todas as tramas dos filmes em competição

todas as tramas dos filmes em competição

A entrada do Cinema Trevi em Roma, em vicolo del Puttarello

Roma (NEV), 7 de dezembro de 2018 – A XXII edição do Tertio Millennio Film Fest (TMFF), o festival de cinema do diálogo inter-religioso, abre na terça-feira, 11 de dezembro, em Roma. Muitos filmes e eventos colaterais estão programados até 15 de dezembro, dia da entrega do prêmio por um júri inter-religioso, que reúne representantes do cristianismo (protestante, católico e ortodoxo), judaísmo e islamismo. São 9 filmes em competição, dos quais apresentamos os enredos abaixo. A cerimônia de premiação do filme vencedor será realizada no sábado, dia 15, às 17h30, no Cinema Trevi.

Os dias e horários das exibições também estão indicados abaixo, que sempre será realizado no Cinema Trevi no vicolo del Puttarello 25. A entrada é gratuita com reservas sujeitas a disponibilidade. Informações e reservas: 06 96519200 – [email protected]

Para o catálogo completo de todos os filmes em cartaz, clique aqui.


Um pássaro azul no coração, de Jérémie Guez. Drama, Bélgica, França; 2018 – 85′ (quinta-feira, 13, às 15h)

Danny é um homem em liberdade condicional tentando reconstruir uma vida honesta e mora em um motel administrado por uma mãe solteira. A filha Clara, uma menina que cresceu sem o pai preso, frequenta um traficante. Nasce entre Clara e Danny um laço de amizade que levará o homem a vingar uma violência sofrida pela jovem, marcando ambos para sempre.


Dayan, de Behrouz Noorani Pour. Drama, Irã; 2018 – 81′ (quarta-feira, 12, às 17h30)

A atmosfera apocalíptica de estupros, inocentes executados, violência, abuso e tráfico de órgãos, em uma paisagem distópica, lunar, feroz e surreal. Em vez disso, é um hiper-realismo cru e desesperado, que denuncia o que pode acontecer aos refugiados curdos na fronteira entre a Turquia, a Síria e o Curdistão iraquiano, imediatamente após o início da guerra.


Duvidoso, de Eliran Elya. Teatro, Israel; 2017 – 88′ (quinta-feira, 13, às 17h)

Um diretor um tanto indeciso ensina a fazer vídeos para um grupo de crianças em prisão domiciliar. Será difícil enfrentar as provocações, desestabilizar a desconfiança e encontrar uma oportunidade de redenção. A autonarrativa e a partilha com os outros trarão amizade e ilusões, mas trarão à tona toda a fragilidade e drama da vida à margem. Baseado em uma história real.


Fatwa, de Mahmoud Ben Mahmoud. Drama, Tunísia, Bélgica; 2018 – 102′ (quinta-feira, 13, às 21h)

Brahim retorna da Europa para a Tunísia para o funeral de seu filho Marouane, que morreu em um misterioso acidente. Na tentativa de reconstruir os últimos dias de vida do menino e as memórias de um relacionamento há muito perdido, o homem é dilacerado pelos conflitos culturais, familiares e religiosos que pensava ter deixado para trás. A interação com duas mulheres aparentemente opostas traz à tona verdades desconfortáveis.


O céu sem gente, de Lucien Bourjeily. Drama, Líbano; 2017 – 90′ (sexta-feira 14h00 às 15h00)

Um almoço no Líbano durante a Páscoa. Os membros da família de Josephine finalmente se reuniram depois de muito tempo; cada um com sua própria história, suas ideias políticas e religiosas, seus segredos. Uma descoberta surpreendente desperta velhos e novos desentendimentos que trazem à tona o pior de cada um. Mal-entendidos e conflitos parecem insolúveis.


Em As Garras de um Século Querendo, de Jewel Maranan. Documentário, Filipinas; 2017 – 120′ (quarta-feira, 12, às 15h)

Documentário filmado nas Filipinas, no distrito de Tondo. favelas do porto de Manila. Um programa do governo intervém com demolições e realocações para abrir espaço para atividades comerciais. Famílias, crianças, homens e mulheres vivem, sobrevivem, trabalham, cozinham, adoecem, curam, discutem entre lixo, chapas e mercadorias, na fronteira contraditória entre a lentidão e o caos.


