A Crucificação Branca de Chagall segundo Emidio Campi

A Crucificação Branca de Chagall segundo Emidio Campi

Marc Chagall, Crucificação Branca (1938), Chicago, Art Institute

Roma (NEV), 25 de março de 2021 – O historiador escreve Emidio Campi: “A Crucificação Branca de Marc Chagall tem características que não se encontram em nenhuma outra das copiosas representações da Paixão. O Cristo moribundo, iluminado por um raio de luz branca, usa um xale de oração judaico e tem a cabeça coberta com um pano branco em vez da habitual coroa de espinhos. Na base da cruz está o candelabro de sete braços, um dos símbolos clássicos do judaísmo. Ao redor do Crucifixo, em vez das figuras habituais dos dois ladrões, soldados e mulheres piedosas, cenas de violência e desespero são retratadas no sentido anti-horário. Entre eles, destacam-se uma aldeia saqueada por soldados do Exército Vermelho, um barco cheio de refugiados, homens em fuga que carregam o rolo da Torá com eles, uma mãe apavorada segurando seu filho contra o peito, enquanto o incêndio na sinagoga lembra a destruição de lugares de adoração perpetrada pelos nazistas. O incomparável poder evocativo da arte de Chagall reside em ser um tributo à tradição judaico-cristã e uma obra atual. A Paixão de Cristo está imersa no presente, deslocada nas tragédias que fizeram da Europa dos anos 1938-1939 uma imensurável encosta do Gólgota. Claro, a crucificação de Jesus é única e irrepetível, um desígnio da graça de Deus, como a ressurreição. Mas por que a comemoração da morte e ressurreição de Cristo às vezes é atemporal e sem lugar para nós? Como podemos ignorar que muitas das tragédias retratadas na Crucificação Branca continuam a se repetir hoje? Esta pouquíssima representação sagrada da Paixão desafia-nos a percorrer os caminhos do Gólgota, em busca de uma renovada compreensão da redenção, que é também redenção da violência e da injustiça, assim como sinal visível da nova humanidade e da nova criação decorrentes do evento da Páscoa”.

Esta reflexão apareceu na edição de abril da Igreja Evangélica de língua italiana Zurich – Waldenser.

artigo anteriorMigrantes e refugiados, (ainda mais) vítimas da pandemia
Próximo artigoHomens que quebram o silêncio sobre os feminicídios. E você?

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto

tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto

Foto retirada de chiesadimilano.it Roma (NEV), 16 de maio de 2019 – O evento ecumênico promovido pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Milão, "Juntos pela Europa", foi realizado no dia 9 de maio em Milão. 19 igrejas cristãs presentes, protestantes, católicas e ortodoxas, e numerosos movimentos e associações. Entre as presenças protestantes, os párocos Anna Maffei, Cristina Arquidiácona, Anne Stempel-De Fallois E Dorothee Mackda qual extraímos trechos do discurso, inspirados no texto dos Atos 16,11-15. “O que vem à mente quando você pensa na Europa e no cristianismo? Quando você reflete sobre o relacionamento deles e sua história comum? – pergunta-se Mack em sua meditação -. Cada igreja, cada movimento poderia contar sua própria história, seus primeiros passos no continente europeu, em muitos lugares, em muitas cidades, em muitos países diferentes. Hoje, porém, parece-me importante recordar 'o início dos primórdios' da história do cristianismo aqui na Europa”. O início é colocado por Mack em Filipos, no norte da Grécia, na casa de um empresário, comerciante de púrpura, na casa de Lídia, como lemos na Bíblia. “É claro que também era necessária a presença do apóstolo Paulo e seus companheiros e colaboradores. Foram necessárias pessoas multiculturais e interculturais como Paulo, pessoas que conheciam bem tanto a cultura judaica quanto a grega, que sabiam falar línguas diferentes e se sentiam pertencentes a culturas diferentes”. Foto retirada de chiesadimilano.it O verdadeiro protagonista do livro dos Atos, que narra a história do cristianismo primitivo, é o espírito santo, diz a pastora, que impele Paulo e seus seguidores a "ultrapassar fronteiras e barreiras para chegar à Europa e falar de Jesus Cristo a um grupo de mulheres reunidas em oração à beira do rio perto da cidade de Filipos… Para Lídia, a primeira cristã na Europa, é óbvio: depois da abertura do coração, vem a da casa. Lydia obriga esses homens estrangeiros, da Ásia Menor e do Oriente Médio, a ficarem em sua casa. Lídia acolhe com o coração a fé cristã e pratica o acolhimento destes estrangeiros – prossegue na sua reflexão -. O cristianismo chegou à Europa graças a casas abertas como a de Lídia. Graças ao acolhimento e hospitalidade praticados por você e por muitos outros. Acolhida e hospitalidade são, portanto, as raízes do cristianismo na Europa. Tudo começa com uma casa aberta e um coração aberto." Ao encerrar seu discurso, Dorothee Mack também lembrou o trabalho realizado nos últimos 13 anos pelo Fórum das Religiões que “nos últimos meses refletiu em conjunto sobre a importância da hospitalidade como um valor fundamental presente em todas as religiões”. ...

