Suíço.  Primeira mulher presidente da Igreja Evangélica Reformada

Suíço. Primeira mulher presidente da Igreja Evangélica Reformada

Rita Famos, recém-eleita presidente do ESRB

a pastora Rita Famosa ela é a primeira mulher a liderar uma grande comunidade de fé na Suíça. O sínodo da Igreja Evangélica Reformada na Suíça (ESRB) elegeu esta manhã seu presidente durante sua sessão ordinária de outono. Famos, candidato apresentado pela Igreja Reformada de Zurique, obteve 47 votos (a maioria absoluta foi de 40 votos) no primeiro turno. O novo presidente permanecerá no cargo até 2022 e poderá se reeleger por mais quatro anos. Para o teólogo evangélico romano Isabelle Graesslé, outro candidato, recebeu 25 preferências. O Sínodo do ESRB ocorreu digitalmente em cumprimento às medidas anti-Covid.

Rita Famos, 54, concorreu à presidência há dois anos. Ativa na igreja reformada por quase trinta anos, ela também presidiu a cerimônia ecumênica que reafirmou o reconhecimento mútuo do batismo por todas as igrejas cristãs na Suíça (Riva San Vitale, abril de 2014). Na época, Rita Famos era presidente da Comunidade Operária de Igrejas Cristãs na Suíça. De 2013 até o presente, ele chefiou o departamento que coordena o setor de cuidado pastoral da igreja cantonal reformada de Zurique.

Para mais informações, leia o artigo de Paulo Tognina em voceevangelica.ch

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“Livre você se torna”.  Refletindo sobre a liberdade, em tempos de covid

“Livre você se torna”. Refletindo sobre a liberdade, em tempos de covid

@jan_huber, unsplash Roma (NEV), 18 de fevereiro de 2021 - Ontem, 17 de fevereiro, mais de 250 pessoas acompanharam os trabalhos do webinar "Cidadania, liberdade e cuidado em tempos de Covid", promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas por ocasião da Liberdade Semana. O debate, que este ano decorreu online devido às restrições devido à covid, foi moderado pelo advogado Ilaria Valenzi.Em sua saudação inicial, o pároco Luca Maria Negropresidente da FCEI, recordou o compromisso de “Tornar o 17 de fevereiro um dia nacional da liberdade de consciência, pensamento, religião”, bem como o lançamento do novo projeto humanitário na Bósnia. A primeira intervenção foi do professor Alberto Mantovani, diretora científica do instituto clínico Humanitas, que definiu como "inaceitável" o fosso entre países pobres e ricos, no que diz respeito à vacinação, em particular, e ao acesso a medicamentos. Um tema que diz respeito à "segurança" de todos, em termos de saúde pública e global. Elena Bein Rich, professor de filosofia, membro da Comissão de Estudos da FCEI, quis reflectir sobre o multifacetado conceito de “liberdade”, entendida “como propriedade do cidadão individual, que coloca em segundo plano o cumprimento dos deveres relativamente à comunidade. Hoje vemos uma visão excessivamente enfatizada da liberdade liberal, “liberdade libertina”, como ele a chama. Massimo Recalcati“. Cartoon de Mauro Biani para Riforma A relação entre democracia, liberdades individuais e responsabilidade para com a comunidade permeia, portanto, estes meses, estes tempos de pandemia. “Tempos que vão ter repercussões na nossa ideia de liberdade, como cidadãos mas também no cuidado das almas”, segundo Daniele Garrone, teólogo e membro do Conselho da FCEI. “Aqueles que são inteligentes estão calados, porque os tempos são ruins”, disse Garrone, citando o profeta Amos. Abril Máximo, pastor batista que atualmente serve na igreja de Milão, testemunhou o trabalho do documento "Radicarsi del nuovo", produzido "de baixo", à luz das experiências que tivemos com nossas comunidades, durante o período de bloqueio" . Entre as muitas palavras que emergiram, três estiveram no centro da reflexão bíblica da pastora Aprile: cidadania, cuidado (com a transformação do paciente em cliente), liberdade (como palavra 'indivisa'). O último orador da nomeação foi Francesco Piobbichi, operadora do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália. “A fronteira, e a passagem da fronteira por “não cidadãos”, hoje permite-nos perceber quem somos”, disse. Segue o vídeo completo do encontro, da página do Facebook do centro de estudos e revista Confronti, que colaborou com o evento: ...

