Ucrânia, o compromisso da FCEI – Nev

Ucrânia, o compromisso da FCEI – Nev

foto CESVI @Spucches

Roma (NEV), 20 de fevereiro de 2023 – A participação no reinício de seis creches e um projeto de ponto de aquecimento são as duas atividades financiadas pela Federação das Igrejas Evangélicas Italianas na Ucrânia, graças à colaboração com a Fundação CESVI. Ambas as intervenções foram realizadas em Bucha, uma cidade geminada com o município de Bergamo que, novamente graças à Fundação CESVI, participa ativamente na reconstrução da cidade a noroeste de Kiev.

Apagões frequentes, combinados com custos crescentes de fornecimento de gás e eletricidade, além da condição de prédios danificados por bombas, expõem milhares de pessoas às condições extremas do inverno.

O CESVI criou, portanto, graças à contribuição da FCEI com o Otto per mille Waldensian e o Município de Bergamo, 11 pontos de aquecimento, estruturas aquecidas onde a população civil pode se refugiar durante o dia para se aquecer, conectar-se à Internet, receber alimentos e bebidas quentes. Dentro dos pontos de aquecimento também são fornecidas as necessidades básicas: leite, barras energéticas, papinhas para crianças menores de 3 anos, biscoitos, açúcar, chá e café.

Trata-se, portanto, de unidades móveis constituídas em colaboração com a administração local, nomeadamente em algumas zonas próximas de escolas para poderem utilizar as instalações sanitárias e os abrigos de proteção em caso de ataques com mísseis. Eles têm uma área de pelo menos 17 metros quadrados e podem ser usados ​​por mais de 20.000 pessoas que poderão se refugiar durante as horas de apagão e receber alimentos e bebidas quentes. Eles serão equipados com sistemas de aquecimento que podem ser alternados entre eletricidade, madeira e gás, dependendo da disponibilidade.

Além disso, com o fornecimento de lençóis e colchões, o projeto também previa a reorganização e recuperação das áreas de descanso das creches da cidade, atendidas por cerca de 500 crianças, que foram ocupadas durante a invasão da área e utilizadas como base apoiada pelo Militar russo, e por isso precisava de reposição de todos os materiais, desde camas a lençóis passando por material didático. Também neste projeto, a FCEI tem contribuído financeiramente para apoiar a atividade do CESVI.

Enquanto isso, 24 de fevereiro fará um ano desde o início da guerra. De acordo com as últimas estimativas do escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, há mais de 7.000 vítimas entre os civis ucranianos. Quase oito milhões de pessoas fugiram do país.

“Estamos próximos da população ucraniana – declara Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – Não esqueçamos os sofrimentos sofridos e todas as dificuldades de quem teve que deixar seu país. E daqueles que estão tentando reconstruí-lo e terão que continuar a fazê-lo. Por isso, temos o prazer de colaborar com uma ONG como o CESVI, presente nessa área, para dar nossa contribuição e ajudar as pessoas de forma concreta. Continuaremos a apoiar mulheres, homens, crianças, na Ucrânia, bem como em qualquer outra situação de guerra, crise, pobreza”.

“Ao medo das bombas soma-se outro perigo: o frio. A Organização Mundial da Saúde estima que até três milhões de pessoas poderiam deixar suas casas em busca de lugares mais quentes e seguros. Graças ao apoio da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, esperamos atingir cerca de 20.000 pessoas, principalmente mulheres, crianças e idosos – declara Roberto Vignola, vice-diretor geral da Fundação CESVI – Nossa equipe de emergência atua no distrito de Bucha com base operacional, desde maio de 2022, para a promoção de atividades e iniciativas voltadas principalmente para os mais vulneráveis. O reinício dos jardins de infância quer ser o símbolo da esperança de que possamos voltar à normalidade mesmo em pleno conflito e que cada criança, graças a este gesto, possa encontrar o seu quotidiano feito de companheiros, professores, sonhos e projetos de crescimento”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Alemanha.  A igreja é o futuro.  “Vá e veja!”

