Oito por mil batistas.  Espero primeiro

Oito por mil batistas. Espero primeiro

Uma das imagens da campanha Otto per mille battista 2022 – Photo Hero Communication, redator Roberto Raffone – diretor de arte Carlo Barbanera

Roma (NEV), 14 de junho de 2022 – “Onde falta a esperança, não pode faltar o Batista 8×1000”. Este é o slogan da campanha Otto per mille Baptist 2022.

Estamos falando do compromisso da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI) para fins sanitários, humanitários, sociais e muito mais.

Todos os anos, a UCEBI continua a aplicar 100% dos fundos recebidos “com extremo rigor, destinando-os – até ao último cêntimo – exclusivamente a intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, em Itália e no estrangeiro”, lê-se no site da batistas.

Entre os projetos ativos, financiados com os recursos do Otto per mille (que, lembramos, não custa nada aos contribuintes), podem ajudar idosos, mulheres vítimas de violência, meninos e meninas. “Você pode alocar o 8×1000 em sua declaração de imposto sem nenhum custo. Apenas uma assinatura. Ajude a Igreja Batista a realizar projetos de utilidade social para os mais necessitados” lê-se ainda nas páginas sociais dos Batistas.

Entre as atividades realizadas pela UCEBI com fundos Otto per mille, destacam-se um projeto dos Médicos Sem Fronteiras contra a violência contra as mulheres, a casa de repouso GB Taylor em Roma (recentemente concedida pelo ACNUR), o apoio às atividades da Associação Italiana de Down People (AIPD) – Onlus de Pisa, que atende crianças Down. Além disso, o projeto Medical Hope da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) para assistência médica a refugiados sírios no Líbano e na Itália.

foto UCEBI

O 8×1000 para a Igreja Batista multiplica a esperança de milhares de pessoas

Mais uma vez este ano, a campanha UCEBI Otto per mille é concebida e criada pela Hero Comunicazione. A agência escreve: “A esperança também é sugerida nas expressões dos sujeitos (que representam apenas algumas das muitas áreas de ajuda): idosos solitários, mulheres vítimas de violência, meninas e meninos necessitados de cuidados e atenção e pessoas sozinhas e longe de casa.


Quem são os batistas? “Para explicar de forma simples podemos dizer: os cristãos da igreja de Martin Luther King”. É o que consta no site da UCEBI, que é membro da FCEI. Fundada em 1956, recolhe o legado da União Batista Apostólica Cristã (UCAB), fundada em 1884 pelas missões inglesas e americanas que chegaram à Itália na década de 1860, por sua vez herdeiras dos anabatistas e da chamada Reforma Radical da Inglaterra de 1600.

Eu luto por um sonho. Isso inclui hoje não só a superação do racismo, mas também da pobreza em todos os cantos do planeta” Martin Luther King

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O Mediterrâneo em Karlsruhe nas palavras de Simone De Giuseppe

O Mediterrâneo em Karlsruhe nas palavras de Simone De Giuseppe

2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Dr. Anders Wejryd, Arcebispo Emérito da Igreja da Suécia e presidente do CMI para a Europa conduz uma conversa durante uma plenária temática focada na Europa, na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”. Karlsruhe (NEV), 2 de setembro de 2022 – Mesmo um pequeno pedaço da Itália e do Mediterrâneo hoje diante das centenas de delegados e participantes da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), em andamento em Karlsruhe, Alemanha. Simone De Giuseppe, 30 anos, em sua primeira experiência como delegado à Assembléia do CMI, falou esta manhã na sessão plenária. O pároco batista estagiário nas igrejas de Gravina e Altamura contou a experiência e o compromisso da FCEI com o acolhimento e os direitos dos migrantes. “As igrejas na Europa hoje têm uma dupla missão – disse -: uma dentro delas e outra para fora. Esse “fora de nós” é estar com pessoas que estão à margem. Do meu ponto de vista, como italiano, o Mediterrâneo é uma dessas margens, um desses lugares marginalizados. Vivemos um processo migratório epocal e não podemos ficar indiferentes e esquecer os muitos naufrágios ocorridos nos últimos anos. Como Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, lidamos com a questão da migração no Mar Mediterrâneo por vários anos com diferentes programas, como os corredores humanitários e o projeto migrante e refugiado, Mediterranean Hope. Neste sentido, foi particularmente importante a experiência da "Peregrinação de justiça e paz" do Conselho Ecumênico das Igrejas, que visitou Lampedusa e a Sicília em maio passado. Foto de Marcelo Schneider Ao mesmo tempo, as igrejas na Europa têm uma missão interna. precisamos aprender a viver e transformar nossas comunidades de maneira intercultural, pois muitos membros de nossas igrejas são migrantes. Em tempos de secularização, muitas vezes nossas igrejas crescem graças aos migrantes. É preciso, portanto, testemunhar a nossa fé cristã através da riqueza das nossas diversas culturas e tradições”, concluiu o pároco batista. o pastor estagiário Simone De Giuseppe Como foi falar para o público do WCC? “Foi uma grande emoção, uma honra e um privilégio – declarou Simone De Giuseppe ao NEV assim que o painel terminou -, poder falar diante de tantas pessoas, de diferentes tradições cristãs. Quanto ao tema em si, apreciei e estou feliz por ter podido falar da Europa e, portanto, do continente a que pertenço, não só focando o tema numa frente – a questão ucraniana – mas também procurando compreender a Europa em um sentido mais amplo e amplo, inserido num mundo mais complexo, que está em movimento, que abre muitas frentes como a do Mediterrâneo, de que falei. Acho que foi importante poder falar da Europa inserindo-a numa visão mais ampla, que inclui relações fortes com todos os povos do mundo. Uma experiência enriquecedora e também um amadurecimento pessoal poder partilhar uma mensagem como esta num espaço internacional”. 2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Simone de Giuseppe, delegada da União Evangélica Batista da Itália, fala durante uma plenária temática com foco na Europa, na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”. ...

