Dia da Terra Comissão GLAM: Quão saudável é o planeta?

Dia da Terra Comissão GLAM: Quão saudável é o planeta?

Imagem retirada de

Roma (NEV), 22 de abril de 2023 – Por ocasião do Dia Mundial da Terra 2023, publicamos a mensagem da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI).


DIA MUNDIAL DA TERRA 2023

Quão saudável é o planeta? Esta é a primeira pergunta que devemos nos fazer ao celebrar o Dia da Terra, dia mundial da terra que já está em sua 53ª edição. Um dia desejado pelas Nações Unidas para solicitar atenção especial aos recursos do planeta e à defesa contra desastres ambientais. Naquela ocasião, em 22 de abril de 1970, 20 milhões de cidadãos americanos saíram às ruas para mostrar seu apoio à Terra.

Uma consideração é obrigatória, em meio século as políticas econômicas, ambientais e trabalhistas promulgadas pelos governos não foram adequadas para garantir a atenção que os manifestantes pediram.

Dois dados parecem oportunos mencionar, o relatório de 2023 publicado pela ISPRA em 18 de abril e o estado atual da transição ecológica.

O Relatório do Inventário Nacional 2023 publicado pelo Instituto Superior de Pesquisa e Proteção Ambiental, indica que as emissões de CO2 em 2022 tiveram um aumento em relação a 2021. O número definitivo ainda não foi divulgado, mas pesa muito o crescimento das emissões dos transportes e da produção de energia, em contraste com o desafio deste início de milênio tanto no que diz respeito à poluição quanto ao clima mudança: aceleração da pesquisa tecnológica para o uso de fontes renováveis ​​de forma sustentável (com referência à substituição de energias fósseis por terras raras) e redução do consumo por meio de economia e eficiência.

No entanto, isso desconsidera o atraso e os obstáculos colocados em todos os níveis pelos interesses dominantes dos combustíveis fósseis, embora as sanções à Rússia associadas à guerra na Ucrânia devessem ter impulsionado a transição energética.

A Itália é o sexto maior credor de combustíveis fósseis do mundo.

De acordo com o Relatório Estatístico do GSE, um terço do consumo de energia italiano é dado pelo transporte e hoje mais de 90% ainda está ligado aos produtos petrolíferos.

Cerca de 70% do consumo de energia térmica provém do aquecimento de edifícios. Pouco menos de um quinto em 2021 veio de fontes renováveis.

Segundo dados da Terna (empresa que administra a rede nacional de transmissão), em 2022 a demanda de eletricidade na Itália foi de 316,8 bilhões de quilowatts-hora, 1% a menos que em 2021.

A produção nacional líquida em 2022 (equivalente a 86,4% da oferta de energia) foi de 276,4 bilhões de quilowatts-hora (-1,3% em relação aos doze meses anteriores).

31,1% da demanda foi atendida por fontes renováveis.

Em particular, as fontes fotovoltaica e termelétrica cresceram 11,8% e 6,1%, respectivamente, enquanto as fontes hidrelétricas registraram quedas de 37,7%, 1,8% e 1,6% (devido à estiagem), eólica e geotérmica.

Não partilhamos da decisão do Governo de aumentar a produção de energia a partir do carvão, motivada pela vontade de deixar a balança externa quase inalterada, na pendência da conversão da “neutralidade carbónica” anunciada pela Enel em 2016 enquanto o grupo Eni triplica os seus lucros face a 2021 O problema não está no imediatismo, porque o aumento parece ser pequeno em qualquer caso (contribuindo também para o colapso das despesas com aquecimento e consumo das empresas intensivas em energia de 5,4% -Índice Imcei-) mas no desalinhamento da dados estimados para 2030, com mais de 15 milhões de toneladas de CO2 mais do que as metas estabelecidas pelo European Effort Sharing.

No Dia da Terra, a GLAM acredita estar a encorajar a responsabilidade perante a vida da Criação que reencontra a primavera neste hemisfério, com escolhas energéticas também sustentáveis ​​a nível social, como expressão de um processo geral de descolonização do planeta pela nossa espécie para deixar espaço vital para plantas e animais que não gostam de nossas escolhas ou sofrem de incompatibilidade.

A Comissão GLAM


“O Dia da Terra, que desde 1970 celebra o ambiente e a proteção do planeta, é um aniversário que viu a sua importância consolidada ao longo do tempo – lê-se na página dedicada ao Dia da Terra no RaiPlay -. O tema da Jornada é cada vez mais atual, está no centro dos programas governamentais, porque exige mudanças rápidas, urgentes e inadiáveis”. No dia 22 de abril às 13 #OnePeopleOnePlanet, da Calábria, um talk show intitulado “Bridges over the Mediterranean”. A consulta é no RaiPlay. Pistas Cláudio Paravati.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Milão, a livraria Claudiana entre as lojas históricas

