Olav Fykse Tveit na Conferência Pentecostal Mundial

Olav Fykse Tveit na Conferência Pentecostal Mundial

Roma (NEV), 6 de setembro de 2019 – O secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), pároco Olav Fykse Tveit, participou da 25ª Conferência Pentecostal Mundial realizada em Calgary, Canadá na semana passada. O tema do encontro foi “Spirit Now”.

Durante o seminário intitulado “Pentecostais e a unidade dos cristãos: conversas bilaterais e multilaterais”, realizado em 29 de agosto, Tveit agradeceu as oportunidades de diálogo ecumênico e disse: “O chamado à unidade dos cristãos é dirigido a todos os discípulos de Cristo e a todas as igrejas ou famílias da igreja confessando o Senhor Jesus Cristo como Deus e Salvador.

Olav Fykse Tveit

“Nossa história mútua foi muitas vezes marcada por preconceitos, divisões e até violências – disse, lembrando como o diálogo ajuda a lembrar o que temos em comum -. Nas últimas décadas, as igrejas cresceram juntas na fé por meio de muitas reuniões que resultaram em declarações comuns e testemunhos compartilhados”.

Tanto o CMI quanto a Aliança Pentecostal Mundial foram fundados no final da década de 1940, após a Segunda Guerra Mundial. “O primeiro passo em nosso relacionamento foi nos conhecermos – disse Tveit novamente -. O segundo passo do nosso relacionamento foi criar uma plataforma de consulta”.

De fato, em 2000 foi criado um grupo consultivo, que se reportará à Assembleia da CEC a ser realizada em 2021 em Karlsruhe, Alemanha, com o tema “O amor de Cristo impulsiona o mundo à reconciliação e à unidade”.

“O terceiro passo em nosso relacionamento foi estabelecer uma plataforma de cooperação, ou seja, o Fórum Cristão Global, onde o Conselho Mundial de Igrejas, a Aliança Pentecostal Mundial, a Aliança Evangélica Mundial e a Igreja Católica Romana compartilham a responsabilidade de envolver os líderes de nossas igrejas em conversas de fé e testemunho.”

“O movimento pentecostal e o movimento ecumênico têm algo em comum – concluiu Tveit -: a busca pela renovação das igrejas, a quebra de barreiras e a busca da unidade no testemunho e no serviço. O Global Christian Forum nos permitiu desenvolver novas relações entre representantes de diferentes correntes do Cristianismo mundial”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Com a benção de Deus, molde o futuro”

“Com a benção de Deus, molde o futuro”

