Resolução da ONU sobre violência sexual: violação grave de direitos

Resolução da ONU sobre violência sexual: violação grave de direitos

Roma (NEV), 3 de maio de 2019 – AObservatório inter-religioso sobre a violência contra a mulher manifesta sua indignação com a resolução adotada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre violência sexual em conflitos armados (nº 2.467 de 23 de abril de 2019).

“O que aconteceu na ONU é uma violação gravíssima dos direitos de todas as mulheres do mundo – as mulheres do Observatório (cristãs protestantes – luteranas, metodistas, valdenses, batistas, adventistas, pentecostais -, católicas, ortodoxas, judias, islâmicas , hindu, budista) –. Não ter escrito expressamente que após um estupro de guerra a mulher tem direito à proteção da saúde e a possibilidade legal de aborto é intolerável”.

O comunicado recorda ainda a necessidade de fiscalizar as leis sobre a matéria: “tanto no julgamento de Nuremberga como no de Tóquio, embora a violação já tivesse sido estabelecida como crime, não foi processada; de facto, nem sempre é suficiente que existam leis, mas é também necessário que exista um contexto cultural capaz de as transpor e aplicar”.

A condenação da violência, explicam as mulheres do Observatório, está muito articulada no texto da resolução: “de fato, ela recomenda a todas as comunidades, inclusive religiosas, que desempenhem um papel mais ativo na defesa contra a violência sexual nos conflitos, evitar a marginalização e a estigmatização dos sobreviventes e suas famílias, e comprometer-se a auxiliá-los em sua reintegração social e econômica”. Por exemplo, o documento reconhece a importância de apoiar e promover “organizações de mulheres, guias religiosas e lideranças comunitárias, para uma mudança do estigma da violência sexual da figura da vítima para a do agressor”, mas revela-se completamente insuficiente no que diz respeito à proteção da saúde sexual e reprodutiva das mulheres violentadas, sobre o que, continua o Observatório, “a Resolução nos decepciona e nos ofende com suas reticências”.

Mais uma vez, os corpos das mulheres se tornam objeto de discórdia. O Observatório explica ainda: “Para evitar o incumprimento total do acordo, a linha pretendida pelo Donald Trumpde acordo com qual as mulheres estupradas na guerra não têm direito ao aborto; a referência à saúde reprodutiva teria sido um sinal verde para o aborto. Aliás, notamos que foi retirado do texto o estabelecimento de um mecanismo formal para monitorar e denunciar atrocidades cometidas na guerra, contra Estados Unidos, Rússia e China, três das nações mais poderosas do mundo”.

O secretário-geral da ONU António Guterres ela disse: “Apesar de muitos esforços, a violência sexual continua a ser uma característica horrível dos conflitos em todo o mundo e é usada deliberadamente como uma arma de guerra. Devemos reconhecer que o estupro na guerra afeta em grande medida as mulheres porque está ligado à questão da discriminação de gênero”.

Apesar disso, o veto dos EUA negou a dignidade e o respeito humanos. “Como mulheres de fé, dizemos que o veto dos EUA também nega o misericórdia para mulheres horrivelmente ofendidas e violentadas – conclui o Observatório -. O estupro de guerra tem uma longa história nas culturas patriarcais; tem muitos significados, inclusive para humilhar o país inimigo e consolidar o pacto criminoso homofóbico entre os agressores. É um ato brutal, muitas vezes vivenciado no silêncio e na vergonha da vítima; um acto de crueldade feroz, cujas consequências dilacerantes para a integridade da pessoa são gravíssimas. Se, além disso, a mulher também é ferida pela humilhação de ter engravidado pelo agressor voraz, então outro vexame se junta a um vexame. É desumano impor-lhe este ‘peso’, forçá-la a acolher a presença de um feto nas suas entranhas que só pode ser um sinal dessa terrível desgraça. Cada uma então será livre para escolher seu próprio destino, mas precisamente: ela terá o direito de escolhê-lo. E apoio não deve faltar para ela seja qual for a sua escolha”.

