Igrejas conciliares ecumênicas.  Ioan Sauca mantém-se no cargo até 2021

Igrejas conciliares ecumênicas. Ioan Sauca mantém-se no cargo até 2021

Da esquerda para a direita, Ioan Sauca, Odair Pedroso Mateus, Doug Chial. foto CEC

Roma (NEV), 4 de junho de 2020 – O secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), padre Ioan Sauca, permanecerá no cargo até o próximo Comitê Central, marcado para junho de 2021, após os adiamentos devido à emergência do coronavírus. O moderador do WCC Agnes Abuom apelou às igrejas-membro para apoiar esta renovação de liderança.

Isabel Apawo Phiri continuará seu trabalho na função de secretária geral adjunta no setor de Diaconia, bem como Elaine Dykes (finanças) e Marianne Ejdersten (comunicação). Também reconfirmado Odair Pedroso Mateus como secretário-geral adjunto ad interim para o programa do CMI “Unidade e missão”. como diretor ad interim e até 2021 do Escritório da Secretaria-Geral foi nomeado em seu lugar Doug Chial.

Leia a análise aprofundada e as biografias em Riforma.it

artigo anterior“Supremacia branca não é mais aceitável”
Próximo artigoRacismo: vírus para derrotar

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias em Roma

Os Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias em Roma

O grupo dos Conselhos Nacionais das igrejas europeias no terraço panorâmico da igreja metodista da Ponte Santì'Angelo Roma (NEV), 16 de maio de 2019 - A reunião anual dos Conselhos Nacionais Europeus de Igrejas (ENNC) foi realizada em Roma de 6 a 9 de maio. Convocado pela Conferência das Igrejas Européias, e sediado pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), o evento trouxe à capital 18 representantes do ENCC de 15 nações europeias, da Noruega à Suíça, de Portugal à Hungria. O grupo ENCC na praça de São Pedro “O programa deste ano propôs momentos de discussão no plenário e encontros com realidades significativas para o ecumenismo e o testemunho cristão presentes em Roma”, explicou o pároco Luca Barattosecretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Entre os palestrantes e os oradores, Débora Spini, professor de teoria política na Universidade de Syracuse, em Florença, apresentou o tema do populismo político; Enquanto Luca Maria Negropresidente da FCEI, e dom Juliano Savinadiretor do Escritório Nacional da CEI para o ecumenismo e o diálogo inter-religioso (UNEDI), refletiu sobre a nova temporada ecumênica que a Itália está vivendo nos últimos anos. Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope – FCEI Refugee and Migrant Programme, e Shari Brownsecretário executivo da Comissão das Igrejas para os migrantes na Europa (CCME), apresentou os projetos de acolhimento e fez um balanço das políticas migratórias na Itália e na Europa. A partir da esquerda, Angelita Tomaselli, Mads Christoffersen (Conselho das Igrejas Dinamarquesas), Gaberiela Lio, Francesca Danese e Luca Baratto Uma sessão inteira foi dedicada ao engajamento das mulheres nas igrejas evangélicas e na sociedade italiana: Gabriela Liopresidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), apresentou as iniciativas contra a violência contra as mulheres, desde o "lugar ocupado" até os "16 dias de combate à violência"; Angelita Tomasellipresidente do Conselho Ecumênico da Juventude na Europa (CEGE), apresentou um projeto europeu sobre a presença e inclusão de mulheres nas igrejas; Frances Danishex-conselheiro de políticas sociais do município de Roma e chefe de relações públicas do Exército de Salvação, apresentou as muitas emergências sociais que caracterizam o tecido urbano das grandes cidades italianas, em particular de Roma. Arcebispo Marco Gnavi em frente à entrada de Sant'Egidio Os representantes do ENCC também foram recebidos no Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos como um pai Hyacinthe Destivellee ao Ofício Ecumênico Metodista, pelo pároco Tim Macquibban que conheceu o grupo no terraço panorâmico da Igreja Metodista de língua inglesa da Ponte Sant'Angelo. A noite passada na Comunidade de Sant'Egidio foi muito significativa, começando pelo encontro com Mons. Marco Gnavi que reconstituiu a história da Comunidade e seu compromisso com a paz e, pelo menos, com a oração em Santa Maria in Trastevere, até o jantar fraterno junto com os voluntários da Comunidade. “Outro momento marcante da programação – lembrou Baratto – foi a visita ao 'Altra Roma', um passeio guiado por Daniele Garroneprofessor da Faculdade Valdense de Teologia, que nos conduziu desde a igreja valdense na Piazza Cavour, até a estátua de Giordano Bruno no Campo dei Fiori, até o gueto judeu". ...

