Sínodo Luterano.  Em 9 de outubro em Roma para “Scegliere = Wählen”

Sínodo Luterano. Em 9 de outubro em Roma para “Scegliere = Wählen”

A Igreja Luterana de Roma

Roma (NEV/CELI), 7 de outubro de 2020 – A primeira sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), originalmente convocada de 30 de abril a 3 de maio de 2020 em Castellammare di Stabia/Nápoles e cancelada devido à covid , realizada em Roma de 9 a 11 de outubro. Os pontos mais importantes da agenda desta sessão serão a eleição do Presidium Sinodal e do Consistório. O presidente sinodal Georg Schedereit ele não está concorrendo à reeleição. O título do Sínodo, em italiano e alemão (o CELI é, por Estatuto, bilíngue) é “Scegliere = Wählen”.

Segundo Schedereit, o Sínodo está sob a bandeira do lema: “Ame o próximo como a si mesmo”. Em outras palavras, a segurança dos participantes tem prioridade máxima. “Não será um sínodo como estamos acostumados, o leitmotiv será sempre usar máscaras e manter distância”.

Todas as 15 comunidades do CELI estarão representadas, com cerca de 50 delegados sinodais já confirmados. O reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau, sublinhou que se trata de um Sínodo em forma reduzida, que se limitará aos temas mais importantes e obrigatórios, como as eleições e o orçamento: “A Covid demonstrou amplamente quantas coisas podem ser feitas em formato digital. Muito, mas não tudo. Reuniões pessoais são importantes para a coesão e colaboração frutífera. Após um exame detalhado de todas as disposições e medidas de segurança, chegamos à decisão de que, desde que consigamos garantir todas as precauções necessárias, a convocação do sínodo ainda é um ato responsável. E o compromisso com a participação de mais de dois terços dos sinodais confirma isso”.


Leia também:

a entrevista com o reitor Heiner Bludau: “A igreja é uma comunidade viva”

a entrevista para Wolfgang Pradervice-presidente do Sínodo e candidato presidencial: “Digital: encontrar os formatos certos com sensibilidade”

a entrevista com o representante legal do CELI e vice-presidente do Consistório, Cordelia Vitiello: “Somos credíveis através das nossas ações”

a entrevista com o vice-reitor CELI, Kirsten Thiele: “A igreja é vertical e horizontal”

Para mais informações e insights, consulte o site do CELI.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Deus-Robô.  Quando os criativos criam o criador

