Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências

Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências

Foto James Barr / Unsplash

Roma (NEV), 3 de dezembro de 2019 – A conferência de dois dias intitulada “Pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências”, promovida pela Faculdade Pentecostal de Estudos Religiosos, começa na quinta-feira, 5 de dezembro, em Battipaglia (Salerno). A Agência NEV entrevistou o pastor carmim napolitanoDecano da Faculdade e Presidente da Federação das Igrejas Pentecostais (FCP).

Como nasceu esta conferência e quais são os seus objetivos?

A conferência insere-se no interesse da Faculdade Pentecostal, que desde a sua criação tem promovido o estudo do mundo pentecostal tanto numa perspectiva confessional como numa perspectiva de investigação académica. Em 2008, por exemplo, por ocasião do primeiro centenário da presença pentecostal na Itália; e depois em 2015, ano em que nos concentramos no movimento pentecostal da Campânia, onde a presença é mais significativa. Ainda em 2015, 80 anos depois da circular Buffarini-Guidi contra os pentecostais, refletimos sobre aquele gravíssimo ato de intolerância religiosa que atingiu este movimento eclesial durante o fascismo.

Esta conferência foi criada para fazer um balanço da situação dos estudos sobre o movimento pentecostal. Paralelamente ao nosso interesse, outras universidades e instituições acadêmicas, religiosas ou não, também têm feito análises e pesquisas sobre os pentecostais, ora se cruzando conosco, ora de forma independente. A conferência de estudo que propusemos visa, portanto, reunir todos aqueles que estão envolvidos neste tema na Itália. Iremos nos comparar segundo perspectivas internas e externas, também em nível internacional, para uma leitura atenta e proativa do pentecostalismo, que é considerado um fenômeno religioso significativo em todo o mundo

Qual é o número de pentecostais na Itália?

Além da Federação das igrejas pentecostais, existem as Assembléias de Deus e um componente substancial de igrejas independentes que elevam o número de pentecostais italianos, segundo as estatísticas, para cerca de 300.000 pessoas. A estas deve-se acrescentar a linha de igrejas pentecostais nascidas após os fenômenos migratórios, que se estima reunir mais de 100.000 pessoas na Itália. O total representa um número significativo, mesmo em comparação com outros países europeus.

Existe homogeneidade no pentecostalismo italiano?

Há uma certa homogeneidade nas redes que conectam as diferentes áreas do movimento. As várias denominações reúnem temas que apresentam particularidades diversificadas sobretudo no que diz respeito às modalidades litúrgicas ou características doutrinárias menos relevantes. Do ponto de vista da estrutura jurídica e da organização interna as igrejas do FCP são bastante próximas. As igrejas de origem migrante são caracterizadas por elementos culturais específicos que afetam a prática pastoral e a interpretação teológica. É também por isso que não estamos falando de uma igreja pentecostal, mas de um movimento, para identificar uma denominação caracterizada por um determinado tipo de espiritualidade, independentemente de origem ou distribuição geográfica.

Quais são as relações com as outras igrejas protestantes e evangélicas italianas?

O FCP mantém estreitas relações de amizade e colaboração, desde a sua criação, com a Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI), da qual é membro observador. Atualmente ocupa a vice-presidência da Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS), na qual está envolvida há vários anos. Também mantivemos diálogos teológicos com as igrejas valdenses, metodistas, batistas e adventistas.


Entre os palestrantes da conferência “Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências”, estão acadêmicos e especialistas, incluindo Paulo Naso da Universidade de Roma La Sapienza, o teólogo valdense Paulo ricoo pastor David Romanodiretor do Instituto Adventista de Cultura Bíblica (IACB) “Villa Aurora” e Ilaria Valenziassessor jurídico da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), para o Centro Studi Confronti – Fondazione Kessler.

