Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Protestantismo e ecumenismo no Sínodo para a Amazônia

Amazônia. Foto de Nadia Angelucci

Roma (NEV), 25 de outubro de 2019 – Pastor presbiteriano da Igreja Presbiteriana Evangélica Reformada do Peru, Pedro Arana Quiroz faz parte da congregação “Pueblo libre” que pertence ao Presbitério Juan Calvino.

Sua participação como delegado fraterno ao Sínodo para a Amazônia nasceu de uma longa e frutífera experiência de trabalho ecumênico que ele mesmo define como “fraterno e respeitoso”.

“Fui diretor geral da Sociedade Bíblica Peruana. Em 2002 a Sociedade foi contatada pela Conferência Episcopal Peruana e durante uma reunião com o bispo Anjo Francisco Simão Piorno, presidente da Comissão de Pastoral Indígena e Catequese Bíblica, iniciou uma colaboração na redação do material para o programa de estudos bíblicos. Assim, começamos a trabalhar juntos e vivenciamos pessoalmente os elementos fundamentais de um caminho ecumênico: um encontro pessoal que nos deu uma amizade fraterna que durou ao longo dos anos e, no estudo conjunto da Bíblia que se seguiu, pesquisa e prática do maior respeito e apresentação honesta de nossas ideias. O detalhe que talvez seja o mais significativo do ponto de vista ecumênico é que, naquela ocasião, me pediram para redigir um texto sobre a doutrina da justificação pela fé e esse texto foi aprovado sem nenhuma observação”.

Como o fator ecumênico entra nas discussões do Sínodo?

O fato de estabelecer um diálogo ecumênico não significa que ignoremos que existem diferenças; estamos tentando ter uma relação fraterna que nos permita discutir também questões críticas. Existem diferenças e semelhanças teológicas entre o catolicismo romano e o protestantismo, e mesmo em nossas semelhanças existem diferenças. Portanto, não devemos nos negar ao diálogo. No entanto, o diálogo deve ser conversa, não negociação, não contratualismo.

Sobre questões especificamente relacionadas à Amazônia, que contribuição as igrejas protestantes estão trazendo para esses Sínodos?

Acho que até agora, neste Sínodo, foi ignorado o trabalho que os grupos evangélicos na Amazônia fazem há mais de oitenta anos. No entanto, pude dar ao papa um livro do Instituto linguístico de Verano (organização pertencente ao Cristianismo Evangélico Protestante, ed.) sobre as populações indígenas da Amazônia peruana. O trabalho do Instituto linguístico de Verano tem raízes muito antigas, estudou as línguas orais locais e deu-lhes uma forma escrita, traduziu o Novo Testamento em várias línguas locais, estudou as culturas locais e as tradições dos povos indígenas . Os protestantes tiveram uma atenção mais marcada e uma atitude respeitosa para com as culturas locais que, através da evangelização, também contribuíram para preservar.

O que, mesmo a nível pessoal, se tira deste Sínodo?

O tema do ecumenismo é-me muito querido, mas só encontra o seu sentido mais elevado num diálogo significativo. E o mais significativo que tive nestes dias foram as breves conversas com o Papa Francisco. Em particular sobre o tema da cidadania e participação na vida social. Eu disse a ele que seria importante que houvesse uma referência à cidadania no documento final. Como posso participar como cristão para transformar a sociedade em que vivo? A resposta está na carta que Paulo escreveu da prisão aos filipenses: “Vivam como cidadãos dignos do Evangelho de Cristo”. Cidadania, humildade e participação é a resposta. E isso para mim é o ponto central do que é chamado no documento de “conversão ecológica”. Um detalhe importante desta passagem do Evangelho é que Paulo escreve da prisão, lugar onde acabou por ter libertado uma escrava que era vidente; isso irrita seus senhores que, privados de uma fonte de renda, o denunciam aos magistrados da cidade. Paolo é preso e detido quando toca no poder econômico.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Estude o movimento pentecostal

