Domingo 31 de maio em RaiDue o culto de Pentecostes no Eurovision

Domingo 31 de maio em RaiDue o culto de Pentecostes no Eurovision

Roma (NEV), 26 de maio de 2020 – O culto evangélico de Pentecostes será realizado no domingo, 31 de maio, no RaiDue, a partir das 10h.

Eurovisão ao vivo da igreja luterana da Ascensão em Paris, no coração do bairro de Batignolles, o culto em sua edição italiana é editado pela coluna Protestantismo.

“No bom caminho para edificar o corpo de Cristo” é o título escolhido para esta nomeação.

“Devido à covid-19, os líderes religiosos e o governo francês estabeleceram que a reabertura dos locais de culto será gradual – lê-se na apresentação do Especial Protestantismo -. Será, pois, um culto excecional, celebrado no cumprimento das medidas sanitárias de combate à pandemia”.

O sermão, descrito como “uma mensagem de esperança, alegria e resistência ancorada em Cristo”, é do presidente da Federação Protestante da França (FPF), pastor François Clavairoly; a parte litúrgica é dirigida pelo pároco Victor Adzra, capelão nacional das instituições de saúde e médico-sociais; os representantes das igrejas que aderem à FPF também participam com leituras, testemunhos e orações. Haverá momentos musicais e cânticos de louvor para a celebração de Pentecostes.


Para rever os episódios do protestantismo acesse o site: VIDEO

Protestantismo no Facebook

Endereço de e-mail: [email protected]; [email protected]


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Kristen Thiele.  Sonhos, ações e imaginação para viver bem

Kristen Thiele. Sonhos, ações e imaginação para viver bem

foto NEV/ER Catânia (NEV/CELI), 2 de maio de 2023 – O XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) foi encerrado ontem em Catânia. Publicamos aqui a entrevista com o vice-reitor, pároco Kirsten Thiele. Vivemos em uma sociedade cada vez mais insustentável, econômica, ecológica e socialmente. Guerras, velhas e novas pobrezas, poluição do planeta e, figurativamente falando, poluição espiritual, poluição dos valores. Por outro lado, existem os privilégios e o poder de poucos. As igrejas (e religiões) podem fazer mais para mudar esse processo? Sim certamente. E devemos fazer mais. É nosso trabalho mudar e também prevenir esse processo. Já falamos muito sobre a poluição na terra e continuamos a dizer que todos vivemos no mesmo solo, na mesma terra, no mesmo mundo, na mesma sociedade. Obviamente, temos que nos comprometer a mantê-lo e cuidar dele. Mesmo no que diz respeito à poluição do pensamento, acho que estamos todos envolvidos. Vendo as novas gerações, por exemplo, tem-se a sensação de que vivem num grande vazio. Parece que temos tudo, mas já não temos futuro, já não temos sonhos, falta-nos imaginação e perspectiva. E é precisamente isso que as religiões, desde os tempos antigos, deram. Uma perspectiva. Somos nós que temos que dar sentido à vida. Não uma possibilidade, portanto, mas precisamente como uma tarefa, como um "dever". Portanto, devemos proclamar que você tem valor, que você é amado, amado por Deus porque você foi criado e criado para viver aqui, para viver bem. E viver bem não significa viver nas costas dos outros. Só se os outros viverem bem eu também posso viver bem. Tudo isso abre a perspectiva de uma existência que não é mais isolada, centrada em si mesma, mas se abre novamente para o mundo. Um mundo que não é apenas virtual, mas real: aquele em que vivemos. Essa abordagem pode mudar a sociedade. Pelo menos essa é a minha esperança. Esta é a mensagem antiga de todas as religiões e, no fundo, é isso que nos une. Esta é a mensagem profunda que temos para dar: redescobrir o sentido da vida, redescobrir os sonhos e encontrar a fantasia de mudar alguma coisa, de se comprometer. E para poder se comprometer, você precisa ter um propósito. Para quem não conhece o CELI: qual é o papel do reitor e do reitor? A vice-reitora da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), pastora Kirsten Thiele Reitor e reitor andam juntos, mas são duas coisas distintas. A reitoria é o nosso escritório administrativo, onde trabalham quatro pessoas muito competentes para realizar todas as funções administrativas, manter contatos internos e externos com nossas igrejas parceiras, comunidades, pessoas, pastores, presidentes... qualquer pessoa pode ligar, pode pedir ajuda, pode até apenas fale. Em suma, eles são o pilar central no qual todas as comunidades se apoiam para realizar suas diversas atividades.Depois, há o Reitor e o Vice-reitor, que podem atuar como suplentes. Atualmente, essas funções são preenchidas, respectivamente, pelo pastor Carsten Gerdes e de mim. Na prática somos uma equipa, que funciona partilhando as várias tarefas. O Reitor é o líder religioso da igreja que, juntamente com o Vice-Decano, o Consistório, também formado por outros três leigos, conduz a igreja entre os Sínodos. A tarefa do Consistório é implementar as decisões que foram tomadas, e devemos prestar contas do trabalho que fizemos. O Reitor, especificamente, também é o representante espiritual de nossa igreja. O que esperar ao entrar em uma igreja luterana, em uma das muitas cidades onde o CELI está presente? Ao entrar em uma igreja luterana, talvez a primeira coisa que você perceba é que temos poucas imagens e símbolos. Não temos estátuas e estatuetas, as igrejas são essenciais. No fundo está a cruz, sempre está a Bíblia. Ao participar de um de nossos cultos, você poderá vivenciar uma linda liturgia. Cantamos juntos, rezamos juntos, há um envolvimento do corpo e do espírito.Por outro lado, ao entrar nas nossas comunidades, também no sentido de participação na vida comunitária, que vai além de estar presente no culto, na minha opinião encontra-se o desafio de ter que pensar em como participar ativamente. Não temos órgãos que dizem "isso é assim mesmo", ou "você tem que fazer isso". É mais fácil dizer o que está errado, mais difícil é dizer o que está certo. Portanto, todos são chamados a assumir a responsabilidade de contribuir para o caminho da comunidade: para onde queremos ir, o que podemos fazer, como nos comprometer, etc.… Uma comunidade não deve ser guiada apenas pelo presidente ou pelo pároco , mas pela comunidade de vida, ou seja, pela participação comum das pessoas. Entrevista por Gianluca Fiusco e Elena Ribet Para saber mais: Homepage – Inglês – Igreja Luterana Especial NEV Sínodo Luterano 2023 ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Otto per mille Waldensian and Methodist 2020, um balanço

