Sínodo da Amazônia.  Redescubra a sacralidade do planeta

Sínodo da Amazônia. Redescubra a sacralidade do planeta

Foto de Sebastien Goldberg – Unsplash

Roma (NEV), 15 de outubro de 2019 – mora no Canadá Emily Teresa Smithpastor anglicano de origem argentina, que viveu por muito tempo na Guatemala e no México, é co-presidente do SICSAL (Servicio Internacional Cristiano de Solidaridad con los pueblos de América Latina), grupo ecumênico com filiais em 28 países, dedicado à Oscar Arnulfo Romero, aberto ao diálogo e à participação em prol da justiça, da paz e da solidariedade. Smith segue uma comunidade em Vancouver, em uma das áreas mais frágeis da cidade. No ano passado, ela foi presa e cumpriu uma semana de prisão por participar de protestos ancestrais contra o oleoduto Trans Mountain, que destruiu uma grande parte do norte do Canadá.

E do Canadá chegou a Roma para participar do Sínodo para a Amazônia (6 a 27 de outubro), que reúne bispos de toda a região amazônica e, sobretudo, lideranças indígenas de diversas comunidades.

Emily Teresa Smith

“Como SICSAL, viemos aqui a Roma para compartilhar este momento fundamental da Igreja universal. Trabalhamos ecumenicamente com as diversas redes latino-americanas, como a Rede Eclesial PanAmazônica (REPAM) e o Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), tentando ter uma visão e metodologia de trabalho mais inclusiva que pudermos. Estamos presentes para acompanhar as atividades fora do Sínodo oficial, momentos simbólicos mas de grande força que mostram a nova realidade que estamos tentando construir”, disse Smith à Agência NEV.

Como um cristão evangélico vê este Sínodo e por que este Sínodo e a Amazônia são tão importantes em sua opinião?

Podemos olhar para este encontro como um evento ligado a uma área específica, mas não é o caso. É um acontecimento muito importante porque nos fala de uma forma de encarar a nossa fé e de olhar o mundo. Estamos vivendo em uma época em que é necessário que os cristãos se levantem, falem e ajam sobre o meio ambiente. As comunidades indígenas têm uma visão da sacralidade da terra e da água que devemos recuperar. Até nossa fé tem muito a dizer sobre o valor da vida e nossa cosmovisão fala da terra como algo sagrado. Devemos, portanto, ser corajosos e libertar a igreja e o mundo de uma visão mercantilista que acredita que é possível enlatar tudo e vendê-lo. A criação não está à venda e essa é uma luta de todos. Agradecemos às comunidades indígenas que conseguiram manter a sacralidade da terra.

O que você espera para este Sínodo?

Chegou a hora de enfrentar o inimigo, o sistema que quer destruir a vida em nosso planeta. Já ficamos sem palavras. O meu desejo é que consigamos ter a coragem de assumir a tarefa que nos toca como cristãos, de seguir a Cristo e seguir os verdadeiros discípulos de Cristo que são os povos amazônicos e originários, os únicos que se lembram que a terra pertence a Deus e não do mundo e que como cristãos devemos tomar consciência disso e agir.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“A fé e o amor são universais”

“A fé e o amor são universais”

