Encontrar as palavras para guiar e consolar

Encontrar as palavras para guiar e consolar

Daniele Garrone em Lampedusa, em frente à Porta d’Europa (escultura de Domenico Paladino em memória dos migrantes que morreram no mar)

Roma (NEV), 26 de outubro de 2022 – Na véspera dos “estados gerais” do protestantismo italiano (29 de outubro a 1º de novembro), a Agência NEV entrevistou o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Daniele Garrone. Este é o II General Assise, este ano intitulado “Sentinela, em que ponto é a noite…?” (Isaías 21,11) O que vemos, o que devemos dizer? Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz”.

A II Assembleia Geral da Federação das Igrejas Evangélicas está prestes a começar. O que essa nomeação representa?

O Assizes oferece, a cada três anos, a possibilidade de ampla discussão entre as delegações das igrejas-membro. Trata-se de avaliar o trabalho dos últimos três anos, mas também – e diria sobretudo – de reflectir em perspectiva, sobre os problemas que terão de ser enfrentados, sobre as linhas a adoptar e as escolhas a fazer feito.

Como interagem as Assizes, a Assembleia e o Conselho da Federação?

As recomendações que emergem dos Assizes são de grande importância para as escolhas concretas que cabem ao órgão de decisão, a Assembleia, que se reúne pelo menos duas vezes por ano e que depois caberá ao Conselho concretizar. O Assizes é, portanto, um momento essencial para estreitar o vínculo entre a Federação e as igrejas que dela fazem parte.

Assembleia FCEI 2018. Sala dos Grupos Parlamentares, 16 de novembro, Mesa Redonda “Por uma Europa de solidariedade e direitos”

Desde a sessão anterior, com a pandemia pelo meio, passaram-se 4 anos. Este, para a FCEI, é, portanto, o primeiro momento oficial de encontro presencial com os dirigentes e delegações luteranas, batistas, metodistas, valdenses, do Exército de Salvação há muito tempo. Os Assizes serão o momento de trabalhar juntos, mas também de conviver uns dias juntos, em convívio. O que você acha?

O facto de trabalharmos juntos durante vários dias será tanto mais benéfico depois da experiência da pandemia, mas é fundamental: conversas informais, encontros pessoais que se consolidam ou se estabelecem, partilha de momentos de adoração e canto são momentos formais igualmente construtivos de discussão em assembléia.

Quais serão os principais temas do Assise?

Entre as várias tarefas que o regulamento atribui aos Assizes, e que vão ser realizadas, desta vez pareceu contudo importante dar particular atenção ao que se define como o exame das “questões e problemas espirituais, sociais e éticos atuais”. Escolhemos, portanto, “Liberdade e Democracia; trabalho e ambiente; globalização e paz”. Cada um desses termos está presente no debate público e com declinações muitas vezes diferentes e às vezes conflitantes. Tanto em sua pregação como em seu compromisso diaconal, nossas igrejas também lidam com as questões a que esses termos se referem e provavelmente convivem entre nós diferentes entendimentos.

As ideias de como será a Federação nos próximos três anos certamente tomarão forma de forma compartilhada apenas ao final dos Assizes. Quais são os desafios que você vê surgindo para as igrejas, à luz das palavras-chave que guiarão o seu trabalho (Liberdade e democracia. Trabalho e meio ambiente. Globalização e paz)?

Gostaríamos que o Assizes fosse uma ocasião “sinodal” de aprofundamento, se quisermos “analisar” o contexto em que somos chamados a testemunhar e agir e de como nos colocamos diante dos problemas dramáticos que estão enfrentando. Compreendemos esse aspecto na frase: “O que vemos?” Com a outra frase, “O que temos a dizer?” esperamos poder descobrir, na comparação realizada à luz da palavra de Deus, não apenas coisas razoáveis ​​ou úteis ou imediatamente compartilháveis, mas as palavras necessárias para guiar, consolar e fortalecer nossas igrejas, em seu testemunho como em seu serviço.


Agendado

Sábado 29 às 14h30, culto de abertura do Assis. Na igreja metodista na via XX Settembre. Pregar Daniele Garronepresidente da FCEI.

Sábado 29 às 16h, iniciativa pública. Na igreja metodista da via XX Settembre em Roma, acontece a mesa redonda: “Sentinella, em que ponto é a noite…?”