Os trabalhos serão abertos na câmara municipal do município de Battipaglia no dia 5 de dezembro às 15h (Piazza Aldo Moro) e continuarão no dia 6 no centro de congressos do hotel San Luca (SS 18 Tirrena Inferiore, n.18). A conferência contou com o patrocínio da Região da Campânia e do Município de Battipaglia, bem como do FCP.

Para mais informações: www.fcpitalia.org

Descarregue aqui o folheto


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

17 de fevereiro.  “Partido da Liberdade de Todos”

17 de fevereiro. “Partido da Liberdade de Todos”

Roma (NEV CS/05), 17 de fevereiro de 2020 - "Para os protestantes italianos, este é o Dia da Liberdade: não apenas a nossa liberdade, mas a de todos". Estas são as palavras de Luca Maria Negro, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) no dia em que celebramos o 172º aniversário das Cartas-Patente com as quais o Rei da Sardenha, Carlo Alberto, concedeu direitos civis aos seus Sujeitos protestantes, os valdenses. No mês seguinte, ele também os concedeu aos judeus. E os evangélicos italianos dedicam este ano a Semana da Liberdade (por volta de 17 de fevereiro) ao tema do antissemitismo. A Mole Antonelliana, em Turim, iluminada para 17 de fevereiro “Um fenômeno que se reacende perigosamente na Itália, na Europa e no mundo – continuou Negro -. Os dados são alarmantes: os atos de ódio contra os judeus estão aumentando, começando com ataques verbais, especialmente online, profanação de cemitérios e lápides, pedras de tropeço arrancadas, casas marcadas com escritos difamatórios”. A FCEI preparou um compêndio para esta Semana da Liberdade, Contra o anti-semitismo e a cultura do ódio, como ferramenta de reflexão e análise para as igrejas federadas. “A Federação propõe partir das pedras de tropeço porque elas nos permitem recordar – sublinhou o Presidente Negro -. Eles nos fazem tropeçar em nome das vítimas, na trágica história da Shoah, em discursos cheios de preconceitos antissemitas”. O presidente da FCEI lembrou também que como cristãos devemos tropeçar no fato de que a inimizade contra os judeus, ideológica antes mesmo de praticada, foi alimentada no seio do cristianismo e que fez parte da bagagem 'normal' de ' qualquer 'cristão. “A tarefa de reconhecer e eliminar visões antijudaicas é ecumênica. Esperamos que os cristãos das várias confissões também na Itália se unam para denunciar o anti-semitismo e dialogar com os judeus, nossos irmãos mais velhos na fé” concluiu Negro. ...

Ler artigo
Sínodo Luterano.  Bludau: “A Igreja é uma comunidade viva”

Sínodo Luterano. Bludau: “A Igreja é uma comunidade viva”

