Roma Pride 2023, igrejas protestantes em marcha

Roma Pride 2023, igrejas protestantes em marcha

Raphael Renter, unsplash

Roma (NEV), 8 de junho de 2023 – Roma Pride 2023, as igrejas protestantes também, como sempre, em procissão “pela liberdade e autodeterminação”. A Rede Evangélica de Fé e Homossexualidade (REFO) marca para sábado, 10 de junho, um desfile junto com a manifestação, reunida na igreja metodista na via Firenze 38, às 15h, em Roma.

“Dar testemunho ativo e visível de que a mensagem evangélica nos chama à liberdade e nada tem a ver com a exploração do direito”, lê-se na publicação divulgada no canal de instagram da REFO.


Todas as informações sobre o Orgulho de Roma aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

OPM valdense, hotelaria, cultura e saúde no topo da lista de projetos

OPM valdense, hotelaria, cultura e saúde no topo da lista de projetos

foto de Alexei Scutari, unsplash Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 – Inclusão e acolhimento de migrantes, cultura e proteção da saúde são as três vertentes mais populares nos projetos financiados pelo Otto per mill Valdensian and Methodist (OPM). A cifra surge da leitura dos números relativos ao ano passado. De fato, o Tavola Valdese publicou ontem o relatório sobre os usos de 2019 do 8×1000 valdenses e metodistas. Um total de 27.524.948 euros foram alocados na Itália – 62% do valor total -, 14.463.063 no exterior. Os custos de gestão, comunicação e pessoal são reduzidos: pouco mais de 5%, 2.249.618 euros. Tudo isso - vale lembrar - em total transparência. Até o último euro que os valdenses decidem dar é um fato público, em suma. “O número de projetos financiados – declara Manuela Vinay, responsável pelo OPM – reflete o número de solicitações recebidas. Em média, apenas 1 em cada 4 solicitações é aceita e se torna um projeto 8xmille. A comissão geralmente recompensa os projetos mais convincentes. Em 2019, o maior número de fundos destinou-se ao acolhimento e inclusão de migrantes (mais de 18%), sobretudo a projetos de inclusão”. Um tema, o dos migrantes, que a olho nu terá um peso específico menor no próximo ano, quando os pedidos sofrerão forçosamente o impacto da pandemia. “Em 2020 – acrescenta Vinay a este respeito – recebemos uma queda significativa nos pedidos de financiamento nesta matéria e de facto o número de projetos financiados diminuiu na mesma proporção”. Mas a OPM valdense e metodista tem um critério que vai além dos pedidos, pode-se dizer mais meritocrático. “Recompensamos os projetos mais convincentes sem perseguir nenhum tema específico”, esclarece o gerente. Após a inclusão e aceitação, “entre as categorias predominantes em termos de recursos alocados está a deficiência física e mental. Nesta questão específica existem muitas realidades que funcionam muito bem e refletem uma necessidade real muito forte. Neste contexto, o tema “depois de nós” é o mais sentido.Outra categoria financiada com quase 16% é a cultura. Alimentar a mente significa oferecer ferramentas e estímulos para pessoas melhores que possam contribuir com a sociedade.Na frente externa, em 2019 alocamos menos recursos do que havíamos suposto inicialmente porque não recebemos pedidos suficientes que atendessem aos requisitos da comissão responsável”. A próxima chamada: todos os prazos Entretanto, deu-se início ao processo do concurso de 2021, ou seja, das contribuições que serão feitas em 2021. Na próxima quinta-feira, dia 10 de dezembro, serão publicadas as FAQs no site do OPM, perguntas frequentesou seja, as perguntas mais recorrentes, para associações, organizações, ONGs. “Espero um aumento no número de solicitações – conclui Vinay – porque o terceiro setor dá principalmente respostas concretas sobre o território. E a pandemia aumentou muito as demandas e necessidades das pessoas, principalmente das mais vulneráveis. Por isso, ainda mais, sentimos a responsabilidade de ser um ponto de referência para as organizações sem fins lucrativos e, através destas realidades, para os grupos mais fracos”. Última informação importante para as realidades que desejam participar e, portanto, solicitar a ajuda dos fundos valdenses Otto per mille: a chamada de 2021 estará aberta de 4 a 25 de janeiro de 2021. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Mirly, a 31ª edição do encontro sobre questões laborais

