcaça. “Descolonizar nosso olhar e considerar que nossas ações muitas vezes estão ligadas a uma imagem não neutra que temos do outro”, comentou Bernardini. “Quando conseguimos sair dos estereótipos da mulher vitimizada ou da esperta manobrista, então encontramos acontecimentos individuais, entendemos necessidades e urgências, projetos de vida. O ísquio de julgar está sempre à espreita, mas nós operadores temos que dar um passo atrás diante das expectativas daqueles que literalmente sofreram um inferno para chegar na nossa frente. Começando de baixo porque mesmo na Itália ainda há muitos direitos negados aos migrantes, e às mulheres em particular”.

A música e os cantos sobre as migrações de ontem e de hoje em que o Grupo de Teatro Angrogna imergiu o público foi o digno encerramento do encontro, para lembrar sempre quantos italianos migraram e quantos o fazem ainda hoje.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Estratégias metodistas na Itália entre a maçonaria e a controvérsia antiprotestante

Estratégias metodistas na Itália entre a maçonaria e a controvérsia antiprotestante

Roma (NEV), 7 de fevereiro de 2020 - A conferência internacional anual sobre estudos do Metodismo, organizada pelo Centro de Documentação Metodista (CDM) em colaboração com o Departamento de história, culturas, religiões, arte e entretenimento da Universidade Sapienza de Roma, tem como título “Os limões católicos. Ambições e estratégias do Metodismo para uma Itália unida” e acontecerá na quarta-feira, 12 de fevereiro, na Faculdade de Letras e Filosofia de Sapienza, a partir das 10h (Sala de Paleografia, 2º andar, seção de história e paleografia medieval). Mirella Manocchio, presidente da OPCEMI "O título desta conferência quer expressar o encontro e o embate, o diálogo acalorado também do ponto de vista teológico, social e cultural na Itália na virada dos últimos dois séculos - declarou o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pastora Mirella Manocchio – . O metodismo se insere nessa época, dialogando justamente com a cultura católica e com o catolicismo como instituição. Investigaremos os aspectos particulares do compromisso metodista em vários campos, como fizemos no ano passado sobre os temas de justiça social e direitos civis, na Itália, na Europa, na África e nos Estados Unidos e cujas atas acabam de ser publicadas por Carocci . O recorte histórico e político sobre o metodismo primitivo nos fará compreender o papel dos metodistas no debate travado pelo mundo protestante com a Igreja Católica”. A conferência representa, disse Manocchio, “uma etapa importante. Existem aspectos inexplorados ou pouco explorados do Metodismo e a ideia com o CDM é voltar aos documentos e investigar essa história, refazê-la de forma mais extensa e exaustiva junto com especialistas em teologia, filosofia e história. Esta conferência abre de forma concreta este caminho, ao qual se seguirão outros momentos de encontro e envolvimento de uma comissão científica, para dar vida a uma história do metodismo na Itália”. A jornada de estudo inclui uma primeira sessão, que será aberta pelo Diretor do Departamento de história, culturas, religiões, arte e entretenimento da Sapienza, Gaetano Lettiericom Silvana Nitti, Diretora do CDM e pela própria presidente da OPCEMI, pastora Mirella Manocchio. Entre os temas da manhã, o contexto histórico-político da Itália no final do século XIX - início do século XX, a questão religiosa na Itália entre 1900 e 1915, as estratégias do metodismo inglês e americano para a Itália. À tarde, após o lanche, discutiremos os metodistas italianos e a maçonaria no início do século XX, o "perigo protestante" e a polêmica católica antiprotestante entre a era liberal e o regime, a questão religiosa nas relações ítalo-americanas e a formação da classe dominante metodista na Itália unida, com o caso da escola Monte Mario. Numerosos convidados italianos e estrangeiros. A conferência é aberta a todos, mas agradecemos a confirmação do secretariado do MDL. 6 créditos estão previstos para pastores metodistas e valdenses e para diáconos registrados. “A conferência pretende reconstruir as visões e os projetos estratégicos para a Itália do metodismo inglês e americano nas décadas entre os séculos XIX e XX – lê-se no programa -. Os estudos existentes, alguns dos quais editados pelo CDM, ajudam-nos a delinear uma cultura metodista e a posicionar-se sobre o que se poderia definir como os 'limes católicos', limiar de um embate teológico mas também social e cultural com o catolicismo. Neste contexto, a conferência centrar-se-á em algumas alianças das primeiras gerações metodistas, nomeadamente com a maçonaria”. Consulte o programa completo e faça download da Brochura da Conferência 2020 ...

