Emilia Romagna, chame as coisas pelo nome

Emilia Romagna, chame as coisas pelo nome

Markus Spiske, unsplash

Roma (NEV), 18 de maio de 2023 – “Talvez tenhamos desclassificado o reparo da Criação como uma moda passageira, em vez de pensar constante e ativamente sobre o que podemos fazer como crentes, devemos ser responsáveis ​​como parte de um mundo interconectado. Um rio transbordante não deveria ser uma calamidade, sempre existiram, até a Bíblia fala disso (Isaías – 66, 12) e ao contrário se torna um problema porque os assentamentos humanos foram além da Criação”. A pastora valdense diz isso de Bolonha Giuseppina Bagnatopoucas horas depois dos acontecimentos que atingiram a Emilia Romagna.

Entre a noite e a manhã, na província de Ravenna, Lugo e Cervia foram inundados. Ainda dezenas de estradas fechadas ou danificadas por deslizamentos de terra ou inundações. Milhares de pessoas evacuadas. Mais inundações na zona de Ravenna, um metro de água no centro histórico de Lugo.

«Devemos centrar a atenção na relação a que somos chamados como crentes – continua o pároco da comunidade metodista e valdense que conta com cerca de 100 pessoas, entre Bolonha e a província de Modena -, com todos os súbditos, leigos, crentes e não -crentes, para construir projetos que possam melhorar os territórios e as cidades em que vivemos. Somos chamados a fazê-lo, como Igrejas, desde baixo, porque a Igreja deve ser profética e por isso é necessário agir pessoalmente, esperando uma mudança ainda mais ampla, “acima”, naqueles que fazem escolhas políticas”. Na capital da Emília, a situação parece estar sob controle, “os maiores problemas não estão apenas na Romagna, mas também nas províncias, nas aldeias das colinas”.

O pastor valdense Alexandre Esposito, em Rimini há pouco menos de dois anos, fala de uma situação pouco grave na cidade, mas “estamos nos organizando com outras entidades para ajudar os feridos e as pessoas que vivem nos centros mais afetados. Aproveito para agradecer a todos os socorristas e a todos os que estão a fazer o seu melhor para apoiar a população. Como igrejas, estamos à disposição de todos os necessitados”. Mesmo para ele, porém, é preciso entender e refletir sobre “nossa falta de atenção”, como cidadãos, para com a emergência climática.

Na zona mais afectada pelas chuvas, a de Cesena, “a situação é caótica e muito difícil, estamos a tentar ajudar as famílias em dificuldade, a dar a mão como podemos”, afirma Nicodemos Fabiano, pároco da Igreja Evangélica Batista de Cesena e Rimini. “Em Forlì, as instalações da igreja evangélica são invadidas por um metro de água. Até na minha casa a chuva causou estragos. Agora é preciso rezar pela cidade, pelas vítimas destes dias”. O número de mortos subiu para nove nas últimas horas. 10 mil deslocados, segundo estimativa do governador da região da Emilia Romagna Stefano Bonaccini. E os prejuízos – diríamos de alguns bilhões – ainda não foram contabilizados.

Hoje em Ferrara o sol brilha, mas “as pessoas estão com medo, devemos responder também a esta necessidade: o medo das pessoas”, explica o pároco batista Emmanuel Casalino da cidade Este. Para isso, talvez, precisemos de uma maior consciência ou, pelo menos, da vontade de “chamar as coisas pelo nome”. “É inútil falar de chuva – conclui o pároco, que também segue a comunidade de Livorno -: o que aconteceu diz respeito às mudanças climáticas, ao consumo do solo, às construções excessivas. Deve nos fazer pensar: agora é a hora de agir, devemos almejar a transição ecológica, imediatamente”.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Lamento, Esperança e Coragem – Nev

