Mensagem por ocasião dos 20 anos da Charta Œcumenica

Mensagem por ocasião dos 20 anos da Charta Œcumenica

Roma (NEV), 20 de abril de 2021 – Abaixo está a mensagem ecumênica por ocasião do 20º aniversário da Carta Ecumênica (22 de abril de 2001 – 22 de abril de 2021), um dos pilares do ecumenismo a nível europeu, que reúne o protestantes, católicos e ortodoxos. O texto é assinado por Policarpo MetropolitanoArcebispo da Itália e Exarca do Sul da Europa (Sagrada Arquidiocese Ortodoxa da Itália); Gualtiero Cardeal Bassetti, Presidente da Conferência Episcopal Italiana; pastor Luca Maria Negro, Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália.

“Há vinte anos as Igrejas cristãs na Europa assinaram a Charta Œcumenica, documento que contém as “Diretrizes para o crescimento da colaboração” entre elas, fruto de um trabalho paciente e sábio iniciado com a primeira Assembleia Ecumênica Européia, realizada em Basel em 1989 Entre a queda dos muros e cortinas que atravessaram a Europa e a dramática ruína das Torres Gémeas, as Igrejas cristãs souberam elaborar juntas um caminho de conhecimento cada vez mais profundo e de convergência para um testemunho comum a dar ao Senhor da história. Eles souberam empenhar-se concretamente em fazer desta colaboração fraterna um sinal credível de uma unidade possível e um anúncio do Evangelho da paz. Um caminho de esperança para todos, oferecido pelos cristãos aos seus irmãos e irmãs na humanidade.

Hoje, vinte anos depois, a Europa e as Igrejas presentes no continente encontram-se no meio de outro desafio de época: a crise económica, as alterações climáticas, os fluxos migratórios e, mais recentemente, a pandemia que assola o mundo inteiro e afeta a Europa no coração de seus valores e princípios de convivência civil e solidariedade humana. A busca da paz, da justiça e da salvaguarda da criação, que as Igrejas na Europa explicitamente assumiram desde a última década do século passado, exprime-se hoje como cuidado das pessoas e das relações, como fraternidade humana e tutela da terra como um bem comum.

Também na Itália, a terra trabalhada com paciência por muitos homens e mulheres, discípulos do único Senhor Jesus Cristo, e a semente lançada há vinte anos pelas Igrejas presentes na Europa com a Charta Œcumenica, transformaram-se num compromisso quotidiano, numa cansativa mas convicta busca de novos e antigos caminhos para tornar possível a “corrida do Evangelho” na história de hoje. Muitos dos compromissos assumidos conjuntamente pelas Igrejas cristãs em 2001 ainda não foram concretizados, mas um caminho preciso de seguimento do Senhor Jesus foi traçado. Nestes vinte anos surgiram Concílios de Igrejas Cristãs em muitas regiões e cidades que colocaram a Charta Œcumenica entre seus fundamentos constitutivos. São sinais alentadores que não devemos e não queremos abandonar, mas acalentar e nutrir, para que sejam fermento de unidade e reconciliação.

Em conformidade com a declaração conjunta da Conferência das Igrejas da Europa e do Conselho das Conferências Episcopais da Europa por ocasião deste aniversário, damos graças ao Senhor pelo que fez entre nós, por nós e apesar de nós, em estes vinte anos, e novamente

COMPROMETEMO-NOS com a colaboração fraterna segundo aquelas Orientações, que se torna cada vez mais um testemunho comum para que os discípulos do Senhor “sejam um e o mundo creia” (Jo 17,21).

Aqui a carta em pdf: Message_CartaEcumenica


Uma declaração europeia conjunta do pastor também foi publicada em 12 de abril. Christian Kriegerpresidente da Conferência das Igrejas da Europa e do cardeal Ângelo Bagnascopresidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa.


Charta Oecumenica. Um desafio para as igrejas

Por ocasião do 10º aniversário da Carta, o jurista valdense Gianni Long, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) no momento da assinatura, assim comentou o documento. “A Carta Ecumênica é um documento que encoraja e desafia as igrejas. Em alguns casos, fruto de compromissos entre diferentes posições, a Carta Ecumênica fez com que as três famílias confessionais cristãs do continente reconhecessem coisas muito importantes. O direito à liberdade religiosa dos indivíduos e de outras confissões. O repúdio ao nacionalismo e ao racismo. O reconhecimento de uma relação especial que liga os cristãos aos judeus. A importância do diálogo com o Islã e outras religiões. Embora a sua aplicação tenha sido desigual nas várias nações europeias, é de grande valor o facto de todos os cristãos do continente terem subscrito estas afirmações”.

Aqui o texto da Carta Ecumênica em italianoem Inglêsem Francês e em Alemão.