Mirly, a 31ª edição do encontro sobre questões laborais

Roma (NEV), 4 de fevereiro de 2021 – A XXXI edição do "Rencontre de Mirly", o encontro anual da Missão para a indústria das igrejas reformadas e luteranas na região de Lyon, foi realizada online. Ele fala sobre isso neste artigo Francesca Evangelistaque participou do encontro como membro da Comissão FCEI GLAM (Globalização e Meio Ambiente). “Quando no ano passado, no banlieue de Lyon, apertando a mão de Denis Costilorganizador do Rencontre di Mirly, me despedi com a promessa de me encontrar novamente "l'année prochaine”, Nunca imaginei que cumpriria minha palavra permanecendo confortavelmente sentado em meu sofá em Roma. Pois é, depois de 30 anos de encontros, pela primeira vez Mirly marcou uma consulta no Zoom, provando que não se deixará abater nem por uma pandemia global; por outro lado, foram muitas as dificuldades que enfrentou ao longo de sua história e que temperaram sua alma forte. Mirly é a sigla de “Mission in l'industrie de la Région Lyonnaise” (Missão na Indústria da Região de Lyon), nascida em 1984 no distrito Duchère de Lyon por vontade das Igrejas Protestantes de Lyon (Reformadas e Luteranas), nas instalações da Mission Populaire (Missão do Povo, uma Igreja Protestante Francesa instituição de ensino e ajuda popular). Há 25 anos, Mirly oferece um curso de formação profissional para aprendizes de carpinteiro, com o objetivo de conter o grande desemprego que atingiu a França na década de 1980. Desde 2016, devido à crescente falta de fundos, o curso foi confiado à missão diocesana. Paralelamente ao curso para carpinteiros, em 1987 Mirly abriu uma filial para a luta contra o desemprego e a procura de trabalho no V arrondissement de Lyon, que ainda hoje está ativa. O primeiro nasceu em 1990 Reunião de Mirly: uma reunião anual, no último final de semana de janeiro, para discutir, explorar e discutir o tema do trabalho. Cerca de 60-90 pessoas de diferentes partes da França e da Suíça francófona, cristãos (principalmente protestantes, mas também católicos), se reúnem por dois dias no Centro Protestante de Oullins (subúrbios ao sul de Lyon) para discutir juntos a sempre presente tema de trabalho. A 31ª edição do la Rencontre decorreu nos dias 30 e 31 de janeiro de 2021, a primeira em modo virtual. Um olhar sobre os acontecimentos atuais é inevitável: como a covid-19 está afetando o mundo do trabalho? Parte inesperada da resposta dada por Dennis Maillard, filósofo político e autor de inúmeros ensaios, que destacou como o mundo está se dando conta de um grande número de trabalhadores "invisíveis, mas indispensáveis" (título de seu novo livro a ser lançado em 4 de fevereiro) como, por exemplo: entregadores, os que trabalham na logística, caixas, funcionários da manutenção, pessoal da limpeza, enfermeiros que já foram promovidos a heróis e muitos outros. “Neste período de quarentena”, disse Maillard, “finalmente percebemos que nossa vida cotidiana é facilitada por tantos desses invisíveis, antes os olhávamos sem perceber, enquanto agora finalmente os vemos e os valorizamos”. Devemos trabalhar duro para garantir que isso não diminua quando a pandemia terminar. A intervenção de foi no mesmo sentido Dominique Bolliet, professor universitário e prefeito do 4º arrondissement de Lyon, que destacou como "vivemos em um mundo onde as profissões mais úteis não gozam de nenhum reconhecimento social". Os empregados aceitam a chantagem pela qual se submetem ao empregador em troca de dinheiro, o que os priva de qualquer possibilidade de encontrar um emprego que corresponda às suas expectativas. O trabalho torna-se assim uma mercadoria e não mais uma vocação. Há uma forte necessidade de uma nova disciplina jurídica do trabalho que permita o envolvimento e valorização do indivíduo em suas atividades laborais, que restitua dignidade a TODO tipo de trabalho, que leve em conta a emergência climática e ambiental. Hubert Menet trouxe testemunho prático com o experimento”Territoires zero chômeurs” (Zero Territórios desempregados) que já envolveu cerca de sessenta pequenas realidades francesas entre 5 e 10 mil habitantes. O projeto visa empregar todos os desempregados de forma permanente. As seleções de pessoal são proibidas, o treinamento e a escuta são favorecidos. Parte da análise das necessidades locais e dos seus recursos, para depois procurar uma resposta envolvendo os desempregados desde a fase de planeamento. Assim, cria-se uma consciência social coletiva que leva ao trabalho em equipe e toca em temas antes pouco considerados, como atenção ao meio ambiente e reciclagem (novos empregos). Na conclusão do Rencontre, o pároco da Igreja Protestante Unida da França Françoise Mesi ele relembrou o processo criativo de Deus em Gênesis 1, enfatizando que o trabalho nos foi ensinado por ele, mas que também é necessário um tempo de descanso e adoração: o sétimo dia. Nomeação no final de janeiro de 2022, com a esperança de vê-los novamente em Lyon". ...