Ler artigo
Gottfried Locher renuncia à Comunhão das igrejas protestantes na Europa

Gottfried Locher renuncia à Comunhão das igrejas protestantes na Europa

Roma (NEV), 29 de junho de 2020 – O pastor Gottfier Locher ele não é mais o presidente executivo da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE). Conforme noticiado em nota de imprensa do órgão protestante europeu, Locher apresentou sua renúncia durante uma sessão do Conselho do CCPE, realizada por videoconferência no dia 26 de junho. O pastor John Bradbury (United Reformed Church, Londres) recebeu a gestão executiva interinamente. As renúncias do CCPE seguem as renunciadas por Locher em 2020 da presidência da Federação de Igrejas Evangélicas na Suíça. “Sinto que agora também devo renunciar ao meu cargo no CCPE”, escreveu Locher na exposição de motivos dirigida ao Conselho do CCPE, acrescentando que “o Conselho deve ser composto pelo maior número possível de titulares de cargos”. Locher foi eleito para o Presidium de três membros do CCPE na Assembleia Geral de 2012 em Florença e foi eleito Presidente Executivo após a morte do bispo Friedrich Weber em 2015. Locher lembrou a Assembleia Geral do CCPE realizada em Basel em 2018 como o destaque de seu mandato. A eleição do novo Presidente Executivo ocorrerá durante a próxima reunião do Conselho prevista para janeiro de 2021 em Estrasburgo. “O Presidium, o Conselho e os escritórios centrais do CCPE trabalham em estreita relação de confiança – declarou Bradbury -. A recente admissão da Igreja Evangélica Luterana da Islândia e as intensas discussões das igrejas-membro sobre os efeitos da crise do vírus corona demonstram o vigor de nossa Comunhão”. O pastor valdense também participou da reunião em 26 de junho Pawel Gajewskimembro do Conselho do CCPE. ...

Ler artigo
Jerry Pillay é o novo secretário do Conselho Mundial de Igrejas

Jerry Pillay é o novo secretário do Conselho Mundial de Igrejas

Roma (NEV/Reforma), 3 de janeiro de 2023 - No dia 1º de janeiro, o pároco Jerry Pillay assumiu o cargo de secretário-geral do CMI, Conselho Mundial de Igrejas, órgão mundial que reúne mais de 350 igrejas protestantes, evangélicas, anglicanas e ortodoxas em todos os continentes. acontece com o pai Ioan Saucaque havia assumido um longo interino desde abril de 2020 após a renúncia do bispo luterano Olav Fykse Tveit, chamado para liderar a Igreja da Noruega. Pillay, eleito em 17 de junho de 2022 pelo comitê central do CMI, torna-se assim o nono secretário-geral na história do corpo ecumênico desde que a irmandade de igrejas foi fundada em 1948. Pillay, um sul-africano, foi anteriormente reitor da Faculdade de Teologia e Religião da Universidade de Pretória e é membro da Uniting Presbyterian Church in Southern Africa. O pastor Pillay serviu como presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR/WCRC) de 2010 a 2017. Ele é o segundo africano a ocupar o cargo de secretário do CMI, depois do pastor metodista Samuel Kobia (Quênia), que foi de 2004 a 2009. Seu primeiro compromisso formal com o CEC foi na 9ª Assembleia do órgão em 2006, onde atuou como delegado de sua denominação. Pillay, como secretário geral, traz seu desejo de que as igrejas se unam: “Se formos fiéis ao espírito, então devemos trabalhar juntos - disse -. Isso porque o amor de Deus nos impulsiona a reconciliar o mundo”. Com a unidade da igreja como uma de suas principais prioridades, ela também acredita que as igrejas devem oferecer orientação e direção a um mundo em sofrimento. “Vamos lidar com questões de justiça, com opressão, com violência sistêmica e assim por diante. Não nos reunimos apenas para orar e louvar ao Senhor – aspectos que são muito importantes para nós – mas também nos reunimos para transformar o mundo”, concluiu. Leia sobre a reforma ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.