Ao Sínodo de bicicleta

Ao Sínodo de bicicleta

Torre Pellice (Turim), 22 de agosto de 2022 – De bicicleta de Turim a Torre Pellice – cerca de 60 quilômetros – para participar da Assembleia-Sínodo. Maria Elena LacquanitiBaptista, coordenadora da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), diz ter feito

“esta escolha porque nos últimos quatro sempre saímos de férias de bicicleta, e também no final da Assembléia-Sínodo partiremos para Gênova e de lá para a Sardenha de bicicleta. Aderimos à ideia deste turismo lento tanto para dar o nosso contributo ao meio ambiente como porque representa uma dimensão diferente do turismo. A bicicleta permite-te penetrar na paisagem em todas as suas características, conhecer os territórios de forma mais profunda, fazer paragens onde quiseres, descobrir também os produtos e gastronomia locais”.

Para Lacquaniti e seu companheiro é a primeira vez sobre duas rodas no Sínodo e em geral no Valli Valdesi. Ambos são delegados da assembléia protestante e pertencem à igreja batista de Civitavecchia.

“Além de andar de bicicleta, gostamos de caminhar: temos feito nos últimos anos também como forma de educação dos nossos netos, para os fazer descobrir ou redescobrir a natureza, bem como uma necessidade e capacidade de convívio que parecia esquecida”, continua o coordenador do GLAM.

E a escolha pessoal reflete um compromisso preciso com a sustentabilidade: “Precisamos rever os parâmetros do turismo de massa e da mobilidade. Vindo de Civitavecchia, por exemplo, estamos bem cientes do impacto do turismo de cruzeiros na taxa de poluição. É preciso refletir e reverter esse modelo baseado no turismo inútil, de atropelamento, que envolve altíssimos danos ao meio ambiente”.

E o que poderia fazer a Assembleia-Sínodo em curso na Torre Pellice? “Experimente uma forma de hospitalidade ainda mais eco-sustentável: todos os delegados de bicicleta!”, comenta ironicamente o expoente do GLAM. Quanto à mensagem a ser dirigida às comunidades protestantes, “poderia questionar as igrejas sobre o turismo, assim como sobre a mobilidade. Precisamos olhar mais de perto as atividades sustentáveis, ter uma visão dos lugares e relações que podem ser divulgados às igrejas, contribuindo para a proteção e promoção dos territórios”.


GLAM e eco-comunidades

A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades “iniciadas”, “em andamento” e “graduadas”, com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes.

“Plantando uma semente”. Inscrições abertas para o 6º encontro nacional da ecocomunidade

Quanto aos próximos compromissos GLAM, estão abertas as inscrições para o 6º encontro de eco comunidades. Organizado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), será realizado em Nápoles de 4 a 6 de novembro.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Somente pela graça, uma perspectiva de unidade

