senso de comunidade e propostas de toda a Itália

senso de comunidade e propostas de toda a Itália

Roma (NEV), 25 de junho de 2021 – As igrejas valdenses e metodistas se reuniram democraticamente nas habituais “conferências distritais”. As reuniões acabaram de terminar. As conferências distritais são reuniões programáticas divididas em quatro distritos territoriais (Vales Valdenses, Norte, Centro e Sul da Itália).

O objetivo das quatro conferências foi a identificação de temas e demandas a serem submetidas ao Sínodo das igrejas metodistas e valdenses. O Sínodo 2021 será realizado de 22 a 25 de agosto. Em 2020 realizou-se a “Semana sem Sínodo”, devido ao covid. A versão deste ano será uma inédita versão telemática e reduzida, com pastores e deputados eleitos pelas igrejas.

Os distritos se reuniram em parte presencialmente e em parte virtual. Mesmo as conferências distritais, como o Sínodo, foram interrompidas em 2020 devido à pandemia. Pandemia que esteve, aliás, entre os principais temas de discussão. Recebeu o “mérito” de ter contribuído para uma rápida inovação tecnológica em igrejas e comunidades. Isso também deu lugar à consolidação de um intercâmbio geracional. Perdas e dificuldades em tempos de pandemia criaram um senso de comunidade menos territorial e mais expansivo.

A Casa Valdense de Torre Pellice, sede do Sínodo da união das igrejas Metodista e Valdense. Foto retirada do site www.chiesavaldese.org

Com suas respectivas diferenças de contexto, todas as quatro conferências distritais darão uma forte contribuição ao Sínodo. Esta troca de reflexões sobre os territórios é vital e representa a seiva que caracteriza as igrejas metodistas e valdenses. Uma “hierarquia” de assembleias, em que cada voz tem valor. Um exemplo metodológico muito mais que democrático, feito de insights, reflexões, busca de soluções.

Além da pandemia, outros temas centrais das conferências foram: o caminho Ser igreja juntos (ECI), ou seja, aquele que entrelaça a história e histórias de comunidades e fiéis de diferentes origens geográficas, que se reúnem em igrejas e templos em Itália. A gestão dos edifícios e bens imobiliários das igrejas. Treinamento. A luta contra o racismo e a discriminação. A diaconia. A proteção dos direitos dos refugiados e migrantes. A questão financeira.

Além disso, surgiram propostas para iniciar o apoio psicológico às igrejas, ou reuniões sobre o papel que a psicologia tem (ou deveria ter) na vida das igrejas. Isso à luz do fato de que a pandemia criou um mal-estar psicofísico generalizado. Salientou-se a necessidade não de multiplicar as iniciativas, mas de aumentar (e, se for o caso, aumentar) a sua qualidade.

Foto de Gianluca Fiusco

Por fim, surgiu o desejo de coordenar os territórios entre si, estabelecendo contato com as obras que respondem diretamente ao Sínodo, com a Diaconia Valdense (CSD), com a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), em particular para projetos de Lampedusa, Scicli e Rosarno e outros, “para que todos estes sujeitos possam promover, cada um na sua autonomia, momentos de diálogo e confronto estruturados, visando um testemunho evangélico comum e plural”.

Leia a reportagem sobre as Conferências Distritais editada pela Riforma.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas e intercultura.  O vídeo do Serviço de Educação e Educação está online

