Combate à violência masculina é foco de treinamento para pastores

Combate à violência masculina é foco de treinamento para pastores

Um momento da manifestação nacional contra a violência contra as mulheres, 25 de novembro de 2017, Roma

Roma (NEV), 14 de novembro de 2019 – Violência contra as mulheres? É principalmente sobre os homens. E está no centro da agenda política das igrejas protestantes. O tema foi escolhido como fio comum de um recente seminário que decorreu de 25 a 27 de Outubro passado, promovido pela Comissão Permanente de Formação Pastoral (CPFP) que organiza duas vezes por ano sessões de formação para os ministros das igrejas Baptista, Metodista e Valdense.

Ao final do seminário, os participantes e os representantes da Comissão enviaram uma carta aberta às igrejas batista, metodista e valdense. Nós perguntamos Cristina Arquidiáconapastor da igreja batista de Milão via Jacopino, secretário do departamento de teologia Ucebi, ea Daniele Bouchardpároco das igrejas valdenses de Pisa, Livorno e Rio Marina, coordenador da Comissão de Ministérios e CPFP, as razões desta iniciativa.

“Nos últimos anos – explica o pároco – temos procurado oferecer um seminário voltado, por um lado, para o aspecto do trabalho pessoal de párocos e pastoras, portanto conflita, o tempo de cada um, estar em grupo.
Por outro lado, focamos nos aspectos mais “ministeriais”, disciplinas, liturgias, acompanhamento pastoral.
Neste contexto, isto é, numa ocasião de formação e acompanhamento na pastoral, pareceu-nos importante abordar o tema da violência. Um tema que nos interessa e nos preocupa porque já há algum tempo que refletimos e trabalhamos sobre estes fenómenos. Queríamos ser muito explícitos.”

Uma forma direta e explícita também concretizada pelas palavras escolhidas tanto na carta quanto em geral para abordar essas questões. Ação e representação, ou seja, contraste também do ponto de vista do vocabulário utilizado, “andam juntas, infelizmente a linguagem inclusiva ainda recebe muita resistência. A questão é usar palavras que ajudem a ler a realidade em toda a sua complexidade”. Daí, por exemplo, a escolha de falar não de “violência contra as mulheres” mas de “violência masculina”: “não só porque estatisticamente é perpetrada por homens contra mulheres mas também porque o poder ainda é assimétrico”.

Existe também uma lacuna entre mulheres e homens no mundo das igrejas protestantes?

“Ainda hoje o fato de ter mulheres em cargos de chefia é algo que deve ser mencionado. Não é um fato estabelecido, ainda é uma raridade”, admite Arcidiacono.

Daí a proposta do seminário, dirigido a dirigentes de igrejas e institutos de formação, “para que invistamos na formação sobre o tema da violência masculina, promovamos um caminho que conduza ao reconhecimento da dinâmica da violência e sobretudo possamos falar dela “. Além disso, lemos sempre na missiva dos participantes no seminário e da Comissão do CPFP, “queremos propor que na próxima Assembleia Sinodal [che vedrà riuniti congiuntamente i e le rappresentanti delle chiese battiste, metodiste e valdesi, ndr] deveria ser inserida uma noite sobre o tema da violência masculina”.

“Devemos partir da nossa experiência – prossegue o pároco batista -, até aprender a ler os tipos de violência foi revelador para os participantes da formação que organizamos. É uma questão teológica porque parte da experiência de cada um. Visto que a vida nada mais é do que a própria profissão de fé e ser discípulos e homens e mulheres, é preciso partir de nós. Todas as mulheres já experimentaram alguma forma de discriminação e violência na própria pele. O que consideramos urgente é reconhecer a disparidade de poder existente: e não apenas ‘encobrir’ com piadas”.

Os expoentes protestantes que participaram do seminário, pessoas de diferentes idades e gerações, “quiseram antes de tudo dar a conhecer às suas igrejas o fato de estarem pessoalmente envolvidas. Esta não é uma denúncia de violência masculina só isto mas para expressar a vontade e o compromisso pessoal: quero colocar este problema como um tema transversal”.

Como esse compromisso pode ser realizado e recusado no mundo evangélico?

“Não ter medo de compartilhar nossas experiências pessoais – responde Cristina Arcidiacono -, pois é verdade que também nas igrejas o setor privado às vezes é ‘blindado’. Portanto, devemos tentar construir um terreno onde até as casas possam ser lugares onde somos interpelados e interpelados pela Palavra, entendida como uma palavra que não te julga, mas te interpela”. Palavra e palavras que começam no Antigo Testamento. “A Bíblia fala da violência masculina antes de qualquer movimento social, fala dela como um problema, não como uma vocação, a linha da promessa está em descontinuidade com a violência”.

Assim, o flagelo dos feminicídios, a discriminação cotidiana contra o gênero feminino, o machismo e o machismo ainda vigentes na sociedade italiana questionam as igrejas protestantes sob vários pontos de vista, inclusive o teológico.