Milão, a livraria Claudiana entre as lojas históricas

Roma (NEV), 18 de outubro de 2022 – A Livraria Claudiana de Milão é uma das 35 novas 'lojas históricas' premiadas ontem pela Prefeitura da capital lombarda. 'Oficinas históricas' são atividades comerciais que operam há pelo menos 50 anos no mesmo setor de produtos. Ontem, segunda-feira, 17 de outubro de 2022, foi realizada a tradicional cerimônia de premiação no Palazzo Marino, na presença do prefeito, José Salae o Conselheiro para o Desenvolvimento Econômico, Alessia Cappello. O município milanês, com resolução de 2004, estabeleceu o Registro de Lojas Históricas "[…] com o objetivo de proteger e defender as atividades comerciais e artesanais com fortes raízes urbanas que confiram valor a bens culturais e em risco de extinção”. Ontem, portanto, às mais de 500 atividades comerciais já inscritas neste Registo, juntaram-se mais 35, algumas com mais de cem anos de história. A livraria Claudiana, em Milão, é a única do grupo e foi apontada pelos participantes da cerimônia como um dos mais importantes centros culturais da cidade. Todo o grupo que atualmente trabalha na livraria da via Francesco Sforza (Martina Bianchi, Samuele Carrari, Rebeca Malla) E Samuele Bernardinilivreiro histórico da Claudiana, que a comandou por mais de quarenta anos. "A livraria Claudiana de Milão abre suas portas na cidade no final de 1968 - declara Samuele Carrari - por isso, em 2019, passados ​​os 50 anos necessários, achamos importante declinar, mesmo que simbolicamente, a importância dessa atividade através a inscrição em tal registo. Sempre reconhecida e apreciada como um polo secular e de diálogo, aberto a todos e todas aqueles que desejam “combater o analfabetismo religioso, que muitas vezes antecipa o analfabetismo democrático”, a livraria sempre teve importância na cidade. Mas é em momentos difíceis como os que enfrentamos nos últimos anos - a instrução da prática remonta a 2019, pouco antes do início da pandemia, com tudo o que significou e ainda hoje significa - que símbolos como estes (as livrarias Claudiana também foram recentemente inscritas no Cadastro de Biblioteca de Qualidade do Ministério da Cultura, DDG n. 561 de 01.08.2022) elas servem para lembrar que lugares como a nossa biblioteca são importantes, pedaços da nossa cidade: devem por isso ser frequentado e vivido, resistindo à tentação, quando não ao medo real, de ficar encerrado em casa". Ontem, acrescenta, "também significou muito para quem lá trabalha na livraria e, sendo uma livraria também o espelho de quem a vive, o que só podia ser um símbolo torna-se agora um importante reconhecimento, até porque foi feito pelos representantes dos cidadãos. O que faremos agora é partilhar este momento com todos aqueles que apoiaram (e apoiam) a biblioteca nos últimos anos, talvez com um dia de festa, através do qual fique ainda mais evidente a importância dos nossos lugares e a energia com que defendemos eles". ...

Ler artigo
Conselho da Europa vota pela criminalização do ecocídio

Conselho da Europa vota pela criminalização do ecocídio

Detalhe da capa do relatório "Lei de ecocídio para uma economia dentro dos limites planetários", janeiro de 2023 Roma (NEV), 31 de janeiro de 2023 – Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa ele votou com uma maioria esmagadora e sem objeção para o reconhecimento do ecocídio. Foi relançado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A postura histórica é um avanço para os movimentos que há muito clamam por uma resposta global à questão da destruição da natureza e dos ecossistemas. A decisão de adotar o resolução 2477 e a recomendação 2246 vem após a análise de um relatório recente da Comissão de Assuntos Sociais, Saúde e Desenvolvimento Sustentável sobre o impacto ambiental dos conflitos armados. Sobre stopecocide.earth lê-se: “Apresentado pelo orador John Howell (Reino Unido, Conservadores Europeus), o relatório afirma que os danos ambientais múltiplos, graves, duradouros e principalmente irreversíveis causados ​​por conflitos armados afetam não apenas os ecossistemas, mas também a saúde humana fora da área de conflito e muito depois do fim do conflito. Os direitos humanos à vida e a um meio ambiente saudável ficam assim comprometidos”. Ecocídio é crime A resolução exorta os Estados membros do Conselho a "construir e consolidar um quadro jurídico para uma maior protecção do ambiente em conflitos armados a nível nacional, europeu e internacional", inter alia, "melhorando o seu arsenal jurídico para criminalizar e processar eficazmente ecocídio e tomar medidas concretas para alterar o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, a fim de incluir o ecocídio como um novo crime”. O Conselho da Europa também se pronunciou sobre as lacunas legais na matéria e sobre a falta de um "mecanismo internacional permanente para monitorar violações legais e lidar com pedidos de indenização por danos ambientais". O contexto imediato da resolução, segundo pare com o ecocídiodiz respeito à Ucrânia, que "sofreu altos níveis de danos ambientais de várias formas no ano passado devido aos ataques russos, desde 'grandes incêndios florestais' até 'campos agrícolas contaminados por petróleo e rios onde os peixes são sufocados sob as manchas de óleo' ( fonte: Horário, 18/10/22). Outros danos vêm do uso de "produtos químicos, munições e equipamentos militares", mas também de armazenamento de combustível, infraestrutura industrial, água, energia e sistemas de gerenciamento de resíduos, áreas urbanas, áreas agrícolas e naturais. “A avaliação de tais danos exigirá uma infinidade de métodos complexos para estabelecer impactos e planejar atividades de recuperação”, diz o documento “O impacto ambiental do conflito na Ucrânia: uma análise preliminar” (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA, outubro de 2022). Os impactos ambientais existem na guerra e na paz, na Ucrânia e em outros lugares. ele ainda escreve pare com o ecocídio: isso pode ser visto "desde os resultados ainda perceptíveis do uso do Agente Laranja no Vietnã na década de 1960 (ao qual se referia a cunhagem original da palavra 'ecocídio') até a poluição de urânio no sul do Iraque após a Guerra do Golfo de 1991" . A expectativa agora é que essa decisão afete as discussões em curso na UE sobre a revisão da diretiva de proteção ambiental por meio do direito penal. De realçar ainda a recente aprovação pelo Conselho do European Law Institute (ELI) de um lei modelo sobre ecocídio, desenvolvido para o contexto da UE. A lei modelo será votada em fevereiro. Vários movimentos convergem em todo o mundo sobre a questão do ecocídio. Assuntos seculares e religiosos, incluindo a Igreja da Suécia e, na Itália, a própria GLAM, que tem traduzido e divulgado os conteúdos aqui relatados em sua rede. Para saber mais: ...