Igrejas e intercultura. O vídeo do Serviço de Educação e Educação está online

Grupo de jovens interculturais - foto Alessia Passarelli Roma (NEV), 15 de maio de 2023 - O vídeo do encontro de formação "Igrejas e intercultura" organizado em abril pelo Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e por L' é online Amigo das Crianças. o missionário Grace Pratt Morris-Chapman ele abriu os procedimentos com uma meditação introdutória. Então o pesquisador interveio Alessia Passarelli, que falou sobre a evolução e as novas perspectivas do projeto “Sendo Igreja Juntos” (ECI). A pastora valdense Anne Zell e o pastor batista Nicolau Laricchio eles falaram sobre sua experiência pessoal e profissional em igrejas batistas, metodistas e valdenses interculturais. Entre os temas abordados e explorados, o conceito de mediação e integração, formas de ser comunidade encontrando lugares e espaços de entendimento mútuo e pontos de acordo. “Ser uma igreja juntos – explicou Passarelli – é uma experiência, mas também um caminho sociológico”. Em sociologia falamos de três tipos de abordagens: assimilação, exclusão, integração. Esta última, a integração, é um “processo dinâmico de reconhecimento mútuo e mudança que leva a uma nova forma de ser a sociedade”, disse Passarelli. Mas o que significa "integração" em um contexto eclesiástico? No vídeo há algumas respostas, que dizem respeito a como renegociar o habitus religioso, portanto as práticas e modo de vida de uma comunidade. “Desde os lugares preferidos nos bancos, à forma de ler a Bíblia e a liturgia, aos hinos que se cantam, que instrumentos e como tocar, a outras pequenas rotinas que definem zonas de conforto…” são muitos os elementos a considerar, continuou Passarelli. Igrejas interculturais e comunidades inclusivas já são uma realidade, porém ainda há muito trabalho a ser feito e deve ser feito constantemente. Irmãs e irmãos que vêm de outros países levaram ao crescimento e mudança no protestantismo italiano de todas as denominações, disse Passarelli, com diferenças de igreja para igreja. Também precisamos falar sobre liderança, participação democrática, linguagem, trabalho, relações amigáveis ​​entre comunidades e abordagem ética. Relacionamentos de "boa vizinhança" não significam "ser convidados juntos". Por exemplo, a definição de "igrejas étnicas" é um termo problemático. Mesmo uma igreja italiana é "étnica", pois é "monocultural". Um dos elementos fundamentais a ter presente diz respeito à necessidade de todos e cada um se “sentir em casa”, redescobrir o reconhecimento social e desenvolver visões comuns de futuro. “Estar juntos na igreja é uma direção”, concluiu Passarelli. Para saber mais, assista a gravação (link abaixo). O vídeo também foi relançado na página da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI). [embed]https://www.youtube.com/watch?v=unbm-VreBi4[/embed] ...

Ler artigo
Agora da religião, Tar acolhe apelo

Agora da religião, Tar acolhe apelo

Roma (NEV), 31 de julho de 2023 – Um aluno da quarta série que não quer mais frequentar as aulas de religião. O nº da escola que frequenta, em Florença, motivado pelo calendário da apresentação do pedido de inscrição no ensino alternativo. E o posterior recurso ao Tribunal Administrativo Regional da Toscana pela família da criança. Tar que dá provimento ao recurso, conforme explica a edição florentina do jornal neste artigo A Repúblicae teria ainda condenado o diretor da escola a pagar três mil euros em despesas. Mas qual é o significado dessa decisão? Nós perguntamos Ilaria Valenzi, advogado, assessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que modera a seção de estudos da Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da mesma Federação. “A decisão do TAR da Toscana afirma um princípio cada vez mais forte, confirmando o que já foi expresso em ocasiões anteriores, sempre em relação ao direito de escolha dos alunos e das famílias: a liberdade religiosa e a liberdade de consciência não podem ser submetidas a compactação, nem mesmo por motivos organizacionais. Embora as escolas necessitem de saber atempadamente a escolha dos alunos em recorrer ou não ao ensino facultativo da religião católica (IRC) e, por isso, seja estabelecido um prazo de ano para ano para fazer essa escolha, esta não pode limitar o direito de mudar de ideia. Da mesma forma, o direito de não recorrer ao IRC pode ser exercido ainda que nos anos lectivos anteriores o aluno tenha optado pela frequência da aula de religião confessional. Uma escolha feita no início do ciclo escolar – explica Valenzi – não pode, de fato, condicionar o exercício de um direito constitucionalmente garantido, que pode ser acionado a qualquer momento com proteção integral. Isso se aplica a todas as etapas do curso de estudo e também após o início do ano letivo. Da mesma forma, a opção pela frequência da “hora alternativa” pode ser solicitada mesmo que o aluno não elegível tenha manifestado previamente uma opção diferente (estudo individual ou saída da escola): quando a opção correta é exercida, a escola é obrigada a ativar o ensino. Em suma, a decisão do Tar confirma que os prazos para o exercício do direito constitucional de liberdade de consciência e religião não podem ser peremptórios: ou seja, não podem ter efeito limitante sobre o direito de escolha, que sempre prevalece”. Entretanto, o ano letivo recomeçará em setembro e o tema provavelmente voltará. Que perspectivas para o futuro, no que diz respeito ao debate sobre a hora da religião? “A porcentagem de alunos e alunas que, principalmente no ensino médio, não fazem uso do ensino da religião católica é um número cada vez mais significativo – afirma Valenzi -. Isso significa, por um lado, que se abre um espaço para um pedido de proteção e a necessidade de vigiar cada vez mais para que o direito à liberdade de consciência e religião não seja violado; por outro, que aumenta o apelo ao pluralismo de ideias, convidando todas as entidades seculares a participarem com propostas de caminhos de inclusão, cidadania ativa e educação para a democracia. Neste sentido, a FCEI quer envolver-se tanto no que diz respeito aos instrumentos de defesa dos direitos dos alunos e das famílias, como com propostas de trabalho e reflexões que tenham em conta as mudanças religiosas e culturais que caracterizam o nosso tecido social. O novo pluralismo religioso é uma realidade que, sobretudo nas escolas, não pode ser ignorada, constituindo também um instrumento essencial para a integração recíproca e para o conhecimento profundo do outro. Isso só pode acontecer respeitando o princípio da laicidade, atentando para a sensibilidade de cada um, sem imposições confessionais”. Para saber mais: ...