Era 22 de abril de 2001 quando, em Estrasburgo, os então presidentes da Conferência das Igrejas da Europa (KEK), o Metropolita Ortodoxo Jeremie, e do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE), o Cardeal Arcebispo de Praga Miloslav Vlk, assinaram o documento indicando as diretrizes do ecumenismo e da cooperação entre as igrejas do velho continente.

Nascida de uma solicitação da II Assembleia Ecuménica Europeia (Graz, 1997), elaborada por uma comissão conjunta KEK-CCEE através de ampla consulta às igrejas europeias, a Carta está dividida em 3 capítulos e 12 pontos que delineiam as áreas de interesse comum base para o diálogo e colaboração em todos os níveis da vida da igreja, delineando as principais responsabilidades ecumênicas. O primeiro capítulo, que confessa a Igreja “una, santa, católica e apostólica”, enuncia o compromisso de buscar uma compreensão comum da mensagem de Cristo e a unidade visível de sua Igreja. O segundo capítulo é dedicado à “comunhão visível” das Igrejas na Europa, com os compromissos de proclamar juntos o Evangelho da salvação, trabalhar juntos na diaconia, proteger as minorias, rezar juntos, continuar o diálogo também em questões éticas controverso. O terceiro capítulo trata da responsabilidade das Igrejas na construção da Europa, na reconciliação dos povos e das culturas. Por fim, o texto retoma o tema da salvaguarda da Criação, já destacado pelas assembléias de Basel e Graz, e então fecha com três breves parágrafos sobre o aprofundamento da relação com os judeus, com os muçulmanos e com outras religiões e visões de mundo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Conselho para as relações com o Islã, um novo começo

Conselho para as relações com o Islã, um novo começo

foto por Utsman Media, unsplash Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 – O Conselho para as relações com o Islã está de volta em movimento. Conforme refere uma nota do Ministério do Interior datada de 2 de Dezembro, "Com efeito, foram identificados os membros do órgão chamados a exercer funções consultivas para o aprofundamento de questões relacionadas com a integração e o exercício da função civil direitos daqueles que professam a fé islâmica na Itália". Entre os membros do conselho, órgão consultivo do ministério para desenvolver as relações com o Islã italiano, estão personalidades do mundo da cultura, professores e especialistas de várias disciplinas e religiões, incluindo a Valdense Paulo Nasoprofessor de ciência política na Sapienza e coordenador do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da FCEI. Reunião do Conselho para as Relações com o Islã Italiano, por videoconferência, no dia 19 de novembro (Foto do site do Ministério do Interior). “Na última fase do Conselho para as relações com o Islão - explica Paolo Naso -, iniciada em 2015, o resultado mais importante foi a assinatura de um acordo, em 2017 (Naso era então coordenador do Conselho, ed.), com o Islã italiano, assinado por todas as principais associações islâmicas da Itália. Um resultado importante, concebido e orientado para um entendimento com o Islã italiano, de acordo com o artigo 8 da Constituição”. Por que isso é tão importante? “Como se sabe, há mais de dois milhões de muçulmanos na Itália. Constituem assim uma presença numericamente e não só muito significativa no panorama cultural, social e religioso nacional. No entanto, por várias razões, esta comunidade de fé ainda não teve o devido reconhecimento legal". Portanto, entre os principais objetivos deste conselho “está, portanto, o de iniciar, facilitar e acompanhar as comunidades islâmicas em um processo de reconhecimento legal no âmbito das normas vigentes e do ordenamento jurídico italiano”. O conselho presidido pelo ministro ou por um subsecretário delegado passa a ter a seguinte composição: Francisco Alcinoprofessor de direito eclesiástico no Lum “Jean Monnet” de Casamassima (Ba), Stefano Allieviprofessor de sociologia da Universidade de Pádua, Pasquale Annicchinopesquisador do Cambridge Institute on Religion & International Affairs, Rosaria Maria Domianelloprofessor de direito eclesiástico na Universidade de Messina, Alexandre Ferrari, professor de direito eclesiástico na Universidade de Insubria (Varese), Maria Chiara Giordaprofessor de história das religiões na Universidade "Roma Tre" (Roma), Shahrzad Houshmand Zadecprofessor de estudos islâmicos na Pontifícia Universidade Gregoriana e na Pontifícia Faculdade Teológica "Marianum (Roma), Paolo Naso, professor de ciência política e coordenador do mestrado em religiões e mediação cultural na Universidade La Sapienza de Roma, Vincent Paceprofessor de sociologia da Universidade de Pádua, Younis Tawfikprofessor de língua e literatura árabe na Universidade de Gênova e escritor, Francesco Zanniniprofessor de língua e cultura árabe na Lumsa (Roma), Ida Zilio Grandiprofessor de língua e literatura árabe na Universidade “Ca' Foscari” (Veneza). Para além deste caminho mais estritamente jurídico, “outros também se vão abrindo – prossegue Naso – . A referência é à validade de algumas experiências de anos anteriores. Como o curso de formação de ministros de religião, não só muçulmanos, mas de diferentes comunidades de fé. Ou ainda uma prática de encontro com jovens de segunda geração, uma novidade muito importante também dentro da comunidade islâmica, porque nascidos e educados na Itália, eles expressam assim uma sensibilidade específica, que merece ser valorizada”. Finalmente, com base no que está acontecendo na Europa, "é importante promover programas e políticas para combater a radicalização: mesmo que na Itália não tenham sido registrados os eventos dramáticos de violência gravíssima ocorridos em outros países, ainda é necessário não baixar a guarda e envolver em primeiro lugar a comunidade e as associações islâmicas, para que se protejam a si próprias e à comunidade nacional que as rodeia do pernicioso e destruidor "vírus" da radicalização religiosa". Quanto à contribuição de Paolo Naso aos trabalhos do Concílio, "dada a minha biografia, a minha perspectiva pessoal - conclui - é a de contribuir para o pleno reconhecimento, não só jurídico, mas também social e cultural, do pluralismo religioso na Itália, do qual O Islã é uma carta decididamente importante”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Recepção de ucranianos, delegação de igrejas polonesas em visita a Roma