Alemanha. A igreja é o futuro. “Vá e veja!”

Roma (NEV), 2 de outubro de 2020 - A Alemanha se prepara para o 3º Kirchentag ecumênico, programado para 12 a 16 de maio de 2021 em Frankfurt. Este evento, entre os mais significativos do gênero, reuniu centenas de milhares de pessoas de diferentes tradições religiosas e convidados internacionais nas últimas edições. Enquanto isso, a Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) está lançando uma campanha sobre o futuro da igreja na qual convida os participantes a participar, propor e comentar alguns dos grandes temas que acompanham a sociedade e as igrejas. O grande encontro ecumênico na Alemanha tem como título “Ide e vede!”, inspirado no versículo bíblico do Evangelho de Marcos (6:38), e acontecerá de forma reduzida devido à pandemia de covid-19. Os organizadores protestantes e católicos esperam a presença de cerca de 30.000 pessoas em Frankfurt, com um programa presencial e virtual e em streaming. “O Terceiro Kirchentag Ecumênico é necessário, especialmente agora – declarou o protestante presidente do evento, Bettina Limperg -. Diálogo, amizade, discussão e conflito também precisam de espaço na arena pública”. O presidente católico do evento, Thomas Sternberg, falando da mudança que a pandemia está trazendo para o mundo, antecipou que em breve será apresentado um plano de saúde e segurança: “Podemos organizar o Kirchentag ecumênico com responsabilidade, cuidado e de uma maneira nova; ao mesmo tempo será um Kirchentag autêntico e intenso”. Enquanto isso, a EKD, com a campanha “A igreja é o futuro”, tenta dar um novo impulso às reflexões sobre a fé “numa sociedade em evolução caracterizada pela digitalização, pluralização e individualização”. Viver e transmitir a fé neste contexto é possível “só se a Igreja mudar também”, de forma aberta, flexível e contemporânea. A discussão é aberta e gira em torno de diferentes áreas, desde a fé até o papel das igrejas no espaço público. A impressão é que o debate na Alemanha é vivo e vital, em um país onde a união entre Estado e religião é fortemente sentida. “Há um paradoxo – diz à Agência NEV Cynthia Sciuto, jornalista e ensaísta radicado em Frankfurt –; se por um lado aqui na Alemanha parece que a distinção entre Estado e Igreja está consolidada, com uma política 'autônoma', ao mesmo tempo há uma forte relação no tecido social com a religião como fato público, ao invés de privado. Além disso, o debate envolvendo as igrejas ocorre de forma menos 'clerical' do que na Itália, mas aqui é mais difícil falar de 'laicidade'”. Alemanha de Martinho Lutero parece querer estar em primeiro plano em vários níveis: por exemplo, hoje em dia está muito viva a discussão sobre a hospitalidade eucarística, ou seja, a possibilidade de celebrarmos juntos a "santa ceia" (protestante) e a eucaristia (católica). A Congregação Romana para a Doutrina da Fé enviou um retumbante "não" ao documento do Grupo de Trabalho Ecumênico Católico-Protestante (ÖAK), que afirma que a participação mútua na Eucaristia é teologicamente justificada. O documento estava em discussão na assembléia plenária da conferência episcopal alemã. No 3º Kirchentag Ecumênico, católicos e protestantes poderão "estar juntos à mesa do Senhor"? Algumas igrejas já o fazem, inclusive na Itália. Para saber o que vai acontecer em Frankfurt em maio de 2021, só falta "ir e ver". Cinzia Sciuto é jornalista e ensaísta, editora da "MicroMega". Autor de “Não há fé que resista. Manifesto secular contra o multiculturalismo” (Feltrinelli, 2018; nova edição revisada em 2020), recém-lançado em alemão para Rotpunktverlag. Ela lida principalmente com direitos civis, secularismo e feminismo. ...