Ler artigo
Consulta Metodista.  Redescubra espaços de ação, ecologia e música

Consulta Metodista. Redescubra espaços de ação, ecologia e música

Mirella Manocchio Roma (NEV), 25 de maio de 2022 – Pedimos à pastora Mirella Manocchio, presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), para nos falar sobre os temas e propostas de trabalho da Consulta Metodista que será realizada de 27 a 29 de maio. Após dois anos de pandemia, as igrejas metodistas voltarão a se reunir presencialmente no Centro Ecumene de Velletri, na província de Roma. “A Consulta Metodista - diz Manocchio - é sempre o momento para as igrejas metodistas na Itália refletirem sobre algumas questões que dizem respeito à vida das próprias igrejas, mas de maneira mais geral ao contexto social, econômico e político em que nos encontramos vivendo. . Este ano, em particular, inspiramo-nos na trágica situação que vivemos, uma situação de guerra e de fortes contrastes. Abrimos o relatório da Comissão Permanente com uma reflexão sobre a importância de redescobrir a complexidade de viver e relacionar-se, ao contrário de quem quer simplificar qualquer tipo de relação e a oposição 'ou estás comigo ou estás contra mim'. O que está acontecendo no coração da Europa é mais um conflito, além dos tantos que estão presentes no mundo. Isso nos toca talvez mais pela proximidade e porque faz retroceder o relógio da história. Aqui, a partir disso, procuramos ver o que acontece nas relações dentro da sociedade, mas também dentro das nossas próprias igrejas. É necessária uma reflexão, para que o diálogo, a relação aberta e sincera entre as pessoas volte a ser central. A partir do nosso específico, da visão cristã. E, portanto, do amor, da compaixão”. Ecologia, música, ação, arrecadação de fundos O Comitê Permanente da OPCEMI propôs quatro oficinas de aprofundamento, sobre questões relacionadas tanto com os eventos atuais quanto com a vida da comunidade. Manocchio explica: “Teremos um workshop sobre compromisso ecológico e justiça climática, um sobre animação musical, um sobre ação diaconal e outro sobre arrecadação de fundos”. A oficina de animação musical pretende “recuperar a tradição dos hinos metodistas e protestantes. Além disso, tente entender como trabalhar dentro das comunidades também em hinos modernos, usando essa linguagem universal que é a música. Música é entusiasmo. Permite que as novas gerações se sintam mais envolvidas no culto. A ideia é criar um grupo de animadores e animadoras que trabalhem nas várias igrejas locais”. Será também uma forma “de dar a conhecer o projeto de animação musical até a quem não frequentou os seminários realizados nestes dois anos. E quem sabe se apaixonar por essa área”. A oficina de ação social, prossegue o presidente, abordará “um dos elementos fundamentais, e de certa forma também tradicionais, da visão testemunhal da fé metodista. Não estamos falando apenas de ação social como diaconia, mas também como evangelização. No sentido de uma ação missionária da Igreja, que se dirige de modo particular aos que estão à margem da sociedade”. Segue-se um workshop sobre angariação de fundos: “Pode-se perguntar o que é que a angariação de fundos tem a ver com os temas mais ligados à vida da Igreja e com o compromisso de evangelização, testemunho e missão. No entanto, as questões econômicas nos preocupam. Para operar na área, precisamos de locais adequados e possibilidades econômicas adequadas. É importante que as comunidades tenham oportunidade de desenvolver atividades, de tornar os locais de culto e convívio mais habitáveis ​​e utilizáveis. É uma forma de empoderar as comunidades para continuarem sendo protagonistas”. Ecumenismo, internacionalidade, colaborações Claro que não faltarão os outros temas principais das Consultas, diz Mirella Manocchio, "em particular os aspectos do ecumenismo e das relações internacionais, que para nós são sempre um aspecto muito importante para a Comissão Permanente e para a vida do nosso igrejas". Após dois anos de reuniões virtuais, o presidente conclui: “Esperamos poder ter este tempo adequado para refletir e discutir juntos os desenvolvimentos futuros. Pelo trabalho dentro da União das Igrejas Metodistas e Valdenses, tendo em vista o Sínodo que finalmente voltará a atender em agosto. E também em vista da Assembleia do Sínodo, com as igrejas batistas”. Centro Ecumeno, Velletri (RM) O Centro Ecumeno de Velletri (Roma) O Presidente Manocchio dedica um pensamento especial ao local onde será realizada a Consulta Metodista, o Centro Evangélico "Ecumene" de Velletri, na província de Roma. Um ponto de referência para as igrejas metodistas e "para todos aqueles que vêem em ação pela reconciliação, a paz, a proteção da criação e a justiça entre os povos e os indivíduos o testemunho que as igrejas são chamadas a dar" como afirma o Estatuto do Centro . “Estamos felizes por poder reunir-nos na presença do Ecumene, no renovado centro, onde foram realizadas várias obras entre as quais a reconstrução de dois edifícios, a eliminação de barreiras arquitectónicas e melhorias de menor impacto ecológico, incluindo uma instalação fotovoltaica sistema . Esperamos que este seja um sinal positivo para nossas comunidades. A de poder reapropriar-se de um tempo e de um lugar que podem de facto continuar a ser uma forja de novas ideias. Para devolver ímpeto e entusiasmo às nossas pequenas realidades locais. Esperamos que assim aconteça, neste regresso à presença, depois de dois anos em que o ecrã nos obrigou de alguma forma a reduzir ao osso as discussões, as reflexões e sobretudo os momentos de troca, que são o mais importante para a nossa Consulta. Que não é uma assembléia decisória, como o Sínodo, mas é um lugar de encontro onde podem nascer novos projetos, como aconteceu nos últimos anos”. ...