Ler artigo
Plante uma semente.  Inscrições abertas para o 6º encontro nacional da ecocomunidade

Plante uma semente. Inscrições abertas para o 6º encontro nacional da ecocomunidade

Roma (NEV), 1º de julho de 2022 – Estão abertas as inscrições para o 6º encontro de ecocomunidades. Organizado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), será realizado em Nápoles de 4 a 6 de novembro. Uma parte do programa também poderá ser usada remotamente. A GLAM convida todas as comunidades e indivíduos interessados ​​a se registrarem e participarem, presencialmente ou virtualmente. O título desta edição é "Plantando uma semente". GLAM escreve na apresentação do evento: “Os sinais das mudanças climáticas e os danos da poluição não afetam apenas o ciclo da água e a biodiversidade terrestre e marinha, mas, de maneira mais geral, destacam a porosidade e, portanto, a interdependência da vida. Por esta razão, religiões e credos em todo o mundo estão trabalhando para pressionar governos e tomadores de decisões econômicas a tomarem decisões responsáveis ​​com força ainda maior. Nos campos da energia e da alimentação, a guerra na Europa e a gestão da saúde fizeram uma escolha crucial e neste cume as igrejas se comprometem a fazer a sua parte. 'Andar a falar', o acompanhamento das palavras é imperativo”. A GLAM questiona-se, e questiona-se, como “Ser uma eco-comunidade, num período de exacerbação dos desafios para as relações humanas e o seu impacto no meio ambiente”. Plano O programa, ainda em andamento, abre com uma conferência pública sobre ecoteologia (sexta-feira, 4 às 18h30) com Kirsten Thiele E Hanz Gutiérrez. Moderado Briga Gerard. Sábado, 5 de novembro, pela manhã, mesa redonda sobre "Energia e transição alimentar - soberania alimentar e conversão do consumo". eles moderam Pierpaolo Nunzio E Maria Elena Lacquaniti, coordenador do GLAM. À mesa, Gianni Apetecchi sobre "O estado das escolhas energéticas para a indústria e os cidadãos". Emanuele De Gasperis sobre "Fazendas, nutrição animal, importações". Maria Elena Lacquaniti sobre "Animais e guerra". Haverá também a exibição de um vídeo da Zâmbia sobre exportações, mudanças climáticas e dependência alimentar. A seguir, o depoimento de um agricultor e um momento de debate. À tarde, a palavra às eco-comunidades. Moderado Francesca Evangelista. Após a introdução de Gerardo Litigio, segue-se uma troca de experiências. Além disso, serão apresentados os projetos GLAM mais recentes. Entre eles, a Campanha do plástico descartável e o projeto Corredores Ecológicos para insetos polinizadores. O programa termina no domingo, 6 de novembro, com uma celebração pública do Dia da ONU para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente na Guerra e nos Conflitos Armados, precedida de culto na igreja luterana de Nápoles. Para informações e inscrições escreva [email protected] GLAM e eco-comunidades A Comissão GLAM está a serviço de comunidades e indivíduos que pretendem abordar questões ambientais e ecológicas a partir de uma perspectiva de fé. Entre suas atividades, está a construção de redes, dentro e fora das igrejas, em nível nacional e internacional. Um dos focos da GLAM é o trabalho para mulheres comunidade ecológica. Existem eco comunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais sobre: ​​culto e outros momentos litúrgicos. Trabalhos de manutenção visando a economia de energia. Eliminação de plástico. Educação e implementação de comportamentos virtuosos na administração, compras, uso de energia, mobilidade e gestão de resíduos. Até a verificação da ética dos bancos em que insistem as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.