Roma (NEV), 9 de setembro de 2020 - "Cada vez mais o terceiro setor olha para as igrejas valdenses como um ponto de contato "seguro" para poder garantir seu compromisso. E por isso mesmo sentimos cada vez mais a responsabilidade perante o mundo sem fins lucrativos, de contribuir da melhor forma para a sua atividade”. Como Manuela Vinaychefe do escritório Otto per mille, após a publicação dos projetos financiados este ano pelas igrejas valdenses e metodista. As realidades que se voltam para o OPM valdense são de fato cada vez mais numerosas, uma tendência que já havíamos destacado nos últimos meses. “Embora os critérios de alocação de recursos e de avaliação das atividades individuais tenham mudado, por exemplo, com um limite mais rígido para as iniciativas que cada instituição pode solicitar para serem financiadas – confirma Vinay -, o número de solicitações continua aumentando. Em 2013 foram 1313, em 2017 chegamos a 3918, hoje, em 2020 estamos em 4671”. As assinaturas dos contribuintes também estão crescendo, ou seja, o número de pessoas que escolhem as igrejas valdenses em suas declarações fiscais. Em 2019 – durante o ano fiscal de 2018 – foram 569.638, e desde 2015 têm crescido constantemente, em média 3% ano a ano. A emergência da Covid influenciou apenas relativamente a forma como as iniciativas de solidariedade são avaliadas. Conforme afirma o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta"Temos trabalhado tentando não focar nossa atenção apenas na emergência sanitária, acreditando que manter - mesmo em um ano tão particular - o mesmo nível de atenção que sempre nos distinguiu em cultura, educação, projetos sociais no sentido mais ampla é, por si só, uma forma de contribuir com os esforços do país para sair da fase emergencial e promover o desenvolvimento na direção de maior justiça social, proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e ainda maior participação democrática, urgência de que a própria emergência nos fez sentir”. No entanto, foram financiados 9 projetos no exterior que de alguma forma dizem respeito à emergência de saúde e ao pós-coronavírus: "Do Egito ao Iraque, até a Índia, optamos por doar para quem gastou é gasto contra os danosos e mais duradouros consequências do vírus e do confinamento, sempre a favor das camadas mais vulneráveis ​​da população". Já nos campos atendidos pelas realidades que receberam aval e recursos do OPM, o meio ambiente ganha maior peso, passando de 13 para 27 projetos. “Nossos beneficiários lidam muito com deficiências físicas e mentais, mas também com cultura e infância”, acrescenta Vinay. E trabalham principalmente nas grandes cidades, de norte a sul, com um grande número de empresas sediadas em Roma. Até o final do mês serão lançados os projetos, que foram apresentados em janeiro por associações, ONGs, cooperativas (o prazo era 31 de janeiro, portanto antes da emergência sanitária). Para saber mais: As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Agora da religião, Tar acolhe apelo

