Dia Mundial de Oração da Mulher Batista

Dia Mundial de Oração da Mulher Batista

ROMA (NEV), 24 de outubro de 2019 – O Dia Mundial de Oração (PMM) promovido pela Aliança Batista Mundial (ABM) será realizado em 4 de novembro de 2019. O Movimento de Mulheres Evangélicas Batistas (MFEB) preparou um documento em italiano com meditações e orações. 15 páginas, com introdução do presidente do MFEB Lúcia Tubito, em que são sugeridas leituras, meditações, hinos e orações sobre o tema escolhido para o Dia, que este ano é de serviço. O GMP italiano é realizado em colaboração, entre outros, com os pastores Helena Fontana E Ioana Niculinacom Pinha Mola E Virgínia Mariani.

O documento reúne testemunhos sobre o serviço, dons espirituais, necessidades e projetos de mulheres de todo o mundo. Da obra das mulheres batistas contada por Ivonne Pitterpresidente da União das Mulheres Batistas Caribenhas (onde foi fortalecido o ministério de mulheres e crianças maltratadas e contra o tráfico de pessoas), passando por uma contribuição de Ksenya Magdapresidente do Departamento de Mulheres da Aliança Batista Mundial (ABM), que convida você a participar do Dia de forma criativa e engajada localmente.

Estão previstos eventos por todo o mundo, conferências, encontros de oração, momentos de partilha de histórias e experiências, tanto virtuais (em sites, nas redes sociais) como presenciais. O fio condutor que ligará as várias iniciativas é, precisamente, o serviço, nos seus vários significados: ajudar os necessitados e os feridos, a compaixão, o cuidado, o bem.

No documento, disponível online no site da União Evangélica Batista Cristão da Itália (UCEBI), há também um estudo bíblico sobre o jamaicano Sylvia Henry que faz perguntas aos leitores, incluindo: “Estou usando efetivamente meus dons e habilidades espirituais para servir? Qual é a minha motivação para servir?” Segue-se uma meditação da pastora Fontana.

Nas últimas páginas do documento, o guia de oração pelas comunidades mundiais, que vai da superação da violência doméstica ao compromisso pelos jovens, pelos pobres, pelos indígenas, pela paz, com a proposta de oração “pelos governos de todos os países, para que possam tomar decisões sábias. Pela dramática situação dos refugiados no Oriente Médio e em toda a Europa. Para que as operações de resgate no Mar Mediterrâneo não sejam interrompidas. Que os refugiados sejam tratados com dignidade pelas autoridades dos países de acolhimento”.

Finalmente, as orações se estendem às comunidades do Sudoeste do Pacífico, Papua Nova Guiné, Austrália, Nova Zelândia, Papua Ocidental, Ásia, por Mianmar, Coreias, Caribe, África, América Latina e América do Norte.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Liberdade religiosa, onde está a Itália?

Liberdade religiosa, onde está a Itália?

Nathan Dumlao, unsplash Roma (NEV), 16 de novembro de 2022 - "Dar plena regulamentação às realidades e sujeitos religiosos presentes na Itália, para que possam viver em pé de igualdade com os outros", superando discriminações e obstáculos. Esta será uma das questões centrais do debate desta tarde, a partir das 16h00, em Roma, na Fundação Basso, no Dia da Consciência e da Liberdade e em particular no encontro intitulado “Liberdade religiosa e consciência na Itália. Agenda para a nova legislatura”. ele fala sobre isso Ilaria Valenziassessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), antecipando o conteúdo de seu discurso na mesa redonda de hoje. Ao longo de seu relatório, a advogada Valenzi ilustrará antes de tudo "em que situação de fato nos encontramos: um novo pluralismo religioso, novas presenças, mas também presenças históricas que ainda não encontram uma posição jurídica plena, ou melhor, encontram uma, mas esta colocação muitas vezes e voluntariamente não responde à necessidade de proteger todos os direitos dessas realidades. É o caso, por exemplo, de algumas realidades evangélicas de segunda e terceira geração, portanto não do protestantismo histórico, como algumas das igrejas pentecostais que também têm sede na CCERS, a Comissão das igrejas evangélicas para as relações com o Estado (da qual Valenzi é chefe do escritório jurídico e, nessa função, participará da iniciativa de hoje, ed). E não encontram um lugar, porque muitas vezes o sistema os coloca, mas esse lugar não satisfaz suas necessidades, e corre o risco de criar uma espécie de discriminação com outras figuras de outras realidades religiosas que, ao contrário, tinham a capacidade de responder primeiro aos pedidos que o Estado sempre fez para com eles, ou seja, eles se conformaram mais facilmente. Isso não acontece sobretudo para realidades religiosas de presença mais recente na Itália, fora do cristianismo: o Islã, por exemplo, tem um estatuto que ainda não foi reconhecido pelo ordenamento jurídico italiano, seguimos uma política também meritória de acordos, convenções, com tabelas, até a nível ministerial, mas isto não esgota o problema central que é dar plena regulamentação aos sujeitos religiosos que possam viver plenamente a sua condição como os outros”. Segundo Valenzi, “esses “maus funcionamentos do sistema” correm o risco de se agravar neste momento histórico. Vimos isso no período da pandemia, durante as chamadas religiões minoritárias, porque não havia instrumento para regulá-las. Como, por exemplo, a questão dos enterros rituais para os fiéis da religião islâmica ou a assistência espiritual em prisões e hospitais. Temas e problemas que ressurgiram, se possível de forma mais forte durante a crise pandémica e que têm uma componente jurídica mas também expressam uma vontade política: a de não regulamentar ou de deixar uma série de realidades numa espécie de limbo perene porque isso significa não os legitimam". Segundo Valenzi, um dos riscos mais concretos que enfrentamos é, portanto, “que os direitos de liberdade religiosa sejam o espelho do que acontece em termos políticos com as minorias, de todas as minorias, no caso dessas minorias religiosas. Uma defesa da identidade cultural deste país, com argumentos populistas que conhecemos bem, que é usada de forma muito forte contra o que se percebe como arriscado para a manutenção desta identidade religiosa: os símbolos, as raízes culturais…” Um desses símbolos é o crucifixo mas não é o único: “falamos sempre do crucifixo e está certo mas culturalmente não percebemos a importância de alguns símbolos religiosos, pois são religiosos também para outras religiões. Por exemplo, não consideramos o véu, o kirpan para os crentes da religião sikh, como necessário. E muitas vezes leva a um choque cultural". Por fim, a questão da laicidade, principalmente na escola. A aula de religião, mas também em geral “o reconhecimento da escola como lugar onde se vive a partilha e a integração entre pessoas e não entre culturas. Na escola, a possibilidade da diversidade é vivida num plano de igualdade e isso corre o risco de ser usada como uma gazua para alunos que vêm de diferentes culturas, contextos e origens migratórias. Corre o risco de se tornar mais um campo de batalha que, se fomentado do ponto de vista político, pode ser explosivo”. Aqui o programa completo do evento. Os Dias de Consciência e Liberdade acontecerão na quarta-feira, 16 de novembro de 2022, às 16h, no salão da Fundação Lelio e Lisli Basso, na Via della Dogana Vecchia n. 5 em Roma. Entrada gratuita sem reserva. Eles também serão transmitidos na página do Facebook Consciência e Liberdade e no site www.hopemedia.it. Para saber mais: A FCEI inaugura a Secretaria Escolar do Pluralismo Laico ...