Ler artigo
a liberdade é concreta se diz respeito a todas as mulheres

a liberdade é concreta se diz respeito a todas as mulheres

Foto Sammie Vasquez - Unsplash Roma (NEV), 21 de março de 2023 – Poucos dias antes do XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que está prestes a começar em Florença, entrevistamos o presidente cessante, pastor batista Gabriela Lio. O Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália será realizado em Florença de 24 a 26 de março: ainda é possível participar? Como? Sim certamente. Você ainda pode participar presencialmente. O que não podemos garantir é o lugar na pousada Gould. A conexão online do Congresso não está prevista, porém estamos tentando registrar as duas Mesas Redondas. Para informações clique aqui. Gabriela Lio. Foto de Laura Caffagnini Uma avaliação destes 4 anos de trabalho e presidência: dos dossiês às campanhas, da formação às reflexões sobre a prostituição e a luta contra a violência, dos encontros sobre as mulheres nas religiões e na igreja às numerosas colaborações em toda a Itália com as realidades locais. Na sua opinião, quais foram os momentos mais marcantes? Os momentos mais significativos decorrem do compromisso assumido pela FDEI com a inclusão, no seu Estatuto, de um artigo que a obriga a trabalhar “continuamente na questão da violência de género”. A primeira foi aderir à campanha global "Quinta-feira Negra" promovida pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em apoio ao movimento global que se opõe a todas as formas de violência e injustiça, oferecendo às igrejas cartazes e broches para promover o campo localmente. Isto porque nos interessa que os irmãos e irmãs das nossas igrejas a que pertencem possam encontrar na FDEI apoio e estímulo para uma reflexão comum não só sobre a questão da violência de género, mas também sobre o papel da mulher no igreja e na sociedade. É por isso que continuamos a publicar as nossas Newsletters da FDEI, não só como elo entre as mulheres federadas, mas também como informação sobre o nosso empenho e sobre as iniciativas da FDEI e dos vários movimentos que a integram. O mesmo vale para o Dossiê dos 16 dias pela eliminação da violência contra a mulher, concebido como um acervo de material útil para reflexão, oração e debate sobre essas questões nas igrejas. São muitos momentos significativos, porque cada encontro enriquece, seja online ou presencial, porque nos confrontamos, mas também com mulheres cristãs, mulheres de outras religiões e com associações de mulheres engajadas em várias frentes. Claro, a pandemia nos fez parar, tivemos que nos adaptar, mas não desanimamos. Mas pensamos que poderíamos estar próximos um do outro em um momento tão difícil e também conseguimos trazer momentos de reflexão e debate sobre o futuro. O projeto "Recomeçar com você", para dar outro exemplo, nos ajudou a voltar às igrejas, nos deu a oportunidade de nos abraçarmos e de recomeçarmos na tentativa de ativar mulheres e cada vez mais homens para a compreensão dos fundamentos da desigualdade de gênero. Foi um projeto importante, onde o networking entre nós e com a área local permitiu o envolvimento de muitas pessoas. No domingo, você passará o bastão para um novo presidente. Que mensagem você sente que quer compartilhar para o presente e o futuro do FDEI? A mensagem que o Comitê Nacional cessante da FDEI quer compartilhar está contida no texto bíblico escolhido para o nosso Congresso: “Onde está o Espírito de Deus, aí há liberdade”. E também o subtítulo, que juntamente com Dorothee Sölle afirma: "Onde está o Espírito cresce a libertação, cresce o desejo combativo de libertação e a experiência de uma maior concretude da liberdade". Continue a ser todas as testemunhas de ruah/pneuma, em meio às dificuldades da vida. Deixe o "espírito"/ruah [il termine in ebraico è femminile, ndr] definem nossa vida, determinam que nossas relações mútuas sejam respiração, brisa suave, vento, coragem. Libertação crescente até que a liberdade seja alcançada pelos outros e por nós mesmos; até que estejamos livres das armas, livres da violência; da discriminação, do racismo, de um trabalho alienante. Devemos crescer "na experiência de uma maior concretude da liberdade" porque o mundo deseja a