Agora da religião, Tar acolhe apelo

Roma (NEV), 31 de julho de 2023 – Um aluno da quarta série que não quer mais frequentar as aulas de religião. O nº da escola que frequenta, em Florença, motivado pelo calendário da apresentação do pedido de inscrição no ensino alternativo. E o posterior recurso ao Tribunal Administrativo Regional da Toscana pela família da criança. Tar que dá provimento ao recurso, conforme explica a edição florentina do jornal neste artigo A Repúblicae teria ainda condenado o diretor da escola a pagar três mil euros em despesas. Mas qual é o significado dessa decisão? Nós perguntamos Ilaria Valenzi, advogado, assessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, que modera a seção de estudos da Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da mesma Federação. “A decisão do TAR da Toscana afirma um princípio cada vez mais forte, confirmando o que já foi expresso em ocasiões anteriores, sempre em relação ao direito de escolha dos alunos e das famílias: a liberdade religiosa e a liberdade de consciência não podem ser submetidas a compactação, nem mesmo por motivos organizacionais. Embora as escolas necessitem de saber atempadamente a escolha dos alunos em recorrer ou não ao ensino facultativo da religião católica (IRC) e, por isso, seja estabelecido um prazo de ano para ano para fazer essa escolha, esta não pode limitar o direito de mudar de ideia. Da mesma forma, o direito de não recorrer ao IRC pode ser exercido ainda que nos anos lectivos anteriores o aluno tenha optado pela frequência da aula de religião confessional. Uma escolha feita no início do ciclo escolar – explica Valenzi – não pode, de fato, condicionar o exercício de um direito constitucionalmente garantido, que pode ser acionado a qualquer momento com proteção integral. Isso se aplica a todas as etapas do curso de estudo e também após o início do ano letivo. Da mesma forma, a opção pela frequência da “hora alternativa” pode ser solicitada mesmo que o aluno não elegível tenha manifestado previamente uma opção diferente (estudo individual ou saída da escola): quando a opção correta é exercida, a escola é obrigada a ativar o ensino. Em suma, a decisão do Tar confirma que os prazos para o exercício do direito constitucional de liberdade de consciência e religião não podem ser peremptórios: ou seja, não podem ter efeito limitante sobre o direito de escolha, que sempre prevalece”. Entretanto, o ano letivo recomeçará em setembro e o tema provavelmente voltará. Que perspectivas para o futuro, no que diz respeito ao debate sobre a hora da religião? “A porcentagem de alunos e alunas que, principalmente no ensino médio, não fazem uso do ensino da religião católica é um número cada vez mais significativo – afirma Valenzi -. Isso significa, por um lado, que se abre um espaço para um pedido de proteção e a necessidade de vigiar cada vez mais para que o direito à liberdade de consciência e religião não seja violado; por outro, que aumenta o apelo ao pluralismo de ideias, convidando todas as entidades seculares a participarem com propostas de caminhos de inclusão, cidadania ativa e educação para a democracia. Neste sentido, a FCEI quer envolver-se tanto no que diz respeito aos instrumentos de defesa dos direitos dos alunos e das famílias, como com propostas de trabalho e reflexões que tenham em conta as mudanças religiosas e culturais que caracterizam o nosso tecido social. O novo pluralismo religioso é uma realidade que, sobretudo nas escolas, não pode ser ignorada, constituindo também um instrumento essencial para a integração recíproca e para o conhecimento profundo do outro. Isso só pode acontecer respeitando o princípio da laicidade, atentando para a sensibilidade de cada um, sem imposições confessionais”. Para saber mais: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.