O Observatório nasceu em março passado com um Memorando de Entendimento e suas atividades incluem iniciativas culturais, de conscientização e vigilância sobre o tema da violência contra as mulheres.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Cúpula Ecumênica em Genebra – Nevada

Cúpula Ecumênica em Genebra – Nevada

Castelo de Bossey Roma (NEV), 13 de abril de 2011 – No dia 8 de abril, em Genebra, no Centro Ecumênico de Bossey, cinco secretários gerais de outras tantas organizações ecumênicas internacionais se reuniram com os líderes da Igreja Evangélica Alemã (EKD), para discutir o ecumenismo hoje: uma conversa animada sobre a melhor forma de promover a “unidade visível das igrejas” com a participação, entre outros, de Olav Fykse Tveit do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Martin Junge da Federação Luterana Mundial (WLF), Setri Nyomi do Mundo Comunhão das Igrejas Reformadas (CMCR), Viorel Ionita da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e John Nduna da ACT Alliance, o braço humanitário da CEC e FLM. Perante o problema generalizado da intolerância religiosa, levantado por Nduna, a ideia que tem vindo a ganhar terreno é a de desenvolver novos modelos de diálogo e cooperação ecuménica que se baseiem no princípio da "responsabilidade mútua", como propõe Tveit: "A inter-religiosidade e a cooperação ecumênica só pode acontecer com o apoio mútuo de todos os atores no campo e, portanto, não apenas das igrejas, mas também dos Estados e dos organismos culturais". Para Junge é necessário começar por evitar qualquer espírito de competição entre as diferentes tradições cristãs e organizações ecuménicas, enquanto para Nyomi, para fortalecer a unidade visível das igrejas, a luta contra as muitas injustiças a que estão sujeitos os seres humanos é humanos cruciais, não apenas no hemisfério sul. O movimento ecumênico global é feito de relações e interconexões complexas, sublinhou o Bispo Martin Schindehütte da EKD, reiterando que "no coração da ação e unidade cristã está o Evangelho". A grande satisfação pela iniciativa concertada dos cinco organismos ecuménicos foi expressa pelo presidente da EKD Nikolaus Schneider, que recordou as comemorações do 500º aniversário da Reforma a realizar em 2017 em Wittenberg, na Alemanha, para comemorar as 95 teses de Martinho Lutero. Um evento que foi descrito pelos participantes da cúpula como não apenas alemão, mas global. ...

Ler artigo
Jørgen Skov Sørensen novo secretário-geral da Conferência das Igrejas Europeias

Jørgen Skov Sørensen novo secretário-geral da Conferência das Igrejas Europeias

Jørgen Skov Sørensen Roma (NEV/Riforma.it), 22 de novembro de 2019 – Dr. Jørgen Skov Sørensen foi nomeado novo Secretário Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Nascido em Kolding, Dinamarca, aos 55 anos, chega ao CEC com vasta experiência em teologia, missão, ecumenismo, liderança, comunicação e gestão. O conselho da CEC anunciou a decisão em 21 de novembro em uma reunião em Bruxelas. Skov Sørensen assumirá o cargo em janeiro de 2020. “É com grande prazer que anunciamos a nomeação do Dr. Jørgen Skov Sørensen como o novo Secretário Geral da CEC,” disse o Presidente da CEC, Pastor Christian Krieger. “Estamos confiantes de que ele conduzirá a Conferência no caminho que visa acompanhar suas Igrejas e organizações em parceria, trabalhando juntos na esperança e no testemunho, servindo a Europa e promovendo a paz e a unidade da Igreja”. “Agradeço ao conselho de administração da CEC por me confiar a responsabilidade de liderar a Conferência das Igrejas da Europa em tempos de mudança em nosso continente - disse Skov Sørensen -. Acredito que o cristianismo definiu nosso continente como o conhecemos e que nossa herança desempenhará um papel na formação de nosso futuro comum. A CEC ocupa uma posição única entre as igrejas e a sociedade em geral que estou ansioso para explorar." Skov Sørensen é PhD em Missiologia, Teologia Ecumênica e Sistemática pela University of Birmingham, Reino Unido, e PhD em Teologia Ecumênica pela Aarhus University, Dinamarca. Ele serviu como secretário geral da Danmission, a maior e mais antiga organização missionária da Dinamarca, e também liderou a Igreja Evangélica Luterana na Dinamarca (ELCD) em vários níveis. Ele ocupou vários cargos acadêmicos na Universidade de Aarhus e no United College of the Ascension, Reino Unido, e ocupou cargos na Sociedade Missionária Dinamarquesa e na Igreja Dinamarquesa no Exterior – Hong Kong. Skov Sørensen atuou em várias diretorias e conselhos dinamarqueses e internacionais, incluindo Dan Church Aid, Lutheran World Federation (FLM) Endowment Fund, Center for the Study of Religion and Society, University of Aarhus, Danish Church Abroad, Eksistensen Christian Think Tank, Amphlett Scholarship Foundation e Areopagos Foundation. Ele é autor de numerosos artigos e publicações sobre questões internacionais e ecumênicas. Além das línguas escandinavas, ele fala inglês, alemão, francês e chinês mandarim. O conselho expressou gratidão ao ex-secretário geral, padre Heikki Huttunenpelos serviços prestados à CEC, contribuição e empenho. O CEC é uma comunidade de 114 igrejas ortodoxas, protestantes, anglicanas e católicas antigas de todos os países da Europa, bem como 40 conselhos nacionais de igrejas e organizações parceiras. A CEC foi fundada em 1959. Tem escritórios em Bruxelas e Estrasburgo. ...

