O Sínodo não está lá, mas

O Sínodo não está lá, mas

Casa Valdense, sede do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense

Roma (NEVCS/23), 7 de agosto de 2020 – “Gerações e regenerações. Cuidar de pessoas, memórias e territórios”. Esta é a iniciativa que acontecerá em Torre Pellice (TO) de 24 a 30 de agosto, nos dias que costumam ser dedicados ao Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas que este ano não será realizado devido aos conhecidos eventos relacionados com a emergência Covid -19.

“Não há Sínodo, mas as igrejas valdenses e metodistas estão lá com sua história e seu variado compromisso de Norte a Sul” sublinha o moderador Alessandra Trotta No vídeo que convida a acompanhar (presencialmente ou online) os eventos organizados nos lugares do Sínodo, nas datas do Sínodo, mas sem o Sínodo.

Encontros, exposições, shows, filmes e até histórias em quadrinhos vão animar a semana de 24 a 30 de agosto na Torre Pellice, coração do Valli Valdesi. Um rico programa de eventos que será precedido, de 21 a 23 de agosto, por uma edição especial da Torre di Libri.

Destacamos a noite de segunda-feira, 24 de agosto, com um debate na Casa Valdese intitulado “Para que ele trabalhasse e o guardasse. Justiça social e ambiental para a construção do pós Covid” com videointervenções de David Sassoli, presidente do Parlamento Europeu e da Elly Schlein, vice-presidente da Emilia Romagna, Vittorio Cogliati Dezza (Legambiente) e Valdo Spini (Círculo Rosselli). Tudo moderado por Cláudio Paravati E Ilaria Valenzi (Comparações), enquanto as conclusões são confiadas ao moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta.

O encontro “Invisível, mas necessário. Imigrantes e trabalho agrícola. As iniciativas das igrejas evangélicas”, organizado pelo Mediterranean Hope, um programa de refugiados emigrantes da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI), com a colaboração da Diaconia Valdense. Eles comparecerão ao encontro Maurizio Ambrosinisociólogo, Sara Maniserajornalista, Jaqueta Celestialsindicalista em Piana di Gioia Tauro, Nicolau Salussodiaconia valdense, Alberto RevelSecretário da Câmara do Trabalho, CGIL Turim, Ibrahim Diabatemediadora cultural, Rosarno, Francesco Piobbichiassistente social, MS e ativista social e sindical Aboubakar Soumahoro; coordenadas Paulo NasoFCEI.

Na quarta-feira, 26 de agosto, o “Dia Teológico de Miegge” refletirá sobre os temas “Pregação e vida”. No mesmo dia, pelas 17h00, a banda desenhada também aterra na Torre Pellice com a apresentação do livro de Peter Madsen sobre “Jesus de Nazaré”, publicado por Claudiana.

Sexta-feira haverá vários encontros dedicados às crianças e sobre as crianças, antes de abordar o tema “Informação em tempos de emergência” organizado pelo semanário Riforma e pelo Valdensian Cultural Center à noite, às 21h00.

A série de eventos terminará no fim de semana com um encontro no Museu Valdense e a exibição do filme “Valdesi. Uma história de fé e liberdade”.

No domingo, 30, à tarde, serão apresentados os projetos Otto per mille para a emergência do Covid-19, seguidos de saudações da moderadora Alessandra Trotta.

Aqui está o programa completo e atualizado dos Encontros da Semana Sinodal

Para informações: www.chiesavaldese.org

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Religiões pela Paz.  A 10ª Assembleia Mundial será realizada na Alemanha em agosto de 2019

Religiões pela Paz. A 10ª Assembleia Mundial será realizada na Alemanha em agosto de 2019

Roma (NEV), 14 de agosto de 2018 – Religiões pela Paz (RfP) convocará sua décima assembleia mundial em Lindau (Alemanha), de 20 a 23 de agosto de 2019. Título do evento, “Cuidando de nosso futuro comum” e verá o participação de cerca de 700 representantes religiosos - mulheres, homens e jovens, incluindo as mais altas autoridades institucionais e religiosas, até ativistas de base. “Os desafios atuais de conflito violento e extremismo, violações dos direitos humanos, pobreza e ameaças à terra ocorrem em meio a uma crescente crise de confiança nas instituições políticas e econômicas. Até a noção de 'verdade' é contestada e a comunicação é muitas vezes manipulada para fins comerciais ou políticos", lê-se no comunicado de imprensa da RfP, que sublinha o papel fundamental da ação multirreligiosa na resolução de conflitos violentos, para uma cidadania inclusiva e a proteção da terra. A RfP é uma organização multirreligiosa com sede em Nova York que opera em 90 países ao redor do mundo. ...