Ler artigo
Kristen Thiele.  Sonhos, ações e imaginação para viver bem

Kristen Thiele. Sonhos, ações e imaginação para viver bem

foto NEV/ER Catânia (NEV/CELI), 2 de maio de 2023 – O XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) foi encerrado ontem em Catânia. Publicamos aqui a entrevista com o vice-reitor, pároco Kirsten Thiele. Vivemos em uma sociedade cada vez mais insustentável, econômica, ecológica e socialmente. Guerras, velhas e novas pobrezas, poluição do planeta e, figurativamente falando, poluição espiritual, poluição dos valores. Por outro lado, existem os privilégios e o poder de poucos. As igrejas (e religiões) podem fazer mais para mudar esse processo? Sim certamente. E devemos fazer mais. É nosso trabalho mudar e também prevenir esse processo. Já falamos muito sobre a poluição na terra e continuamos a dizer que todos vivemos no mesmo solo, na mesma terra, no mesmo mundo, na mesma sociedade. Obviamente, temos que nos comprometer a mantê-lo e cuidar dele. Mesmo no que diz respeito à poluição do pensamento, acho que estamos todos envolvidos. Vendo as novas gerações, por exemplo, tem-se a sensação de que vivem num grande vazio. Parece que temos tudo, mas já não temos futuro, já não temos sonhos, falta-nos imaginação e perspectiva. E é precisamente isso que as religiões, desde os tempos antigos, deram. Uma perspectiva. Somos nós que temos que dar sentido à vida. Não uma possibilidade, portanto, mas precisamente como uma tarefa, como um "dever". Portanto, devemos proclamar que você tem valor, que você é amado, amado por Deus porque você foi criado e criado para viver aqui, para viver bem. E viver bem não significa viver nas costas dos outros. Só se os outros viverem bem eu também posso viver bem. Tudo isso abre a perspectiva de uma existência que não é mais isolada, centrada em si mesma, mas se abre novamente para o mundo. Um mundo que não é apenas virtual, mas real: aquele em que vivemos. Essa abordagem pode mudar a sociedade. Pelo menos essa é a minha esperança. Esta é a mensagem antiga de todas as religiões e, no fundo, é isso que nos une. Esta é a mensagem profunda que temos para dar: redescobrir o sentido da vida, redescobrir os sonhos e encontrar a fantasia de mudar alguma coisa, de se comprometer. E para poder se comprometer, você precisa ter um propósito. Para quem não conhece o CELI: qual é o papel do reitor e do reitor? A vice-reitora da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), pastora Kirsten Thiele Reitor e reitor andam juntos, mas são duas coisas distintas. A reitoria é o nosso escritório administrativo, onde trabalham quatro pessoas muito competentes para realizar todas as funções administrativas, manter contatos internos e externos com nossas igrejas parceiras, comunidades, pessoas, pastores, presidentes... qualquer pessoa pode ligar, pode pedir ajuda, pode até apenas fale. Em suma, eles são o pilar central no qual todas as comunidades se apoiam para realizar suas diversas atividades.Depois, há o Reitor e o Vice-reitor, que podem atuar como suplentes. Atualmente, essas funções são preenchidas, respectivamente, pelo pastor Carsten Gerdes e de mim. Na prática somos uma equipa, que funciona partilhando as várias tarefas. O Reitor é o líder religioso da igreja que, juntamente com o Vice-Decano, o Consistório, também formado por outros três leigos, conduz a igreja entre os Sínodos. A tarefa do Consistório é implementar as decisões que foram tomadas, e devemos prestar contas do trabalho que fizemos. O Reitor, especificamente, também é o representante espiritual de nossa igreja. O que esperar ao entrar em uma igreja luterana, em uma das muitas cidades onde o CELI está presente? Ao entrar em uma igreja luterana, talvez a primeira coisa que você perceba é que temos poucas imagens e símbolos. Não temos estátuas e estatuetas, as igrejas são essenciais. No fundo está a cruz, sempre está a Bíblia. Ao participar de um de nossos cultos, você poderá vivenciar uma linda liturgia. Cantamos juntos, rezamos juntos, há um envolvimento do corpo e do espírito.Por outro lado, ao entrar nas nossas comunidades, também no sentido de participação na vida comunitária, que vai além de estar presente no culto, na minha opinião encontra-se o desafio de ter que pensar em como participar ativamente. Não temos órgãos que dizem "isso é assim mesmo", ou "você tem que fazer isso". É mais fácil dizer o que está errado, mais difícil é dizer o que está certo. Portanto, todos são chamados a assumir a responsabilidade de contribuir para o caminho da comunidade: para onde queremos ir, o que podemos fazer, como nos comprometer, etc.… Uma comunidade não deve ser guiada apenas pelo presidente ou pelo pároco , mas pela comunidade de vida, ou seja, pela participação comum das pessoas. Entrevista por Gianluca Fiusco e Elena Ribet Para saber mais: Homepage – Inglês – Igreja Luterana Especial NEV Sínodo Luterano 2023 ...