Ler artigo
“Desejo de reiniciar” e inovação digital

“Desejo de reiniciar” e inovação digital

foto CELI Roma (NEV CS/43), 12 de outubro de 2020 - Concluiu-se em Roma a primeira sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), na qual se renovaram os dirigentes e se tomaram algumas decisões importantes para o futuro . Todos os trabalhos foram realizados respeitando as normas anti-covid vigentes. “O desejo de recomeçar” é a mensagem que sai da reunião sinodal de 9 a 11 de outubro na capital. O sínodo elegeu um novo Bureau e os três membros leigos do Consistório. O cumprimento das normas anticontágio não impediu que os membros do Sínodo se regozijassem com esta oportunidade de se encontrarem face a face. Os luteranos escrevem: “Uma demonstração concreta de que é possível viver a dimensão eclesial e participativa em segurança, ainda que com uma série de apostas, e em todo caso um sinal positivo de recomeço”. Wolfgang Prader acontece com Georg Schedereit como presidente do Sínodo, apoiado por Ingrid Pfrommertesoureiro cessante do CELI. Christine Fettig E Jens Ferstlque assume o cargo de tesoureiro, são dois dos três membros eleitos para o consistório. Cordelia Vitiellovice-presidente do Consistório e representante legal do CELI, foi reconfirmada em seu cargo. "Concluídas todas as votações, uma parte substancial do segundo dia de trabalhos do Sínodo foi utilizada para a aprovação do orçamento de 2020 e para a discussão de algumas moções importantes para o futuro do CELI, tudo como sempre de forma muito forma participativa – declarou o CELI –, às vezes até com uma dialética acalorada, mas sempre visando encontrar um ponto de equilíbrio. Entre outras coisas, as modalidades para promover o estudo da Teologia Evangélica na Itália foram acordadas para o estabelecimento de um corpo pastoral do CELI. Uma comissão também foi encarregada de identificar métodos e formatos adequados para uma futura plataforma digital. Por um lado, conectar ainda melhor as 15 comunidades do CELI e, graças à experiência do confinamento, oferecer uma forma digital de vivenciar a igreja e a comunidade; por outro lado, para permitir o acesso não vinculativo a conteúdos espirituais e religiosos a pessoas interessadas fora da igreja. Vozes do Sínodo (fonte: CELI) o reitor Heiner Bludau O resultado deste Sínodo, com sua agenda quase “minimalista” para economizar tempo e garantir segurança, superou em muito minhas expectativas. E por isso sou muito grata a Deus! Em suma, não foi apenas um Sínodo que foi de alguma forma “forçado” devido a prazos iminentes, como a aprovação do orçamento de 2020 e a eleição da Presidência do Sínodo e dos leigos do Consistório. Acredito que a oportunidade de termos podido nos encontrar pessoalmente nos permitiu discutir e tomar decisões inovadoras para o futuro e que são muito importantes, principalmente na situação delicada que (novamente) vivemos. O presidente do Sínodo Wolfgang Prader Estou muito feliz que no final foi possível aproveitar a oportunidade de um Sínodo presencial e gostaria de agradecer a todos os participantes por aderirem com grande disciplina às medidas de segurança prescritas, com a obrigação de cobrir a boca e o nariz com a máscara FFP 2 e manter distância. É assim: a troca e o debate acontecem melhor presencialmente do que online. Dados os últimos desenvolvimentos da pandemia, em breve começaremos a avaliar as condições gerais para o próximo Sínodo em abril de 2021, a fim de estarmos prontos para realizá-lo presencialmente ou online, dependendo da situação. O vice-presidente do Consistório Cordelia Vitiello Apesar deste momento de grande dificuldade e incerteza conseguimos desenvolver novas ideias. Tenho percebido uma grande vontade de levar a igreja adiante de forma proativa, moderna e atualizada no que diz respeito à sua missão e aos seus valores. Um sopro positivo de novidade que não era nada óbvio diante das difíceis experiências dos últimos meses. Para mais informações clique aqui. www.chiesaluterana.it – [email protected] – Chefe de Comunicação CELI/ Kommunikations-Beauftragte ELKI: Nicole Dominique Steiner – Mob. +39 335 7053215 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.