“Reconhecemos que o tema da violência masculina é muito importante na vida das pessoas e da sociedade – confirma a pastora Daniele Bouchard – mas também na vida das igrejas e, portanto, no exercício pastoral e diaconal. É importante porque todos os fatos da sociedade afetam as igrejas, portanto devemos poder fazer algo mais do que o pouco que estamos fazendo, mas também porque a violência masculina nos preocupa”.

E quando paramos para refletir sobre essa questão “e nos perguntamos como isso nos afeta, um dos aspectos é buscar as palavras para descrever um problema dessa magnitude. Obviamente, não começamos este trabalho, e agora temos novas expressões à nossa disposição para olhar os fenômenos de uma certa luz”. Também para Bouchard, a partir do seminário mas sobretudo para além do contexto específico, urge compreender como este problema afeta também valdenses, metodistas e batistas. “A violência está na vida das pessoas, que os membros da igreja agem e/ou sofrem, e mesmo que ocorra na família ou em locais não públicos, marca a vida de todas as pessoas. Assim como afeta pessoas de todas as origens, também nos afeta, talvez não na forma de violência física, mas em outras. Na verdade, a violência masculina tem muitos aspectos, ela também atua nas dinâmicas coletivas. A violência verbal contra a mulher infelizmente acontece. Penso em certas formas de defini-los ou ignorá-los, por exemplo”.

Como as igrejas evangélicas podem contribuir no combate à violência masculina?

“Há tantas coisas que podem ser feitas, é um empreendimento de longo prazo, não podemos imaginar resolvê-lo em pouco tempo, pedimos que você comece a reconhecer o fenômeno. A primeira coisa, portanto, é falar sobre isso, nomear o assunto, dizer que a violência masculina existe e explicar o que isso significa. É a premissa para a construção de qualquer outra iniciativa ou caminho, permite que aqueles que sofrem violência entendam que também podem falar sobre esse tema na igreja. Podemos falar sobre isso: vamos começar por aqui”. [BB]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Além do inverno ecumênico.  Entrevista com o Pastor Martin Robra

Além do inverno ecumênico. Entrevista com o Pastor Martin Robra

foto Roma (NEV), 1º de junho de 2018 – “Até alguns anos atrás, costumávamos falar de um 'inverno ecumênico'. No entanto, nosso secretário geral, pastor Olav Fykse Tveit, que vem da Noruega, gosta de dizer que não há nada de errado com o inverno: você só precisa de luvas e roupas que o mantenham aquecido. Mas me parece que com Papa Francisco e suas iniciativas deixem uma nova primavera chegar” assim responde o pároco Martin Robrachefe de relações com a Igreja Católica do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), ad Anthony Spadarodiretor de “La Civiltà Cattolica”, em intensa entrevista publicada ontem. Em 21 de junho, o Papa Francisco visitará pela primeira vez a sede do CMI em Genebra, na Suíça. Pastor Martin Robra e Antonio Spadaro (foto retirada do site CEC/Céline Fossati) “Igrejas ao redor do mundo celebraram juntas a cura das memórias feridas da Reforma. Não esqueçamos quantas guerras alimentou", disse também Robra, quando questionado sobre as metas alcançadas e os desafios futuros do ecumenismo, bem como sobre as questões da cooperação entre as igrejas, o compromisso comum com a justiça, a paz e o salvaguarda da criação, discipulado e o conceito de unidade na diversidade. “No entanto, a realidade ainda é muito fragmentada e marcada pela competição por poder e riqueza. Até agora, as identidades opostas foram sustentadas pelas culturas e, em parte, também pela religião – continua Robra -. Ainda há um longo caminho a percorrer até que possamos vislumbrar um terreno comum global em que culturas e religiões interajam pacificamente: uma realidade, ou seja, profundamente diferente dessa camada muito fina e superficial que nos é proposta pela atual cultura do consumo e pela mídia global que a apoia”. A entrevista, publicada em colaboração entre CEC e Civiltà Cattolica, está disponível em inglês, alemão, espanhol e italiano. O CMI representa 348 igrejas de tradições anglicanas, protestantes e ortodoxas e também inclui várias igrejas pentecostais e africanas independentes. ...