Deus-Robô. Quando os criativos criam o criador

Roma (NEV), 19 de setembro de 2022 – É o tempo em que o teólogo Paulo rico escreve um livro chamado “Deus”. Um Deus que também é artista e poeta. Simultaneamente, alguns criativos citam a Criação de Adão por Michelangelosubstituindo um robô por Deus. Não é a primeira vez que a obra-prima de Buonarroti é utilizada para fins artísticos ou publicitários. Quem sabe o que o artista diria sobre isso, ou o que ele diria sobre isso Vitória Colonna, seu amigo íntimo, nobre poeta próximo dos movimentos de reforma da Igreja Católica. Tão próximo de Michelangelo a ponto de ser tema de uma de suas “Crocefissioni”, assim como protagonista do famoso madrigal “Um homem em uma mulher, de fato um deus / pela boca ele fala, / então eu, para ouvir ela, eu sou feito assim, mas quanto mais eu serei meu." A Criação de Adão inspirou artistas como Harmonia Rosales, afro-cubana nascida em Chicago em 1984, que retrata o "criador" como uma deusa negra e um "Adão" feminino. A obra de Michelangelo foi retocada, montada e mutilada de mil maneiras. Desde o deus que dá a Adão uma fatia de pizza, um sanduíche, uma bebida, até anúncios de aparelhos eletrônicos, roupas, esportes. Depois, há o veio do cinema, da sátira política e dos quadrinhos, desde citações inofensivas como a do Mickey Mouse, até o mais extremo Deadpool, personagem superpoderoso no papel de Adam, com um Cable superarmado apontando uma arma em vez de deus. Citação não é apropriação, nem plágio, na opinião do autor. Na verdade, é a confirmação da carga universal de sentido de uma obra. E de sua beleza. Foi a mão de Deus, não a do filme de Sorrentino, mas a do Robô em dois comerciais, que me interrogou. Um hospital particular romano escolhe um detalhe da famosa obra, as duas mãos com os dedos indicadores se aproximando, para iniciar suas atividades com o slogan “o futuro está aqui”. À direita, na posição de Deus, está a mão de um robô. A escolha é aleatória ou deliberada? Quase em paralelo, um "consórcio" de editoras internacionais conhecidas está fazendo a mesma coisa, para "criar um caminho de eventos digitais" na cadeia de suprimentos industrial e artesanal italiana. Mesma imagem, revisitada, com a bandeira da Itália ao fundo. À esquerda, uma mão verde, como se fosse a mão da natureza, estendendo-se para a mão de um robô. Natureza e inovação de mãos dadas. Aqui também o robô está à direita, na posição de Deus, é intencional ou coincidência? Se o robô é feito pela inteligência humana, porque não colocar a mão humana, que o criou, certo? Isso seria muito presunçoso? Poderia ferir os sentimentos cristãos? No entanto, o ser humano já ascende à divindade, em tantas ocasiões. O robô poderia criar Adão ou Eva? É uma questão de poder? Ou um sinal dos tempos em que vivemos? É o símbolo de uma era? Diante das perguntas, pedimos a opinião do teólogo Paolo Ricca. Sobre o "deus-robô", Paolo Ricca diz: "Não é difícil interpretar esse tipo de imagem. Porque Deus não existe e, por outro lado, o homem não pode criar a si mesmo. Nenhum de nós desistiu de suas vidas. Podemos, sim, transmitir vida aos outros. Não sozinho, no entanto. Se você é um homem, você precisa de uma mulher. E se você é mulher, precisa de um homem. Não podemos, portanto, gerar a nós mesmos. Somos todos criados. Mas desde que Deus se tornou nulidade, ausência, não-ser, não-existência, o homem inventa um robô. Ele também é uma criatura, mas no sonho dessa representação, ele é uma criatura dotada de faculdades extraordinárias". “Isso é coerente com a situação espiritual e religiosa de nosso tempo que apagou Deus – continua Ricca -, que não é mais objeto, nem sujeito. É claro e eloquente. O homem confunde o Criador com a criatura. É uma inversão de papéis, um caos”. Parece um curto-circuito. Ricca conclui: “Sua criatura é seu criador, porque você não sabe mais o que é ser uma criatura, portanto um é tão bom quanto o outro”. Tudo se torna indiferenciado e indiferente. Talvez você precise recomeçar desde o início. E fazer apresentações. E para fazer isso, alguém estende a mão e diz que tem prazer em conhecê-lo. O que falta, segundo Paolo Ricca, é justamente isso: o conhecimento de Deus. ...

