hospitalidade eucarística

hospitalidade eucarística

Foto Debby Hudson – Unsplash

Roma (NEV), 6 de fevereiro de 2019 – Há um espaço de debate sobre o tema da hospitalidade eucarística onde os interessados ​​em praticar a aceitação mútua da “Santa Ceia protestante” e da “Eucaristia católica” nas igrejas podem aprofundar experiências e práticas ecumênicas.

Trata-se do folheto intitulado “Hospitalidade Eucarística” editado por alguns membros do grupo ecumênico “Partir o Pão”, que inclui crentes individuais protestantes e católicos. O grupo, nascido no campo ecumênico em 2011 em Turim, envolve também igrejas, mosteiros e paróquias e em 2017 produziu um interessante questionário sobre o tema.

“O termo ‘hóspede’ indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Assim, a ‘hospitalidade eucarística’ é uma forma de dizer que somos todos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”.

Na última edição do livrinho, uma carta solicita um debate sobre a consciência com que um crente aborda os elementos da Santa Ceia. Entre as respostas, a de Margarida Ricciuti, que recorda as ocasiões de intercâmbio e encontro, em que se pratica a hospitalidade e a partilha da Ceia do Senhor, momentos em que «Leigos e religiosos, apesar das proibições da Igreja Católica, decidiram romper as fileiras e seguir em frente, movidos pela sua própria necessidade espiritual, mas também exortando à retomada de um processo unitário que está estagnado há algum tempo – escreve Ricciuti -; aliás, o Concílio Vaticano II sancionou, também para os católicos, o primado da própria consciência… A distinção, a meu ver, reside na propensão a aceitar as coisas como são, ou a querer contribuir para a sua melhoria, e isso depende apenas em parte pelos regulamentos das nossas igrejas e pelos cargos que eventualmente venhamos a ocupar, mas sobretudo depende das escolhas pessoais de cada um de nós”.

Para comunicações e informações sobre a “Hospitalidade Eucarística” e o Jantar da “Partida do Pão”:

grupo Turim

Margherita Ricciuti, Igreja Valdense. E-mail: [email protected]

Grupo Avellino/Salerno

Pietro Urciuoli, Igreja Católica. E-mail: [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os desafios das igrejas em meio à covid, emergências sociais e comunicação

Os desafios das igrejas em meio à covid, emergências sociais e comunicação

Roma (SSSMV04), 23 de agosto de 2021 – O trabalho do Sínodo das igrejas metodistas e valdenses ganhou vida. O corpo decisório máximo de valdenses e metodistas está ocorrendo de forma mista (presencial e online), após um ano de paralisação por conta da pandemia. Ao todo, foram convocados 180 deputados e deputadas, 50 dos quais reunidos na Torre Pellice, no coração dos vales valdenses na província de Torino. Na mesa de debate, os temas que mais debatem são a vida da Igreja e o seu futuro, a pandemia como oportunidade de renascimento e reprogramação, os direitos humanos, a proteção das minorias, o compromisso social de luta contra a pobreza. Além disso, foram discutidas as relações com o Estado, corredores humanitários e migrações, a situação no Afeganistão. E ainda: de Next Generation (esta noite às 20:45 da noite pública) e do protagonismo europeu, sem descurar os temas da pastoral, das vocações, da teologia e do ecumenismo. As igrejas metodista e valdense mantêm vivo o seu papel no espaço público: desde o financiamento de projetos sociais, culturais e assistenciais, na Itália e no exterior, até os serviços diaconais e o cuidado das almas. O Sínodo expressa assim a vida das Igrejas, em resumo: oração, ação, partilha. Terça-feira, 24 de agosto e quarta-feira, 25 de agosto, às 18h30, resumo imprensa web ao vivo do Sínodo. Conectar www.rbe.it Explore o Sínodo 2021 (NEVCS/21) ...