Recepção de ucranianos, delegação de igrejas polonesas em visita a Roma

Rev. Marek Izdebski (Igreja Episcopal Reformada na Polônia), Rev. Semko Koroza (Igreja Reformada em Lodz), Rev. Tomasz Pieczko, com Daniele Garrone e Marta Bernardini Roma (NEV), 28 de abril de 2022 – A colaboração entre a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e as igrejas protestantes polonesas continua para ajudar a população que foge da guerra na Ucrânia. Anteontem uma delegação composta por três párocos de Lodz, Semko Koroza (Igreja Reformada de Lodz), Marek Izdebski (Bispo da Igreja Reformada na Polônia) e Tomasz Pieczko (igreja reformada), reuniram-se, na sede da FCEI na via Firenze, marta bernardinicoordenadora da Mediterranean Hope e presidente da FCEI Daniele Garrone. Objetivo: fazer um balanço do que foi feito até agora e sobretudo, planejar, na medida do possível, as próximas intervenções. Rev. Marek Izdebski (Igreja Episcopal Reformada na Polônia), Rev. Semko Koroza (Igreja Reformada em Lodz), Rev. Tomasz Pieczko, com Daniele Garrone e Marta Bernardini Nas próximas semanas, mais atualizações sobre as atividades que os protestantes italianos irão organizar na Polônia, para ajudar mulheres, crianças e homens que fugiram do conflito em curso na Ucrânia. ...

Ler artigo
Réquiem para a Geleira Zugspitze

Réquiem para a Geleira Zugspitze

Roma (NEV/Riforma.it), 24 de julho de 2023 – Com um réquiem ecumênico pela geleira Zugspitze, a montanha mais alta da Alemanha, as duas principais igrejas alemãs, a Evangélica Luterana e a Católica, querem chamar a atenção para as consequências do das Alterações Climáticas. A cerimônia de réquiem para a "geleira moribunda" acontecerá amanhã, 25 de julho, às 12h, na capela da Zugspitzplatt, que faz parte da área de esqui Garmisch-Panterkirchen. O anúncio foi feito pela Arquidiocese de Munique e Freising e pela Igreja Evangélica Luterana da Baviera. A Capela da Visitação da Bem-Aventurada Virgem Maria, consagrada pelo então cardeal Joseph Ratzinger em 11 de outubro de 1981 em uma tempestade de neve a uma altitude de cerca de 2.700 metros, é o local de culto mais alto da Alemanha. Com o lema “Elevo os meus olhos para os montes. De onde vem o meu socorro?”, retirado do Salmo 121, vamos rezar pela geleira, por toda a natureza e pelo futuro dos habitats. Além de lamentar a geleira "moribunda", especialistas da estação de pesquisa ambiental de Schneefernerhaus fornecerão informações sobre a situação. O Diretor Musical do Decanato Evangélico Luterano de Weilheim, Wilko Ossoba-Lochner, ele compôs um réquiem de montanha especialmente para a ocasião. A 'Elegia ao Fim do Gelo Eterno' será estreada durante o réquiem. A solenidade será celebrada pelo pároco Uli Wilhelm da paróquia protestante de Garmisch-Partenkirchen e o conselheiro pastoral católico Florian Hammerl da Terra Werdenfelser da Alta Baviera. O Schneeferner do sul, como é chamada a geleira no Zugspitze, perdeu seu status de geleira no ano passado. Na esteira das mudanças climáticas, as coisas também não parecem boas para as outras quatro geleiras alemãs, a Nördlicher Schneeferner, que é a segunda geleira do Zugspitze, a Höllentalferner nas montanhas Wetterstein, a Watzmanngletscher e a Blaueisgletscher nos Alpes Berchtesgaden. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.