O jardim urbano no telhado da igreja

O jardim urbano no telhado da igreja

Roma (NEV) 6 de abril de 2022 – Há uma igreja com uma horta no telhado. Acontece em Milão, na igreja metodista na via Porro Lambertenghi, no bairro de Isola. A iniciativa, lançada há alguns anos, como explica este artigo Reforma, agora também participa de uma competição, “Reward your green” (você pode votar aqui). “A horta – lê-se na apresentação do portal do concurso verde – feita com paletes de madeira montadas em pés, utilizadas tanto como contentores como como passadiços. A confecção teve a curadoria de membros e simpatizantes da comunidade da igreja metodista. Criado com o objetivo de ter um espaço verde compartilhado onde as pessoas possam se encontrar e interagir e desacelerar o escoamento das águas pluviais da cobertura para a rede de esgoto do condomínio. Ela é cuidada tanto por membros da comunidade metodista como também por pessoas que moram no condomínio onde está localizada a igreja”.

O espaço administrado pela comunidade metodista da capital lombarda “é utilizado para momentos de convívio, pequenos eventos e durante o período de pandemia também foi utilizado para momentos de oração comunitária ao ar livre. Na escolha das plantas e flores, que se renovam de acordo com as estações do ano, há uma grande atenção em privilegiar aquelas mais adequadas para atrair borboletas e abelhas e pequenos pássaros, de forma a criar um pequeno oásis de apoio no contexto urbano da cidade .em um caminho de conscientização que está sendo compartilhado com outras igrejas evangélicas na Itália. A água é garantida por um sistema automático de irrigação por gotejamento controlado sistematicamente”.

“A horta – explica a pastora Cristina Arquidiácona – é pensado como um lugar aberto ao bairro e à cidade e é lindo e importante compartilhar essa experiência. Esperamos, por isso, que se torne cada vez mais um espaço de partilha, precisamente como foi sobretudo durante o período pandémico”.


Para mais informações, sempre sobre o tema “verde”: a rede ecumênica para os corredores dos insetos polinizadores.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A Espera – Neve

A Espera – Neve

Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 – O podcast – calendário chama-se “L'Attesa”do Advento, idealizado e criado por Pedro Ciacciopastor metodista e membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, juntamente com o Confronti Review and Study Center, com direção e pós-produção de Márcia Coronati. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=XtB5G5IAUNA[/embed] Aqui você pode ouvir os 24 episódios da história do rádio. Hoje, 5 de dezembro, o episódio dedicado à figura de Giuseppe. artigo anteriorPluralismo religioso na ItáliaPróximo artigoRevistas de cultura para "Mais livros mais grátis" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
30 anos após a Assembleia Ecumênica Mundial em Seul

30 anos após a Assembleia Ecumênica Mundial em Seul

foto WCC Por ocasião do trigésimo aniversário da Convocação Ecumênica de Seul (5 a 12 de março de 1990) sobre "Justiça, paz e proteção da criação", publicamos uma prévia do texto do pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), que será transmitido no próximo domingo, 22 de março, no programa de rádio "Culto evangelico" da Radio1 RAI. Roma (NEV), 17 de março de 2020 – “Chegou a hora de confirmar nossa aliança com Deus, que também nos une uns aos outros. Vivemos um momento único na história. Toda a vida na terra está ameaçada pela injustiça, pela guerra, pela destruição da criação porque quebramos a aliança com Deus”. Assim começa a mensagem final da Assembleia Ecumênica Mundial sobre "Justiça, Paz e Integridade da Criação", realizada há trinta anos em Seul, Coreia do Sul, de 5 a 12 de março de 1990. Mais de mil pessoas, pertencentes a todas as confissões cristãs, participaram deste grande encontro promovido pelo Conselho Ecumênico de Igrejas; cerca de oitenta italianos, a maioria católicos, apesar de o Vaticano ter recusado o convite para ser co-convidador do evento e ter limitado sua presença oficial a vinte consultores. A Assembléia concluiu com quatro “Atos de Aliança” e com dez afirmações. Os Atos do Pacto diziam respeito: 1) ao compromisso com uma ordem econômica justa; 2) pela desmilitarização das relações internacionais e por uma cultura de não violência; 3) preservar a dádiva da atmosfera terrestre e combater o efeito estufa; 4) e, finalmente, para erradicar o racismo. E aqui estão as dez afirmações, todas muito oportunas: 1) devemos prestar contas a Deus de todo exercício de poder; 2) Deus faz uma escolha em favor dos pobres; 3) todos os povos e raças têm o mesmo valor; 4) homens e mulheres são criados à imagem de Deus; 5) a verdade é o fundamento de uma comunidade de seres livres; 6) Jesus Cristo traz paz; 7) a criação é amada por Deus; 8) a terra pertence a Deus; 9) a dignidade e o compromisso dos jovens devem ser reconhecidos; 10) Os direitos humanos são um dom de Deus. Recordando o aniversário da Assembléia em Seul nestes dias, o pároco Martin Robraengajada há décadas no Conselho Ecumênico de Genebra precisamente no setor "Justiça, paz e proteção da criação", sublinhou o caráter profético da prioridade dada ao tema da mudança climática, tema que há trinta anos não era de forma alguma moda, muito menos entre as igrejas cristãs. E recordou a imagem do culto final, com o seu significativo gesto simbólico: participantes de todos os continentes reunidos em torno de uma cruz, segurando nas mãos um grande globo terrestre, "sinal de reconciliação, cura e bênção, mantendo-o unido num equilíbrio frágil". Cristãos que se comprometem a apoiar conjuntamente o frágil equilíbrio da terra, portanto: uma imagem e um compromisso sempre presentes, especialmente nestes tempos em que, devido ao coronavírus, vivemos de maneira particular nossa vulnerabilidade em um mundo globalizado. ...

Ler artigo
“Precisamos de um passo decisivo das igrejas”

“Precisamos de um passo decisivo das igrejas”

Foto tirada de Roma (NEV), 27 de fevereiro de 2023 – “Hoje podemos nos perguntar onde estamos no caminho sem fósseis e quanto fazemos para cumprir nossos compromissos a esse respeito”. Com estas palavras o coordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), Maria Elena Lacquaniticomenta as recentes notícias em que a ENI anunciou um lucro operacional para 2022 que ascende a colossais 20,4 mil milhões de euros. Os lucros mais altos de todos os tempos e mais que o dobro em relação a 2021, de acordo com a Associação ReCommon e o Greenpeace Itália, que declaram “ultrajante que as empresas de petróleo e gás obtenham lucros recordes enquanto o planeta queima”. “Chegou a hora de dar um passo decisivo, também aceitando os convites que vêm de vários quadrantes do mundo católico: trabalhar juntos para que as igrejas se tornem comunidades de energia” continua Lacquaniti. E conclui: “A GLAM está aí e coloca-se à disposição das igrejas para contribuir para esta mudança, com informação, apoio e também com os objetivos alcançados por algumas das eco-comunidades do setor energético”. Entre os sinais que vão nessa direção, da parte católica, está a exortação do Monsenhor Filipe Santorobispo de Taranto, que, dirigindo-se a mais de 25.000 paróquias, disse: "Queremos que as comunidades dos fiéis em todas as paróquias italianas se tornem comunidades de energia" (Fonte: Repubblica, 14 de fevereiro de 2023). Em 2017, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) propôs à Federação aderir à campanha para desinvestir no financiamento fóssil "No fóssil". A FCEI, em Junho do mesmo ano, decidiu apoiar a campanha, levando também a mensagem por ocasião da nomeação "All 4 the green" em Bolonha. GLAM e eco-comunidades A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.