Roma (NEV/CELI), 1º de outubro de 2020 – A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), às vésperas da primeira sessão do XXIII Sínodo prevista para 9 a 11 de outubro de 2020, publica uma entrevista com o reitor Heiner Bludau. Um sínodo em formato reduzido, escrevem os luteranos, mas “exatamente por isso, um sinal forte nestes tempos difíceis da pandemia: nos reencontramos. Decidimos juntos". Cerca de 50 membros sinodais confirmaram sua participação. No centro, como também diz o título, "Escolha = Wählen": as eleições do presidium sinodal e dos leigos do consistório, mas também um olhar para o futuro. As obras serão realizadas respeitando as normas anti-covid. “A segurança dos participantes está garantida” asseguram os organizadores. Distância, máscara, ventilação regular das instalações. Relatamos a seguir a entrevista com Dean Heiner Bludau editada por Nicole Steiner. Sínodo digital ou presencial. Uma decisão difícil? Na verdade, não foi uma decisão fácil e difícil. No final, o fator decisivo foi a vontade de participar dos sinodais. Um sínodo que será completamente diferente dos anteriores… Exato. Contará com uma agenda mais do que concentrada e muitas medidas de segurança anti-Covid rigorosas. Não haverá espaço para muitas das coisas que gostaríamos de discutir e decidir. O tempo disponível é muito limitado. Temos prazos a cumprir, a aprovação dos trabalhos do Consistório, a eleição do novo Presidium e dos leigos do Consistório. Será um sínodo entre nós, novamente por questões de segurança tivemos que abrir mão de contribuições externas com o objetivo de reduzir os tempos ao mínimo. Mas o que importa é que nos encontraremos. E estou feliz com isso. Por isso todos devemos ser gratos. Para mim, pessoalmente, este “Nos encontramos de novo!” é um sinal muito importante porque para mim ser igreja não é só anunciar a boa nova, a igreja vive em comunidade, a igreja é uma comunidade viva. A pandemia de Covid marcou fortemente o último ano da(s) igreja(s). E ainda não conseguimos ver o fim disso. A experiência da Covid, por outro lado, colocou muitas coisas em movimento… No Sínodo somos chamados a traçar o caminho para os próximos anos, temos que decidir o que levar adiante, como seguir adiante. Como lidar com as restrições ainda em vigor e prever como reagir a novas medidas. No último Sínodo, foi estabelecida uma comissão digital. A pandemia necessariamente antecipou muitas coisas que vão exatamente nessa direção. Qual é a sua posição sobre a questão digital? O período de bloqueio mostrou que reunir-se como uma comunidade digitalmente não é apenas possível, mas também pode ser frutífero. É um processo que foi iniciado por necessidade, sabemos disso. Um processo sem dúvida importante para o futuro da Igreja. Mas agora é também uma questão de refletir sobre essas experiências, refletindo juntos. Precisamos avaliar como proceder com o digital. O que é bom, o que não é? Onde estão os limites? Tudo isso não vai acontecer da noite para o dia, é um processo que precisa de tempo, que você não deve forçar. O digital pode substituir muitas coisas, mas não tudo. O modo online ajudou nossa igreja a manter um senso de comunidade durante a separação social. Mas atingimos limites. Depois do Sínodo, também se reunirá a conferência paroquial e devo confessar que estou muito feliz por, depois de muitas videoconferências, podermos finalmente nos ver face a face. O que não exclui a possibilidade de continuarem a ver-se mesmo por videoconferência. E isso também se aplica ao Consistório. O CELI é uma igreja pequena com possibilidades limitadas, mas nos últimos meses desenvolvemos uma grande criatividade para poder viver e transmitir a comunidade. E isso de maneiras muito diferentes. E devo dizer que o bloqueio de certa forma nos aproximou. E isso permanecerá. Mas também temos que criar novas raízes. A gente tem que refletir sobre muitas coisas... E isso se faz melhor juntos, numa troca direta, no contato direto, frente a frente. No sentido de não apenas voltar ao normal? Exatamente. A situação mudou em todos os lugares. Podemos e devemos aprender uns com os outros. Temos que nos adaptar às novas formas de contato com as pessoas, não será mais possível planejar certas coisas com antecedência. Flexibilidade é a ordem do dia. Isso também se aplica ao nosso Sínodo, ainda não é cem por cento certo que ele realmente acontecerá. Estamos prontos, mas também sabemos que a ordem de suspender tudo ainda pode chegar no dia 8 de outubro. Mesmo nesta conjuntura, devemos ser flexíveis e estar prontos para uma solução alternativa. Um dos A tarefa da Igreja é também fornecer pontos de referência? De fato, esta é uma contribuição muito importante que a Igreja deve e pode dar. A fé fornece pontos de referência. O Reino de Deus não consiste na mera realização de objetivos políticos. A perspectiva do reino de Deus nos dá segurança e serenidade e nos permite um certo distanciamento dos problemas atuais. A fé é outra dimensão que nos permite enfrentar as coisas com certa serenidade. O que não significa que sejamos insensíveis, que não participemos. Mas, como igreja hoje, temos certeza de que também há algo mais… Uma espécie de distância de segurança, mas sem distanciamento? Certo. Estamos bem cientes dos problemas. Nós os enfrentamos. Envolvemo-nos, ajudamos, levantamos a nossa voz. Quer seja a questão dos refugiados, onde somos muito ativos a nível nacional e local, ou outra coisa, pequenas mudanças. Há poucos dias, iniciamos uma campanha de arrecadação de fundos para a ONG Refugee4Refugees, ativa no campo de Moria, em Lesvos. Juntamente com outras igrejas protestantes na Itália, no âmbito da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), apoiamos vários outros projetos para migrantes. Ecologia e sustentabilidade são temas cada vez mais importantes para nós. Procuramos estar presentes onde quer que haja necessidade. Isto demonstra a diversidade dos nossos projetos: para os idosos e deficientes, para as crianças, para as pessoas de difícil contexto social, para os refugiados… Mas em tudo isto não esqueçamos a cultura e sobretudo a pastoral. Sem querer antecipar nada: seu relatório para o Sínodo começa com um apelo... "Não tenha medo!" Este também é o meu lema pessoal para o Sínodo 2020. Minhas crenças e experiências dos últimos meses… De qualquer forma, estou ansioso para que todos nos encontremos novamente no dia 9 de outubro! Leia no site do CELI ...

