“Migrantes e Religiões”, uma conferência ecumênica em Roma de 18 a 20 de novembro

“Migrantes e Religiões”, uma conferência ecumênica em Roma de 18 a 20 de novembro

Roma (NEV), 15 de novembro de 2019 – Uma conferência ecumênica de estudos sobre o tema dos migrantes e das religiões. O Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI) o promove novamente este ano, juntamente com os representantes das Igrejas cristãs na Itália.

O evento acontecerá de segunda-feira, 18, a quarta-feira, 20 de novembro, no hotel Mercure na viale Eroi di Cefalonia, em Roma.

O tema central da iniciativa será para esta edição “migrantes e religiões”: queremos fazer um discurso positivo sobre a imigração – lê-se na apresentação do evento – evitando falsos des e apenas debates negativos, destacando o valor do imigrantes que se encontram em nosso país e também a contribuição que as religiões, em suas diversas expressões, dão para tornar possível a convivência na diversidade”.

Pelo quarto ano consecutivo, o encontro, que contará com a presença de estudiosos e expoentes das diversas denominações cristãs, que inicialmente foi um momento de enfrentamento da CEI, tem caráter ecumênico.

“Migrantes e religiões” será aberto na segunda-feira 18, após saudações de don Juliano Savinadiretor da UNEDI – CEI e a apresentação do Monsenhor Stefano Russosecretário-geral da CEI, a partir de um relatório sobre o tema principal do encontro, com as intervenções de Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope (MH), programa de migrantes e refugiados da FCEI e da Andrew Riccardi, fundador da Comunidade de S. Egídio. Terça-feira 19 será a vez de várias oficinas temáticas: da hospitalidade à prisão, aos direitos, das comunidades à relação entre as mulheres e o mundo religioso. Entre os inúmeros grupos de trabalho, o compromisso do MH será explorado em particular num painel ad hoc, “Construindo a hospitalidade”, no qual participarão como oradores marta bernardinioperadora da Mediterranean Hope, e Daniela Pompeiachefe da Comunidade de Sant’Egidio para serviços aos imigrantes.

“O tema da conferência ecumênica nacional deste ano – comenta Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que falará no momento conclusivo da conferência, quarta-feira, 20, às 12h – é altamente atual: por um lado, será uma questão de reafirmar, como igrejas, nosso sim ao acolhimento imigrantes e, por outro, refletir sobre a urgência do diálogo inter-religioso em uma sociedade que se tornou plural também do ponto de vista das fés”.

Aqui o programa completo do evento: Programma_MigrantieReligioni

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Corpos brancos e corpos negros

Corpos brancos e corpos negros

Noom Peerapong, unsplash De Pedro CiaccioMembro do Conselho da FCEI, Presidente da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” – Giovanni não sabe para qual mulher olhar: a melancólica e deprimida Lídia ou a jovem e cheia de vida Valentina? Vamos falar sobre A noite por Michelangelo Antonioni. A câmera consegue transmitir o charme de ambos. sensualidade de Lídia (Jeanne Moreau) e Valentina (Monica Vitti) está fechada no rosto: nos olhos, na boca, nos cabelos. O dilema de Giovanni (Marcello Mastroianni) é o de uma burguesia hipocritamente casta, que tolera a infidelidade conjugal, mas não a sexualidade vulgar (adjetivo negativo que deriva, não por acaso, do latim Vulgoisto é, pelo povo como uma classe inferior). Antes mesmo de Valentina entrar em cena, Giovanni e Lídia vagam pela noite milanesa e vão a uma boate onde se apresentam uma dançarina e uma dançarina contorcionista: ele de cueca, ela de cueca e sutiã. Ambos são negros: seus corpos estão expostos à câmera. Faz parte do espetáculo uma brincadeira que a mulher joga com uma taça de vinho, que passa entre os pés, pernas, braços, até que o vinho seja bebido pela dançarina de cabeça para baixo, tudo acompanhado por um sax travesso. Enquanto isso acontece no palco, Lídia bebe e compõe sua bebida em um copo comum. Corria o ano de 1961 e talvez agora seja difícil rastrear os nomes das duas dançarinas negras, o que não é relatado nas várias páginas da internet dedicadas a A noite. Quem sabe quem eram, de onde vinham, quanto ganhavam. Quem sabe se eles apareceram em outros filmes. No entanto, seus corpos estavam mais expostos do que os rostos de Moreau e Mastroianni. Hoje não prestamos mais atenção a isso, mas, contorcionismo à parte, nem Moreau, nem Vitti, nem Mastroianni poderiam ter se mostrado assim, pelo menos não antes de dez anos. Qual era a diferença entre Jeanne Moreau e a dançarina anônima? A cor da pele que, no caso de Moreau, coincidia com a do público a quem o filme se destinava. É claro que o corpo branco deve ser tratado com modéstia, enquanto o corpo negro pode ser facilmente exibido: enfim, “eles” não andam nus na África? Mesmo em um grande filme como A noite de um diretor sensível como Antonioni, o corpo negro e anônimo se oferece ao olhar do público branco, está à disposição do olhar branco. Imagine o que poderia acontecer em filmes mais "comerciais". Podemos pensar que isso foi um pecado dos anos sessenta, del estrondoda Itália burguesa que quer ser "Italietta". Mas basta ligar um noticiário hoje para ver, por exemplo, os rostos de crianças pixeladas, que ficam irreconhecíveis, protegidas do olhar do público. Claro, progresso. Mas essas são crianças brancas; e o que acontece com as crianças negras? Os seus rostos e, mais uma vez, os seus corpos são expostos, e muitas vezes por aqueles que trabalham por eles, pelas associações e organizações que trabalham para ajudar e apoiar as pessoas mais desfavorecidas. Quase todas as campanhas de combate à fome na África mostram corpos negros. Eles não têm nome, podem estar desnutridos ou sorridentes e saudáveis, mas o que importa é que são negros. Quem é o destinatário dessas imagens? O olhar branco. Assim como em 1961. Este fim de semana será realizada a primeira edição do Festival de Cinema de Rosarno, uma pequena tentativa de sair dessa dicotomia preto-branco, porque não é uma lei da natureza que as imagens devam ser oferecidas principalmente ao olhar branco. ...