Apresentar e moderar Pedro Ciaccio, membro do Conselho da FCEI. Caixas de som: Débora Spini (Estudos liberais na New York University Florence). Tonino Perna (professor emérito de sociologia econômica da Universidade de Messina). Alessandra Morelli, ex-delegado para a Europa do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). conclui Ilaria Valenzijurista, Comissão de Estudos, Diálogo e Integração (COSDI) da FCEI.

Na noite de sábado, os cerca de 150 participantes, delegados das igrejas que aderiram à FCEI, se deslocarão para Sassone (Ciampino), onde os trabalhos continuarão até terça-feira, 1º de novembro.


Para saber mais

Leia o especial do NEV sobre Assise 2022.

FICHA TÉCNICA sobre o Assise.


Um pouco de história

A reunião trienal representa uma novidade relativamente recente no percurso da FCEI. Criado pela Assembleia em 2015, apresenta-se como uma espécie de “estados gerais” do protestantismo histórico. A fundação da FCEI, no entanto, remonta à década de 1960. Enquanto o primeiro congresso evangélico data de 1920. O I Assise foi realizado em 2018.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Detalhe da capa de uma das publicações da Comissão de Igrejas para Migrantes na Europa (CCME) - fonte Roma (NEV), 19 de maio de 2022 – Estas são as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Igrejas são convidadas a homenagear refugiados que morreram nas fronteiras da Europa Tendo em vista o Dia Mundial do Refugiado, que se celebra a 20 de junho, a Conferência das Igrejas Europeias (KEK), juntamente com a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME), convida-nos a comemorar os milhares de migrantes e refugiados que perderam vida no Mediterrâneo, bem como noutras fronteiras, dentro e à volta da Europa. Para saber mais, leia o artigo em italiano em Riforma.it Paris, maio de 2022. Treinamento para comunidades mais seguras e fortes na Europa (SASCE) Igrejas francesas estudam como garantir comunidades seguras Mais uma etapa, na França, do projeto de segurança e proteção de comunidades religiosas e locais de culto. O programa de treinamento conduzido pela Conferência das Igrejas Européias passou por Paris desta vez. O evento contou com a presença de líderes e funcionários da igreja francesa. Estamos a falar do projeto Comunidades Mais Seguras e Fortes na Europa (Comunidades mais seguras e fortes na Europa – SESA). A etapa francesa representa um momento particularmente significativo, já que o país sofreu vários ataques terroristas nos últimos anos. Algumas igrejas também foram diretamente afetadas. Durante o encontro, o Secretário Executivo de Direitos Humanos do CEC, Elizabeth Kitanovic, apresentou diversos materiais, incluindo guias práticos, vídeos e recomendações do SASCE para a construção de uma equipe de gerenciamento de risco para emergências. Leia mais clicando aqui. Projeto SASE O SASCE é um projeto dedicado à proteção de locais de culto e comunidades na Europa, fruto de uma parceria inter-religiosa entre o KEK e outras realidades. Entre eles: Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu, Assuntos de Fé e União Budista Europeia. A iniciativa é apoiada pela Comissão Europeia com uma subvenção de 3 milhões de euros. Assembleia ECEN 2022: os desafios que vivemos A próxima Assembleia da European Christian Environmental Network (ECEN - European Christian Environmental Network) decorrerá numa plataforma virtual de 13 a 15 de junho de 2022. Título desta edição: "Os desafios que estamos a viver". Entre os temas: futuro sustentável, segurança energética, European Green Deal e vulnerabilidade climática do ponto de vista das igrejas. “Os impactos da pandemia não travaram as alterações climáticas nem a degradação ambiental – lê-se no relatório -. A Covid-19 trouxe à tona muitas preocupações relacionadas à dependência humana da criação”. Em suma, é preciso avaliar os novos dados científicos e oferecer espaços de participação, também para as comunidades de fé. "A troca de experiências é, nesta situação, mais importante do que nunca" escrevem os organizadores, que também trabalharão os temas da cooperação para a ecologia e o cuidado da criação, tendo em vista a Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CEC ) previsto para setembro em Karlsruhe, Alemanha. Para saber mais, clique aqui. Para se inscrever clique AQUI. ...