Ler artigo
Conferência Metodista: História, Missão e Cultura

Conferência Metodista: História, Missão e Cultura

Roma (NEV), 12 de fevereiro de 2020 – A movimentada sessão da manhã da conferência internacional sobre estudos do Metodismo intitulada “The Catholic limes. Ambições e estratégias do Metodismo para uma Itália unida” foi presidida pelo professor Alessandro Saggioro. O primeiro relatório, sobre "O sítio histórico-político da Itália no final do século XIX - início do século XX" foi editado por Augusto D'Angelo, que a partir de documentos históricos e historiográficos descreviam as relações recortadas entre católicos e metodistas, em contínua transformação, a nível nacional e local. Ao realçar a grande contribuição metodista na sociedade, na educação, através das escolas, mas também nas igrejas e nas relações com o tecido cultural e religioso da época, D'Angelo destacou o papel da mulher, "capaz de se colocar ao serviço da comunidade, no ensino, como professoras e como parteiras”. Párocos e freiras, onde a presença metodista é forte, segundo D'Angelo, se sentem estimulados a fazer melhor, graças a jovens brilhantes que o metodismo trouxe à tona. O professor destacou a importância da participação dos metodistas na resistência, o papel da industrialização e da fundação da fábrica em Palombaro (Chieti) "O renascimento, graças ao qual parte da população permanecerá na área", e o mudança de ritmo entre católicos e metodistas: desde 1960, quando o arcebispo bosio enviou cartas ao pároco para colocar o problema de como conter as comunidades protestantes onde elas existiam, em 1970, quando em visita pastoral o cardeal Loris CapovillaSecretário de João XXIII, em um questionário perguntou se o espírito ecumênico estava sendo cultivado e se era celebrada a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). As palavras de ordem já não são “prevenir, conter e reconquistar” mas “rezar juntos” e muda-se o tecido e a mentalidade. Por fim, D'Angelo convocou o debate a partir de três questões: as adesões ao metodismo, que poderiam ser motivadas pelo descontentamento com o clero católico; a hipótese de um vínculo entre a adesão e a facilitação da migração nos Estados Unidos, que financiava o pastorado; o valor da consciência de que a presença metodista tornou mais eficaz a ação de outros. Ele interveio sobre "A questão religiosa na Itália entre 1900 e 1915". Alberto Melloni da Fundação de Ciências Religiosas (FSCIRE), professor de história do cristianismo na Universidade de Modena e Reggio Emilia, bem como promotor da Academia Europeia de Religião. Melloni traçou as linhas da paisagem religiosa pré-guerra, citando cartas pastorais e manuais para padres e narrando as etapas da Itália leonina de Bonomelli, "de um catolicismo não mais rural e devoto, a um catolicismo italiano fermentado, que olha para o realidade social com olhos diferentes dos olhos do século XIX”, onde o próprio papado não será mais como antes. Melloni falou então das pedras angulares e dos preconceitos intelectuais e ideológicos que caracterizaram parte do pensamento da época, da luta contra a modernidade e o modernismo, do medo do judaísmo e do ódio aos protestantes, sem esquecer aquele tratado de uma luta que durou durante séculos mas, nesta fase, "caracterizada por Bispos pensantes, por um episcopado que conserva um protagonismo próprio, uma permanência na memória dos Estados pré-unificação, como herdeiros dos filhos mais novos das famílias das cidades, mesmo anti -Papistas”. O professor mencionou as características de uma Itália mergulhada no mito do cristianismo, que tinha a ambição de um colonialismo espiritual e civilizacional, ambição questionada pelos protestantes. Por fim, uma breve referência ao totalitarismo e às políticas repressivas do Ventennio, que fizeram com que "a devoção se tornasse um selo e a suspeita investisse sobre todos", através do que se poderia definir como denúncia em massa, em que a "descerebração do clero, e da sociedade em geral, desempenhou um papel na ascensão do fascismo; porque saber de algo é um risco”. Tim R. Woolley, do Comitê de Herança da Igreja Metodista da Grã-Bretanha, falou em vez das "Estratégias do Metodismo Inglês para a Itália, 1860-1915". Um excursus extenso e detalhado de Guilherme Artur (1819-1901) e de Henry James Piggot (1831-1917), pastor metodista inglês, iniciador da Missão Metodista Wesleyana na Itália, em diante, sobre as missões e denominações metodistas, a partir do Comentário Religioso e dos documentos em que são transcritas conversas com italianos comuns, descontentes com o papado . Desde o convite para estabelecer uma missão na Itália com a ideia de que o Metodismo Wesleyano poderia ser um fator de união para a Itália e para as outras formas de cristianismo que se desenvolviam, aos sentimentos mais propriamente antipapistas, até o trabalho de formação e envolvimento de ex-sacerdotes e seminaristas, com as consequentes perseguições e obstáculos dos católicos que queriam defender a sua fé e o seu território. Woolley citou episódios de antagonismo, ele leu documentos que se referem a "calúnias, ameaças e a 'invasão protestante' por meio da qual clérigos e leigos apelaram contra os intrusos cismáticos" para expulsar os "hereges". Ao descrever o metodismo e a estratégia da missão, Woolley sublinhou o papel da Sociedade Bíblica britânica e estrangeira que já havia divulgado a Bíblia traduzida com os colportores desde 1808, causando certa inquietação papal. A suspeita era de que era uma tentativa de “espalhar Bíblias multilaterais e corruptas, enquanto colportores carregavam Bíblias e outras literaturas protestantes tentando explorar o descontentamento nas paróquias locais”. Grande foi a contribuição dos metodistas na distribuição de publicações, na preservação de livros, nas obras de educação escolar, na fundação de igrejas e congregações, apesar de haver poucos prédios próprios "provavelmente pela hostilidade dos proprietários católicos e da recursos econômicos limitados". Foi neste período que também começou a se desenvolver uma ideia de cooperação ecumênica. A missão teve momentos de difusão e detenção; a pragmática estratégia metodista, com seus colportores e educadores, desacelerou, “mas a maior conquista diz respeito à qualidade e duração do trabalho nas escolas. Por exemplo, em La Spezia é relatado com orgulho que as autoridades educacionais da época registraram resultados muito satisfatórios e que o trabalho cresceu além das expectativas. Foi a guerra que teve impacto na fé, assim como o saldo de centenas de milhares de mortos”. Dia de Alfredo T, Secretário Geral da Comissão de Arquivos e História da Igreja Metodista Unida dos EUA, finalmente falou sobre "As estratégias do metodismo americano para a Itália, 1860-1915". Day explicou como nasceu a Missão Metodista Americana, através de viagens a cidades italianas e contato com a Igreja Metodista Britânica na Itália. Day também citou documentos históricos e escritos da época, que destacam não apenas o empenho dos pregadores itinerantes, mas também a atmosfera que se respirava, desde o amor e o ódio pelo papa, até o fervor com que se imaginava uma missão em Roma. “Pensava-se que os italianos seriam receptivos ao Metodismo, porque eram impulsivos e apaixonados; o espírito vital do metodismo e a presença valdense, considerada favorável, fizeram com que a Itália se apresentasse como um campo maduro para o evangelismo protestante”. Day cita as experiências da Alemanha e da Suíça, retorna os números e as etapas da missão estabelecida em Roma, que passa a ser sede com a Igreja Metodista Episcopal, a primeira a construir uma igreja na Cidade Eterna com o pastor Teófilo Gay. Um afresco do metodismo americano, que traz para a Itália novas formas de ministério, escolas dominicais, assistência a militares, alfabetização de mulheres e o trabalho de diaconisas, num contexto em que a vida das mulheres se limitava aos afazeres domésticos e o padre confessor as orientava ao casamento e ao a Igreja. “Os metodistas viam a mulher como um recurso, queriam que o ministério fosse mais amplo e que a mulher fosse protagonista na formação dos jovens, nas escolas e em outros serviços”. Entre os pioneiros neste serviço, o missionário Emma Hall. Assim nasceram os orfanatos de Intra e Florença, o instituto industrial de Veneza Cannaregio, o instituto educacional de Pádua, o internato em Roma com o jardim de infância Isabella Clark e o instituto internacional Crandon, nascido em 1896 como "Young Ladies College" no iniciativa de William Burt, superintendente da Missão Episcopal Metodista na Itália, do Instituto de Monte Mario e outras obras. O dia foi concluído com um breve panorama das fraturas e evoluções da missão, desde o que ele define como uma "maré baixa missionária" até as mudanças na disciplina, que na Itália em parte lutou para se estabelecer no que diz respeito ao uso do vinho e tabaco. A renovação espiritual colidirá com as dificuldades financeiras da década de 1920, mas de qualquer forma levará o Ministério Metodista americano, com suas profundas raízes no triunfalismo protestante, a se transportar para a Itália moderna com seu espírito democrático e progressista, mantendo ainda hoje em sua pregação e nas publicações um ponto forte. ...