Ler artigo
Contra o Ódio e o Antissemitismo, um compêndio da FCEI

Contra o Ódio e o Antissemitismo, um compêndio da FCEI

Foto T. Chick McClure @tchickmcclure de unsplash.com Roma (NEV), 13 de fevereiro de 2020 - Uma espécie de "manual do usuário" da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) sobre a luta contra o antissemitismo e a deriva do ódio, temas centrais da Semana da Liberdade 2020. “Nossa história de minorias discriminadas e às vezes perseguidas nos compromete a estarmos vigilantes contra todas as palavras de ódio, difamação e preconceito”, diz a primeira página do livreto “Contra o anti-semitismo e a deriva do ódio”. Assim, por ocasião dos dias em que se comemora o aniversário da concessão, em 1848, dos direitos de cidadania aos valdenses (e aos judeus no mesmo ano), a FCEI recorda o valor da memória, porque "lembrar significa tropeçando". "Como cristãos, devemos tropeçar - lemos precisamente no texto "marcado" FCEI - no fato de que a inimizade contra os judeus, ideológica antes mesmo de ser "praticada", foi alimentada no seio do discurso cristão e fez parte da bagagem "normal" do "qualquer" cristão. É uma história trágica, da qual tomamos conhecimento nas mortes que se seguiram à Shoah, iniciando uma revisão crítica do nosso passado e buscando uma nova compreensão do judaísmo e uma nova relação com o povo judeu”. Portanto, para melhor compreender o conceito de antissemitismo, o compêndio propõe três documentos, de diferentes fontes, úteis para esclarecer os termos da questão: a definição de antissemitismo pela International Holocaust Remembrance Alliance (IHRA); o apelo de Beauveau, declaração conjunta de várias denominações cristãs, religiões e organizações de humanidades de 19 de fevereiro de 2019; um documento das igrejas alemãs (a Igreja Evangélica na Alemanha, EKD, a União das Igrejas Evangélicas UEK e a Igreja Evangélica-Luterana Unida da Alemanha VELKD, para ser mais preciso) intitulado "Projeções Perigosas", dedicado a duas áreas de preconceito: o esfera econômica e a relação entre anti-semitismo, sionismo e o Estado de Israel. Tantas fontes e recursos diversos, enfim, para se informar e se educar, porque o conhecimento é o único antídoto possível contra o racismo e porque, "depois do nazismo e do fascismo, todos nós deveríamos ter entendido aonde levam essas palavras (de ódio, ed) e que, no final, oprimem a todos.” Aqui fica o texto para descarregar, imprimir (com moderação, ou apenas em papel reciclado) e partilhar: Opuscolo_SettimanadellaLibertà_2020. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.