Estão em curso em Roma as reuniões da Comissão Metodista-Católica Romana

Estão em curso em Roma as reuniões da Comissão Metodista-Católica Romana

Os dois co-presidentes da Comissão: o católico Shane Mackinley e o metodista Edgardo Colon-Emeric (foto christianunity.va)

Roma (NEV), 3 de outubro de 2022 – A XII série de encontros de diálogo teológico da Comissão Internacional Metodista-Católica Romana (MERCIC) começou esta manhã com um culto na igreja metodista de Ponte Sant’Angelo, em Roma. Hospedado pelo Escritório Ecumênico Metodista de Roma (MEOR) – cujo diretor, pároco Matthew Lafertyé também co-secretário do MERCIC -, a Comissão abordará o tema da unidade e missão nos próximos cinco anos.

O culto de abertura ofereceu a liturgia da Renovação da Aliança, tradição metodista introduzida pelo fundador do movimento, João Wesley (1703-1791). Nesta ocasião, o pároco da igreja da Ponte Sant’Angelo dirigiu suas saudações à Comissão, Daniel Pratt Morris-Chapmano moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trottae o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Daniele Garrone.

As reuniões da Comissão, nomeada conjuntamente pelo Conselho Metodista Mundial e pelo Dicastério do Vaticano para a promoção da unidade dos cristãos, durarão até 8 de outubro próximo. A Comissão é co-presidida pelo pastor metodista Edgardo Colon-Emericreitor da Duke Divinity School (EUA) e por Mons. Shane Mackinlay da diocese de Sandhurst (Austrália).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