Ler artigo
Armas e bilhões.  O “negócio principal”

Armas e bilhões. O “negócio principal”

Detalhe da capa do livro Futura D'Aprile "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27) Roma (NEV), 30 de março de 2023 – A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) relança a declaração do Observatório sobre os gastos militares italianos (MIL€X). Os Estados-Maiores das Forças Armadas pediram investimentos extraordinários para novos armamentos. "O custo dos investimentos extraordinários em novos armamentos será de pelo menos 25 mil milhões de euros - escreve MIL€X - se o ministro da Defesa Guido Crosetto implementará as propostas que os Chefes do Estado-Maior do Exército, da Marinha e da Aeronáutica apresentaram em suas audiências programáticas às Comissões de Defesa da Câmara e do Senado". Um programa de rearmamento, prossegue o Observatório, “impressionante, que teria um impacto considerável nos orçamentos dos Estados, justificado pelos militares com o risco real de guerra provocado pelo conflito na Ucrânia, mas que suscita mais do que uma perplexidade. Também em atenção ao recorde de aprovações de programas de compras militares ocorridas na última Legislatura”. Sobre o tema das armas e sistemas de guerra made in Italy, esta noite em Turim (18h00 no Circolo dei Lettori), Riforma – Eco delle valli valdesi juntamente com a Ordem dos Jornalistas do Piemonte e a editora SEB27 promovem um debate. “A política e as indústrias italianas no mercado de armas de guerra: como contribuem para a persistência dos conflitos bélicos, para a repressão de regimes autoritários, para as migrações; por que o setor de Defesa, cujos lucros nunca diminuem, é considerado estratégico e quanto contribui para o PIB e o emprego". É o que lemos na página do Círculo de Leitores dedicada ao evento, que conta com a participação de abril futuroespecialista em assuntos internacionais e armamentos e colaborador do jornal Domani; Albert Perducaex-procurador-chefe de Asti, assessor jurídico do Tribunal Penal Internacional por crimes cometidos na ex-Iugoslávia e depois da agência antifraude de Bruxelas Olaf, e chefe da missão Eulez, moderada por David De Michelisjornalista profissional, autor e realizador de documentários televisivos. Futura D'Aprile é, entre outras coisas, autora do livro "Crises globais e assuntos de liderança" (SEB27), com prefácio de Alex Zanotelli, volume no qual apresenta um panorama da indústria de defesa italiana, as leis utilizadas para regular o comércio de material bélico e a prática de contorná-las. “O negócio de armas nunca está em declínio na Itália como no resto do mundo – escreve Riforma citando o volume – «Seus lucros crescem tanto durante conflitos geopolíticos quanto em caso de crises econômicas, como a causada pela pandemia do COVID-19. O Estado, considerando estratégico o setor de defesa, apóia-o e protege-o da exposição à volatilidade do mercado. A escalada do conflito bélico à margem da União Europeia levou os parlamentos a votarem renúncias às exportações para zonas de guerra e ao aumento das despesas militares, de modo que enquanto na Ucrânia, como no Iémen ou na Líbia, os civis sofrem as terríveis consequências da a guerra, os lucros das holdings ao redor do mundo continuam subindo sem serem perturbados". > reserve aqui o seu lugar no Clube de Leitores de Turim. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.