Ler artigo
“Não tenha medo”.  Mensagem ecumênica da Páscoa 2020

“Não tenha medo”. Mensagem ecumênica da Páscoa 2020

Foto de Nadia Angelucci Roma (NEV CS/09), 8 de abril de 2020 - "À medida que se aproxima a Páscoa da Ressurreição, que nossas Igrejas celebrarão em datas diversas (12 de abril na tradição ocidental e 19 na tradição oriental), com base na fraternidade que deriva desde que confessamos o mesmo Senhor, sentimos a necessidade de voltar a nos expressar juntos, pronunciando uma palavra comum diante da pandemia que atingiu nosso país e o mundo inteiro". Assim começa a mensagem pascal que o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Monsenhor Ambrogio Spreaficobispo de Frosinone e presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana (CEI) e da Genádios, O arcebispo ortodoxo da Itália e Malta (Patriarcado Ecumênico de Constantinopla) quis se dirigir aos cristãos da Itália. “Uma vez por ano – explica o pastor Negro – como expoentes das principais denominações cristãs nos voltamos para nossas comunidades para apresentarmos juntos a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, que acontece de 18 a 25 de janeiro. Perante a emergência do coronavírus e perante esta Páscoa completamente anómala, que viveremos em isolamento, sentimos a urgência de voltar a pronunciar uma palavra comum, a partir da mensagem de coragem e esperança da ressurreição de Jesus”. A mensagem ecuménica parte do Evangelho de Mateus (28,4-8) em que a ressurreição é anunciada por um terramoto e pelo anjo do Senhor que rola a grande pedra do sepulcro, provocando em todos os presentes - guardas e "piedosos mulheres” – um grande susto, para explicar que há um medo que imobiliza, o dos guardas – e outro que “põe em movimento”, o das mulheres que as torna “as primeiras arautos da ressurreição”. “Como Igrejas – dizem os autores da mensagem – nos sentimos chamadas a ser, como mulheres piedosas, arautos da ressurreição, do fato de que a morte não tem a última palavra” e acrescentam que “esta pandemia também fortalece em nós o vocação para estarmos juntos, neste mundo dividido e ao mesmo tempo unidos no sofrimento, testemunhas de humanidade e hospitalidade, atentos às necessidades de todos e especialmente dos últimos, dos pobres, dos marginalizados. Com um sentimento de especial gratidão a Deus pelos tantos que trabalham incansavelmente ao lado dos que sofrem”. Acolhendo o convite do Papa Francisco, o Patriarca Ecumênico Bartolomeu, o Conselho Ecumênico das Igrejas e a Conferência das Igrejas da Europa convidam todos a se unirem em oração com as palavras que Jesus nos ensinou: "Pai nosso que estás nos céus... Mal”. Leia a mensagem completa aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.