O KultuuriKatel em Tallinn (Estônia), onde acontece a 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) - 2023 Roma (NEV), 13 de junho de 2023 - A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) começa amanhã. Com o título “Com a bênção de Deus – moldando o futuro”, acontece de 14 a 20 de junho de 2023 em Tallinn, na Estônia. São cinco delegados da Itália: Pastor Peter Ciaccio, para as igrejas metodistas. a pastora Letizia Tomassone, delegado da igreja valdense. O pastor Simone De Giuseppe para a União das Igrejas Evangélicas Batistas na Itália (UCEBI). a pastora Kirsten Thiele, representando a Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Estes são os delegados com voz deliberativa. Finalmente, com voz consultiva, delegado da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Irene Grassi. Pedimos a Peter Ciaccio que nos desse alguns detalhes sobre este importante evento internacional. Qual será o papel dos delegados italianos na 16ª Assembleia do KEK? Além de ter voz deliberativa ou consultiva, os delegados também exercem determinadas funções na Assembleia. Por exemplo, Irene Grassi é uma das responsáveis ​​pela animação musical litúrgica. Letizia Tomassone fará parte de uma comissão que ajudará a Assembleia a elaborar um documento final sobre as decisões tomadas. De minha parte, fui membro do Comitê de Planejamento e trabalhei com outros ao longo dos últimos anos para definir como esta Assembléia se desenrolaria, principalmente logisticamente. Como a CEC está se transformando? Em comparação com a Assembleia anterior (Novi Sad, Sérvia - 2018), houve dois eventos decisivos para a vida das igrejas na Europa e além. A primeira é o longo período da pandemia, caracterizado por restrições e pelo fato de muitas igrejas não terem conseguido se reunir ou terem se reunido majoritariamente por meio eletrônico. E depois, é claro, há a questão da guerra que já dura há mais de um ano a alguns quilômetros daqui – pelo menos no que diz respeito a esta segunda fase da invasão russa da Ucrânia. Quando foi decidida a realização da Assembleia em Tallinn, esta fase ainda não tinha começado, pelo que não havia ideia de lá ir por algum motivo relacionado com o conflito entre a Rússia e a Ucrânia. Quando a guerra estourou, parecia correto manter essa decisão, esperando poder levar uma mensagem de paz e justiça para as proximidades. O retorno à presença é um momento significativo para as igrejas. O que você acha? É difícil imaginar como as igrejas poderiam ter passado pelo período da pandemia sem o uso das tecnologias de comunicação. No entanto, é importante voltar a atender. E porque a verdadeira igreja se faz presencialmente, reunindo-se, movendo-se, saindo de seus lugares seguros, indo a um lugar comum louvar ao Senhor. E talvez porque essas grandes possibilidades da tecnologia tenham multiplicado eventos e reuniões, acabando por dar menos importância a cada encontro. Ou tornando difícil destacar quais reuniões foram as mais importantes. Certamente as reuniões a nível europeu estiveram entre as que mais pagaram o preço da pandemia. O sentido de organizações como a Conferência das Igrejas da Europa é precisamente o de criar situações de encontro, de partilha. E esses encontros de partilha acontecem precisamente na presença; incluem momentos culturais, momentos de refeição, momentos litúrgicos que só podem ser realizados presencialmente. E é precisamente no encontro entre pessoas de diferentes culturas, de diversas origens, de diversas confissões que se realiza o ecumenismo. Além da discussão e debate que possa haver sobre diferenças teológicas e eclesiológicas. Quais são os principais temas desta Assembleia? São dois os temas fundamentais desta Assembleia. A primeira é entender o que é o CEC, o que ele se tornou. Com efeito, a partir de 2013 iniciou-se um longo processo de reestruturação que mudou radicalmente o rosto da Conferência das Igrejas europeias. Da mudança da sede de Genebra para Bruxelas, à extinção da Comissão para igrejas e empresas. Passando pela transformação dos grupos de trabalho em redes. Ainda não está claro, exceto no papel, o que é o CEC. Será preciso ver como se concretizará a nova Conferência. Este parece ser um assunto interno, um tema de pouco interesse, mas é muito importante para entender como levar adiante o segundo tema, ou seja, o tema da paz e reconciliação na Europa. A paz e a reconciliação têm estado no centro da missão da CEC desde a sua fundação. De fato, a CEC nasceu no final dos anos 1950 como uma tentativa de aproximar os cristãos do Oriente e os cristãos do Ocidente, tendo no centro a Cortina de Ferro, o Muro de Berlim. Uma das primeiras conferências realizadas em um navio em águas internacionais no Báltico foi histórica, justamente para permitir a participação de cristãos que viviam de um lado ou de outro da Cortina de Ferro. Nesta fase histórica – em que parece reincidir uma divisão entre o Oriente e o Ocidente, numa chave claramente muito diferente e não análoga – importa perceber o que o KEK pode fazer para pôr este continente a falar entre si. Viver um presente e um futuro reconciliados em nome da paz, da justiça e da proteção da criação. Precisamos entender como o KEK conseguirá, em sua nova fórmula e em sua reestruturação, ser tão eficaz quanto foi de fato na história, nas décadas de 1950 e 1960, até as grandes Assembléias Ecumênicas de 1989 em Basileia e 1997 em Graz . Para mais informações, programa, fotos e direct acesse ...