Ler artigo
todas as tramas dos filmes em competição

todas as tramas dos filmes em competição

A entrada do Cinema Trevi em Roma, em vicolo del Puttarello Roma (NEV), 7 de dezembro de 2018 – A XXII edição do Tertio Millennio Film Fest (TMFF), o festival de cinema do diálogo inter-religioso, abre na terça-feira, 11 de dezembro, em Roma. Muitos filmes e eventos colaterais estão programados até 15 de dezembro, dia da entrega do prêmio por um júri inter-religioso, que reúne representantes do cristianismo (protestante, católico e ortodoxo), judaísmo e islamismo. São 9 filmes em competição, dos quais apresentamos os enredos abaixo. A cerimônia de premiação do filme vencedor será realizada no sábado, dia 15, às 17h30, no Cinema Trevi. Os dias e horários das exibições também estão indicados abaixo, que sempre será realizado no Cinema Trevi no vicolo del Puttarello 25. A entrada é gratuita com reservas sujeitas a disponibilidade. Informações e reservas: 06 96519200 – [email protected] Para o catálogo completo de todos os filmes em cartaz, clique aqui. Um pássaro azul no coração, de Jérémie Guez. Drama, Bélgica, França; 2018 – 85' (quinta-feira, 13, às 15h) Danny é um homem em liberdade condicional tentando reconstruir uma vida honesta e mora em um motel administrado por uma mãe solteira. A filha Clara, uma menina que cresceu sem o pai preso, frequenta um traficante. Nasce entre Clara e Danny um laço de amizade que levará o homem a vingar uma violência sofrida pela jovem, marcando ambos para sempre. Dayan, de Behrouz Noorani Pour. Drama, Irã; 2018 – 81' (quarta-feira, 12, às 17h30) A atmosfera apocalíptica de estupros, inocentes executados, violência, abuso e tráfico de órgãos, em uma paisagem distópica, lunar, feroz e surreal. Em vez disso, é um hiper-realismo cru e desesperado, que denuncia o que pode acontecer aos refugiados curdos na fronteira entre a Turquia, a Síria e o Curdistão iraquiano, imediatamente após o início da guerra. Duvidoso, de Eliran Elya. Teatro, Israel; 2017 – 88' (quinta-feira, 13, às 17h) Um diretor um tanto indeciso ensina a fazer vídeos para um grupo de crianças em prisão domiciliar. Será difícil enfrentar as provocações, desestabilizar a desconfiança e encontrar uma oportunidade de redenção. A autonarrativa e a partilha com os outros trarão amizade e ilusões, mas trarão à tona toda a fragilidade e drama da vida à margem. Baseado em uma história real. Fatwa, de Mahmoud Ben Mahmoud. Drama, Tunísia, Bélgica; 2018 – 102' (quinta-feira, 13, às 21h) Brahim retorna da Europa para a Tunísia para o funeral de seu filho Marouane, que morreu em um misterioso acidente. Na tentativa de reconstruir os últimos dias de vida do menino e as memórias de um relacionamento há muito perdido, o homem é dilacerado pelos conflitos culturais, familiares e religiosos que pensava ter deixado para trás. A interação com duas mulheres aparentemente opostas traz à tona verdades desconfortáveis. O céu sem gente, de Lucien Bourjeily. Drama, Líbano; 2017 – 90' (sexta-feira 14h00 às 15h00) Um almoço no Líbano durante a Páscoa. Os membros da família de Josephine finalmente se reuniram depois de muito tempo; cada um com sua própria história, suas ideias políticas e religiosas, seus segredos. Uma descoberta surpreendente desperta velhos e novos desentendimentos que trazem à tona o pior de cada um. Mal-entendidos e conflitos parecem insolúveis. Em As Garras de um Século Querendo, de Jewel Maranan. Documentário, Filipinas; 2017 – 120' (quarta-feira, 12, às 15h) Documentário filmado nas Filipinas, no distrito de Tondo. favelas do porto de Manila. Um programa do governo intervém com demolições e realocações para abrir espaço para atividades comerciais. Famílias, crianças, homens e mulheres vivem, sobrevivem, trabalham, cozinham, adoecem, curam, discutem entre lixo, chapas e mercadorias, na fronteira contraditória entre a lentidão e o caos. Kairós, de Paul Barakat. Drama, Austrália; 2018 – 87' (quinta-feira, 13, às 19h) Danny é um Down boy, ex-campeão de ginástica artística, que limpa a academia de boxe de John, um treinador em busca de uma redenção humana e esportiva. Um segredo irá prendê-los, enquanto Danny iniciará sua jornada pessoal de consciência, afundando no fogo do "Kairos", dimensão do "momento supremo", o aqui e agora onde tomar decisões extremas. Lysis, de Rick Ostermann. Teatro, Alemanha; 2018 – 91' (terça-feira, 11, às 15h) A viagem catártica de pai e filho que, após a morte da mãe, tentam recuperar uma relação e memória indescritíveis. Entre riachos de montanha e bosques remotos, as divergências de objetivos, linguagens e intenções são cada vez mais prementes. Dois atores, numa improvisação narrativa, interpretam a hostilidade e a dor numa viagem real, registada por três câmaras, duas das quais subjetivas. Fortaleza Mãe, de Maria Luisa Forenza. Documentário, Itália, Síria; 2018 – 78' Documentário, rodado entre 2014 e 2017 à beira da guerra na Síria, conta tanto a "fortaleza mãe", o Mosteiro de São Tiago mutilado em Qarah na Síria, quanto a "fortaleza mãe", madre Agnes, que com os monges e freiras carmelitas de diferentes origens levam ajuda moral e material à população civil ainda sitiada pela guerra e pelos escombros. ...