Ler artigo
Protestantismo, os novos tempos em Rai Tre

Protestantismo, os novos tempos em Rai Tre

Roma (NEV), 14 de setembro de 2022 - A partir de domingo, 18 de setembro, com a nova programação da Rai, o episódio dominical do Protestantismo, a transmissão de TV da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, será transmitido às 7 em vez das 8. Além disso, o as réplicas não serão mais duas, mas três. Abaixo estão as datas e horários dos compromissos para o próximo episódio. O programa, apresentado por Cláudio Paravatiserá transmitido pela Rai Tre. Domingo, 18 de setembro às 7 Réplicas:Terça-feira à noite, 20 de setembro, às 13h10Quarta-feira à noite, 21 de setembro, às 13h10Segunda-feira à noite, 26 de setembro, às 13h45sempre na Rai 3 Neste episódio: O caminho para o céuEm Hohrodberg, na França, uma comunidade de freiras protestantes,ele vive uma vida de silêncio e oração.As diaconisas de Estrasburgo falam sobre sua vida cotidianae as viagens interiores que os levaram a optar pela vida comunitária ...

Ler artigo
“Estar enraizado no novo”.  Um documento ecumênico pós-Covid

“Estar enraizado no novo”. Um documento ecumênico pós-Covid

Roma (NEV), 21 de julho de 2020 - Até o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Maria Negro, aderiu a "Criar raízes no novo", o documento ecumênico para a era pós-Covid elaborado e proposto por um grupo de "cidadãos e cidadãs pertencentes a diferentes confissões cristãs" em Milão. O objetivo do documento é ajudar as comunidades a se questionarem e se comprometerem, tanto políticas quanto teologicamente, no rescaldo da pandemia, partindo da convicção de que a experiência que vivemos "com seu forte impacto traumático, mesmo na morte, tornou deixar cair a máscara ao tempo do passado recente, para nos mostrar os aspectos claramente patológicos do nosso estilo de vida pessoal e colectivo". “A pandemia pôs a nu o facto de vivermos juntos numa casa comum”, lê-se no texto, o que leva os redatores a sublinhar a interdependência que vivemos no nosso planeta e a pensar em termos de cooperação e solidariedade enraizada na justiça, na cuidado e sustentabilidade, em poucas palavras no que aprendemos a chamar de "ecologia integral". Entre a vontade de regressar à “normalidade” e a de enveredar por um caminho de regeneração, que caracterizou a era Covid, o documento exorta-nos a aproveitar “os kairòs, o momento certo, para agir e fazer bom uso dos nossos dons”. serviço do bem comum, fazendo a nossa parte, evitando sufocar prematuramente o desejo de renascer devido ao chamado insidioso de voltar à doentia 'normalidade' de antes". São cinco temas, Velha e Nova Pobreza-Refugiados, Migrantes e Cidadania-Saúde-Crise Ambiental, Cuidado e Salvaguarda da Criação-Europa, declinados segundo a ordem análises/compromisso/pedidos, que são analisados ​​e levados ao conhecimento do leitor . O documento também contém uma oração e uma seção bibliográfica que reúne artigos e documentos elaborados por diferentes entidades ou pesquisadores e especialistas nestes temas. Leia todo o documento AQUI. Para inscrições, escreva para [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.