Faculdade Valdense.  “Estude teologia.  Por que?  Para quem?”

Faculdade Valdense. “Estude teologia. Por que? Para quem?”

Roma (NEV), 6 de abril de 2021 – O encontro ao vivo intitulado “Estudar teologia. Por que? Para quem?”.

É assim que a Faculdade Valdense de Teologia se apresenta neste “zoom-talk”, dando voz ao aluno Marco Agrícolaao aluno Shangli Xupara Floriana Bleynatmembro do Conselho da Faculdade, e ao estudante Magdalena Bredendiek do Centro Melanton.

No zoom ao vivo e na página do Facebook da revista “Confronti”, a iniciativa integra a coluna “Teologia e sociedade”, coluna de aprofundamento e debate editada por Fulvio FerrarioReitor da Faculdade Valdense de Teologia, e Christine SimonelliPresidente da Coordenação dos Teólogos Italianos (CTI).


A Faculdade Valdense

A Faculdade Valdense de Teologia é o instituto mais antigo da Itália para o estudo universitário de teologia evangélica. Representa um extraordinário ponto de encontro e diálogo, em um contexto de intercâmbio acadêmico de prestígio com outras universidades públicas e pontifícias.

Fundada em 1855 em Torre Pellice (TO), mudou-se primeiro para Florença, depois para sua atual sede em Roma.

A oferta de formação teológica da Faculdade Valdense é dividida em 4 cursos de graduação (graduação em teologia, especialização em teologia, doutorado em pesquisa em teologia – área histórica, sistemática/ecumênica; graduação em ciências bíblicas e teológicas). A oferta completa-se com mais duas oportunidades de formação: cursos certificados com a duração de dois anos e a possibilidade de ingresso como “auditor”.

Os graus conferidos pela Faculdade são reconhecidos pelo Ministério das Universidades e da Investigação Científica (MIUR) e inseridos no projeto europeu Erasmus.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas católicas e protestantes europeias pedem o fim da guerra

Igrejas católicas e protestantes europeias pedem o fim da guerra

Roma (NEV), 22 de março de 2022 – O Comitê Conjunto das Igrejas Católicas e Protestantes da Europa emitiu uma declaração hoje. É um grupo de trabalho que reúne a Conferência das Igrejas da Europa (KEK) e o Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE). Apelando aos dirigentes das nações e à comunidade internacional, as entidades religiosas pedem que se façam todos os possíveis para pôr fim à guerra em curso “que está a destruir vidas e a causar sofrimentos indescritíveis”. A declaração foi redigida na reunião de 21 de março em Bratislava, Eslováquia. “O coração da fé cristã é a paz e a reconciliação, exemplificadas na vida de Jesus Cristo – reafirmam os signatários, citando a encíclica papal 'Fratelli Tutti' -. Jesus Cristo nunca convidou a fomentar a violência ou a intolerância. Ele mesmo condenou abertamente o uso da força para se impor aos outros”. A religião, escrevem ainda as duas entidades, “não pode servir de meio para justificar esta guerra. Todas as religiões, e nós como cristãos, estamos unidos para condenar a agressão russa, os crimes cometidos contra o povo da Ucrânia e a blasfêmia que representa o uso indevido da religião neste contexto”. A Comissão Mista agradeceu às Igrejas e ONGs envolvidas nas zonas fronteiriças e de conflito, junto com as autoridades de seus respectivos países, no acolhimento dos que fogem da guerra. “Continuemos a rezar pelo dom da paz. Convidamos todos os cristãos a unirem-se a nós em oração, fortalecendo seus esforços para afirmar o valor da vida e promover ativamente a reconciliação”. A reunião de Bratislava também foi uma oportunidade para discutir o compromisso das Igrejas europeias pela paz na Ucrânia, o estreitamento das relações entre as duas organizações e o atual processo sinodal da Igreja Católica. Entre os representantes do CEC estavam o presidente, pastor Christian Krieger. O vice-presidente, pároco Guli Francis-Dehqani. ainda é Valerie Duval-Poujol. Leah Schlenker. O arquimandrita Ignatios Sotiriadis. O Metropolita Joseph da Europa Ocidental e Meridional da Igreja Ortodoxa Romena. O secretário-geral Jørgen Skov Sørensen. O Secretário Executivo do CEC para o Diálogo Teológico Katerina Pekridou. ...

