Olav Fykse Tveit na Conferência Pentecostal Mundial

Olav Fykse Tveit na Conferência Pentecostal Mundial

Roma (NEV), 6 de setembro de 2019 – O secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), pároco Olav Fykse Tveit, participou da 25ª Conferência Pentecostal Mundial realizada em Calgary, Canadá na semana passada. O tema do encontro foi “Spirit Now”.

Durante o seminário intitulado “Pentecostais e a unidade dos cristãos: conversas bilaterais e multilaterais”, realizado em 29 de agosto, Tveit agradeceu as oportunidades de diálogo ecumênico e disse: “O chamado à unidade dos cristãos é dirigido a todos os discípulos de Cristo e a todas as igrejas ou famílias da igreja confessando o Senhor Jesus Cristo como Deus e Salvador.

Olav Fykse Tveit

“Nossa história mútua foi muitas vezes marcada por preconceitos, divisões e até violências – disse, lembrando como o diálogo ajuda a lembrar o que temos em comum -. Nas últimas décadas, as igrejas cresceram juntas na fé por meio de muitas reuniões que resultaram em declarações comuns e testemunhos compartilhados”.

Tanto o CMI quanto a Aliança Pentecostal Mundial foram fundados no final da década de 1940, após a Segunda Guerra Mundial. “O primeiro passo em nosso relacionamento foi nos conhecermos – disse Tveit novamente -. O segundo passo do nosso relacionamento foi criar uma plataforma de consulta”.

De fato, em 2000 foi criado um grupo consultivo, que se reportará à Assembleia da CEC a ser realizada em 2021 em Karlsruhe, Alemanha, com o tema “O amor de Cristo impulsiona o mundo à reconciliação e à unidade”.

“O terceiro passo em nosso relacionamento foi estabelecer uma plataforma de cooperação, ou seja, o Fórum Cristão Global, onde o Conselho Mundial de Igrejas, a Aliança Pentecostal Mundial, a Aliança Evangélica Mundial e a Igreja Católica Romana compartilham a responsabilidade de envolver os líderes de nossas igrejas em conversas de fé e testemunho.”

“O movimento pentecostal e o movimento ecumênico têm algo em comum – concluiu Tveit -: a busca pela renovação das igrejas, a quebra de barreiras e a busca da unidade no testemunho e no serviço. O Global Christian Forum nos permitiu desenvolver novas relações entre representantes de diferentes correntes do Cristianismo mundial”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Tempo de Criação.  Jubileu da Terra: novos ritmos, nova esperança

Tempo de Criação. Jubileu da Terra: novos ritmos, nova esperança

Roma (NEV), 3 de junho de 2020 – Em nome do Programa de Justiça Econômica e Ecológica do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) foi convidada a participar do webinar internacional do Tempo da Criação, intitulado "Jubileu para a Terra: novos ritmos, nova esperança". Entre outros, o coordenador estará presente Antonella Visintin, coordenador do GLAM. A iniciativa conta com vários parceiros, incluindo a Rede Cristã Europeia para o Meio Ambiente (ECEN). O Tempo da Criação é um período litúrgico ecumênico que vai de 1º de setembro a 4 de outubro, que deu seus primeiros passos com a Assembleia Ecumênica Européia em Graz (Áustria) em 1997 e que envolve igrejas cristãs de todas as tradições em todo o mundo. O webinar da Temporada da Criação 2020 será realizado no dia 8 de junho de 2020, das 16h às 17h30, e também será uma oportunidade para apresentar o novo guia de celebrações, disponível no site do CMI neste link: O webinar internacional visa aumentar a conscientização e inspirar as igrejas a abordar o tema deste ano e é promovido pelo Comitê Diretor do Temporada da Criação. Será realizado em vários idiomas: inglês, espanhol, italiano, polonês, português. Para se inscrever clique AQUI caixas de som Rute Valério – Tearfunds Rei Crizaldo – Miquéias Global Martin Kopp – Comissão de Ecologia e Justiça Climática da Federação Protestante Francesa Pe. Joshtrom Kureethadam – Setor de ecologia e criação do dicastério vaticano para a promoção do desenvolvimento humano integral Ruth Padilha de Borst – Sociedade Teológica na América Latina eles moderam pastor Chad Rimmer – Federação Luterana Mundial (FLM) pastor Dave Bookless – Em Rocha O cuidado com a criação é um daqueles aspectos da vida que merece atenção especial no período pós-coronavírus. Este ano, como nos anos anteriores, cristãos de todas as origens e tradições ao redor do mundo serão convidados a celebrar o Tempo da Criação. A comissão diretiva ecumênica do Tempo da Criação, à qual também pertence o ECEN, preparou um guia litúrgico, que já está disponível para ampla utilização. O tema deste ano é “Jubileu pela Terra”. O convite para participar e organizar celebrações é dirigido a igrejas, paróquias e comunidades de todo o mundo. Várias iniciativas estão planejadas, incluindo webinars, serviços de oração, um grupo no Facebook, documentação detalhada e fotos. Para acessar todos os materiais, acesse www.SeasonOfCreation.org ...