2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Prof Azza Karam, Secretária Geral de Religiões para a Paz, compartilha saudações à 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Karlsruhe (NEV), 5 de setembro de 2022 - "O amor de Cristo não é apenas para os cristãos, mas também para mim, e eu sou muçulmano". Com estas palavras Azza Karamsecretário-geral das Religiões pela Paz, coalizão internacional de representantes das religiões do mundo dedicadas à promoção da paz, "ganhou" os aplausos e o consenso da audiência plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, reunida na Alemanha desde agosto 31º. Egípcio, mora em Nova York, professor de estudos religiosos em Amsterdã, ex-funcionário da ONU, está à frente do movimento fundado em 1970 ao qual aderem mais de 900 líderes religiosos de 90 países. Nós a conhecemos nos bastidores do evento do WCC em Karlsruhe. Em seu discurso disse que "O amor de Cristo é para todos": o que isso significa? “A mensagem de Cristo é uma mensagem de fé, crença e paz que se aplica a todos os homens e mulheres. Não creio que haja qualquer referência nos Textos que diga que isso se aplica apenas aos cristãos. Mesmo que os diversos grupos e comunidades religiosas sempre tenham se "apropriado" da mensagem do Senhor, isso é normal. Mas isso contradiz o fundamento da mensagem - a revelação divina - que é e é válida para todos os seres humanos. E para todas as criaturas vivas. Quais são os principais desafios do movimento que representa? Religiões pela paz parece um pouco com as Nações Unidas, na verdade representamos todas as grandes instituições de religiões e credos do mundo – mais de uma centena – e por isso, assim como as Nações Unidas, temos uma assembléia geral… É um espaço e trabalho complexo porque cada entidade procura perseguir seus próprios interesses. Resguardar os espaços políticos de qualquer grupo que busque legitimar sua agenda também dificulta nossa missão. Acho que esta é uma das questões cruciais: todos nós vemos o que é o bem comum, mas temos que descobrir como chegar a um acordo sobre o que fazer juntos, como trabalhar juntos para salvar esse mesmo bem comum. Um desafio muito importante é justamente pedir aos nossos líderes que não pensem territorialmente, que não pensem apenas em sua própria igreja ou comunidade. E também temos que lidar com a interferência política, que sempre existiu, mas está crescendo. Acredito que com o colapso das ideologias – neoliberalismo, capitalismo, socialismo, comunismo – as religiões se tornaram cada vez mais uma oportunidade comum de contar histórias para conveniência política. Estamos vivendo a era – um fenômeno ciclicamente repetido – de uma forte aliança, vários tipos de alianças, entre partidos e atores políticos de um lado, instituições e atores religiosos de outro. Esse uso (ou abuso) de símbolos religiosos e religiões pela política é perigoso? Sim, muito, porque a fé não reconhece os limites das nações, a fé é universal. Enquanto a política é feita de limites, fronteiras e limites. Portanto, essas duas línguas são inúteis uma para a outra. Usar as religiões para legitimar uma narrativa política é, por um lado, limitar a ética e o propósito religioso e, por outro lado, armar a fé. O que vimos e estamos vendo na Ucrânia e na Rússia é um exemplo de como é totalmente inconcebível legitimar uma guerra em termos religiosos. Que papel para o Conselho Mundial de Igrejas neste quadro? O CMI tentou sistematicamente estabelecer um diálogo entre os diferentes atores cristãos e ortodoxos. E o desafio para o CMI, assim como para o Vaticano, é entender que o que está acontecendo não é uma questão cristã ou europeia. Duas guerras mundiais começaram na Europa. O que está acontecendo tem consequências dramáticas em termos de vidas humanas, mas também de matérias-primas, alimentos, energia. As tentativas feitas até agora parecem se concentrar em encontrar uma "solução cristã". Mas uma solução cristã para um problema global não pode ser encontrada. Quais são os próximos compromissos das religiões pela paz? Como no mito de Sísifo, procuramos trabalhar juntos para servir juntos, para apoiar os diferentes atores religiosos diante das emergências que continuarão a acontecer, envolvendo as instituições de cada religião e comunidade. Temos que trabalhar juntos, colaborar. O movimento ecumênico é certamente necessário, mas não creio que seja possível sem um movimento multirreligioso e sem diálogo, o ecumenismo sozinho ou o caminho de cada credo individual não será suficiente. Não é tão complicado quanto parece. Quando as religiões trabalham para servir juntas: essa é a cura de que precisamos, essa é a cooperação que nos permitirá salvar o bem comum. Quando cada religião faz por si é como se ferissemos a mão e cada dedo nos machucasse, e tentamos curar um dedo mas não será suficiente, porque teremos que curar a dor que vem do coração, da alma, da mente do nosso corpo. Estamos enfrentando os mesmos desafios de sempre, só que o planeta está ficando sem tempo. Sempre falamos de pobreza, guerras, ignorância, sempre temos os mesmos problemas desde que a humanidade vive neste planeta, mas agora é a Terra que está fora do tempo, porque a estamos destruindo”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Em Palermo, novos projetos de La Noce para jovens e adolescentes

Em Palermo, novos projetos de La Noce para jovens e adolescentes

Roma (NEV), 10 de outubro de 2022 – Nasceu em Palermo um novo serviço ambulatorial de diagnóstico e tratamento que garantirá intervenção precoce, acolhimento imediato, terapias adequadas e prevenção de patologias relacionadas ao vício em smartphones e outros dispositivos. Há poucos dias foi inaugurada a primeira clínica de psicoterapia do projeto In-Addiction apoiado pela Fondazione con il Sud nos espaços do Centro Diaconal "La Noce". "Estamos muito felizes em oferecer este serviço - declarou o Diretor do Centro Diaconal "A Nogueira", Ana Ponente – que a partir de dois bairros importantes como Noce e Ballarò chegará ao resto da cidade. Podem aceder ao ambulatório raparigas e rapazes, raparigas e rapazes entre os 9 e os 17 anos: esta é uma iniciativa importante para esta faixa etária e faremos o possível para responder às necessidades que vão sendo manifestadas pelas escolas, serviços sociais e de saúde, fazendo-o de forma contínua". Hoje, segunda-feira, 10 de outubro, às 16h, está previsto o corte da fita no bairro Ballarò, onde em vicolo Infermeria dei Cappuccini 3, o Instituto Don Calabria lançará o serviço de escuta e treinamento para adolescentes e pais, abrindo as portas da segunda clínica também na Albergaria. “Para nós não é simplesmente um projeto, é uma missão que não teríamos levado em consideração se não tivéssemos em mente um projeto de longo prazo para oferecer à comunidade”, comentou o Diretor da Ópera Don Calabria Social Área, Roberto Manhã - Uma iniciativa de proximidade e rede que nos permitirá identificar bolsões de desconforto e intervir gratuitamente sobre eles”. O Conselheiro de Atividades Sociais do Município de Palermo também esteve presente no corte inaugural Rosa Penino. Os dois ramos estarão abertos ao público 3 vezes por semana e geridos em sinergia pelos especialistas e psicoterapeutas do Centro Diaconal "La Noce" (via Evangelista di Blasi, 16; informações e contactos 375 7083456 ou escrevendo para [email protected]) e do Instituto Don Calabria (Casa San Francesco in vicolo Infermeria dei Cappuccini, 3; 3898528698, [email protected]). O serviço, explicam os promotores da iniciativa, “vai oferecer apoio a adolescentes e pré-adolescentes que expressem o seu desconforto por desenvolverem comportamentos problemáticos relacionados com a utilização da rede e dispositivos associados ou que possam interferir no seu percurso de desenvolvimento, e oferece aconselhamento psicológico para fenômenos como prevaricações digitais, cyberbullying ou difamação, manifestações não ligadas ao vício, mas relacionadas a uma exposição incorreta e protegida da rede que pode ter repercussões no desenvolvimento psicológico de meninos e meninas”. ...