Kairós, de Paul Barakat. Drama, Austrália; 2018 – 87′ (quinta-feira, 13, às 19h)

Danny é um Down boy, ex-campeão de ginástica artística, que limpa a academia de boxe de John, um treinador em busca de uma redenção humana e esportiva. Um segredo irá prendê-los, enquanto Danny iniciará sua jornada pessoal de consciência, afundando no fogo do “Kairos”, dimensão do “momento supremo”, o aqui e agora onde tomar decisões extremas.


Lysis, de Rick Ostermann. Teatro, Alemanha; 2018 – 91′ (terça-feira, 11, às 15h)

A viagem catártica de pai e filho que, após a morte da mãe, tentam recuperar uma relação e memória indescritíveis. Entre riachos de montanha e bosques remotos, as divergências de objetivos, linguagens e intenções são cada vez mais prementes. Dois atores, numa improvisação narrativa, interpretam a hostilidade e a dor numa viagem real, registada por três câmaras, duas das quais subjetivas.


Fortaleza Mãe, de Maria Luisa Forenza. Documentário, Itália, Síria; 2018 – 78′

Documentário, rodado entre 2014 e 2017 à beira da guerra na Síria, conta tanto a “fortaleza mãe”, o Mosteiro de São Tiago mutilado em Qarah na Síria, quanto a “fortaleza mãe”, madre Agnes, que com os monges e freiras carmelitas de diferentes origens levam ajuda moral e material à população civil ainda sitiada pela guerra e pelos escombros.


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Procura-se jovens para conferência de paz em Paris

Procura-se jovens para conferência de paz em Paris

Roma (NEV), 7 de junho de 2019 – Você tem até 21 de junho para enviar sua candidatura para participar da Conferência de Paz 2019, que será realizada em Paris, França, de 10 a 12 de setembro. A Conferência das Igrejas Europeias (KEK) convida os jovens das suas igrejas-membro a enviarem as suas perguntas e documentos através do formulário disponível para download nesta página. O CEC facilitará a formação ecumênica e a experiência internacional de cinco pessoas selecionadas entre 18 e 30 anos. Entre os requisitos, preferencialmente conhecimento de inglês e francês, forte motivação e entusiasmo. Os organizadores selecionados terão um papel especial na condução da conferência, auxiliando o coordenador e a equipe em diferentes áreas de trabalho, como gestão do programa e da plenária, comunicação e mídia, orientação e informação sobre as sessões. A CEC cobrirá os custos de alimentação e acomodação, enquanto os custos de viagem, passaporte, visto e outras despesas pessoais serão pagos pelo candidato e/ou pela igreja proponente, corpo ecumênico ou conselho nacional a que pertença. O comparecimento é obrigatório de segunda-feira, 9 de setembro de 2019, na hora do almoço, até quinta-feira, 12 de setembro de 2019, à tarde. Os voluntários trabalharão em contato direto com o pessoal do KEK coordenado por Charlotte (Charlie) Belot e são encorajados a ouvir e participar nas diferentes sessões plenárias, seminários e fóruns. A Conferência de Paz realiza-se no contexto do 60º aniversário da CEC e explorará a Conferência de Paz de Paris de 1919 no seu centenário, identificando os seus legados no passado europeu e global, para chegar à procura de novas e criativas formas de construir paz no século 21. A conferência terá lugar noInstituto Protestante de Teologia em Paris. As inscrições devem ser enviadas para [email protected] até 21 de junho de 2019. Os resultados das seleções serão anunciados até segunda-feira, 28 de junho. Para mais informações, clique aqui. ...