Ler artigo
“Ser uma igreja universal com rosto indígena-afro-latino-americano”

“Ser uma igreja universal com rosto indígena-afro-latino-americano”

Detalhe de uma obra de Oswaldo Guayasamin Roma (NEV), 14 de agosto de 2020 – Filipe Adolfopastor da Igreja Evangélica Luterana no Equador e ex-presidente e secretário do Conselho Latino-Americano de Igrejas (CLAI), recorda com carinho e emoção o encontro que teve em 1992 com o bispo, teólogo e poeta Pedro Casaldáligaque faleceu há uma semana, aos 93 anos. "A Felipe, irmão no espírito de Jesus e na missão solidária da única Igreja universal que Ele ama" diz a dedicatória escrita por Casaldáliga sobre o livro "Espiritualidad de la Liberación", do próprio Casaldáliga e José María Vigil, que Adolf queria compartilhar com a Agência NEV. De origem catalã Casaldáliga, no Brasil desde 1968, foi consagrado bispo em 1971 na Prelazia de São Félix do Araguaia-MT. Ele se aliou às populações indígenas e camponesas que haviam sido expulsas de suas terras devido ao avanço dos latifundiários. Sua carta pastoral de 1971 “Uma Igreja na Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social” lhe custou várias ameaças de morte e várias tentativas de expulsão do país pela ditadura militar. “Quando pessoas como Pedro Casaldáliga nos deixarem – disse Adolf à Agência NEV – digamos que a floresta está acabando porque a 'queda' de uma árvore como essa tira o oxigênio vital da vida. Sua vida sacerdotal foi toda vivida no Brasil, na Amazônia, ao lado dos mais pobres dos pobres que hoje choram sua partida”. Adolf recorda o encontro com o teólogo católico e o diálogo entre eles sobre o tema da espiritualidade: “A sua fé baseava-se numa espiritualidade libertadora e macro-ecuménica; o ecumenismo não deve ser vivido apenas entre as igrejas, mas em unidade com as populações mais pobres e marginalizadas e, neste sentido, Casaldáliga participou ativamente das Assembleias do Povo de Deus na América Latina. Para ele, espiritualidade é vida e não sistematização teórica, mas é justamente essa espiritualidade vivida em termos de libertação que tem custos políticos”. “O bispo hispano-brasileiro – lembra Adolf – nunca se cansou de imaginar uma verdadeira igreja latino-americana e disse: 'Temos o direito e o dever de ser nós mesmos, aqui e agora, e viver nosso tempo de maneira cristã. Ser aqui a Igreja universal de Jesus, mas com rosto indígena, indígena-afro-latino-americano'”. “O livro “Espiritualidad de la Liberación” – continua Adolf – deve ser um guia para os viajantes. O vento do Espírito não se prende e 'sopra onde quer' movendo e renovando corações e estruturas. Este volume, como se diz no Prólogo, testemunha a existência de 'santos patriarcas e matriarcas indígenas e negros, de mulheres heroicas do povo - índios, negros, mestiços crioulos -, de trabalhadores do campo, das minas, na indústria, nos rios, a multidão de santos inocentes – prematuramente martirizados – e toda a legião de filhos e filhas do único Deus que tem muitos nomes, que compôs a totalidade da espiritualidade latino-americana antes e depois de 1492'”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.