Ler artigo
Simona Menghini entre os 100 diretores de sucesso

Simona Menghini entre os 100 diretores de sucesso

Simona Menghini, à direita na foto, entrevista a moderadora do Tavola Valdese, Alessandra Trotta Roma (NEV), 5 de novembro de 2020 – Um comunicador protestante entre os 100 diretores de marketing e comunicação italianos de sucesso escolhidos pela revista Forbes. Formado em Economia pela Bocconi e mestre em gestão de empresas (concluído com bolsa), anos de experiência nos mais altos níveis em empresas e multinacionais, especialmente no setor de alta tecnologia, Simona Menghini é membro da Comissão de Comunicação da Mesa Valdense, do Otto per mille Valdensian e da Comissão de Evangelização. Depois de ter trabalhado durante anos numa agência de comunicação e de ter sido diretora de comunicação e marketing da Lenovo, está há mais de dois anos diretor de comunicação da Oracle, uma das maiores empresas do setor de informática. Ontem ele "descobriu" que estava entre os 100 diretores de marketing italianos de sucesso, segundo a prestigiada revista. E compartilhou a novidade com um tweet e uma postagem em seu perfil no LinkedIn, recebendo elogios de diversos colegas. Uma satisfação, para uma “viagem longa e cansativa. Uma vida no avião, até antes da pandemia. Sempre gostei de comunicação - diz Simona Menghini - e me interesso por informação desde menina. Fui jornalista freelancer, sou publicitário, e por isso, muito naturalmente, primeiro no editorial e depois no mundo da comunicação, marketing e relações públicas”. Tese em políticas de inovação da Comunidade Européia, Simona Menghini é uma das mulher autodidata, "Tive que arregaçar as mangas, tanto meu irmão quanto eu ficamos ocupados". E nesse percurso profissional de sucesso também há a história de uma aproximação ao mundo protestante. “Minha família era católica, mas senti que precisava encontrar um lugar para mim, uma igreja onde pudesse pensar por mim mesma, como cristã. Sempre senti que Jesus tinha coisas para me dizer. Mas não encontrei correspondência entre minhas questões éticas, minha experiência humana em contato com a dor e o sofrimento, e o que me foi transmitido. Então fiz uma espécie de pesquisa de marketing, diga-se de passagem, e conheci a igreja valdense”, continua Menghini. Sua abordagem do mundo protestante é, na verdade, uma história dentro da história: “Não havia internet então, então procurei nas páginas amarelas da época os nomes das igrejas que queria “analisar”, como se estivesse fazendo um estudo setorial. Fui a um templo valdense, o de Milão, que é minha cidade e comunidade que ainda frequento, mas me enganei no endereço. Entrei pela via della Signora, que fica atrás do pastor, que estava Salvatore Ricciardi. Sentei-me e ouvi, e finalmente me pareceu que estava no lugar certo. Então, no domingo seguinte, voltei ao culto”. Desde então tornou-se valdense, e com os valdenses encontrou um lugar e um espaço simbólico e religioso "onde posso dizer em voz alta o que penso". “Compreendi que se salva porque se crê, se salva pela graça e não porque se é melhor que os outros – prossegue -. Eu entendi perfeitamente o significado do Parábola dos trabalhadores de horas diferentes (Mateus 20, 1-16). Entre os comentários e elogios de que mais gostou, ao saber do reconhecimento que lhe foi dado pela Forbes, precisamente os que se referem à "ética", diria a ética protestante, "que também procuro trazer para o trabalho que faço ". As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.