Roma (NEV), 18 de fevereiro de 2020 - Toshiki Toma, 62, é um migrante que ajuda migrantes. Pastor luterano de origem japonesa, tornou-se “famoso” na Islândia, onde é passado por pessoas que, ao longo dos anos, escolheram a pequena ilha perto do Ártico como destino. Eu meu mim meu O site da Federação Luterana Mundial (FLM) conta essa história singular em uma entrevista com o pastor, que reproduzimos abaixo, traduzida. Toshiki Toma na Islândia "A Islândia aprecia as pessoas", diz Toshiki Toma, sacerdote de serviço especial para a comunidade imigrante na Islândia. Veja nosso vídeo principal sobre o Dia da Soberania da Islândia aqui: Íslands Publicado por RÚV English na segunda-feira, 10 de dezembro de 2018 “Primeiro, conte-nos sobre suas origens no Japão e por que você queria se tornar um pastor. Eu sou o único cristão na minha família, pois a maioria dos meus parentes são budistas ou xintoístas. Fui pela primeira vez a uma pequena igreja luterana no meu bairro de Tóquio quando tinha 18 ou 19 anos e estava procurando um propósito para minha vida. Na universidade, formei-me em ciências políticas e atuei no partido social-democrata e na minha igreja local. Depois de formado, trabalhei na secretaria de educação de um sindicato, onde pude constatar como as pessoas sempre se preocupavam com o futuro, com a velhice ou com os problemas familiares. Percebi que os direitos humanos e o trabalho político podem criar um terreno fértil para o bem-estar das pessoas, mas na verdade não podem criar felicidade, então decidi que queria trabalhar na igreja para ajudar as pessoas a encontrar a verdadeira felicidade. Como sua família reagiu à sua decisão de ser ordenado? Meu pai foi muito aberto sobre essa ideia. Quando lhe disse que queria largar meu emprego e ir para o seminário, ele respondeu: "É melhor trabalhar para Deus do que por dinheiro." Minha mãe não foi tão positiva no início, mas não se opôs à minha decisão e assim fui consagrada há 30 anos, em março de 1990, na Igreja Evangélica Luterana do Japão (JELC). Por que você se mudou para a Islândia? Durante meu último ano de seminário em 1989, fiz um curso de dois meses em Jerusalém, ministrado pela Igreja da Suécia. Lá conheci e me apaixonei por uma pastora islandesa e nos casamos após a minha consagração. Ela veio morar no Japão por dois anos, mas nossa igreja é muito pequena, então não havia possibilidade dela trabalhar como pastora e decidimos nos mudar para a Islândia em 1992. Nos divorciamos em 1999. Eu queria servir como pastor na igreja islandesa, mas não sabia falar o idioma, não conhecia ninguém, exceto a família de minha esposa, e tive que fazer alguns cursos na escola de teologia para me tornar pastor da Igreja Evangélica Luterana. da Islândia. Demorou cinco anos, então trabalhei meio período e aprendi o idioma enquanto procurava outras oportunidades. Agora você trabalha como pastor para imigrantes: que apoio você oferece? Não havia ninguém fazendo esse trabalho antes de mim, mas logo depois que cheguei, em meados dos anos 1990, a imigração começou a crescer, incluindo mulheres da Ásia – Filipinas, Tailândia, Vietnã – que se casaram com homens islandeses. Como mulheres asiáticas, muitas vezes eram tímidas demais para falar sobre seus problemas, mas achavam mais fácil falar comigo, vendo-me como alguém que entendia sua cultura. Muitos não eram cristãos, então, em vez de trabalhar como pastor, comecei como conselheiro para eles, pois não havia outro serviço de apoio em nível estadual ou municipal. Ajudei-os a encontrar trabalho e moradia e tentei ajudá-los a lidar com a discriminação que sofriam com pessoas que não estavam acostumadas a ter contato com estrangeiros. Se alguém não falasse seu idioma, geralmente para os islandeses isso era um sinal de grosseria ou desrespeito para com eles, então um limite nas habilidades linguísticas poderia torná-lo um cidadão de segunda categoria. A Islândia é um país tão pequeno e seu povo tem um forte apego ao idioma. É visto como um símbolo de unidade nacional e eles temem que, se perderem sua língua, perderão sua identidade. Quem são as pessoas que vêm até você para pedir ajuda e isso mudou ao longo dos anos? As coisas mudaram por volta de 2004, quando a Polônia e outros países do Leste Europeu aderiram à UE. A Islândia faz parte do Espaço Econômico Europeu e do Acordo de Schengen e tem feito um grande esforço para oferecer um melhor acolhimento aos imigrantes, por isso, ao longo dos anos, tive a oportunidade de retornar ao meu trabalho normal como pastor, como havia planejado inicialmente . Em 2008 tivemos a grande crise econômica, mas aos poucos as coisas voltaram ao normal por volta de 2012. Alguns anos depois, houve um novo fluxo de requerentes de asilo, vindos da África, América do Sul, Leste Europeu e Oriente Médio. Há entre 800 e 1.000 inscrições por ano e agora trabalho principalmente com elas. Na minha igreja (Breidholts Church International Congregation), 70 por cento das pessoas são do Irã, Iraque e Afeganistão, então eles seriam de origem muçulmana, mas ainda querem assistir aos nossos cultos de domingo e nós os batizamos, se assim o desejarem. Mesmo que não peçam asilo ou que seus pedidos sejam rejeitados, tentamos apoiá-los o máximo possível. Quão receptivos são os islandeses hoje, com os "novos" migrantes? Os islandeses querem ajudar, especialmente famílias com crianças, mas muitas vezes são menos empáticos com os rapazes, então eu os acolho especialmente. Sendo um país tão pequeno, os islandeses também valorizam as pessoas como indivíduos, de uma forma muito diferente do meu Japão, por isso espero que continuem a abraçar o valor único de cada indivíduo. Quando comecei este trabalho, a igreja não entendia totalmente meu ministério e me perguntavam: "Por que devemos ajudar os budistas ou outros?" Agora o bispo da Islândia me apóia muito e até diz que a igreja poderia fazer muito mais. Depois que uma de nossas delegações esteve em Genebra em setembro passado, também estabelecemos um grupo de trabalho para propor mais apoio aos requerentes de asilo no próximo sínodo da igreja. É uma grande mudança em relação a 10 anos atrás e estou muito feliz com isso." ...