Ler artigo
O 17º aniversário do Kirchentag ecumênico, o “festival” dos protestantes na Alemanha

O 17º aniversário do Kirchentag ecumênico, o “festival” dos protestantes na Alemanha

Fotos do Kirchentag 2019 do Dortmund, de www.kirchentag.de Roma (NEV), 27 de maio de 2020 - O Kirchentag, a festa eclesiástica evangélica alemã, fundada em 1949, aconteceu pela primeira vez em forma ecumênica em Berlim há 17 anos, em 28 de maio de 2003. Um encontro de cristãos de todo o mundo Alemanha e não só, da qual participaram tanto a Igreja Católica quanto protestantes e evangélicos. Desde então, este grande evento se repete a cada dois anos para as igrejas protestantes, durante cinco dias durante os quais se alternam debates, momentos de oração, reflexões, atraindo milhares de crentes não só da Alemanha, mas de toda a Europa e também de outros continentes. No ano passado, em 2019, assim como em 2017, alguns representantes da FCEI e, em particular, do programa de refugiados e migrantes, Mediterranean Hope, também participaram do Kirchentag. Uma imagem da última edição do Kirchentag, em Dortmund em 2019 “Se eu tivesse que descrever o que é o Kirchentag – explica Marta Bernardini, operadora do MH, que aliás foi convidada da última edição do evento alemão – eu chamaria de imediato o “Festival das igrejas protestantes na Alemanha”. Uma festa porque o ar que se respira é de festa e alegria, de grande emoção e intensidade. Cada Kirchentag tem um título, portanto um tema em torno do qual se desenvolvem conferências, debates, eventos, há convidados internacionais, apresentações artísticas, há stands que dão vida a um verdadeiro "mercado" de realidades, associações, igrejas não só da Alemanha mas de No mundo todo. Seguem-se os momentos de adoração, oração, canto, vividos em grandes espaços, em locais sempre sugestivos como grandes cidades ou parques. Os temas escolhidos estão ligados ao presente, conseguindo abordar questões sócio-políticas, justiça, ecologia, paz com um olhar evangélico. Nossas igrejas - continua Bernardini - têm um vínculo histórico e vivo com as igrejas irmãs na Alemanha e o envolvimento do componente italiano já está consolidado. Há estandes de nossas obras e pensões, há reuniões, cultos, estudos bíblicos conduzidos por pastores ou membros de nossas igrejas também em italiano, porque muitos gostam de manter viva uma língua aprendida talvez justamente durante os períodos de estudo ou intercâmbio entre as igrejas. Nesse clima de amizade e fermentação, tive o prazer de participar dos dois últimos Kirchentags em nome do projeto Esperança Mediterrânea da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Uma forte lembrança permanecerá de 2017, um ano particularmente excepcional devido ao 500º aniversário da Reforma, quando tive a oportunidade de apresentar os corredores humanitários durante o serviço de encerramento em Wittenberg. Encontrei-me num grande palco num imenso prado verde com a emoção de partilhar aquele momento perante 120.000 pessoas: a minha voz de uma pequena realidade fundiu-se numa comunidade mais ampla e universal – conclui o operador do MH -, a dos irmãos e irmãs unidas em Cristo”. O próximo compromisso do evento, que acontece a cada dois anos, será em 2021, de 12 a 16 de maio, em Frankfurt. O tema do próximo ano será o ecumenismo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.