Ler artigo
Contra os “gritos loucos e selvagens” do anti-semitismo

Contra os “gritos loucos e selvagens” do anti-semitismo

A partir da esquerda, Daniele Garrone, Noemi Di Segni, Paolo Ricca, Luca Maria Negro Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2020 - Em 17 de fevereiro de 1898, por ocasião do quinquagésimo aniversário da patente da Carta com a qual Carlo Alberto concedeu direitos civis aos seus súditos valdenses - e um mês depois também aos judeus -, o pároco Ernesto Giampiccolilembrou os "corações generosos" daqueles que apoiaram os valdenses em sua batalha pela liberdade: Massimo e Roberto D'Azeglio assim como muitos bispos e padres católicos liberais do Piemonte. Uma solidariedade que levou o pároco a dizer: “Estejamos também nós prontos para apoiar aqueles que são injustamente oprimidos e vilipendiados”. Com estas últimas palavras, o pensamento de Giampiccoli dirigiu-se às comunidades judaicas. Um mês antes, em 13 de janeiro de 1898, o julgamento havia reaberto na França Dreyfus graças ao famoso “J'accuse" De Émile Zola. Se os "gritos loucos e selvagens" do anti-semitismo também tivessem surgido na Itália, os valdenses teriam ficado ao lado dos judeus. Este episódio foi contado pelo Prof. Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia, entre os palestrantes e organizadores de "Contra o anti-semitismo e a deriva do ódio". O encontro, promovido no âmbito da Semana da Liberdade 2020 promovida pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), foi realizado no domingo, 23 de fevereiro, em Roma, no grande salão da faculdade valdense lotado com cerca de 150 pessoas. “Evangélicos não têm santos. No entanto, em algumas aldeias e cidades nos vales valdenses do Piemonte, o festival de 17 de fevereiro é equiparado ao patronal. Portanto, se os protestantes italianos têm padroeira, esta é a Santa Liberdade”, começou o pároco Luca Maria Negropresidente da FCEI. Negro quis sublinhar uma coincidência de datas. Em 1848, os judeus receberam direitos civis em 29 de março. Alguns séculos antes, em 1558, mas sempre em 29 de março, o pastor valdense foi queimado na Piazza Castello em Turim Godfrey Varaglia. Hoje Varaglia é lembrado por uma placa de latão, colocada no lugar de seu martírio. À sua maneira, é como uma das pedras de tropeço que nas ruas de numerosas cidades italianas recordam os nomes e as histórias de muitos judeus deportados para campos de concentração. O teólogo valdense Paulo rico em vez disso, ele definiu o anti-semitismo como "uma doença endêmica, típica e crônica do cristianismo". Se é verdade que o anti-semitismo foi teorizado por Wilhelm Marr somente em 1879, porém estes encontraram no bimilênio o terreno para crescer e as categorias com as quais se expressar. “Para se recuperar desta doença, é necessário um remédio radical: a conversão. Não a conversão dos judeus, mas a conversão dos cristãos”. Ricca também acrescentou que a rejeição dos judeus é também a rejeição do Deus de Israel, "o Deus de Abraão, Isaac e Jacob, aquele Deus que te conhece tão bem que te chama pelo nome", um Deus que ama e pede para amar, mas só encontra a indisponibilidade de quem quer ser amado sem amar em troca. No centro, Noemi di Segni Ele respondeu aos três expoentes evangélicos Noemi Di Segni, presidente da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI). “O anti-semitismo – disse Di Segni – é uma espinha dorsal ao longo da qual se estratificaram séculos e séculos de história”. A tarefa de hoje é entender por que "depois do fim da Segunda Guerra Mundial, depois de Auschwitz, ela ressurge de forma tão virulenta".Di Segni indicou três linhas de ação que poderiam ser seguidas. A primeira é a da aliança das experiências de valor das religiões, da valorização e partilha do diálogo e do sentido de comunidade. A segunda é a linha de coerência que exige, por exemplo, desafiar o negacionismo em todas as suas formas, denunciar palavras de ódio não como exercício de liberdade de expressão, mas como agressão e escárnio: "São palavras que geram esquecimento". Da mesma forma, acrescentou Di Segni, a linha de coerência impõe não aceitar a ideia de que os próprios judeus são a causa de seu próprio mal, nem permitir que a linguagem de shoah é usado contra os judeus e contra o Estado de Israel, definindo-o como nazista. A terceira linha é a ação. Também amplamente identificado pelos outros falantes, o cultural e educacional. No âmbito cristão, isso pode significar que as numerosas declarações contra o anti-semitismo assinadas por representantes de igrejas e instituições religiosas se tornem patrimônio comum de simples crentes. ...

Ler artigo
Suíço.  Culto em Grossmünster e 500 anos desde a primeira disputa de Zwingli