Ler artigo
Terremoto, Conselho Valdense aloca 500 mil euros

Terremoto, Conselho Valdense aloca 500 mil euros

Roma (NEV), 21 de fevereiro de 2023 – A Tavola Valdese decidiu destinar 500 mil euros, obtidos dos fundos Otto per Mille atribuídos anualmente às Igrejas Metodista e Valdense, para a criação de um fundo especial destinado a financiar intervenções de ajuda para o populações afetadas pelo terremoto que devastou a Síria e a Turquia. “A Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense, ele comenta Alessandra Trotta, moderador do Tavola Valdese, está próximo das populações síria e turca atingidas violentamente pelo trágico terremoto de 6 de fevereiro. Orações e sentimentos de proximidade vão para as vítimas, os feridos, os sobreviventes e todas as pessoas que estão trabalhando para levar ajuda e apoio na certeza de que Deus não se afasta da dor de suas filhas e filhos”. "Graças à rede de Igrejas irmãs presentes nas áreas mais afetadas e às organizações de comprovada eficácia e confiabilidade com as quais estabelecemos relações consolidadas de colaboração nessas áreas - continua Alessandra Trotta - procuraremos obter uma ajuda adequada e eficaz, ainda menos sob os holofotes da atenção pública, como os sírios já castigados por anos de guerra. Diante de uma tragédia tão imensa, que revela ainda mais a fragilidade humana, somos todos chamados a mostrar o que de melhor pode fazer esta frágil humanidade se iluminada por um espírito de solidariedade capaz de superar fronteiras e barreiras”. O moderador Trotta também enviou uma mensagem de condolências à pastora Najla Kassab, do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e Líbano e presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, expressando total solidariedade e apoio às igrejas metodistas e valdenses italianas. A Igreja Valdense contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille e optou por alocar todas as contribuições para apoiar intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, na Itália e no mundo. O Otto per Mille pode ser atribuído por todos os contribuintes a uma das confissões religiosas com as quais o Estado italiano tenha assinado um acordo, ou ao próprio Estado. O Otto per Mille na verdade funciona como um voto, pois é dividido proporcionalmente ao número de escolhas feitas. ...

Ler artigo
Os dez anos do Papa Francisco e o ecumenismo

Os dez anos do Papa Francisco e o ecumenismo

Catedral de Lund (Suécia), 31 de outubro de 2016. A partir da esquerda: Munib Younan, Papa Francisco, Martin Junge Roma (NEV), 13 de março de 2023 – Há dez anos, em 13 de março de 2013, foi eleito o papa "que veio do fim do mundo" Franciscoao século Jorge Bergoglio. O que mudou no movimento ecumênico em seus dez anos de pontificado? Não há dúvida de que, por meio de suas muitas viagens e encontros ecumênicos, Francisco trouxe um novo alento ao panorama estagnado das relações entre as divididas Igrejas cristãs. Gostaria de recordar algumas dessas visitas. A primeira é a da Igreja Pentecostal da Reconciliação de Caserta em 2014, uma visita "privada", mas ainda assim significativa: quando ainda estava na Argentina, Bergoglio fez amizade com seu pároco, John Traettino, e em todo caso foi a primeira visita de um papa a uma comunidade evangélica de língua italiana (seus predecessores só haviam visitado os luteranos de Roma, uma comunidade de língua alemã). Lá segundo é o encontro na Igreja Valdense de Turim, em 2015: uma visita histórica, porque pela primeira vez um papa visitou uma igreja herdeira direta da chamada "primeira reforma" do século XII, que pagou altíssimos preços em termos de repressão e perseguição sistemática. Em Turim, Francisco pediu perdão "pelas atitudes e comportamentos não cristãos, até mesmo não humanos" que os católicos tiveram contra os valdenses. Mas este não é o único aspecto significativo do encontro: outro, por exemplo, é a clara afirmação de que “a unidade que é fruto do Espírito Santo não significa uniformidade. Na verdade, os irmãos compartilham a mesma origem, mas não são idênticos entre si. Isso está muito claro no Novo Testamento”, disse o Papa, pois já então “nem todas as comunidades cristãs tinham o mesmo estilo, nem uma organização idêntica”. Em suma, Francisco fez seu o princípio ecumênico da "diversidade reconciliada", nascido no âmbito protestante. Outra visita fundamental foi a de Lund, na Suécia, em 31 de outubro de 2016, a convite da Federação Luterana Mundial para inaugurar as comemorações dos 500 anos da Reforma Protestante. A presença do Papa em Lund deu um claro caráter ecumênico ao quinto centenário, na esteira do documento “Do conflito à comunhão. A comemoração conjunta luterano-católica da Reforma em 2017”, publicado pela Comissão Luterana/Católica para a Unidade. Finalmente, gostaria de recordar a visita a Genebra em 2018, por ocasião do 70º aniversário da fundação do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). O que mais me impressionou neste encontro foi a imagem inusitada do movimento ecumênico como uma "grande empresa perdida". Hoje, de fato, todos procuram afirmar a própria identidade, e os que trabalham pelo ecumenismo parecem não proteger devidamente os interesses das comunidades a que pertencem. Mas cuidado, disse Francisco, não devemos ter medo de trabalhar com prejuízo, se for um “perda evangélica”, segundo o caminho traçado por Jesus: “Salvar os seus é andar segundo a carne; perder-se atrás de Jesus é caminhar segundo o Espírito”. O ecumenismo poderá progredir "se, caminhando sob a guia do Espírito, recusar qualquer afastamento auto-referencial". Para ouvir novamente o episódio, clique aqui: Culto evangélico na Rádio RAI 1 em 12 de março de 2023. A partir do minuto 19h37. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.