Ler artigo
Afeganistão.  As histórias do povo

Afeganistão. As histórias do povo

Roma (NEV), 29 de novembro de 2022 – A vida após 15 de agosto de 2021 tornou-se um "pesadelo". Mohammad repete isso várias vezes enquanto fala sobre como o Afeganistão mudou com o retorno do Talibã. Ele os chama de "monstros". Ele tem dois livros na mesa de cabeceira do quarto onde mora com sua família, um é um livro de medicina, seu trabalho em Cabul, o outro é "Italiano para leigos", para aprender o básico do italiano, tendo em vista a partida . Não há livros, mas folhas para desenhar na casa da segunda família que encontramos: são dois filhos pequenos, um casal, uma irmã adulta. Outros parentes moram nas proximidades. São um grande núcleo, vêm da província de Bamiyan, no centro do Afeganistão, onde em 2001 as estátuas de dois Budas foram destruídas pelos talibãs. Eles nos oferecem um chá de açafrão. Pergunto-lhe como é que os pais se conheceram: “somos primos”, eles respondem, coram e sorriem, “ela passava por baixo da minha janela e reparei nela”. Será o único momento em que a história deles não será tensa, difícil, dura. Eles são da etnia hazara, assim como outro grande núcleo que encontramos em um apartamento a alguns quilômetros de distância, em Islamabad. Marido, esposa e filha de poucos meses, avô e avó, ambos muito pequenos, e mais quatro filhos, pouco mais que adolescentes. É ciclista mas também fotógrafo (com 12.000 seguidores no instagram): vendeu a bicicleta, quer saber quando poderá voltar a correr. Não era possível praticar esportes sob o Talibã. E não era possível ou seguro para ele continuar morando no Afeganistão, porque ele treinou as meninas. A mãe sempre esteve envolvida na política, a nível local e regional. Toda a família tem uma história de engajamento e ativismo. Em uma mala, ao se preparar para o voo para a Itália, trouxeram toda uma louça. Foto de Niccolo Parigini O Sr. Sediqi, nascido em 1956 e com vários problemas de saúde, viajou de carroça para cruzar a fronteira. Ele foi jardineiro anos atrás e reencontra a família que já está na Itália. Tem sido acompanhado nos últimos meses – superando obstáculos de todo o tipo e várias vicissitudes – por um rapaz de apenas 17 anos, que essencialmente se encarregou dele. “Viramos uma família”, disse, olhando para o smartphone, como qualquer adolescente. Ele abraçou sua mãe, que havia conseguido partir em julho passado com o primeiro vôo dos corredores humanitários, em Fiumicino, alguns dias depois de nosso encontro, ela trouxe para ele uma poinsétia. Ele vem de Bamiyan - que era "famosa pelos direitos humanos, pela participação das pessoas na vida pública, um dos centros mais democráticos e avançados do país" - HS, jornalista, fotojornalista, ativista de direitos humanos, também trabalhou como intérprete e fixadores. Ele conta de muitos colegas que ficaram lá e não conseguiram se comunicar. “Depois de 2001 eu tinha esperança de que nosso país pudesse ser um lugar de liberdade e eu estava fazendo todo o possível, como ativista, para que isso acontecesse, mas com a chegada do Talibã perdemos tudo, tudo o que conquistamos em termos de direitos. ", explica. As mulheres não podem “participar da vida pública, ir à escola, não podem fazer nada”, as minorias “são alvos, constantemente em perigo”. Quem protesta é. Ele fala de "tortura pública", julgamentos sumários, negação de todos os direitos. “O Afeganistão será um problema para o mundo inteiro se as coisas continuarem assim: precisamos acabar com essa ditadura, apoiar verdadeiramente os valores dos direitos, e não com slogans”, conclui. Foto de Niccolo Parigini Nisar, que ensinava inglês para meninas em Cabul, também fala de mulheres e por isso teve que fugir. Mora com a mãe, ela gostaria de se colocar à disposição dos outros, trabalhou em salão de beleza quando era mais nova, diz saber costurar e cozinhar, principalmente o Bor pilau, prato feito com arroz e carne. “Tive que me esconder, mudei de casa e de endereço constantemente, até conseguir chegar ao Paquistão”, explica o filho. Porque "ninguém sabe o que realmente está acontecendo naquele país, agora", acrescenta Hakim Bawar, um jovem que partirá com seu irmão para Roma, que trabalhou durante anos com organizações locais e internacionais, ONGs, pelos direitos humanos. “Acredite ou não, às vezes penso que teria sido melhor morrer no Afeganistão, com meu povo, do que fugir. Existem milhões de pessoas que não têm escolha, têm que ficar lá. Mulheres. Que hoje elas não têm chance, senão de sofrer, senão de serem submetidas à violência”. E ele aponta o dedo para os governos ocidentais. “As pessoas se sentiram traídas. Mulheres, milhões de mulheres, foram entregues nas mãos do Talibã, é um inferno para elas. O Oeste? Vieram há vinte anos e prometeram-nos democracia, prosperidade e, em vez disso, trouxeram-nos o Talibã”. O que deveriam, poderiam, os países europeus, o Ocidente, de fato, fazer? "É tarde demais. Não confiamos mais neles." O projeto dos corredores humanitários do Afeganistão é realizado por: Federação de Igrejas Evangélicas (FCEI), Tavola Valdese, Arci, Caritas, Sant'Egidio, OIM. Os corredores humanitários das igrejas evangélicas são financiados pelo Otto per mille das igrejas metodistas e valdenses; o acolhimento dos beneficiários é administrado e executado pela Diaconia Valdense e pela FCEI. Para maiores informações: do Programa de Migrantes e Refugiados da Federação das Igrejas Protestantes na Itália, Mediterrâneo Esperança) e Nota do editor, os nomes das pessoas entrevistadas foram alterados, aparecem apenas como siglas ou não estão completos com nome e sobrenome por motivos relacionados à sua segurança e à vulnerabilidade de suas situações, de suas famílias e daqueles que permaneceram no Afeganistão. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Oração Ecumênica pela Paz, “Juntos pela Europa”