Somente pela graça, uma perspectiva de unidade

Imagem de arquivo retirada de www.lutheranworld.org Roma (NEV), 1º de abril de 2019 – De 26 a 28 de março, a Universidade de Notre Dame (Indiana, EUA) recebeu representantes das cinco famílias cristãs mundiais formalmente associadas à declaração conjunta sobre a Doutrina da Justificação pela Fé (JDDJ) . Inicialmente assinado por luteranos e católicos em 1999, o JDDJ efetivamente resolveu um dos principais conflitos da Reforma e pôs fim às suas respectivas excomunhões. Nos anos seguintes, também reuniu membros do Conselho Metodista Mundial (WMC), da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) e da Comunhão Anglicana, presentes em Indiana, juntamente com os líderes da Igreja Católica Romana e da Federação Luterana Mundial (FLM ). A consulta sublinhou a atualidade da mensagem evangélica de salvação: “somente pela graça, na fé na obra salvífica de Cristo e não por qualquer mérito nosso, somos acolhidos por Deus e recebemos o Espírito Santo, que renova os nossos corações, ele nos chama e nos torna capazes de boas obras”. A intenção é continuar no caminho de uma maior comunhão eclesial e de um testemunho mais visível, também na esteira dos laços mais profundos que se desenvolveram nas últimas duas décadas. Os participantes saudaram o imperativo de Lund, o primeiro de cinco assinados por Papa Francisco e pelo bispo luterano Munib Yunan, presidente da FLM, por ocasião das comemorações dos 500 anos da Reforma, ou seja, aquela que indica partir de uma perspectiva de unidade e não do ponto de vista da divisão. Também foi decidido usar o método de consenso para chegar a acordos sobre crenças comuns, mantendo as diferentes expressões denominacionais. Entre os temas da mesa, o reconhecimento mútuo dos ministérios, a cooperação na pastoral e no campo social, a justiça, os instrumentos catequéticos, o vínculo comum do batismo. Os participantes reconheceram a necessidade de aplicar o Princípio de Lund* de 1952, que exige agir em conjunto em todas as coisas, exceto quando diferenças significativas de crença nos obrigam a agir separadamente. Na consulta, que abriu com uma celebração ecumênica de oração e encerrou com a conferência "Do conflito à comunhão: o futuro dos cristãos juntos no mundo", estiveram presentes, entre outros, Tim Macquibanpároco da igreja de Ponte Sant'Angelo e diretor do Escritório Ecumênico Metodista de Roma (MEOR), representando o WMC. *Princípio de Lund, já declarado pelo Arcebispo de York William Temple, é definido pela comissão de Fé e Constituição em 1952 com estas palavras: "Mais uma vez ficou claro que quanto mais tentamos nos aproximar de Cristo, mais nos aproximamos uns dos outros". Fé e Constituição nasceu em 1910 e em 1948 tornou-se uma comissão teológica do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), incluindo também representantes católicos. @macquibant prazer em representar @WMCouncil em nome de @methodist_rome neste importante evento ecumênico em Notre Dame #JDDJ — Escritório Ecumênico Metodista Roma (@methodist_rome) 1º de abril de 2019 ...

Ler artigo
Oração ecumênica em Bari. Entrevista com Souraya Bechealany, Conselho de Igrejas do Oriente Médio

Oração ecumênica em Bari. Entrevista com Souraya Bechealany, Conselho de Igrejas do Oriente Médio

Souraya Bechealany (créditos: Cynthia Bou Zeid / Conselho de Igrejas do Oriente Médio) Roma (NEV), 6 de julho de 2018 – “A paz esteja com vocês. Cristãos juntos pelo Oriente Médio”, com este lema dezenas de líderes cristãos do Oriente Médio de várias denominações se reunirão amanhã em Bari para um encontro ecumênico de oração promovido por Papa Francisco. Entre os muitos participantes também figuram Souraya Bechealanysecretário-geral do Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), libanês maronita e professor de teologia na Universidade "Saint-Joseph" de Beirute. Esperado em Bari, entre outros, o patriarca ecumênico de Constantinopla Bartolomeu I; o metropolitano Hilarion representando o patriarca russo Kirill; o patriarca ortodoxo grego de Alexandria e toda a África Teodoro II; para o papa das igrejas ortodoxas coptas Tawadros II; o Patriarca Siríaco Ortodoxo de Antioquia Aphrem II; o patriarca caldeu, cardeal Louis Sako; o bispo Sani Ibrahim Azar da Igreja Evangélica Luterana na Jordânia e na Terra Santa. Souraya Bechealany (MECC), falando por ocasião da recente Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) em Novi Sad na Sérvia, sublinhou a importância da relação entre as comunidades cristãs e muçulmanas no Médio Oriente, recordando: "não falem por nós, não pense por nós, não decida por nós. Reflitamos juntos, unidos na Palavra e no testemunho”. Na véspera do encontro em Bari, nós a entrevistamos. Souraya Bechealany, as estatísticas falam por si: o número de cristãos no Oriente Médio vem diminuindo há décadas, especialmente em países em conflito. Como as comunidades cristãs presentes na região vivem esta situação? O medo está vivo nos cristãos, é claro. Um sentimento humano e mais do que fundamentado. Mas esse medo está presente em todas as populações do Oriente Médio. Todos estão expostos à incerteza, opressão, pobreza, perseguição. É por isso que se deve fazer um apelo para que se tomem medidas a nível internacional para salvar o homem, cada homem; e para salvar a sociedade, todas as sociedades do Oriente Médio. Você repetiu várias vezes que, no contexto do Oriente Médio, os cristãos são importantes para os muçulmanos e vice-versa. Você pode explicar melhor essa relação, que parece estar em perigo hoje? A fé cristã tem seu fundamento na comunhão da Santíssima Trindade. É, portanto, fundamentado na unidade da diversidade. Falar da diversidade significa saber acolher o outro como “Outro”, como diferente de mim, e com quem sou chamado a viver em comunhão. Devemos cultivar esta comunhão, esta abertura para e para o Outro, para os outros, para todos os outros. Daí a importância do princípio da alteridade. A presença cristã no Oriente Médio faz parte desse movimento de alteridade e de unidade na diversidade. É importante não só para os cristãos, mas também para os muçulmanos, e diria, para o mundo. Se os cristãos desaparecessem desta região, os primeiros a perder seriam os próprios muçulmanos e depois o mundo inteiro. Porque perderíamos o "vis-à-vis" ancestral com os muçulmanos, com o nosso irmão diferente e muito mais. Teríamos desestabilizado o equilíbrio geopolítico e demográfico da região e, portanto, do mundo; e assim enfraquecido, perder-se-ia o direito à existência de todos os cidadãos desta região. O que você espera deste encontro ecumênico de oração para os cristãos do Oriente Médio amanhã em Bari? A kairosum momento propício "para o Espírito Santo e para a Igreja", onde "juntos escutaremos o que o Espírito diz hoje às Igrejas", e nos deixaremos guiar com ousadia por Ele para alcançar a justiça e a paz. Ela será a única líder feminina desta reunião. Cristã e libanesa, você acredita que as mulheres - de todas as confissões e religiões - têm um papel a desempenhar nessa busca pela paz e pela justiça? Tenho certeza de que não apenas as mulheres podem desempenhar um papel importante na busca da paz e da justiça, mas sei que elas já o são. Com efeito, diria mais: a mulher não só “desempenha” este papel, mas é intrinsecamente um ser de paz, desde que se mantenha fiel a si mesma, ou seja, “viva e que dá a vida”. Qual é o seu maior desejo para o futuro da região? Igualdade e fraternidade entre todos, direito à liberdade religiosa, política e social, à cidadania para todos, à educação e a um maior cuidado com o meio ambiente e a Criação. O Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), fundado em 1974 em Nicósia (Chipre) e atualmente sediado em Beirute (Líbano), visa facilitar a convergência das comunidades cristãs do Oriente Médio sobre temas de interesse comum. ...