Ler artigo
Semana de oração pela unidade dos cristãos: “Trataram-nos com bondade”

Semana de oração pela unidade dos cristãos: “Trataram-nos com bondade”

O encontro na Golden Gate de Giotto (c. 1303-1305), afresco na Capela Scrovegni em Pádua, escolhido para acompanhar o tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2020 “Eles nos trataram com bondade”. Imagem wikipedia Roma (NEV), 25 de dezembro de 2019 – Em todo o mundo estão se preparando a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que acontecerá de 18 a 25 de janeiro. Tema de 2020: “Eles nos trataram com bondade” (Atos 28, 2). Igrejas evangélicas e protestantes, também na Itália, estarão presentes e ativas em inúmeras iniciativas para este evento ecumênico global promovido conjuntamente pela Comissão de Fé e Constituição do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), que reúne as principais Igrejas Evangélicas, Anglicanas e Ortodoxas denominações do mundo e o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC). O tema deste ano é inspirado na passagem bíblica relativa ao naufrágio do apóstolo Paulo em Malta (Atos 27.18 - 28.10). “Uma história de providência divina e ao mesmo tempo de acolhimento humano: é o que nos propõem as Igrejas cristãs de Malta e Gozo, que preparamos o material para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos deste ano”, lê-se no documento do SPUC . A introdução é assinada pelo presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negropara igrejas protestantes, pelo bispo de Frosinone-Veroli-Ferentino Ambrogio Spreaficopresidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CEI, da Igreja Católica e do Metropolita Gennadiosarcebispo ortodoxo da Itália e Malta e exarca para o sul da Europa do Patriarcado Ecumênico, pela parte ortodoxa. A história de que falamos está relatada no final do livro dos Atos dos Apóstolos e se passa em Malta e no mar tempestuoso que a rodeia. “A hospitalidade – escrevem os cristãos de Malta – é uma virtude altamente necessária na busca da unidade entre os cristãos. […] Nossa própria unidade como cristãos se revelará não apenas na hospitalidade mútua, por mais importante que seja, mas também no encontro amoroso com aqueles que não compartilham nossa língua, nossa cultura e nossa fé”. O documento introdutório refere-se às várias iniciativas das igrejas para o acolhimento dos migrantes, entre as quais o Manifesto de Acolhimento da FCEI e o projeto ecuménico dos corredores humanitários. Para saber mais: Vigílias de oração, celebrações ecumênicas, estudos bíblicos, conferências, reuniões, trocas de púlpitos e outras iniciativas estão previstas durante o SPUC. O material preparatório pode ser baixado do site do Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI) NESTE LINK. No documento, além de propostas litúrgicas e orações, encontram-se datas importantes da história da oração pela unidade dos cristãos de 1740 até os dias atuais, bem como a lista de assuntos do SPUC a partir de 1968. O texto é dirigido a todas as igrejas e comunidades cristãs. As liturgias podem ser integradas com outros textos e as orações da celebração ecumênica, a música e outros materiais propostos podem ser usados ​​para o próprio discernimento ou para inspirar a reflexão e a meditação. O objetivo do SPUC é reunir crentes “que oram em outras partes do mundo para construir uma unidade maior e mais visível da Igreja de Cristo”, como afirma o guia proposto pelo CEC e PCPUC. O SPUC foi instituído em 1908 nos Estados Unidos pela Igreja Episcopal Paul Wattson. ...