Estude o movimento pentecostal

Roma (NEV), 10 de dezembro de 2019 – A conferência "Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências" foi realizada em Battipaglia nos dias 5 e 6 de dezembro, promovida pela Faculdade Pentecostal de Ciências da Religião com o patrocínio da Região da Campânia, a Município de Battipaglia e Federação das Igrejas Pentecostais. Um grande e qualificado grupo de estudiosos que realizaram e realizam pesquisas sobre o mundo pentecostal na Itália; sociólogos, antropólogos, historiadores, teólogos e juristas se debruçaram sobre a complexidade, relevância e incidência do fenômeno pentecostal na Itália. O reitor da Faculdade Pentecostal de Ciências da Religião, professor Carmine Napolitano, destacou a importância deste momento de confronto entre os principais estudiosos da realidade pentecostal na Itália e a intenção dos organizadores de promover um diálogo entre perspectivas acadêmicas leigas, acadêmicas confessionais e perspectivas dentro do mundo pentecostal. A conferência contou com a presença, entre outros Paulo Rico, que destacou a importância que o movimento pentecostal pode ter para todo o mundo cristão; Paulo Naso, que apresentou o relevante fenômeno das igrejas étnicas de origem pentecostal na Itália; e diversas intervenções sobre a especificidade teológica e jurídica dos pentecostais nos diálogos inter-religiosos e nas relações com o Estado (Teresa Francesca Rossi, Henrique Benedito, Ilaria Valenzi, David Romano). O grupo de pesquisa da Faculdade, ao contrário, tirou uma foto do mundo pentecostal italiano, iniciando uma análise frutífera de algumas leituras históricas, sociológicas, teológicas, jurídicas e educacionais; elementos úteis para configurar perspectivas e problemas que nosso pentecostalismo local não pode mais fugir. ...

Ler artigo
Política, rumo às eleições, valdenses: que prevaleça “o bem das cidades”

Política, rumo às eleições, valdenses: que prevaleça “o bem das cidades”

O culto de abertura do Sínodo 2022. Foto de Daniele Vola Torre Pellice (TO), 26 de agosto de 2022 – A um mês das eleições políticas, o Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, reunido em Torre Pellice (Turim), manifesta sua preocupação com a tendência à radicalização entendida como recusa ao diálogo e a demonização do adversário político e hoje aprovou uma moção para expressar uma "oração pelo bem da cidade" (Jeremias 29). O Sínodo não se pronuncia sobre o mérito do voto - segundo a sua tradição secular e respeitando as distintas áreas entre Igreja e Estado - e ao mesmo tempo espera dos eleitores e eleitores, especialmente dos cristãos, que a sua livre escolha na urna nasce de um discernimento responsável. Por fim, os Valdenses, conscientes de que muitos não votam porque não têm cidadania, têm pedido a favor do alargamento do direito à cidadania, conscientes de que as escolhas pessoais também recaem sobre aqueles que (ainda) não têm direito à escolher. AQUI O TEXTO COMPLETO do Ato do Sínodo_elections_text.docx ...