Ler artigo
Convenção de Gana em Pordenone.  Estar e ir à igreja juntos

Convenção de Gana em Pordenone. Estar e ir à igreja juntos

Convenção 2023 - foto cedida pelo pastor Luca Anziani Roma (NEV), 4 de abril de 2023 - A Convenção do componente metodista de Gana foi realizada em Pordenone. Promovida por grupos ganenses ativamente envolvidos nas igrejas valdenses e metodistas locais, a convenção é normalmente realizada no Domingo de Ramos, para que o culto possa ser celebrado nas igrejas locais na Páscoa. o organizador, Richard Kofi AmpofoConselheiro da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), disse: “Redescobrimos a alegria de estarmos juntos, presencialmente, depois de três anos em que as convenções foram online por causa da covid. Após a pandemia, muitas pessoas do componente ganense foram para outras partes do mundo, mas a convenção teve boa participação. Este ano fomos 350 adultos batizados e 130 crianças”, continuou o Conselheiro. A celebração começa nos autocarros, acrescentou: «Desde a partida até à chegada, e também no regresso, prega-se o amor de Deus, canta-se, partilham-se momentos de meditação e oração. Em suma, é uma celebração que não começa no salão da igreja, mas nos acompanha ao longo de todo o percurso, que para nós durou três horas. Uma viagem passada com tranquilidade e alegria. Em Pordenone, compartilhamos hinos, danças, pregações e palestras de testemunho. Cada igreja prepara e traz comida e bebida para o almoço comunitário. Entre uma coisa e outra, a convenção durou das 10h45 às 15h45”. São 5 autocarros de diferentes regiões, cada um com cerca de 60/65 pessoas a bordo, que chegaram a Pordenone, entre outros, de Udine, Novara, Bérgamo, Brescia, Casalmaggiore, Milão, Bassano del Grappa, Conegliano, Pádua, Treviso, Verona , Vicenza, Bolonha, Mezzano, Modena e Parma. Um momento muito emocionante foi o dos testemunhos de adultos e jovens – disse novamente Richard Kofi Ampofo -. Além disso, foi preciosa a presença de idosos ganenses, irmãos e irmãs italianos, músicos e coristas. Entre os participantes, o pastor presbiteriano americano Ansah. A irmã Irene AbbraEmbaixador do Clima do Conselho Metodista Europeu Jovem. Annapaola Carbonato representando a Federação da Juventude Evangélica na Itália (FGEI). David Ollearopároco valdense de Vicenza, representando também a Comissão Executiva do II distrito. George Ennin, pastor metodista de Pordenone. A pastora de Como, Anne Zelltambém membro da comissão Ser Igreja Juntos (ECI) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Gesine Traversaripastora em Veneza. Durante o culto, a santa ceia foi celebrada por todos os pastores juntos. Outro momento significativo foi o daApelo para fundos. O apelo para contribuir para as despesas da Convenção permitiu angariar 1.800 euros”. Próximo compromisso, o dos congressos de circuito, no domingo antes do Natal. Além disso, já começa a ser avaliada a próxima sede da Convenção de 2024, que também será escolhida com base na disponibilidade das igrejas para sediar o evento. A liturgia foi conduzida por Stella Baidoo, um jovem estudante da Faculdade Valdense de Teologia, aspirante a pastor. A pregação ficou a cargo do pastor Luke Elders, presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI). “O culto aconteceu em diferentes idiomas, italiano, twi e inglês. O sermão do Domingo de Ramos, sobre os textos indicados por 'Um dia, uma palavra', foi traduzido por Stella Baidoo – disse Anziani -. A liturgia, repleta de danças, cantos e testemunhos, é representativa de ser igreja unida”. No seu sermão, o presidente da OPCEMI referiu-se à “necessidade de resistir a todas as tentações, internas e externas, das coisas simples”, convidando-nos assim a “aceitar os desafios do presente, com vocação para as coisas difíceis”. Como crentes, de fato, "somos chamados a uma alta tarefa teológica e cultural", disse Luca Anziani, sublinhando o valor do projeto Ser Igreja Juntos, uma invenção criativa que, na Itália, trouxe e continua trazendo seus frutos de integração na Igreja e na sociedade. O moderador da Mesa Valdense, diácono, também voltou a este conceito Alessandra Trottaque fez um discurso de encorajamento, reafirmando com veemência "a escolha feita há muitos anos por nossas igrejas no caminho da Ser Igreja Juntos como caminho para ser plenamente a Igreja de Jesus Cristo”. O moderador destacou ainda como esta escolha “nem a mais confortável, nem a mais fácil”, oferece ao mundo dividido um “testemunho poderoso do amor que une, superando as barreiras de identidades fechadas e defensivas que separam e excluem”. É fundamental, segundo Trotta, “cuidar e nutrir constantemente o sentido dessa escolha. Responsabilidade que envolve a primeira geração que a fez, que deve estar sempre pronta para prestar contas desta escolha a quem olha de fora e nos julga dizendo que 'não é possível'. Uma importante responsabilidade também para a geração mais jovem, que cresceu neste caminho e encarna o seu valor e é chamada a assumir um papel dinamizador, trazendo o contributo de uma visão mais ampla, sem preconceitos e com uma energia de inovação e transformação de que muito temos necessário". Alessandra Trotta também pediu para rezar pelos dois jovens que vêm do caminho da ECI e estudam para ser pastores, com a esperança de que "outros jovens possam acolher a vocação para servir o Evangelho e a Igreja em um ministério pastoral ou diaconal ou nos ministérios locais em que a pluralidade e a variedade dos dons enriquecem a Igreja e a tornam competente para a sua missão de anunciar no tempo presente». Galeria de fotos (foto cortesia de Richard Kofi Ampofo) Convenção de Gana 2023 - foto de Richard Kofi Ampofo ...