Ler artigo
Parlamento das religiões do mundo 2018 no início

Parlamento das religiões do mundo 2018 no início

Roma (NEV), 26 de outubro de 2018 – O Parlamento das Religiões do Mundo realiza-se de 1 a 7 de novembro no Canadá, em Toronto, este ano com o título “A promessa de inclusão, o poder do amor. Rumo à compreensão global, reconciliação e mudança". Milhares de pessoas de 80 países e centenas de tradições religiosas representadas aguardavam para uma semana de conferências, workshops, música, artes, momentos de ritual e oração. Considerado o maior e mais antigo movimento inter-religioso do mundo, o Parlamento das Religiões do Mundo celebra o 125º aniversário do que aconteceu para a Exposição Colombiana de 1893 em Chicago, Estados Unidos e simultaneamente o 25º aniversário da elaboração da histórica "Declaração para a ética” que também aconteceu em Chicago em 1993. O Parlamento compara os líderes das tradições religiosas orientais e ocidentais, com vistas ao entendimento inter-religioso e à cooperação para cultivar a harmonia social, a justiça, a paz e a proteção do meio ambiente. Este ano são 6 áreas temáticas. Mulheres: O Mérito das Mulheres em Todas as Tradições Mundiais de Sabedoria. Contraste com a guerra, o ódio e a violência: paz e amor. Ativismo climático: cuidar do nosso planeta, responsabilidade pelo nosso futuro. Culturas e Povos Indígenas: A Evolução Espiritual da Humanidade e a Cura de Nossa Mãe Terra. Próximas gerações: a jornada inter-religiosa não tem idade, vozes jovens para a mudança. Justiça: Trazendo mudanças concretas para um mundo justo, pacífico e sustentável. Entre os participantes, Elias Brown da Aliança Batista Mundial (BWA), Karen Georgia Thompson da Igreja Unida de Cristo (UCC), Jim Wallispastor evangélico e fundador da revista “Sojourners” e William J Barbeiropastor e ativista da Igreja Cristã Discípulos de Cristo Greenleaf, Carolina do Norte, co-presidente da Campanha dos Pobres, que uniu dezenas de milhares de pessoas nos Estados Unidos contra o racismo e a favor de questões sociais, econômicas e ecológicas. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=QEkbKOYN1H4[/embed] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.