Ler artigo
religiões a serviço da fraternidade e da justiça

religiões a serviço da fraternidade e da justiça

foto Dan DeAlmeida, unsplash.com A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) sobre a encíclica "Fratelli tutti" - Fraternidade e amizade social Um texto que fala do amor fraterno nas relações humanas e no diálogo social baseado na amizade realizada segundo o modelo do samaritano narrado por Lucas 10,25 ss, que se refere à mulher samaritana de João 4 e sua teologia. Um documento de diálogo inter-religioso entre a Santa Sé e o Islã sunita na pessoa de Ahmad Al-Tayyeb(professor de filosofia e teologia e agora imã de uma universidade-mesquita no Cairo), na forma de uma carta pastoral para a humanidade, em virtude da “chamados a encarnar-se em todas as situações e presentes ao longo dos séculos em todos os lugares da terra – isto significa católico” (278) que a Igreja Católica reivindica para si. Um apelo à recuperação da dimensão comunitária da existência, para recompor um 'nós' que habita a casa comum. Seguindo o fio traçado pelos títulos dos parágrafos, vários fatores contribuem para a perda da solidariedade humana, para o “fechamento do mundo”. culturais (colonização, "globalização uniforme", desconstrucionismo, fim da consciência histórica e pensamento crítico) e econômicos (a globalização dos mercados e sua liberdade sem uma rota comum que tem subordinado a política e produzido o 'lixo mundial' feito de pessoas empobrecidas , marginalizados e migrantes, valendo-se do conflito e do medo, da agressividade descarada, da ilusão da comunicação, da informação sem sabedoria, das submissões). Mas também a proliferação de guerras com armas nucleares, químicas e biológicas cada vez mais destrutivas. Proclamando-se auditor terceirizado, a encíclica nos exorta a "pensar e gerar um mundo aberto" aqui e agora partindo do fator comum, a consciência profunda da comunidade das espécies, ou irmandade, uma metáfora que a história bíblica pode dissuadir da ousadia, a ser vivida em forma de amizade social baseada no amor, partindo da verdade “Um novo encontro não significa voltar a um momento anterior aos conflitos. Todos nós mudamos com o tempo. A dor e os contrastes nos transformaram. Além disso, não há mais espaço para diplomacias vazias, para dissimulações, conversa fiada, dissimulações, boas maneiras que escondem a realidade”.(226) O recall é para a África do Sul Desmond Tutu ao qual a referência explícita é reconhecida juntamente com Martin Luther KingO Mahatma Gandhi e o abençoado Charles de Foucauld (286). “Caminhos de um novo encontro” é, de facto, o título de um capítulo dedicado ao artesanato da paz” e por isso a conflitos, lutas legítimas, o perdão, a memória, a guerra à qual toda a legitimidade é retirada. Em seu apelo, o texto recorda alguns fundamentos da modernidade: o Iluminismo (liberdade, igualdade, fraternidade), o universalismo de direitos e o diálogo multilateral ("devemos assegurar o incontestável estado de direito e o recurso incansável à negociação, aos bons ofícios e arbitragem, tal como propõe a Carta das Nações Unidas, uma norma jurídica verdadeiramente fundamental”.[238] Quero destacar que os 75 anos das Nações Unidas e a experiência dos primeiros 20 anos deste milênio mostram que a plena aplicação das normas internacionais é realmente eficaz, e que seu descumprimento é prejudicial”.(257), a Constituição italiana art. 42 (sobre a função social da propriedade). Finalmente e no fechamento a encíclica reivindica não só para a Igreja Católica, mas também para as religiões um papel ao serviço da fraternidade no mundo e da defesa da justiça na sociedade tornar Deus presente para o bem das sociedades que se distanciaram dos valores religiosos, ocupando o espaço público. “Embora a Igreja respeite a autonomia da política, não relega sua missão à esfera privada. […] A Igreja "tem um papel público que não se limita às suas atividades assistenciais ou educativas", mas que se empenha na "promoção do homem e da fraternidade universal" […] “Queremos ser uma Igreja que serve, que sai da sua casa, que sai dos seus templos, das suas sacristias, para acompanhar a vida, sustentar a esperança, ser sinal de unidade […] construir pontes, derrubar muros, semear a reconciliação" (276), deslegitimizando a violência fundamentalista, e no diálogo ecumênico ("peçamos a Deus que fortaleça a unidade na Igreja, unidade enriquecida pelas diversidades que se reconciliam pela ação do Santo Espírita (280) e inter-religiosa (“a Igreja aprecia a ação de Deus nas outras religiões” (277). O tema de como as religiões ocupam a esfera pública é de particular relevância para nós, com referência àquelas igrejas que entram diretamente na arena política, além disso, em apoio a governos que não respeitam a vida e a dignidade das pessoas, nem os ecossistemas e a biodiversidade. No geral, pelo que diz, a mensagem recebe e suscita o juízo crítico por um lado sobre as forças que governam o mundo e, por outro lado, o desejo generalizado na sociedade civil de uma recomposição de assuntos e batalhas por referência ao chamado bem comum. Precisamente a experiência da emergência sanitária poderia ter levado a dar maior ênfase à relação entre justiça econômica e climática, à fraternidade humana como inelutavelmente inserida na comunidade da criação, enquanto apenas algumas passagens são dedicadas a ela sobre a casa comum e sobre agressão econômica e militar. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.