Oração Ecumênica pela Paz, “Juntos pela Europa”

Fotos Juntos pela Europa Roma (NEV), 11 de maio de 2023 – A oração ecumênica pela paz aconteceu ontem em Roma. A mensagem que emergiu é: a guerra nunca é a solução. A oração, que contou com a presença de autoridades religiosas e institucionais, comunidades e movimentos, aconteceu na igreja de S. Maria in Campitelli por ocasião do "Dia da Europa". Entre os representantes das Igrejas, o pastor valdense Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), o pastor batista Luca Maria Negrorepresentantes do Exército de Salvação (EOS), da Igreja Ortodoxa Romena, da Igreja Ortodoxa Grega, membros das comunidades pentecostais e do arcebispo anglicano Ian Ernestdiretor do Centro Anglicano de Roma. "Repudiemos verdadeiramente a guerra, que nunca é a solução para as disputas", disse o pastor metodista Mirella Manocchio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), entre a presença protestante. E acrescentou: "que se acabe com a fabricação de armas e outros instrumentos de morte", e que todos juntos, governantes e cidadãos, entendamos que só a justiça e a paz podem erguer as nações". “A guerra é a mãe de toda a pobreza. Destrói o que foi conquistado ao longo dos anos, aniquila o presente reduzindo-o à sobrevivência, impede o futuro”, afirmou. Maria Attias da Comunidade de Sant'Egidio. Leia o artigo da Agência SIR. "Juntos pela Europa" é uma rede de mais de 300 comunidades e movimentos cristãos espalhados por todo o continente. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.