Ler artigo
Teologia.  O fundamentalismo como desafio ecumênico

Teologia. O fundamentalismo como desafio ecumênico

Roma (NEV), 2 de julho de 2018 – O 52º Seminário Ecumênico Internacional organizado pelo Instituto de Pesquisa Ecumênica das Igrejas Luteranas começa hoje em Estrasburgo, França. O título desta edição, que se encerra em 9 de julho, é "O fundamentalismo como desafio ecumênico" e contará com a participação de teólogos de várias igrejas e nacionalidades. Será abordado o tema do fundamentalismo na Ortodoxia, Catolicismo e Protestantismo. “A única coisa que todos os fundamentalismos têm em comum é a pretensão de interpretar autenticamente as Sagradas Escrituras”, lê-se na apresentação do encontro, que pretende ser um momento de reflexão e discussão a partir de algumas questões em aberto. O que é uma abordagem fundamentalista da escrita, distinta de outras abordagens exegéticas? O que torna essa abordagem tão atraente para aqueles que a defendem e quais são suas limitações? E novamente: em que contextos esse termo é usado? Pode ser descrito como um fenômeno sociológico? Ou é um rótulo polêmico aplicado ao ponto de vista de um oponente? Quem são os líderes fundamentalistas? Parte do trabalho se concentrará no fundamentalismo cristão nos contextos geográficos americano, africano, asiático e europeu. O Instituto Ecumênico de Pesquisa é afiliado à Federação Luterana Mundial e reúne teólogos e professores de todo o mundo. ...

Ler artigo
riqueza, pobreza e bens terrenos

riqueza, pobreza e bens terrenos

Roma (NEV), 25 de julho de 2018 - A Sessão de Formação LV da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) abre no dia 29 de julho na Domus Pacis de Santa Maria degli Angeli em Assis (PG), que este ano abre um novo ciclo de reflexões em torno do tema “As Igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra. Uma busca ecumênica". Conforme explicado no comunicado de apresentação do evento, esta sessão colocará o acento na riqueza, a próxima na pobreza, enquanto o tema dos bens da terra será o leitmotiv do biénio. A Sessão – que tem como principal referência bíblica as palavras do Apóstolo Paulo “Sei passar necessidade, sei ter abundância” (Filipenses 4:12) – será apresentada pelo presidente da SAE, Piero Stefani, e verá até o próximo dia 4 de julho os discursos de acadêmicos e representantes de famílias católicas, protestantes e ortodoxas italianas. o tema será abordado na perspectiva da justiça, da paz e da salvaguarda da criação (entre outros, será discutido por Simone Morandini do Instituto San Bernardino de Estudos Ecumênicos de Veneza); desmistificando alguns clichês, como a presença judaica no mundo econômico e financeiro (Rony Hamuai, Universidade Católica de Milão); desafiando a "teologia da riqueza" típica de algumas correntes do mundo evangélico (Hanz Gutiérrez, Instituto Adventista de Cultura Bíblica em Florença); propondo uma mesa redonda sobre como as diferentes igrejas cristãs se financiam. A presença protestante também foi expressiva este ano: palestrantes estarão entre os palestrantes Bruno Bellion, Pawel Gajewski, Paulo rico, Letizia Tomassone; enquanto estarão entre os condutores dos laboratórios Pedro Ciaccio, Stefano Giannatempo, Ilenia Gos, Lydia Maggi. Erica Sfredda em vez disso, ele faz parte do Grupo de Oração e Liturgia da Sessão. Entre os momentos, destacamos um momento de reflexão sobre a hospitalidade eucarística promovido pelo grupo ecumênico de Turim “Speziamo il pane” que acontecerá na noite de 31 de julho. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.