Ler artigo
Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas.  Fé é concretude

Vozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas. Fé é concretude

foto Laura Caffagnini Roma (NEV), 28 de julho de 2022 – São as vozes dos jovens católicos, protestantes e judeus que ressoam nos trabalhos da 58ª Sessão de Formação da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Em andamento em Assis, tem como título “Em tempos sombrios, ousar esperar. As Palavras de Fé na Sucessão das Gerações – Uma Busca Ecumênica”. Terça-feira de manhã sediou a mesa redonda sobre "Fé: um tesouro para os jovens?". Participou: David Morsellide Roma, estudante de doutorado em matemática, membro fundador e primeiro vice-presidente da amizade judaico-cristã para jovens. Emanuele DeBettinibolsista de ciências históricas em Turim, atuante na Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI). Emmanuel Gittoformado em ciências internacionais e diplomáticas, vice-presidente da juventude da Ação Católica, em diálogo com Donatella Saroglia da comissão executiva da SAE. Nadia Bouzekrivice-presidente da União das Comunidades Islâmicas na Itália (UCOII), ausente por motivo de força maior, compartilhou os preparativos do evento. Retomamos a seguir o resumo da fala de Emanuele De Bettini conforme noticiado pela SAE. Na parte inferior, o link para o comunicado de imprensa completo. De Bettini (na foto, segundo à esquerda) vive a fé como um fato concreto e como uma descoberta inesgotável. Ele expressou a necessidade de concretude dos jovens, mesmo dentro de suas próprias comunidades, que muitas vezes não estão em seu ritmo. Segundo o membro do FGEI, a rarefação da presença juvenil nas igrejas está ligada à própria modalidade frontal da transmissão da fé. “A fé me veio de uma série de experiências concretas de vida: o encontro com os irmãos e as irmãs e a oração”. Um valor da nossa associação, prosseguiu, é um percurso formativo entre pares, entre quem organiza os programas e quem participa; o limite é que o FGEI seja percebido como parte separada de nossas igrejas e não como parte integrante. Os jovens discutem entre os jovens. A virada deve vir de uma mudança de paradigma, de um encontro com outras gerações. Os jovens compartilham as crises do presente com os adultos, seus problemas não são radicalmente diferentes. Você pode falar como iguais. Momentos vitais também são relacionamentos fora do próprio círculo. “As relações com os outros são também relações com Deus.Participar de um coro judaico em Turim foi para mim uma oportunidade de entrar em contato com um mundo de novos significados religiosos ligados à fé. Cantar nesse sentido para mim significava redescobrir um tesouro”. Durante a mesa redonda, escreve a SAE, “emergiram consonâncias e traços comuns em torno da realidade da fé. A importância da oração e do cuidado da vida espiritual, a formação e o impulso que a vida associativa oferece ao desenvolvimento do caminho pessoal, a necessidade de discussão e partilha entre gerações, o acolhimento do outro e do outro como espaço que nos faz conhecer novas perspectivas, a vitalidade do diálogo inter-religioso". Por fim, falou-se de reciprocidade, de compreensão das próprias tradições e de diálogo, mesmo com o ateísmo. Para saber mais, acesse o site da SAE. Para ler o comunicado de imprensa completo sobre a mesa redonda sobre juventude e fé, clique AQUI. A 58ª Sessão de Formação do Secretariado de Atividades Ecumênicas conta com a presença em Assis, nestes dias, de vários representantes do mundo protestante. ...

Ler artigo
Liberdade religiosa, onde está a Itália?

Liberdade religiosa, onde está a Itália?