liberdade/libertação em sentido profundo e não pode ser alimentado apenas com palavras de liberdade. Lá spirita/ruah motiva a nossa luta pelos direitos e encoraja o nosso esforço para responder ao chamado ao serviço, promove a vida e cria comunidades de solidariedade, numa rede de relações com outras irmãs, amigas, companheiras de intenção. Quais foram os pontos críticos do seu mandato e que soluções conseguiu implementar? A maior criticidade durante o mandato foi durante o período de confinamento, devido à pandemia de Covid 19. Com o Comitê Nacional nos reunimos várias vezes online, juntamente com as lideranças e presidentes dos grupos denominacionais de mulheres, para refletir sobre a delicada situação. Compartilhamos nossas preocupações - poderia dizer com lágrimas - e nossas reflexões com os executivos de nossas igrejas, com alguns ministros italianos, com os líderes locais dos movimentos, conscientes de quanto a pandemia agravou as desigualdades para as mulheres em nível social atingindo suas vidas mais fortemente. E decidimos juntos nos comprometer com uma necessária mudança de paradigma. Também passamos por momentos difíceis quando tivemos que implementar as diferentes moções do Congresso. Por exemplo, cabe ao Comitê “colaborar para a criação de cursos de capacitação em igrejas evangélicas”. E não sabíamos quanto tempo duraria o confinamento. No entanto, organizamos o primeiro curso bíblico teológico a distância: "Violência e poder - as mulheres e a Bíblia" atingindo muitas pessoas de diferentes denominações evangélicas e católicas, nativas e migrantes. Pessoas que se inscreveram da Itália, Europa e América Latina. Além das nossas expectativas! Quais foram os momentos mais felizes e gratificantes? Acredito que para mim, mas também posso dizer para o Comitê Nacional da FDEI, os momentos mais felizes são aqueles em que todos estamos envolvidos e juntos organizamos encontros significativos para a vida e o testemunho da Federação. Ciclone Pam II: 13 de março de 2015. Pintura de Juliette Pita. Uma mãe que ora protege seu filho. As ondas quebram atrás deles, mas uma palmeira se curva e os protege também. A saia da mulher é inspirada nas roupas tradicionais de Erromango. No horizonte, pequenas cruzes representam as vítimas causadas pelo ciclone Pam em 2015. Levaremos em nossos corações o encontro organizado online junto com o Observatório Inter-religioso sobre a violência contra a mulher (OIVD) com Edith Bruck – Lembrete para “Deseducar para odiar”; o encontro com o Comitê do Dia Mundial de Oração (GMP), com a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), com as Comunidades de Base, com mulheres ortodoxas e religiosas católicas, por ocasião da Celebração Ecumênica do GMP preparada por mulheres de Vanuatu. Esta experiência abriu-nos a possibilidade de começarmos a organizar juntos diferentes celebrações ecumênicas no Pentecostes, Natal e Páscoa. Assim como foram apreciados os convites que recebemos para participar de eventos já organizados ou para serem organizados em conjunto. Penso na nossa participação nas iniciativas do Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX), daquelas organizadas pela Coordenação Teológica Italiana (CTI). E a possibilidade de conceder bolsas para 30 mulheres participarem de seu curso online. Depois, os vários convites para conferências organizadas pelo Centro de Estudos sobre Liberdade de Religião, Crença e Consciência (LIREC). Nossa participação na conferência "Casais e religiões: unidos na vida, diferentes na fé" organizado pelo grupo Mulheres de Fé em Diálogo - Religiões pela Paz Itália, em colaboração com a Comissão de Igualdade de Oportunidades do Município de Roma. E novamente os encontros online organizados junto com a OIVD sobre o tema da prostituição, que então surge para nós em uma reflexão a ser compartilhada com as igrejas por ocasião do dia 25 de novembro. Foi com muita felicidade que fomos contactados em 2021 pela RvS, que nos ofereceu um espaço na rádio para um dos nossos programas Donne FDEI – Donne in rete. Sentimos a mesma alegria quando o Centro Cultural Protestante de Torre Pellice convidou a FDEI para organizar conjuntamente quatro encontros sobre "Histórias Femininas", em diálogo com Bruna Peyrot E David Rosso. ...