Lamento, Esperança e Coragem – Nev

Capa da Revisão Anual do WCC 2021. Foto: WCC Roma (NEV), 4 de maio de 2022 - "Não devemos ter medo, não devemos nos desesperar quando vemos o que está acontecendo em nosso mundo hoje, mas enfrentá-lo com coragem". Com estas palavras, Ioan Sauca, secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), apresenta o relatório anual da organização, publicado ontem, 3 de maio, no site oikoumene.org. Em particular, o texto traça o compromisso das igrejas protestantes pela paz na Ucrânia, de 24 de fevereiro até hoje. “Tendo visto o impacto do conflito nos rostos dos refugiados que chegam aos países vizinhos e estando cientes da situação e dos perigos para os civis ainda presos e incapazes de fugir, enfatizamos fortemente a necessidade urgente de corredores humanitários eficazes e seguros para permitir a população para fugir dos combates”, continua a nota. Antes da escalada do conflito na Ucrânia, em 2021, a comunidade do Conselho Mundial de Igrejas “reuniu-se em oração de forma inédita”, prossegue Sauca, referindo-se às mudanças impostas pela pandemia. “Acredito que Deus ouviu nossas orações. Pedimos a Deus coragem e sabedoria. Confiávamos na promessa de Deus de vencer qualquer coisa que surgisse em nosso caminho. E passamos por muita coisa. Perdemos muitas pessoas na família ecumênica devido ao Covid19 e além. Em meio a essa tristeza, talvez até por causa dessa tristeza, cresceu um novo compromisso de compaixão ativa uns pelos outros. Se a pandemia atingiu todas as regiões do nosso planeta, também revelou nossa inesperada vulnerabilidade e interdependência”, conclui o secretário-geral do CMI. Aqui o texto completo do relatório anual do Concílio Ecumênico. ...

Ler artigo
Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Roma (NEV), 3 de janeiro de 2021 – Em 3 de janeiro de 1521, com a bula Decet Romanum Pontificem, Martinho Lutero (1481-1546) é excomungado por Leão X. A acusação é de heresia. Reunimos aqui várias contribuições sobre a história e atualidade do pensamento de Lutero, quinhentos anos depois dessa data. Os quinhentos anos da Reforma foram celebrados em todo o mundo com inúmeras iniciativas em 2017: muitos eventos para comemorar as 95 teses que em 31 de outubro de 1517 Lutero afixou no portal da igreja do castelo de Wittenberg, iniciando assim a Reforma. A Federação Luterana Mundial (WLF) e o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPCU) concordaram, inter alia, durante sua reunião anual conjunta realizada em Genebra em janeiro do ano passado, para comemorar conjuntamente o 500º aniversário da excomunhão de Lutero, que ocorreu em 1521. O Secretário Geral da FLM, Martin Junge e o Presidente do PCPCU, Kurt Kochco-presidiu a reunião no FLM Communion Office. “No espírito do compromisso de continuar trabalhando para passar do conflito à comunhão, o evento conjunto se concentrará nos importantes desenvolvimentos ecumênicos dos últimos tempos. Será delineado como o caminho ecumênico das últimas décadas permitiu relacionar um momento doloroso da história com abertura ao dom da unidade, pelo qual luteranos e católicos continuam a rezar e trabalhar”, escrevem os promotores. Para expressar esta abertura ecumênica, será celebrado um serviço litúrgico em 25 de junho de 2021 em Roma, em antecipação ao 500º aniversário da Confissão de Augsburgo, apresentada naquela data, em 1530. Aqui oferecemos um pequeno texto de Lutero, divulgado nas redes sociais nos últimos meses, que pareceu profético para muitos, a respeito da pandemia em curso: “Vou pedir a Deus, por misericórdia, para nos proteger. Depois vou desinfetar com fumaça, para ajudar a purificar o ar, dar remédios e tomá-los. Evitarei lugares e pessoas onde minha presença não seja necessária, para não ser contaminado e não colocar em perigo outras pessoas, para não causar sua morte por negligência minha. Se Deus quiser me levar, certamente me encontrará e terei feito o que Ele esperava de mim, sem ser responsável nem pela minha própria morte nem pela morte dos outros. Se meu vizinho precisar de mim, não evitarei lugares ou pessoas, mas irei livremente como mencionado acima. Veja, é uma fé temente a Deus, porque não é impetuosa nem temerária e não tenta a Deus”. Da Riforma destacamos o artigo de Paulo Ribet no livro “Relendo a Reforma. Estudos sobre a teologia de Lutero”, publicado por Claudiana em 2020. No site da igreja luterana na Itália, vários insights e leituras. Em abril de 1521, o imperador Carlos V convidou Lutero para a Dieta Imperial em Worms para interrogatório. O Eleitor da Saxônia, Frederico, o Sábio, obteve salvo-conduto para Lutero. Quando perguntado se queria revogar seus escritos, Lutero respondeu que não, a menos que eles provassem que ele estava errado com base na Sagrada Escritura e termina seu discurso com as famosas palavras: “Aqui estou. Eu não posso de outra forma. Deus me ajude. Amém". No caminho de volta de Worms, Frederico, o Sábio, salva sua vida, sequestrando-o com um falso assalto e escondendo-o no castelo "Wartburg" sob o nome de Junker Jörg, onde Lutero traduzirá o Novo Testamento do grego para o alemão. Até 1534 traduziu toda a Bíblia, base importante tanto para o luteranismo quanto para a língua alemã. Nos anos seguintes, ele delineou sua posição, enquanto em 1525 se desenvolvia a Revolta dos Camponeses. Leia mais sobre a biografia de Lutero aqui. Aqui a apresentação do livro do professor Paulo rico “De monge a marido” que contém a tradução de dois escritos de Martinho Lutero sobre casamento e vida familiar. ...