Ler artigo
O Grande Catecismo de Lutero.  Ferrario no Festival de Literatura Histórica

O Grande Catecismo de Lutero. Ferrario no Festival de Literatura Histórica

Roma (NEV), 20 de abril de 2023 – Fulvio Ferrario – pastor e teólogo valdense, professor de teologia sistemática na Faculdade Valdense de Teologia em Roma – foi o convidado da primeira edição do Festival de Literatura Histórica de Legnano, intitulado "A história nas entrelinhas". Por ocasião da reimpressão do Grande Catecismo de Lutero para a editora Claudianao teólogo ilustrou a história de Lutero e as implicações da Reforma no mundo contemporâneo. Pedimos a Fulvio Ferrario que nos contasse como foi e que nos falasse sobre as perspectivas da fé e da catequese no mundo de hoje. Qual é o seu comentário sobre este primeiro Festival de literatura histórica? Isso foi uma linda experiência. Estou muito grato que num evento deste tipo, que obviamente visa um público significativo, a apresentação de dois textos exigentes como os Catecismos, que não são Best-seller. A acolhida foi excelente, a participação foi boa, estou muito feliz por poder apresentar este trabalho por ocasião do Festival de Legnano. O Catecismo de Lutero começa mesmo com palavras duras, que poderiam ser lidas como invectivas, exortações, mas também com ironia. O que você acha? Lutero se assustou com a situação de ignorância bíblica e desconhecimento do ABC da fé cristã: o Credo, o Pai Nosso, os dez mandamentos, o batismo e a Eucaristia... e assim por diante. Uma situação que ainda hoje, em diferentes circunstâncias, conhecemos bem. Lutero decide, portanto, esclarecer os princípios cristãos, de forma elementar, sem medo de demasiada simplicidade. A simplicidade nunca é demais, é a banalidade que é sempre excessiva; mas simplicidade e banalidade não são a mesma coisa. Esta obra de Lutero é uma tentativa de intervir numa situação pastoralmente crítica. O volume que você editou é para todos ou para iniciados? A isto gostaria de responder com a maior franqueza, pois não é minha intenção promover a venda do livro em detrimento do interesse do leitor. O Catecismo Menor é de todos e para todos. Certamente, embora escrito em outra língua que não a nossa, é útil para a reflexão pessoal e para a oração pessoal, como o é. O Catecismo Maior também é extremamente simples e compreensível, no sentido de que qualquer pessoa pode entendê-lo, mas dá maior ênfase à dimensão teológica-argumentativa. Do ponto de vista literário é interessante, é um contato com a prosa de Lutero, um mergulho no século XVI. Dentre os tantos textos possíveis, na minha opinião, é sem dúvida um dos mais fascinantes para quem quer tentar de uma vez entrar em um mundo bem diferente do nosso. Que "ABC" para a fé hoje? Eu usaria exatamente o esquema de Lutero, como fizeram centenas ao longo da história. Do ponto de vista da catequese, os Dez Mandamentos, o Credo, o Pai Nosso, os significados do batismo e da Eucaristia são efetivamente pilares. Lutero, melhor do que ninguém, explicou a todos que acreditar não significa saber. No entanto, há conhecimentos indispensáveis ​​para crer: um conhecimento elementar, não académico, não um conhecimento teológico, mas um conhecimento básico que constitui – por assim dizer – a gramática da fé. Isso também se aplica a falar sobre amor. É claro que a gramática das frases não é o amor, mas para expressar o amor tenho muitos meios e, se quiser usar os da linguagem, devo conhecer a gramática. Este é o papel dos Catecismos de Lutero. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.