Ler artigo
Suíço.  Culto em Grossmünster e 500 anos desde a primeira disputa de Zwingli

Suíço. Culto em Grossmünster e 500 anos desde a primeira disputa de Zwingli

Foto acima: Grossmünster (de www.grossmuenster.ch) Foto abaixo: Disputa de Zurique (de www.zb.uzh.ch/de/zuerich/reformation) Roma (NEV), 20 de janeiro de 2023 – O culto habitual das várias denominações protestantes de Zurique é realizado no domingo, 22 de janeiro, em Grossmünster. As comunidades reformadas valdenses de língua italiana, de língua francesa, de língua húngara e de língua tcheca e a comunidade luterana participam do culto. Haverá partes litúrgicas em diferentes idiomas e um sermão multivocal. Para a igreja valdense, celebra o pastor Herbert Anders. A pastora preside com ele Krisztina Michnao pastor Jiří Přečeko pastor Christophe Kochero pastor Thomas Risel e o pastor Martin Rusch. Segue-se um aperitivo na capela de Helferei. No mesmo dia também é possível participar da inauguração da exposição “Disputation – Reformation im Kreuzfeuer” “Disputa. A Reforma no Fogo Cruzado”, na galeria Grossmünster. A exposição visa celebrar os 500 anos da primeira disputa de Zurique. De fato, 2023 celebrará “500 anos das disputas de Zurique”. A primeira, por escrito, ocorreu em 29 de janeiro de 1523. Os organizadores escrevem que a forma de assembléia inaugurada com a primeira disputa de Zurique, então completamente nova e que mais tarde se desenvolveu em um "modelo de sucesso além da fronteira suíça, representou para Zurique o passo decisivo para a renovação social e eclesiástica. Nas disputas, aconteceram debates públicos perante o Concílio, abrindo caminho para a Reforma”. E também levando ao que é considerado a invenção zwingliana do sínodo e a vitória da Reforma. Isso é bem explicado por um blog de reformados suíços “locais”, que tentam “entrar na filosofia de uma disputa. Um método de trabalho interessante que permitirá a muitas cidades introduzir a Reforma. O Concílio convoca as partes para a disputa, anunciando que a disputa será em alemão e que o tema será a relação entre a Escritura e a tradição humana. O bispo de Constança envia sua delegação, mas não como parte envolvida na disputa, mesmo que seja. São cerca de 600 participantes e eles se reúnem na câmara do conselho. Há pelo menos dois relatos da disputa e, obviamente, do lado oposto. Alguns momentos da disputa são importantes. A primeira diz respeito à reivindicação de Zuínglio sobre a validade de uma assembléia local convocada pela autoridade civil e com poderes para deliberar sobre questões relativas à fé. Desta afirmação surge o modelo da invenção zwingliana do sínodo. A segunda é, obviamente, sobre o valor das tradições. Ao final da disputa, é uma vitória clara para o Zwingli. A Reforma pode continuar”. Para saber mais, leia também: o ensaio de Sérgio Ronchi: Huldrych Zwingli, o reformador de Zurique. No documento, Ronchi explica como a disputa terá que estabelecer a linha de demarcação entre heresia e fidelidade evangélica na pregação de seus pastores. Poucos dias depois da disputa, Zuínglio redigiu suas 67 Teses, que deveriam ter sido a base do debate, mas que mais tarde se tornaram o fundamento da "Sola Scriptura", um dos princípios cardeais do protestantismo. E, em particular, “a independência da palavra de Deus em relação à Igreja, como lemos na tese 1: 'Todos aqueles que afirmam que o evangelho não tem valor sem a aprovação da igreja, erram e desprezam a Deus'. Jesus Cristo como único meio de salvação (teses 3 e 4); a Igreja autêntica constituída pelo seu corpo, ou seja, por todos os fiéis sem distinções clericais (tese 7-9); o papa não tem razão de existir, porque apenas 'Cristo é o único e eterno sumo sacerdote' (tese 17); a missa é rejeitada porque 'Cristo se ofereceu uma única vez como sacrifício que dura na eternidade e tem valor expiatório pelos pecados de todos os crentes; daí deduzimos que a missa não é um sacrifício' (tese 18); Cristo é o único mediador entre o céu e a terra e, por isso, a intercessão dos santos é rejeitada (tese 19-21). […] Terminada a disputa, o Concílio reuniu-se em sessão extraordinária, durante a qual oficializou (e definitivamente) estabeleceu que 'o mestre Ulrich Zwinglio pode proceder na linha seguida até agora, isto é, pregar o santo evangelho e a verdadeira Sagrada Escritura, quando e como ele quiser, desde que alguém não o convença de uma doutrina melhor. E todos os outros sacerdotes, párocos e pregadores seculares, nas suas respectivas cidades, vilas e senhorios, nada proponham e preguem senão o que se pode demonstrar com o santo evangelho e com a verdadeira Sagrada Escritura. E não devem surgir mais brigas, heresias ou palavras desonrosas, porque aqueles que se mostrarem desobedientes e não observarem estas prescrições serão repreendidos de tal forma que poderão entender que cometeram um erro.' O princípio da sola scriptura foi agora definitivamente ratificado'”. ...