Ler artigo
Direitos legais desde a concepção.  Alterar o artigo 1º do Código Civil?

Direitos legais desde a concepção. Alterar o artigo 1º do Código Civil?

Um quadro do vídeo da rede MYA que fotografou o tecido em diferentes estágios da gravidez. Aqui, espero em seis semanas Roma (NEV), 21 de outubro de 2022 – Com a lei nº 165 "Alteração do artigo 1º do Código Civil sobre o reconhecimento da capacidade jurídica do filho concebido" a iniciativa política da recém-formada XIX Legislatura é inaugurada em meio a polêmica. Pedimos ao advogado um comentário do ponto de vista jurídico. Ilaria Valenziconsultor jurídico da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Valenzi disse: “A recém-empossada legislatura abriu com a apresentação de um projeto de lei que causa muita discussão. Trata-se da modificação do artigo 1º do código civil, ou seja, do dispositivo que identifica o momento em que o sujeito adquire capacidade jurídica. Ou seja, adquire a capacidade de ser titular de direitos e deveres. Atualmente esta disposição prevê que o nascimento é o momento em que se adquire a capacidade jurídica e prevê que todos os direitos que a lei reconhece ao concebido sejam subordinados ao evento do nascimento. Por exemplo, o nascituro pode herdar ou receber indenização pelos danos sofridos, mas todos esses direitos estão condicionados à sua própria vinda ao mundo. A modificação proposta vai no sentido diametralmente oposto e propõe antecipar a aquisição da capacidade jurídica para o momento da concepção. A questão certamente não é nova e diz respeito à questão mais ampla de determinar quando a vida humana começa. Nesse sentido, essa proposta de modificação teria um efeito irreprimível porque acabaria equiparando os direitos dos concebidos com os direitos dos já nascidos e entre estes, em particular, com os da mãe. O resultado poderia, portanto, ser que um ato de livre escolha da mulher, como por exemplo o de levar ou não uma gravidez, poderia integrar uma conduta ilícita em relação a um verdadeiro e próprio sujeito de direito, isto é, um verdadeiro e próprio sujeito, um pessoa que tem direito à sua plena integridade física. A batalha pelos direitos do feto voltou a ser central com o ressurgimento do debate em torno da aplicação do direito à interrupção voluntária da gravidez e com a difusão na Itália, como no resto do mundo, de movimentos que propõem um novo paradigma de direitos humanos. Nesse sentido, devemos nos preocupar com a forma como os conflitos que caracterizam o embate entre civilizações passaram do nível das ideias para o nível dos direitos. A recente decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos sobre o aborto é um exemplo disso, mas também o é o projeto de lei que estamos comentando hoje. Fazer dos direitos um campo de batalha nunca é uma vitória e marca um possível retrocesso dos processos democráticos dos Estados. Neste sentido, todos somos chamados e chamados a fazer com que a proteção dos direitos e liberdades fundamentais da pessoa continue a ser assegurada”. Para saber mais: Polêmica no início do mandato, no ranews. No Reino Unido, uma emenda para criar "zonas tampão" (zonas tampão) em torno de clínicas de aborto em todo o país. A emenda torna ilegal interferir "na decisão de qualquer pessoa de acessar, fornecer ou facilitar a prestação de serviços de aborto naquela área" e é punível com até dois anos de prisão. Organizações pró-vida protestaram. Leia em christiantoday. Como é uma gravidez antes de 10 semanas – imagens fornecidas pela rede MYA de médicos e ativistas. A rede nasceu no início da pandemia, quando alguns estados americanos tentaram considerar o aborto uma assistência médica "não essencial". As fotos mostram como o tecido realmente se parece em diferentes pontos nas primeiras nove semanas de gravidez. Leia sobre o guardião. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=ibBjFkLiaGU[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.