Ler artigo
O G20 das religiões – Nevada

O G20 das religiões – Nevada

Foto de Joshua Eckstein, unsplash Roma (NEV), 13 de setembro de 2021 - O "G20 das religiões", o Fórum Inter-religioso, está em andamento em Bolonha, no qual numerosos líderes políticos, ministros, membros de igrejas e, entre eles, também vários representantes das comunidades protestantes de todo o mundo. Qual é o significado desta nomeação – que o NEV lhe contará mais nos próximos dias, através de entrevistas a alguns dos protagonistas? “Esse G20 de religiões – explica o professor Paulo Naso, coordenador da comissão de estudos de diálogo e integração da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que moderou esta tarde uma sessão temática sobre migrantes e refugiados – confirma a ideia de que o diálogo inter-religioso vai além das fronteiras das religiões. Ou seja, torna-se pré-requisito essencial para a construção de políticas de inclusão, integração e proteção dos direitos humanos. Nesse sentido, pede-se também um novo empenho às comunidades de fé, chamadas a sair de seus particularismos para dar vida a projetos concretos de acolhida e integração, como, por exemplo, os corredores humanitários. Mas numa época em que os direitos fundamentais são violados em tantas partes do mundo e grupos inteiros são perseguidos por motivos de natureza política, religiosa ou de gênero, seria realmente importante um compromisso compartilhado pelas várias comunidades de fé para, ao contrário, afirmar a importância da uma plataforma comum para defender os direitos de todos os homens e mulheres”. Paulo Naso #FCEI @Medhope_FCEI apresentar agora @Marco_europa @santegidionews à sessão temática intitulada “Um imperativo do G20: apoiar #refugiados e forçado #migrantes" para o @IF20org #G20InterfaithForum sobre a #corredores humanitários #direitos humanos #refugiados #migrantes pic.twitter.com/z3czc5F5J2 — Agência NEV (@nev_it) 13 de setembro de 2021 A cerimônia de encerramento do fórum está marcada para amanhã, terça-feira, 14 de setembro, às 16h, no Palazzo Re Enzo, na capital da Emilia. Participará o Presidente do Conselho de Ministros, Mario Draghiserá presidido por Romano Prodiex-presidente da Comissão Europeia, com as saudações finais, entre outras, do Cardeal e Arcebispo de Bolonha, Mateus Maria Zuppi. eles vão intervir Elly Schlein, Vice-presidente da Região Emilia-Romagna; Rav Richard Di SegniRabino Chefe de Roma; Mohamed Abdel-SalamSecretário Geral da Comissão Superior da Fraternidade Humana; Najla Kassab AbouusawanPresidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas; Bernard SpitzPresidente dos Assuntos Europeus e Internacionais da MEDEF; Antonio Tajaniex-presidente da Comissão Europeia. ...

Ler artigo
um grande empreendimento deficitário planejado por Jesus

um grande empreendimento deficitário planejado por Jesus

Foto retirada do site do CEC Roma (NEV), 21 de junho de 2018 – Na capela do Centro Ecumênico de Genebra, na Suíça, repleta de autoridades religiosas de várias confissões protestantes, ortodoxas e católicas antigas, o Papa Francisco falou da “viagem como uma metáfora”. A oração ecuménica, acompanhada de cânticos, leituras e profissão de fé, abriu com a entrada na capela do Olav Fykse Tveitsecretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Agnes Abuommoderador do Comitê Central do CMI e outras autoridades religiosas junto com Papa Francisco que está visitando o WCC para o 70º aniversário da organização. “O coração nos convida a ir e alcançar uma meta, mas caminhar também é uma disciplina, um esforço. Requer humildade para refazer os próprios passos. Só juntos podemos caminhar bem. Mas o caminhar exige uma contínua autoconversão”, disse o Papa, que continuou: “Caminhar desta forma é um trabalho perdido, porque os interesses das próprias comunidades não são devidamente protegidos, muitas vezes fortemente ligados a filiações étnicas ou orientações consolidadas, sejam elas eles são mais 'conservadores' ou 'progressistas'. Sim, escolher pertencer a Jesus antes de Apolo ou Cefas, de Cristo antes de 'judeus ou gregos', do Senhor antes da direita ou da esquerda, escolher seu irmão em nome do Evangelho e não em si mesmo muitas vezes significa, aos olhos do mundo , trabalhar com prejuízo”. “O ecumenismo – continuou o Papa – é 'um grande empreendimento deficitário'. Mas trata-se de uma perda evangélica segundo o caminho traçado por Jesus: Quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas quem a perder por minha causa, salvá-la-á» (Lc 9, 24). Ansiei vir aqui como peregrino em busca de unidade e paz. Dou graças a Deus porque aqui vos encontrei, irmãos e irmãs já a caminho. Para nós, cristãos, caminhar juntos não é uma estratégia para fazer valer mais o nosso peso, mas um ato de obediência ao Senhor e de amor ao mundo, o verdadeiro amor que salva. Peçamos ao pai que caminhemos juntos com mais vigor no caminho do espírito, nada nos separará do seu amor”. Após a oração, uma delegação foi almoçar no Centro Ecumênico de Bossey onde haverá troca de presentes e encontro com os alunos. À tarde, a visita continuará novamente no Centro Ecumênico de Genebra. Uma coletiva de imprensa está marcada para as 14h. Você pode acompanhar o evento em transmissão ao vivo aqui: na página do Facebook do CEC (Conselho Mundial de Igrejas) e no Youtube (www.youtube.com/WCCworld/live) Para mais informações sobre o Conselho Mundial de Igrejas, sua liderança, organização e história, e sua relação com a Igreja Católica, veja aqui. EU'hashtags para a visita do Papa Francisco a Genebra em 21 de junho é #PapalVisit. O motivo é o 70º aniversário do CEC cuja hashtag é: #WCC70 Uma página em italiano sobre a visita do Papa Francisco está aqui. O perfil do Twitter do CEC é @oikoumene e a do secretário geral é @OlavTveit. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.