Ler artigo
“Não tenha medo”.  mensagem ecumênica pascal

“Não tenha medo”. mensagem ecumênica pascal

Foto de Ignacio Joaquin Silveyra de Avila - Unsplash Roma (NEV), 12 de abril de 2020 - Uma mensagem pascal ecumênica dirigida aos cristãos da Itália: é uma novidade bem-vinda que nos traz esta Páscoa anômala, que quase todos celebraremos individualmente ou, no máximo, em família, encerrados em nossas casas para conter a infecção. De fato, todos os anos há uma espécie de mensagem ecumênica, mas por ocasião da "Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos", que acontece de 18 a 25 de janeiro: o tema da Semana é apresentado conjuntamente pelo bispo católico Ambrogio Spreafico , presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo, pelo Metropolita Gennadios, arcebispo ortodoxo da Itália e Malta, e pelo orador, como presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Mas este ano, ao aproximar-se a Páscoa, que as nossas Igrejas celebrarão em datas diferentes (12 de abril na tradição ocidental e 19 de abril na tradição oriental), "com base na fraternidade que nasce da confissão do mesmo Senhor, senti a necessidade de voltar a nos expressar juntos pronunciando uma palavra comum diante da pandemia que atingiu nosso país e o mundo inteiro. Uma pandemia global, portanto, que não poupa nenhuma região do mundo e que, além de causar desconforto, sofrimento e morte, condicionará fortemente as celebrações pascais das Igrejas cristãs, com o risco de obscurecer aquele sentimento de alegria que é típico do tempo pascal”. A mensagem parte do relato da Páscoa do Evangelho segundo Mateus, em que a ressurreição de Jesus é anunciada por um terremoto e pelo anjo do Senhor que rola a grande pedra do sepulcro, causando grande temor em todos os presentes - que isto é, os guardas e as "mulheres piedosas" que foram ao túmulo. Só que, enquanto o medo literalmente paralisa os guardas, as mulheres aceitam o convite do anjo para não temer e, verificando que o sepulcro está vazio, fogem "com medo e grande alegria". “Uma mistura de medo e alegria que os põe em movimento e os torna os primeiros arautos da ressurreição. Por isso – lê-se na mensagem – mesmo neste tempo de contágio, queremos aceitar o convite do anjo: “Não tenhais medo”. Cumprindo as regras de prudência a que teremos de continuar a cumprir para evitar o alastramento da pandemia, como Igrejas sentimo-nos chamadas a ser, como piedosas mulheres, arautos da ressurreição, do facto de a morte não ter a última palavra. Esta pandemia também fortalece em nós a vocação de estarmos juntos, neste mundo dividido e ao mesmo tempo unidos no sofrimento, testemunhas de humanidade e hospitalidade, atentos às necessidades de todos e especialmente dos últimos, dos pobres, dos marginalizados”. A mensagem termina com um convite à oração que une todos os cristãos: Pai nosso que estais nos céus... livrai-nos do Mal”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.