Ler artigo
Reparar os danos irreparáveis

Reparar os danos irreparáveis

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 8 de março de 2023 - “De uma perspectiva restaurativa, todo conflito deve ser enfrentado no campo do pequeno grupo, do grupo institucional, interinstitucional e, finalmente, da comunidade”. Este é um dos nós da “reparação”, entendida como a possibilidade de mudança e transformação pessoal e coletiva, como cuidar, como superar traumas e injustiças sociais. Estas palavras são emprestadas do discurso de Ana Ponentediretor do centro diaconal "La Noce" de Palermo, recentemente palestrante no contexto das jornadas de estudo sobre a reparação organizadas em Nápoles, na Pontifícia Faculdade Teológica do Sul da Itália, pelo Pe. E.Jula, professor de ética e mediação de conflitos. A palestra teve como tema "O campo emocional e a relação transferencial e contratransferencial na mediação: um diálogo possível?". citações de Poente Madeleine e Willy Barangerpsicanalistas franco-argentinos, Melanie Klein Psicanalista britânico naturalizado austríaco, e Jacqueline Morineau, criador da mediação humanística. Uma verdadeira jornada multidisciplinar na resolução de conflitos, mas não só. "Ao passar de uma abordagem terapêutica e de atendimento individual para uma mais social - defende Ponente -, torna-se possível desenvolver um modelo de cidade para lidar com situações de privação social, pobreza, abandono escolar precoce, conflitos, traumas". Todos os atores envolvidos representam a "comunidade reparadora", que "ajuda o outro a recuperar partes de si perdidas, danificadas por traumas e injustiças". Outro elemento fundamental do processo de reparação diz respeito à "capacidade de se preocupar com as consequências, ou melhor, com os efeitos das próprias emoções na relação com os outros". E também a “capacidade de tolerar ambivalências, ódio e amor, bem como acreditar no poder restaurador e reconstrutivo dos laços sociais e afetivos”. A experiência de reparação tem um enorme potencial, explica Ponente, "pois liberta o indivíduo da sensação de dano irreparável, dando esperança às gerações seguintes, acreditando firmemente na possibilidade de enfrentar as marcas deixadas no mundo interno por experiências de relacionamentos rompidos, e com a convicção e a confiança de que permanece sempre o desejo de estabelecer relações nas quais se possa tornar depositário da confiança e estima dos outros. No entanto, vivemos numa época de profundas mutações, mudanças económicas e sociais; uma comunidade que quer se conotar como restauradora e relacional deve, portanto, assumir o desafio de enfrentar a crise dos laços sociais e promover a mudança. Não podemos ignorar que neste momento histórico muitos homens, mulheres e crianças continuam morrendo. Diante do ocorrido em Cutro [l’11 marzo, peraltro, la Federazione delle chiese evangeliche in Italia (FCEI) aderisce e partecipa alla manifestazione nazionale “Fermare la strage” ndr], não podemos deixar de refletir sobre a responsabilidade histórica de nos encontrarmos novamente diante de um enorme trauma social que pode ser irreparável. De fato, vivemos um momento histórico onde o evento traumático e catastrófico tem um valor dramático, pois é determinado pelo ataque do homem ao ser humano. O homem ataca a necessidade fundamental que o identifica como tal, a necessidade de relações, ou melhor, o desejo de relações como primeira satisfação da necessidade de segurança e de apego aos outros e à vida. No trauma perpetrado por humanos, o que é humano também define o inumano. A matriz humana de experiências devastadoras como guerras, genocídios, torturas políticas, abusos físicos e mentais, extermínios, produz consequências no indivíduo, nos grupos, na sociedade e na comunidade. A violência fica impressa na mente e no corpo da pessoa e seus efeitos afetam não só a geração afetada, mas também as seguintes”. O significado profundo e psíquico que as pessoas atribuem ao trauma, conclui Anna Ponente, “é um dos elementos que podem determinar a gravidade do impacto do trauma no indivíduo e no grupo, juntamente com o apoio que a pessoa receberá da comunidade. Devemos lutar contra este processo de desumanização e ao mesmo tempo implementar todos os métodos de reparação e apoio, do indivíduo e da comunidade”. Para ler um trecho da fala de Anna Ponente, clique aqui: O campo emocional e a relação transferência-contratransferência na mediação – de Anna Ponente. ...

Ler artigo
24 de maio Consulta Metodista online

24 de maio Consulta Metodista online

Roma (NEV), 20 de maio de 2020 - Devido à emergência do coronavírus, o Comitê Permanente do Trabalho para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), em abril passado, comunicou a decisão de realizar a habitual Consulta Metodista por meio eletrônico. A Consulta Metodista representa um momento crucial para os Metodistas e acontecerá no domingo, 24 de maio, dia em que se comemora a chamada "conversão" de João Wesley (vá para o CARTÃO). É um importante momento de encontro, reflexão e discussão das várias comunidades metodistas, e de relato da Comissão Permanente sobre o que foi feito durante o corrente ano eclesiástico. Os trabalhos decorrerão a partir da manhã com a análise do relatório da Comissão Permanente e um breve debate. Em seguida, haverá algumas saudações dos representantes institucionais. À tarde, comunicações e, pelas 15h00, culto de “renovação do Pacto”. Os trabalhos da Consulta são reservados a membros de igrejas, conselheiros e efetivos engajados em igrejas metodistas, diretores e membros de comissões, enquanto a consulta é aberta a todos e será possível participar via zoom no seguinte link: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.