Ler artigo
Tempo de criação.  O compromisso de cuidar da “casa comum”

Tempo de criação. O compromisso de cuidar da “casa comum”

foto de Francesco Gallarotti, unsplash Roma (NEV), 26 de agosto de 2021 – OOikosdo grego "casa", mas também "família" no sentido de todas as pessoas que compartilham uma casa comum, no centro da declaração conjunta do Cardeal Ângelo BagnascoPresidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE), e do pároco Christian Krieger, Presidente da Conferência das Igrejas Europeias (CEC), por ocasião do Tempo da Criação 2021. Segue abaixo o texto da nota ecumênica: "Meu senhor, se achei graça aos seus olhos, não passe sem parar por seu servo" (Gn 18, 3). No deserto, estando Abraão sentado à entrada da sua tenda na hora mais quente do dia, mostrou-se acolhedor e generoso, e a partilha de um pouco de água e um pedaço de pão revelou a promessa de Deus diante dele. cheios de fé, compreenderam que a pobreza de espírito consiste em abandonar qualquer pretensão de encontrar soluções para todos os problemas, colocando a esperança em Deus, com humildade e paciência. O sinal bíblico da tenda de Abraão foi escolhido este ano para representar o compromisso de cuidar da "casa comum", de cuidar da criação, em espírito de acolhida e diálogo. A sabedoria desta passagem bíblica ilumina o caminho e o trabalho das Igrejas cristãs na Europa, que querem revigorar o seu compromisso com o cuidado da criação, para poderem renovar ooikos de Deus, como afirma o tema escolhido para a celebração do Tempo da Criação deste ano, para que se torne a casa de todos os filhos de Deus, sem exclusões de nenhum tipo". Aqui está a versão completa da declaração conjunta. O Tempo da Criação é um período litúrgico observado em todo o mundo para refletir, rezar juntos e agir pela proteção da Criação, retomando o calendário do patriarcado ortodoxo que desde 1989 dedica o dia 1º de setembro, início do novo ano litúrgico, para este tema. Para mais informações: online no site da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) o Dossiê da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM), produzido para o Tempo da Criação 2021, contém materiais litúrgicos e insights que as igrejas e pessoas interessadas podem consultar e usar livremente. O título escolhido para 2021 é “Corpos. Vocêsibilante, invisível, comunidade, habitada pelo Espírito". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.