Nathan Dumlao, unsplash Roma (NEV), 16 de novembro de 2022 - "Dar plena regulamentação às realidades e sujeitos religiosos presentes na Itália, para que possam viver em pé de igualdade com os outros", superando discriminações e obstáculos. Esta será uma das questões centrais do debate desta tarde, a partir das 16h00, em Roma, na Fundação Basso, no Dia da Consciência e da Liberdade e em particular no encontro intitulado “Liberdade religiosa e consciência na Itália. Agenda para a nova legislatura”. ele fala sobre isso Ilaria Valenziassessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), antecipando o conteúdo de seu discurso na mesa redonda de hoje. Ao longo de seu relatório, a advogada Valenzi ilustrará antes de tudo "em que situação de fato nos encontramos: um novo pluralismo religioso, novas presenças, mas também presenças históricas que ainda não encontram uma posição jurídica plena, ou melhor, encontram uma, mas esta colocação muitas vezes e voluntariamente não responde à necessidade de proteger todos os direitos dessas realidades. É o caso, por exemplo, de algumas realidades evangélicas de segunda e terceira geração, portanto não do protestantismo histórico, como algumas das igrejas pentecostais que também têm sede na CCERS, a Comissão das igrejas evangélicas para as relações com o Estado (da qual Valenzi é chefe do escritório jurídico e, nessa função, participará da iniciativa de hoje, ed). E não encontram um lugar, porque muitas vezes o sistema os coloca, mas esse lugar não satisfaz suas necessidades, e corre o risco de criar uma espécie de discriminação com outras figuras de outras realidades religiosas que, ao contrário, tinham a capacidade de responder primeiro aos pedidos que o Estado sempre fez para com eles, ou seja, eles se conformaram mais facilmente. Isso não acontece sobretudo para realidades religiosas de presença mais recente na Itália, fora do cristianismo: o Islã, por exemplo, tem um estatuto que ainda não foi reconhecido pelo ordenamento jurídico italiano, seguimos uma política também meritória de acordos, convenções, com tabelas, até a nível ministerial, mas isto não esgota o problema central que é dar plena regulamentação aos sujeitos religiosos que possam viver plenamente a sua condição como os outros”. Segundo Valenzi, “esses “maus funcionamentos do sistema” correm o risco de se agravar neste momento histórico. Vimos isso no período da pandemia, durante as chamadas religiões minoritárias, porque não havia instrumento para regulá-las. Como, por exemplo, a questão dos enterros rituais para os fiéis da religião islâmica ou a assistência espiritual em prisões e hospitais. Temas e problemas que ressurgiram, se possível de forma mais forte durante a crise pandémica e que têm uma componente jurídica mas também expressam uma vontade política: a de não regulamentar ou de deixar uma série de realidades numa espécie de limbo perene porque isso significa não os legitimam". Segundo Valenzi, um dos riscos mais concretos que enfrentamos é, portanto, “que os direitos de liberdade religiosa sejam o espelho do que acontece em termos políticos com as minorias, de todas as minorias, no caso dessas minorias religiosas. Uma defesa da identidade cultural deste país, com argumentos populistas que conhecemos bem, que é usada de forma muito forte contra o que se percebe como arriscado para a manutenção desta identidade religiosa: os símbolos, as raízes culturais…” Um desses símbolos é o crucifixo mas não é o único: “falamos sempre do crucifixo e está certo mas culturalmente não percebemos a importância de alguns símbolos religiosos, pois são religiosos também para outras religiões. Por exemplo, não consideramos o véu, o kirpan para os crentes da religião sikh, como necessário. E muitas vezes leva a um choque cultural". Por fim, a questão da laicidade, principalmente na escola. A aula de religião, mas também em geral “o reconhecimento da escola como lugar onde se vive a partilha e a integração entre pessoas e não entre culturas. Na escola, a possibilidade da diversidade é vivida num plano de igualdade e isso corre o risco de ser usada como uma gazua para alunos que vêm de diferentes culturas, contextos e origens migratórias. Corre o risco de se tornar mais um campo de batalha que, se fomentado do ponto de vista político, pode ser explosivo”. Aqui o programa completo do evento. Os Dias de Consciência e Liberdade acontecerão na quarta-feira, 16 de novembro de 2022, às 16h, no salão da Fundação Lelio e Lisli Basso, na Via della Dogana Vecchia n. 5 em Roma. Entrada gratuita sem reserva. Eles também serão transmitidos na página do Facebook Consciência e Liberdade e no site www.hopemedia.it. Para saber mais: A FCEI inaugura a Secretaria Escolar do Pluralismo Laico ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.