Ler artigo
Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade

Foto: Amber – Unsplash Roma (NEV) 30 de agosto de 2022 - Após a introdução sobre "Água, seca e arredores" assinada por Maria Elena Lacquaniticoordenador da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), continua o ciclo de insights sobre esse recurso fundamental para a existência. A nova contribuição do GLAM intitula-se "Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade" e é editada por Antonella Visintin. No documento, a partir de alguns dados sobre a precipitação, sobre o aumento das temperaturas e sobre os fenómenos de seca em Itália, são recolhidas algumas propostas operacionais. Eles dizem respeito não apenas aos campos agrícola e industrial, mas também aos domésticos e pessoais. Além da crise da água Uma das palavras de ordem do GLAM é "consciência". Falar sobre a crise hídrica pode ser uma das formas de conscientizar as pessoas, contra o desperdício e pelo consumo responsável de água, alimentos e recursos em geral. “A crise hídrica ocorreu num contexto económico extremamente crítico, com empresas já experimentadas pelos fortes aumentos dos custos de produção decorrentes do conflito na Ucrânia, mas não só: energia, fertilizantes, rações, gasóleo, sementes, produtos fitofarmacêuticos” lê-se no documento. Um ponto delicado é o que diz respeito à gestão da água: quase um bilhão de metros cúbicos de água escapam todos os anos devido a vazamentos no abastecimento de água público e privado. Além disso, poderia melhorar o armazenamento da água da chuva, promover o uso racional nos setores agrícola e industrial, conscientizar a população sobre o uso responsável da água “como um bem comum a ser preservado para as gerações futuras”. Um ponto de partida, diz GLAM, “poderia ser o plano de adaptação climática desenvolvido em 2018 pelo então Ministro do Ambiente Gianluca Galletti (nunca aprovado), que enumerava as emergências dos territórios, os riscos repartidos por macrorregiões, as infraestruturas a construir, os tempos e o compromisso financeiro”. O documento faz parte de uma série de reflexões editadas pelo GLAM por ocasião do "Tempo da Criação", período litúrgico ecumênico mundial que começa todos os anos em 1º de setembro e termina em 4 de outubro, e que deu seus primeiros passos com a União Europeia Assembléia Ecumênica em Graz (Áustria) em 1997. Baixe aqui: Água e arredores – INTRODUÇÃO Políticas agrícolas da adaptação à sustentabilidade ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.