Ler artigo
Ucrânia: impotência ecumênica – Nev

Ucrânia: impotência ecumênica – Nev

Moscou, Rússia, Rogozhsky Old-Believers Settlement. Foto de Yura Timoshenko (unsplash.com) Roma (NEV), 13 de março de 2022 – Contribuição de Luca Maria Negro para o culto de rádio - coluna "O caminho para a unidade", exibida no programa "Culto evangélico", na Rádio RAI 1, domingo, 13 de março de 2022 - A guerra na Ucrânia representa uma tragédia não só para o povo ucraniano, para o povo russo e para os povos de toda a região, aliás de toda a Europa: representa também um retrocesso dramático para o movimento ecuménico. De fato, na Ucrânia e na Rússia, as igrejas não fazem parte da possível solução do conflito, mas do problema. Em primeiro lugar, a Ortodoxia na Ucrânia parece radicalmente dividida internamente, entre a parte (até agora a maioria) encabeçada pelo Patriarcado de Moscou e a Igreja Ortodoxa autocéfala, ou seja, independente, cuja autonomia foi reconhecida em 2018 pelo Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, não sem forte pressão de políticos nacionalistas ucranianos e, diz-se, do próprio presidente dos Estados Unidos, Trump, que teria visto nesse movimento um enfraquecimento da esfera de influência russa na Ucrânia. Mas mesmo a mesma parte da Igreja que é fiel a Moscou parece cada vez mais dividida internamente, devido à posição ambígua expressa pelo Patriarca de Moscou, Kirill, que no início do conflito expressou preocupação com a situação, mas sem exagerar e, acima de tudo, sem lançar um apelo claro para a cessação das hostilidades, ao contrário do Metropolita de Kiev Onuphry que, apesar de ser ele próprio do Patriarcado Moscovita, expressou uma clara condenação da agressão russa. A princípio, Kirill parecia apoiar seu metropolita de Kiev, mas com o passar dos dias ficou cada vez mais claro o quão próximo o patriarca russo está intimamente ligado a Putin: o sermão de 6 de março, definido por muitos como "alucinante", com o qual Kirill justificou a guerra como um choque de civilizações entre a Rússia autenticamente cristã e o Ocidente pró-gay que gostaria de exportar o Orgulho Gay para todo o lado. O resultado da postura pró-Putin de Kirill, ao que parece, é que vários bispos ucranianos do Patriarcado de Moscou decidiram não mencionar Kirill novamente nas liturgias divinas: o que equivale a um cisma de fato. E as outras confissões? Os vários organismos ecumênicos e também organizações protestantes internacionais, como luteranas, metodistas e reformadas, condenaram a agressão russa em termos inequívocos e instaram o Patriarca Kirill a se posicionar contra a guerra – até agora em vão, como vimos. Os batistas ucranianos, que são a principal denominação protestante do país, pediram para rezar pela paz e estão fazendo esforços concretos para mostrar solidariedade às pessoas afetadas pelo conflito. O Papa tem repetidamente condenado a guerra, e o Secretário de Estado, Cardeal Parolin, tem dado ao Vaticano a disponibilidade para a mediação: mas de alguma forma a Igreja Católica também é parte, por causa da velha questão dos "Uniatas" ou Católicos Gregos , ou seja, aqueles ortodoxos ucranianos que se juntaram a Roma ao longo dos séculos e alguns dos quais, mesmo recentemente, expressaram posições ultranacionalistas. Neste quadro de real impotência ecumênica há pelo menos uma pequena luz, que vem das bases da Igreja: é a carta aberta de 233 sacerdotes e diáconos da Igreja Ortodoxa Russa, que pediram a cessação imediata desta " guerra fratricida" e convidaram ao diálogo, porque "só a capacidade de escutar o outro pode dar esperança a uma saída do abismo em que nossos países foram lançados em poucos dias". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.