Ler artigo
Prêmio ACNUR para a casa de repouso GB Taylor

Prêmio ACNUR para a casa de repouso GB Taylor

A partir da esquerda, Rosa Manfredi e Silvia Zerbinati, respectivamente Diretora e assistente social do GB Taylor Institute em Roma Roma (NEV), 14 de junho de 2022 – Pelo segundo ano consecutivo, o GB Taylor Rest Home em Roma recebeu o reconhecimento do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) por seu compromisso com os processos de integração laboral de beneficiários de proteção internacional. A cerimônia de premiação aconteceu ontem no Campidoglio na presença do Prefeito Roberto Gualtieri e o Ministro do Trabalho André Orlando. O diretor esteve presente para o Taylor Rosa Manfredi e a assistente social Silvia Zerbinati. “Nossa missão é representar uma presença evangélica em nosso bairro – comentaram Manfredi e Zerbinati -. Este é o caminho que seguimos e, ao longo do tempo, oferecemos a muitos imigrantes e refugiados uma oportunidade de formação e um contrato de trabalho que restaurou a dignidade e a auto-estima. Permitindo também reconstituir famílias separadas”. O ACNUR concedeu o logotipo 'Bem-vindo' a 107 empresas. Graças ao programa Welcome, lê-se no comunicado de imprensa, "nos últimos 5 anos mais de 10.000 refugiados foram colocados no mundo do trabalho". Além do Taylor, foram premiados pequenas e grandes empresas, cooperativas, organizações sem fins lucrativos, fundações, associações comerciais, sindicatos, serviços de emprego e entidades locais que, por diversos motivos, têm colaborado para a inclusão dos requerentes de asilo no mercado de trabalho e beneficiários de proteção internacional. casa taylor A Taylor Rest Home, lê-se no site da instituição, “é um local onde todos os idosos que necessitam de companhia e de interagir com os outros podem encontrar ajuda e conforto válidos. A casa de repouso oferece aos idosos a possibilidade de uma vida comunitária, respeitando a sua autonomia, estimulando as suas capacidades residuais, favorecendo a sua relação com o meio”. A Taylor faz parte das estruturas pertencentes à União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). O instituto também oferece serviços de assistência religiosa, respeitando a liberdade de culto de cada hóspede. Foto Silvia Zerbinati O programa Bem-vindo. Trabalhando pela Integração de Refugiados “Nascido em 2017 como um prêmio para empresas que contratam refugiados, hoje Bem-vindo. Trabalhando pela Integração de Refugiados é um programa amplo que inclui treinamento e acompanhamento para empresas e operadores do mercado de trabalho e apoio específico para empresas que pretendem contratar refugiados. O ACNUR, com os seus parceiros, apoia as empresas na co- planificação de cursos de formação e colocação profissional, juntamente com as associações e realidades que acolhem os refugiados na zona”, escreve o ACNUR. “Os refugiados são médicos, professores, operários, agricultores, engenheiros, chefs, atletas, comerciantes, artistas. Através do trabalho eles readquirem, reforçando-o, seu próprio capital social como sujeitos ativos que podem determinar sua própria existência. Ao mesmo tempo, sua inclusão gera um desenvolvimento econômico positivo e generativo em benefício de toda a comunidade”, afirmou. Clara Cardolettirepresentante do ACNUR para Itália, Santa Sé e San Marino. Esta experiência, segundo a organização, traz um valor acrescentado em termos de enriquecimento, criatividade e novas energias, “transformando a diversidade numa grande vantagem para as empresas”. O comunicado de imprensa continua: “Uma vez fora de perigo, os refugiados precisam de oportunidades para superar traumas, fazer bom uso de seus talentos, treinar, trabalhar e contribuir para o país que os acolheu. A criação de oportunidades concretas de integração é tarefa e responsabilidade de todos, instituições, sociedade civil e setor privado. Somente trabalhando em sinergia, os refugiados podem ter a oportunidade de colocar suas habilidades e seu desejo à disposição para reconstruir suas vidas”. Bem-vindo projeto. Trabalhar para a integração de refugiados é apoiado pelo Ministério do Trabalho, Confindustria e Global Compact Network Itália. Também conta com o apoio da Tent Foundation. Para maiores informações: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.