Ler artigo
Caim e Abel juntos em nós

Caim e Abel juntos em nós

No texto bíblico que fala de Caim e Abel, o tema de "Voz do sangue de seu irmão." Em hebraico, literalmente, falamos de "sangues", no plural, talvez em tom de reforço, e certamente no sentido de "ssangue derramado". Os “sangues” de Abel “geles riem do céu. é um sponto perturbador. Nós sabemos – continua Garrone -. Hoje o sangue de Abel é exibido ao vivo. Vemos isso diariamente nos noticiários e na imprensa. Às vezes mais modestamente, mas mais frequentemente não. o Padosso diz respeito à pergunta: que emoções este grito de hoje desperta em nós? O risco é o de umhabituação, que é de fato uma reação defensiva, mas corre o risco de não nos fazer compreender a extensão deste grito". Sobre a culpa de Caim, novamente, ele diz: “Se for muito grande, a lEttore Cristiano poderia dizer isso Deus pode 'levantar' o pecado. Caim nunca partiu, e nem Abel. O Vo problema somos nós que, em média, não somos nem Caim nem Abel, pois não matamos ninguém e não somos torturados ou exterminados. Temos que descobrir como para se posicionar com responsabilidade no mundo, entre os perpetradores e as vítimas. Estamos nesta zona intermédia, que poderíamos definir como zona cinzenta, onde, no entanto, existe o risco de esquizofrenia, como a que em Shoah levou à atrocidade do anti-semitismo nazista. E onde, ao mesmo tempo, havia aqueles que se matavam para se opor a ela e aqueles que, em vez disso, compartilhavam as medidas antijudaicas. estamos nessa tbTemo que possa me tornar Caim ou Abel. como cristiani vamos fazer um rA teoria de Abel, impulsionada por uma espécie de atração pelas vítimas. Se você é uma vítima, você é bom. Mas se quando Caim se aproximasse de Abel, Abel se virasse e escapasse, ou se vingasse, ele não seria mais Abel. Assim acontece hoje, em cconflitos em curso, nas migrações. Não podemos resolver a questão por meio de dicotomias ou sem reconhecer que estamos em meio às ambiguidades do mondo”. Yassine Lafram, Presidente da União das Comunidades iMuçulmanos na Itália (UCOII), falou de diálogo como experiência, e reafirmou aimportância do encontro, além das diferenças, na clareza dem suas respectivas posições. “Se Deus quisesse fazer de nós uma única comunidade, ele o teria feito, ao invés disso, ele nos fez diferentes – disse citando o Alcorão -. Deus criou Povos e tribos para que 'se conheçam', está escrito”. Lafram também sublinhou a necessidade de “tornar o diálogo pandêmico, não só na esfera religiosa, mas também levando-o para outro lugar, onde não seja considerado necessário, onde pareça anômalo. Por exemplo, em um festival de cinema como o TMFF”. Lafram também lembrou como, no Alcorão, pe.O primeiro pecado cometido pela humanidade é o de Satanás. Deus pede que Adão e Satanás fiquem consternados, este se recusa dizendo que vindo do fogo é melhor do que a terra, o barro do qual Adão é feito. “Uma pena de sarrogância, a de se sentir melhor do que os outros. Então – continua Lafram – vem o primeiro crime da humanidade, na primeira família da humanidade, e esse crime ocorre entre irmãos”. existem dopiniões e interpretações divergentes dos exegetas, mas no texto seguinte, ao falar dos filhos de Adão, o Alcorão reconhece a sacralidade da vida humana. O rabino Benedetto Carucci Viterbi em seu discurso falou dos laços de fraternidade na Bíblia, desde Ismael e Isaque, um Esaú e Jacó, um José e seus irmãos. é "rcontribuições concretas, de uma humanidade que nasce de um fratricídio". Bom e mau, no texto como noexegese, são difíceis de desemaranhar para o judaísmo. “No entanto, em algumas interpretações judaicas Caim é o primeiro ser humano que se arrepende. Quando ele diz 'o mEu peco é muito pesado para suportar (?)', como uma pergunta ou como uma afirmação, pode-se dizer que Deus seja capaz de perdoar até mesmo essa falha. é um vers chave. Uma espécie de confissão." Relegar Caim sozinho na esfera do mal é uma simplificação, argumenta o rabino. Também, quando o padre questiona Caim, que diz “Eu me arrependi e fiz um acordo. Uma mediação”, Adam percebe que é possível e diz que tentará se arrepender. “Caim ensina seu pai. O pai segue o que o filho ensina”, disse Carucci Viterbi. “Conhecer