Suíço. Culto em Grossmünster e 500 anos desde a primeira disputa de Zwingli

Foto acima: Grossmünster (de www.grossmuenster.ch) Foto abaixo: Disputa de Zurique (de www.zb.uzh.ch/de/zuerich/reformation) Roma (NEV), 20 de janeiro de 2023 – O culto habitual das várias denominações protestantes de Zurique é realizado no domingo, 22 de janeiro, em Grossmünster. As comunidades reformadas valdenses de língua italiana, de língua francesa, de língua húngara e de língua tcheca e a comunidade luterana participam do culto. Haverá partes litúrgicas em diferentes idiomas e um sermão multivocal. Para a igreja valdense, celebra o pastor Herbert Anders. A pastora preside com ele Krisztina Michnao pastor Jiří Přečeko pastor Christophe Kochero pastor Thomas Risel e o pastor Martin Rusch. Segue-se um aperitivo na capela de Helferei. No mesmo dia também é possível participar da inauguração da exposição “Disputation – Reformation im Kreuzfeuer” “Disputa. A Reforma no Fogo Cruzado”, na galeria Grossmünster. A exposição visa celebrar os 500 anos da primeira disputa de Zurique. De fato, 2023 celebrará “500 anos das disputas de Zurique”. A primeira, por escrito, ocorreu em 29 de janeiro de 1523. Os organizadores escrevem que a forma de assembléia inaugurada com a primeira disputa de Zurique, então completamente nova e que mais tarde se desenvolveu em um "modelo de sucesso além da fronteira suíça, representou para Zurique o passo decisivo para a renovação social e eclesiástica. Nas disputas, aconteceram debates públicos perante o Concílio, abrindo caminho para a Reforma”. E também levando ao que é considerado a invenção zwingliana do sínodo e a vitória da Reforma. Isso é bem explicado por um blog de reformados suíços “locais”, que tentam “entrar na filosofia de uma disputa. Um método de trabalho interessante que permitirá a muitas cidades introduzir a Reforma. O Concílio convoca as partes para a disputa, anunciando que a disputa será em alemão e que o tema será a relação entre a Escritura e a tradição humana. O bispo de Constança envia sua delegação, mas não como parte envolvida na disputa, mesmo que seja. São cerca de 600 participantes e eles se reúnem na câmara do conselho. Há pelo menos dois relatos da disputa e, obviamente, do lado oposto. Alguns momentos da disputa são importantes. A primeira diz respeito à reivindicação de Zuínglio sobre a validade de uma assembléia local convocada pela autoridade civil e com poderes para deliberar sobre questões relativas à fé. Desta afirmação surge o modelo da invenção zwingliana do sínodo. A segunda é, obviamente, sobre o valor das tradições. Ao final da disputa, é uma vitória clara para o Zwingli. A Reforma pode continuar”. Para saber mais, leia também: o ensaio de Sérgio Ronchi: Huldrych Zwingli, o reformador de Zurique. No documento, Ronchi explica como a disputa terá que estabelecer a linha de demarcação entre heresia e fidelidade evangélica na pregação de seus pastores. Poucos dias depois da disputa, Zuínglio redigiu suas 67 Teses, que deveriam ter sido a base do debate, mas que mais tarde se tornaram o fundamento da "Sola Scriptura", um dos princípios cardeais do protestantismo. E, em particular, “a independência da palavra de Deus em relação à Igreja, como lemos na tese 1: 'Todos aqueles que afirmam que o evangelho não tem valor sem a aprovação da igreja, erram e desprezam a Deus'. Jesus Cristo como único meio de salvação (teses 3 e 4); a Igreja autêntica constituída pelo seu corpo, ou seja, por todos os fiéis sem distinções clericais (tese 7-9); o papa não tem razão de existir, porque apenas 'Cristo é o único e eterno sumo sacerdote' (tese 17); a missa é rejeitada porque 'Cristo se ofereceu uma única vez como sacrifício que dura na eternidade e tem valor expiatório pelos pecados de todos os crentes; daí deduzimos que a missa não é um sacrifício' (tese 18); Cristo é o único mediador entre o céu e a terra e, por isso, a intercessão dos santos é rejeitada (tese 19-21). […] Terminada a disputa, o Concílio reuniu-se em sessão extraordinária, durante a qual oficializou (e definitivamente) estabeleceu que 'o mestre Ulrich Zwinglio pode proceder na linha seguida até agora, isto é, pregar o santo evangelho e a verdadeira Sagrada Escritura, quando e como ele quiser, desde que alguém não o convença de uma doutrina melhor. E todos os outros sacerdotes, párocos e pregadores seculares, nas suas respectivas cidades, vilas e senhorios, nada proponham e preguem senão o que se pode demonstrar com o santo evangelho e com a verdadeira Sagrada Escritura. E não devem surgir mais brigas, heresias ou palavras desonrosas, porque aqueles que se mostrarem desobedientes e não observarem estas prescrições serão repreendidos de tal forma que poderão entender que cometeram um erro.' O princípio da sola scriptura foi agora definitivamente ratificado'”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.