é misturar – acrescentou, citando Adão e Eva que, misturando o bem e o mal, mesmo na metáfora da união, introjetaram ambos -. Constitutivamente, o ser humano é, portanto, constituído por dois instintos. Em nós existem Caim e Abel juntos". Swamini Shuddhananda Ghiri, freira hindu e referente da União Hindu Italiana (UII) começou falando de como esta história de Caim e Abel pode ser percebida comosugestão e como provocação. Encontrar um "semelhança simbólica” que, sem forçar paralelos, indica um diálogo possível. É a figura do filho de Prajapati que dá origem a toda a manifestação viva. “The Bright and the Dark, traduzido do sânscrito. Eles representam boas forças e forças egoístas. No hinduísmo não há palavra para o mal. Onde falamos do mal, na verdade estamos falando da afirmação de uma individualidade contra a empatia. Diga simSomos todos bons ou maus é uma simplificação”. Para Shuddhananda Ghiri a humanidade vive em um “umdesejo constante de voltar ao um, ao absoluto. A dualidade que caracteriza a existência humana na Terra é a mesma com que fnos enfrentamos em uma luta contínua”. Outro exemplo dessa dualidade tentando integrar está presente no miti, em escrituras e representações iconográficas. “A figura feminina de Durga, aquela que é difícil de destruir, e carrega dentro de si não só o maternal que acolhe, mas também a forma do tridente que mata o búfalo, uma espécie de demônio que tem a característica de mudar de forma continuamente . Representa simbolicamente nossas mentes e impulsos. Como seres humanos somos levados a males mortais, como a insatisfação no micro e macro cosmo social, e isso está na raiz do conflito. Conforme declarado no Veja, temos que reconhecer este aspecto, dentro e fora de nós mesmos”. no tRaízes indianas e hindus em particular, explicou a religiosa, não há palavra para dizer "demônio", no sentido maniqueísta ou como uma realidade ontológica. “O Pe.arola Dharma, no sentido de harmonia, bem comum e justiça, tem o oposto a-Dharma, no sentido privativo. Isso marca a polaridade, como aquela entre umtração e repulsão. Queremos dizer o dual como um desafio a ser superado para alcançar a unidade. Este é um conceito no qual se encontram as religiões”, concluiu Shuddhananda Ghiri. Chapéus William Doryu do Anshin Zen Center e membro da União Budista Italiana (UBI), conectado remotamente, reafirmou o valor do “mescola". Mesmo no budismo não existe um termo para "mal", mas existe um termo indicando situações insalubres. “Saber cousa fazer para evitar as más ações - disse Doryu Cappelli -, nos apoiamos nas religiões, em busca de respostas, ou caminhos espirituais precisos. Como se quiséssemos entrar para um clube, ter uma identidade precisa e nos identificarmos em determinados caminhos. Também no budismo temos Pe.receptivos, que procuramos seguir, como em outras religiões. No entanto, não há nada tão certo e definido. PARA Às vezes, o mal vem de tentar derrotar outro mal. não existe eudeusa absoluta do 'mal' e do 'bem'. Veja o conto zen da rocha azul, caso 41. Ele diz 'Onde o direito é o mistura errada, nem mesmo eu ensaios pode Sei; […] nem mesmo os Budas podem saber.[…] Ele caminha no gelo sutil E corre sobre a lâmina de uma espada'. Também no dNos discursos de Buda, encontramos aforismos simples, como 'Pare de fazer o mal, pratique o bem, cultive o bem, purifique o coração'. Às vezes, para fazer isso, temos que ir contra certas indicações, parair além das dicotomias. O puro entra na terra sem caminhos em uma dimensão além. Mas o que isso significa?urness? Minimizando o mal? continuou Doryu Cappelli, questionando-se sobre como evitar a absolutização do mal, como compreender sua impermanência e como analisar as interconexões. E concluiu com um convite a despertar no intercâmbio de culturas e geografias. A conferência foi aberta com saudações de David Milani (presidente da Fondazione Ente dello Spettacolo que organiza o Tertio Millennio Film Fest) e do Juliano Savina (diretor do Departamento de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana e coordenador da Mesa de Diálogo Inter-religioso que promoveu a conferência e escolheu o tema da festa). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.